Futebol | As histórias de alguns estádios russos que vão ser palco do Mundial de 2018

Dos 12 estádios do Mundial de futebol de 2018, o Arena Rostov é um dos que tem história mais invulgar, uma vez que os trabalhos foram suspensos quando encontraram diversos objetos, praticamente intactos, da II Guerra Mundial.

Foi em 2013, quando estavam a ser realizadas as fundações, sendo que este achado adiou, por cerca de um ano, a continuação das obras, o que teve impacto na data da inauguração, no recente 15 de abril, ainda por cima sem que tudo estivesse completamente pronto.

Após o evento, o recinto ficará para uso do FC Rostov, da principal liga russa, e que desde sempre jogou no seu Olimp-2, inaugurado precisamente no seu ano de criação, em 1930.

O estádio, inspirado nos montes de terra, os denominados ‘kurgans’, que podem ser vistos na região, promete ser uma das estrelas no Mundial, pois foi projetado para que os espetadores possam, apenas girando a cabeça, apreciar a beleza do cenário circundante.

Erigido a metros do rio Don, está instalado na margem sul da cidade e é âncora de uma nova centralidade, até porque, além de estádio de futebol, está pensado para ser o polo de um novo centro de entretenimento, como destino de compras, restaurantes e diversão.

Populous, o arquiteto, apostou na forma irregular do telhado e das bancadas como características distintivas e que combinam harmoniosamente com a paisagem pitoresca de Rostov-on-Don.

Concluído o Mundial, a capacidade do Arena Rostov, de 45.000 adeptos, será reduzida para quase metade (25.000).

A Arena de Rostov, que pressupôs um investimento, revisto e encurtado para os 300 milhões de euros, assinala ainda a estreia do Brasil, que inicia frente à Suíça o caminho que espera termine com o seu sexto título mundial.

Estádio de Kaliningrado, o único fora da fronteira ‘natural’ russa

O Estádio de Kaliningrado é o único fora das fronteiras naturais da Rússia, num enclave entre a Polónia e Lituânia, nas margens do mar Báltico, e foi dos projetos mais difíceis para o Mundial de futebol de 2018.

A Arena Báltica, como também é conhecida, foi afetada por dificuldades financeiras e falência em 2014 da empresa responsável pelo design, sofrendo o processo significativos atrasos que fizeram com que começasse a ser construído somente em setembro de 2015, sendo o último a arrancar.

A nova casa do modesto FC Baltika estava inicialmente prevista para 45.000 lugares, mas posteriormente foi redimensionada para 35.000. Após o Mundial, vão retirar mais 10.000, fixando-se nos 25.000 finais, ainda assim bem acima das necessidades habituais do clube, que removerá igualmente parte da cobertura.

As autoridades regionais projetaram as instalações desportivas no centro da cidade, no lugar do atual Estádio Baltika, com capacidade para 14.500 adeptos, mas depois anunciaram como destino final a ilha de Oktyabrsky, frequentemente sujeita a inundações, facto que levou a investimento financeiro adicional, para preparar o empreendimento para as adversidades naturais.

Neste caso, foram estabilizados solos frágeis e irregulares, sendo preenchida e compactada uma área de 44 hectares: durante as escavações encontraram infraestruturas anteriores à II Guerra Mundial (esta região pertencia à Alemanha), que não estavam marcadas no levantamento topográfico da zona, que permanecia ao abandono e assim começa a ser requalificada.

O recinto fica a apenas 45 quilómetros da fronteira com a Polónia, pelo que é o mais próximo que a competição vai estar da União Europeia e do espaço Schengen: aqui vão jogar, por exemplo Espanha e Marrocos, do Grupo B, que inclui Portugal, na terceira e última jornada.

O Estádio de Kaliningrado, orçamentado em 265 milhões de euros, vai ter um dos mais modernos sistemas de segurança do Mundo.

Arena Otkritie, a casa que o Spartak Moscovo sonhou desde 1922

A Arena Otkritie, um dos 12 palcos do Mundial de futebol de 2018, será a casa que o Spartak Moscovo nunca teve, já que a sua história iniciada em 1922 decorreu sempre em estádios ‘emprestados’.

Desde 1990 que o Spartak procurava, mais assertivamente, um espaço próprio e este sonho começou a ser concretizado em 2005, com a aquisição dos terrenos a noroeste de Moscovo: a crise internacional de 2008 reduziu consideravelmente os custos da construção, pelo que foi mais fácil conseguir fundos e em julho de 2010 começaram os trabalhos.

Ainda assim, dos projetados 290 milhões de euros, o orçamento derrapou para os 355 milhões, boa parte suportados pelo dono do clube, o multimilionário Leonid Fedun, bem como pelo banco Otkritie, que dá nome ao estádio durante seis anos.

Inicialmente pensado para 35.000 adeptos, foi revisto para 42.000 com a perspetiva do Mundial, acabando por ganhar assim a corrida à Arena VTB, do Dínamo de Moscovo, como segundo estádio na cidade, além do Luzhniki, o epicentro de todo o certame.

As arquibancadas são envolvidas por escamas, cada uma com a forma da crista e colorida a vermelho ou branco, de acordo com as cores do Spartak, sendo que apenas a bancada grande é diferente, completamente coberta de vidro, numa infraestrutura onde sobressai ainda um ecrã gigante numa das fachadas.

O exterior é uma tela de ‘diamantes’ vermelhos e brancos, que também celebra o lendário gladiador Spartacus, que deu o nome ao clube.

Na conceção inicial estava previsto um recinto adjacente com capacidade para de 12.000 espetadores, para ser usado no inverno, ideia que não saiu do papel.

A seleção de Portugal tem muito boas recordações da arena do Spartak, pois na Taça das Confederações, em 2017, venceu aqui a Rússia por 1-0 e posteriormente, no jogo de atribuição do terceiro lugar, bateu o México por 2-1, após prolongamento.

É aqui que a Argentina, de Lionel Messi, fará a sua estreia, a 16 de junho com a Islândia, enquanto o Brasil defronta a Sérvia 10 dias mais tarde.

28 Mai 2018

Lei em Hong Kong prevê prisão para quem insultar hino da China

As autoridades de Hong Kong revelaram uma proposta de lei que punirá quem insultar o hino da China com pena de prisão até três anos e obrigará à sua aprendizagem entre os estudantes do território.

A proposta obriga ainda quem estiver presente quando for tocada a “Marcha dos Voluntários” a “levantar-se e manter uma postura respeitosa”.

O hino chinês tornou-se sensível em Hong Kong, que mantém um estatuto semiautónomo face a Pequim, por os adeptos de futebol locais vaiarem quando este é tocado nos estádios do território. A Lei do Hino Nacional foi promulgada o ano passado por Pequim.

Em Novembro, a Assembleia Popular Nacional aprovou a sua inclusão nos anexos das Leis Básicas de Hong Kong e Macau, que regulam as leis nacionais a aplicar nas duas regiões administrativas especiais.

A proposta de lei surge numa altura de crescente preocupação em Hong Kong, de que Pequim está a reduzir liberdades fundamentais, apesar das promessas de que estas seriam mantidas após o retorno à China da ex-colónia britânica, em 1997.

Activistas e deputados pró-democracia temem que a lei possa ser usada para enfraquecer a liberdade de expressão em Hong Kong.

Segundo a proposta Lei do Hino Nacional em Hong Kong, quem “publicamente e deliberadamente alterar as letras ou as notas”, cante de “forma distorcida ou depreciativa” ou insulte “de qualquer maneira” o hino chinês, será punido com multa até 50.000 dólares de Hong Kong e punido com pena de prisão até três anos.

A proposta, que será discutida em 23 de Março no legislativo de Hong Kong, impõe também às escolas do ensino primário e secundário que ensinem o hino aos alunos.

Composto nos anos 1930, o hino chinês foi elevado ao seu estatuto atual após a instauração da República Popular em 1949.

19 Mar 2018

Macau vai continuar na Taça da Corrida Chinesa em 2017

No passado fim-de-semana, no Circuito Internacional de Xangai, enquanto se disputava a quinta ronda do Campeonato da China de Carros de Turismo e a jornada de abertura do TCR China, a BAIC Motor e a Shanghai Lisheng Racing Co. Ltd apresentaram o novo formato da “Taça da Corrida Chinesa”, assim como o novo carro que dará forma a este mini-campeonato de automobilismo de quatro provas, o BAIC Senova D50 TCR.

A competição que nasceu há três anos com o intuito de fomentar as relações das quatro associações automóveis da Grande China, vai mudar de formato este ano. Apesar de manter o apoio das associações, como é possível notar pelo logótipo da Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC) ostentado pelo carro presente na cerimónia de apresentação, a competição deixa de confrontar em pista as associações, passando este saudável combate a ficar a cargo de cidades e equipas. Sendo assim, em vez de termos AAMC contra o HKAA ou a CTMSA, vamos ter Macau, como cidade, a enfrentar Hong Kong, Taipei, Pequim, Shenzhen, Nanjing, Hangzhou, Guangzhou, Zhuhai, Tianjin, Xangai e Chongqing.

Ao contrário das edições passadas, em que havia uma mesma equipa que prestava serviços técnicos a todos os participantes, agora cada cidade é representada por duas viaturas preparadas por uma equipa local. A Champ Motorsport, do ex-piloto de F3 do território e da “Taça da Corrida Chinesa”, Michael Ho, será responsável pelos dois Shen Bao da cidade de Macau. A equipa ainda não decidiu quem serão os pilotos designados para esta aventura.

O atraso no desenvolvimento, construção e entrega das viaturas irá retardar o arranque campeonato. A prova de abertura está agendada para o novo circuito de Zhejiang, no fim-de-semana de 7 e 8 de Outubro, prosseguindo a competição monomarca na semana seguinte noutro novo autódromo chinês, desta vez na cidade de Ningbo, palco que se repete no calendário e acolhe também a terceira ronda. A última prova da temporada será, como é tradição, no mês de Novembro no Circuito da Guia.

Um quase TCR

Apesar de se designar BAIC Senova D50 TCR, o carro chinês, desenhado em parceria com uma empresa italiana, não é um TCR, no sentido lato da regulamentação deste conceito de sucesso das corridas de carros de Turismo. O D50 TCR ainda não passou pelo processo rigoroso de homologação, algo que será feito mais tarde, segundo os organizadores do campeonato.

De acordo com os dados apresentados em Xangai, o D50 TCR pesa 1280kg e vem equipado com um motor 2.0-litros turbo da BAIC Motor, capaz de debitar 320cv às 6000rpm, com um binário máximo de 450Nm/4000rpm. Com uma caixa sequencial de seis velocidades da francesa Sadev, o substituto do Senova D70 irá correr com pneus slicks da marca chinesa Landsail. Os tempos por volta que este carro será capaz de fazer são por agora uma incógnita, pois a viatura ainda não iniciou a crucial fase de testes.

No fim-de-semana do 64º Grande Prémio de Macau, a “Taça da Corrida Chinesa Suncity Grupo” irá juntar no Circuito da Guia os dezoito destes BAIC Senova D50 TCR, mais dezoito concorrentes dos campeonatos TCR China e TCR Asia Series.

Futebol | Dirigente da federação critica má gestão

O futebol chinês está a ser mal gerido e “sem nenhuma visão de futuro”, admitiu ontem um responsável da Associação de Futebol Chinesa (AFC), considerando que o organismo que integra é o principal culpado pela situação.

“O atraso no futebol chinês deve-se sobretudo à gestão da federação, que se está a deixar ficar para trás”, afirmou Li Yuyi, vice-presidente da CFA, em declarações ao canal televisivo CCTV, criticando a “falta de visão e de poder de antecipação”.

Nos últimos tempos, a liga chinesa tem sido notícia por fazer contratações milionárias de futebolistas estrangeiros, mas a selecção chinesa ocupa apenas o 77.º lugar na classificação da FIFA, e já falhou a qualificação para o Mundial2018.

A CFA tem sido alvo de críticas de adeptos, treinadores e jogadores, devido a recentes decisões sobre novas políticas de contratações.

Em Maio, numa tentativa de reduzir os gastos dos clubes, a federação impôs o pagamento de uma taxa de 100% sobre as transferências de jogadores estrangeiros a clubes que apresentem prejuízos, verba que seria gasta no desenvolvimento do futebol chinês.

Na prática, os novos regulamentos dobram os custos com a contratação de jogadores estrangeiros, visto que todos os dezasseis clubes que competem na liga chinesa de futebol apresentam resultados financeiros negativos.

No fim de semana, o treinador português André Villas-Boas, que orienta o Shangai SIPG, admitiu que as transferências ‘milionárias’ para clubes chineses “vão parar”, devido às recentes restrições impostas pela AFC.

10 Ago 2017