Abutres

Abutres

Nightcrawler foi um daqueles filmes que me marcou, não só pela excelente atuação de Jake Gyllenhaal e da direção de Dan Gilroy, ou a fotografia de Paul Thomas Anderson mas, sobretudo, devido ao facto de retratar algo tão identificável e sobre o qual nos cansamos de desaprovar por ter-se tornado tão banal. No caso do filme, eram noctívagos, neste, podem ser ambos. Os abutres a que me refiro não são necessariamente aves de grande envergadura, que planam em correntes de ar quente. No entanto, nutrem-se com o mesmo alimento destas criaturas: cadáveres. Refiro-me aos abutres noticiosos. Quando me deparei com a trágica notícia da morte da jovem cantora Sara Carreira, havia registos visuais do aparatoso acidente, sem edição. A jovem estava ainda dentro do carro, morta, coberta por um lençol. É nestes momento que não é possível esquecer a forma como a arte imita a realidade e a realidade imite a arte em Nightcrawler. O filme sobre um cameraman amador que descobre um nicho particular de negócio: estar no sítio certo à hora certa, isto é, estar no sítio certo à hora errada. Os acidentes de carro acontecem sobretudo durante a noite e assim se propicia um cenário mais tétrico. A personagem de Jake Gyllenhaal monta uma equipa de repórteres (ou “repórteres”) que acabam por ter ligações corruptas com as autoridades. Estas facultam de imediato os sítios onde os acidentes rodoviários estão a acontecer em tempo real de modo que as câmaras se possam mover convenientemente para o local do desfortúnio. Desta forma, o repórter consegue captar a morbidez e o horror da aleatoriedade da morte dos outros com gráfico explícitos.Tenho a ligeira sensação de que isto não acontece só na Califórnia. Ver pessoas mortas em acidentes de carros pode ser um entretenimento em ascensão entre a população mundial que gosta das suas notícias bem apimentadas com calamidades fortuitas graficamente explícitas, mas quando a tragédia ocorre dentro de uma narrativa, ou seja, quando a vítima se conhece, estes repórteres não ganham só com a exploração da curiosidade sinistra dos olhares externos. Nestes casos, é possível explorar a representação simbólica da mitologia contemporânea edificada pelos media, encetar uma história romanesca cativante, com heróis e vilões e que irá captar diretamente o coração da audiência. Roland Barthes dizia que quando se recorre à semiótica para analisar a metodologia escondida nos media, esta mitologia é uma forma de entrar nas raízes da criação da realidade. Assim, temos todos os noticiários a abrir com a notícia da morte da jovem, filha de um herói nacional com o a sua descendência igualmente divina e orientada para o canto, vítima de um namorado que, possivelmente, circulava em excesso de velocidade, talvez sem o consentimento da jovem – possível sequela literária para alimentar os nossos criativos (imparciais, factuais) telejornais. O pai, herói nacional, intocável, com uma vida de fama e riqueza transforma-se, subitamente, num comum mortal como todos nós. Se antes não nos era possível identificar com a felicidade da sua fortuna e reputação, agora temos a oportunidade de identificar nele a dor semelhante à dor de uma pessoa comum, como nós. Alguém que tem tudo mas que tudo perde neste instante – o carro, o aparato, o cadáver coberto. Alguém me disse que, assim, através da simbologia mitológica, todos os pais que perderam filhos se identificam com esta dor. Será esta a notícia de que uma tragédia levou de nós uma jovem inocente que era penas um ser humano ou será, numa abordagem semiológica barthesiana, esta a notícia de que um ser humano morto não é notícia se não for transformado em mitologia? E, neste caso, serão os abutres os que produzem os conteúdos ou os que consomem o produto? Questões difíceis que deixo em aberto para reflexão individual, finalizando apenas com este pensamento:

“Do not be scared much of death, but be scared of your inadequate life.” – Bertolt Brecht

Subscrever
Notifique-me de
guest
1 Comentário
Mais Antigo
Mais Recente Mais Votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Avatar
Isabel Ferreira
21 Dez 2020 21:36

Excelente texto, excelente pensamento… como sempre. Parabéns Sara