PARTILHAR

O Grande Prémio de Macau perdeu na semana passada um dos seus nomes sonantes, o inglês Barry Bland, aquele que será sempre recordado como o pai do Grande Prémio de Macau de Fórmula 3. Nascido em 1946, em Ilford, Bland, que optou sempre por uma postura muito discreta, longe das luzes da ribalta, chegou a ser piloto, antes de se juntar ao British Automobile Racing Club, primeiro como secretário das competições automóveis e depois como organizador de corridas. Em 1971, Bland passou a trabalhar para a Motor Race Consultants, onde continuou, coordenando angariação de pilotos, logistica e seguros para eventos um pouco por todo o mundo

Foi já ao serviço da MRC que teve o primeiro contacto com Macau, através da sua amizade com o então líder do Automóvel Clube de Hong Kong (HKAA), Phil Taylor. Em 1983 Bland convenceu Rogério Santos, na altura o presidente do Leal Senado, e Taylor que a Fórmula 3 era o caminho a seguir no Grande Prémio. Na altura a Fórmula Atlantic estava em plena decadência. À época a então Fórmula 2 parecia ser o caminho a seguir, mas dois meses antes da prova o plano foi abortado por a largura da Curva da Estátua (a estátua equestre de Ferreira do Amaral), agora Curva do Lisboa, não ser suficiente para os carros passarem. Foi assim, quase por acaso, que nasceu o que é até hoje um dos eventos de maior expressão do automobilismo mundial.

Com qualidades pessoais e conhecimento do meio altamente reconhecidas, Bland chegou a ser presidente da Comissão de Monolugares da FIA e foi também ele que organizou o Masters de Zandvoort, a prova europeia mais relevante do calendário de Fórmula 3.

O inglês esteve ao serviço do Grande Prémio de Macau até 2016, tendo saído após divergências com a Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau, numa história rocambolesca que nunca foi muito bem explicada. Mesmo assim, e apesar de debilitado, Bland ainda se deslocou o ano passado à RAEM para ver a prova “in loco” e apoiar os seus cliente na área dos seguros.

Lembrado por cá

Numa comunicação apenas em língua chinesa e inglesa, a Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau expressou as suas condolências, agradeceu toda ajuda ao longo dos anos e lembrou que “por mais de 30 anos, o Sr. Bland trabalhou incansavelmente com Macau para elevar o Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 ao mais alto nível internacional. A sua contribuição para a construção da reputação que este goza hoje é imensurável.”

Também a Associação Geral de Automóvel Macau-China (AAMC) expressou o seu pesar. “A AAMC trabalhou de perto com o Sr. Bland durante décadas, e a sua experiência e orientação foram extremamente valorizadas. Nós iremos sempre recordar a sua bondade, sabedoria e a sua paixão infalível pelo desporto motorizado”, disse a associação, em comunicado colocado nas redes sociais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here