Jogo | Acções de concessionárias ainda não bateram no fundo

Apesar dos valores actuais das acções das concessionárias de jogo, a quebra de receitas da indústria do jogo “ainda não bateu no fundo”. A conclusão vem num relatório da Stanley Morgan, que estima que a quebra nas receitas de 2019 das concessionárias se fixe nos -3 por cento, menos dois pontos percentuais em relação a uma previsão anterior.

Para o ano de 2020, os analistas do banco de investimento estimam um crescimento anual na ordem dos 3 por cento, valor significativamente menor à estimativa anterior de 8 por cento.

“Apesar das nossas expectativas de crescimento de 4 por cento das receitas em Setembro, depois de dois meses de resultados negativos, esperamos crescimento negativo em Novembro e Dezembro”, apontaram os analistas Praveen Choudhary e Thomas Allen.

“Muitos indicadores macroeconómicos sugerem que o sector VIP possa recuperar entre agora e Dezembro, mas as receitas do segmento têm afundado nos últimos três meses. Porém, uma preocupação ainda maior são as receitas do segmento de massas, que no passado recente apresentava resultados robustos, com crescimento superior a 10 por cento em termos anuais nos últimos oito meses, mas que pode abrandar para um dígito apenas de crescimento no último trimestre de 2019”, completam os analistas.

As preocupações estendem-se ao segmento premium de massas e ao crescimento, assim como ao número de reservas em quartos de hotel. Neste aspecto, a Stanley Morgan estima que as receitas do segmento de massas crescem 10 por cento este ano e 7 por cento em 2020. Por outro lado, o segmento VIP tem uma estimativa de um tombo de 17 por cento nas receitas deste ano e 2 por cento em 2020.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários