Macau vai continuar na Taça da Corrida Chinesa em 2017

No passado fim-de-semana, no Circuito Internacional de Xangai, enquanto se disputava a quinta ronda do Campeonato da China de Carros de Turismo e a jornada de abertura do TCR China, a BAIC Motor e a Shanghai Lisheng Racing Co. Ltd apresentaram o novo formato da “Taça da Corrida Chinesa”, assim como o novo carro que dará forma a este mini-campeonato de automobilismo de quatro provas, o BAIC Senova D50 TCR.

A competição que nasceu há três anos com o intuito de fomentar as relações das quatro associações automóveis da Grande China, vai mudar de formato este ano. Apesar de manter o apoio das associações, como é possível notar pelo logótipo da Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC) ostentado pelo carro presente na cerimónia de apresentação, a competição deixa de confrontar em pista as associações, passando este saudável combate a ficar a cargo de cidades e equipas. Sendo assim, em vez de termos AAMC contra o HKAA ou a CTMSA, vamos ter Macau, como cidade, a enfrentar Hong Kong, Taipei, Pequim, Shenzhen, Nanjing, Hangzhou, Guangzhou, Zhuhai, Tianjin, Xangai e Chongqing.

Ao contrário das edições passadas, em que havia uma mesma equipa que prestava serviços técnicos a todos os participantes, agora cada cidade é representada por duas viaturas preparadas por uma equipa local. A Champ Motorsport, do ex-piloto de F3 do território e da “Taça da Corrida Chinesa”, Michael Ho, será responsável pelos dois Shen Bao da cidade de Macau. A equipa ainda não decidiu quem serão os pilotos designados para esta aventura.

O atraso no desenvolvimento, construção e entrega das viaturas irá retardar o arranque campeonato. A prova de abertura está agendada para o novo circuito de Zhejiang, no fim-de-semana de 7 e 8 de Outubro, prosseguindo a competição monomarca na semana seguinte noutro novo autódromo chinês, desta vez na cidade de Ningbo, palco que se repete no calendário e acolhe também a terceira ronda. A última prova da temporada será, como é tradição, no mês de Novembro no Circuito da Guia.

Um quase TCR

Apesar de se designar BAIC Senova D50 TCR, o carro chinês, desenhado em parceria com uma empresa italiana, não é um TCR, no sentido lato da regulamentação deste conceito de sucesso das corridas de carros de Turismo. O D50 TCR ainda não passou pelo processo rigoroso de homologação, algo que será feito mais tarde, segundo os organizadores do campeonato.

De acordo com os dados apresentados em Xangai, o D50 TCR pesa 1280kg e vem equipado com um motor 2.0-litros turbo da BAIC Motor, capaz de debitar 320cv às 6000rpm, com um binário máximo de 450Nm/4000rpm. Com uma caixa sequencial de seis velocidades da francesa Sadev, o substituto do Senova D70 irá correr com pneus slicks da marca chinesa Landsail. Os tempos por volta que este carro será capaz de fazer são por agora uma incógnita, pois a viatura ainda não iniciou a crucial fase de testes.

No fim-de-semana do 64º Grande Prémio de Macau, a “Taça da Corrida Chinesa Suncity Grupo” irá juntar no Circuito da Guia os dezoito destes BAIC Senova D50 TCR, mais dezoito concorrentes dos campeonatos TCR China e TCR Asia Series.

Futebol | Dirigente da federação critica má gestão

O futebol chinês está a ser mal gerido e “sem nenhuma visão de futuro”, admitiu ontem um responsável da Associação de Futebol Chinesa (AFC), considerando que o organismo que integra é o principal culpado pela situação.

“O atraso no futebol chinês deve-se sobretudo à gestão da federação, que se está a deixar ficar para trás”, afirmou Li Yuyi, vice-presidente da CFA, em declarações ao canal televisivo CCTV, criticando a “falta de visão e de poder de antecipação”.

Nos últimos tempos, a liga chinesa tem sido notícia por fazer contratações milionárias de futebolistas estrangeiros, mas a selecção chinesa ocupa apenas o 77.º lugar na classificação da FIFA, e já falhou a qualificação para o Mundial2018.

A CFA tem sido alvo de críticas de adeptos, treinadores e jogadores, devido a recentes decisões sobre novas políticas de contratações.

Em Maio, numa tentativa de reduzir os gastos dos clubes, a federação impôs o pagamento de uma taxa de 100% sobre as transferências de jogadores estrangeiros a clubes que apresentem prejuízos, verba que seria gasta no desenvolvimento do futebol chinês.

Na prática, os novos regulamentos dobram os custos com a contratação de jogadores estrangeiros, visto que todos os dezasseis clubes que competem na liga chinesa de futebol apresentam resultados financeiros negativos.

No fim de semana, o treinador português André Villas-Boas, que orienta o Shangai SIPG, admitiu que as transferências ‘milionárias’ para clubes chineses “vão parar”, devido às recentes restrições impostas pela AFC.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários