Ópera | “Paradise Interrupted” de Jennifer Wen Ma no MGM Theatre do Cotai

Uma instalação operática é a proposta vanguardista da premiada artista Jennifer Wen Ma, que sobe ao palco do MGM Theatre a 29 e a 31 de Agosto. “Paradise Interrupted” revisita sonhos de amor e jardins simbólicos na adaptação da antiga ópera chinesa “O Pavilhão das Peónias”

 

O espectáculo visual e musical de “Paradise Interrupted” chega ao território este fim-de-semana, anos depois da aclamada tournée nos Estados Unidos da América em 2016, onde recebeu o entusiasmo do público e rasgados elogios de jornais como o New York Times ou o Wall Street Journal. Sob a direcção da premiada artista visual chinesa, Jennifer Wen Ma, esta instalação operática é uma adaptação livre de um excerto da obra-prima de Tang Xianzu, “O Pavilhão das Peónias”, composta no século XVI, que vai buscar sugestões também ao mito do Jardim do Éden.

A originalidade da peça parte de um conceito artístico criado pela directora e encenadora, onde esta combina os géneros presentes na ópera – música, teatro, dança, poesia – com efeitos visuais extraordinários inspirados nos origami de papel, nos jogos de luz e sombra, nas aguarelas e na caligrafia chinesa. E tudo isto potenciado por gráficos e projecções multimédia.

Não é por acaso que Jennifer Wen Ma foi uma das artistas responsáveis pelas cerimónias de abertura e encerramento dos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, e viria a receber um Emmy norte-americano pela transmissão internacional do espectáculo.

A banda-sonora dramática é recriada pelo compositor sino-americano Huang Ruo, combinando elementos da tradicional ópera chinesa (Kunqu) com modernas técnicas inspiradas na música clássica ocidental. E o que podia ter resultado num estranho cliché de fusão de sonoridades, tem sido amplamente aclamado por públicos e imprensa especializada.

Huang Ruo é também reconhecido pela classe como um dos jovens compositores mundiais de destaque, que nas suas obras vai buscar influências à música tradicional e ao folclore chinês, para as fazer conviver com sons de vanguarda, rock e jazz mais ocidentais, numa técnica a que o próprio chama de “dimensionalismo”. O compositor tem peças escritas para orquestra, música de câmara, ópera, teatro, dança moderna, instalações sonoras e cinema. Foi recentemente nomeado como compositor-residente do Royal Concertgebuow em Amesterdão e é membro da Mannes College of Music em Nova Iorque.

A mulher em palco

A interpretação e a voz da soprano Qian Yi, que foi apelidada pelo The New York Times de “princesa soberana da ópera chinesa”, é também um dos trunfos desta ópera especial. A intensa performance no papel da protagonista – uma mulher em busca de amor e de sentido na vida – é um projecto exigente e ambicioso ao longo dos 90 minutos de espectáculo, onde canta, dança e interpreta quase sempre presente em palco.

Qian Yi estudou ópera chinesa clássica (Kunqu) na Escola de Ópera de Xangai desde os dez anos de idade. Mais tarde, como membro da Companhia de Ópera de Xangai percorreu o mundo e ficou conhecida pelo imenso repertório de obras a que emprestou a voz como cantora principal.

Além da carreira artística em palco, a cantora ensinou também ópera chinesa na Barnard College, da Columbia University, nos Estados Unidos, e deu inúmeras palestras em universidades e museus. Foi também reconhecida pelo Ministro da Cultura chinês como uma das melhores intérpretes de Kunqu do país.

“Paradise Interrupted” começa com uma mulher sozinha em palco. Esta sonha com um encontro amoroso e com o seu amante ideal, iniciando “uma viagem psicológica através de um jardim simbólico, estranho e surreal, feito de dinâmicas esculturas de papel”, que interagem com a protagonista respondendo aos registos da sua voz, como se todo o palco fosse uma nova personagem, descreve a produção do espectáculo.

O palco, que começa envolto em branco e com uma linha horizontal de luz, transforma-se num jardim abstracto e meditativo à medida que o ponto de vista da protagonista muda, contraindo e expandindo até acabar num lago de tinta negra, onde ela finalmente entende que pode escrever a sua realidade conforme bem quiser.

Contracenam com a soprano Qian Yi o contratenor John Holiday, como a poderosa voz do vento, e o tenor Joshua Dennis como o seu amante de sonho, com quem contracena num “tocante dueto”, sob a batuta do maestro Chien Wen-Pin na condução da orquestra Hong Kong New Music Ensemble.

O espectáculo sobe ao palco do MGM Theatre a 29 e a 31 de Agosto, quinta e sábado, às 19h e às 20h respectivamente. A entrada é livre.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários