PARTILHAR
REUTERS/Saul Loeb, Pool
À medida que os EUA vão perdendo protagonismo na cena mundial, às mãos do seu presidente, Xi Jinping foi talvez a figura central da cimeira, tendo-se desdobrado em contactos com diversos líderes.

Líderes das principais economias do mundo romperam com o presidente norte-americano, Donald Trump, sobre a política climática na cimeira do G20 no sábado, numa rara admissão pública de desacordo e um golpe na cooperação mundial. A chanceler alemã Angela Merkel conquistou seu objectivo principal na reunião em Hamburgo, convencendo os demais líderes a apoiar um comunicado único com promessas sobre comércio, finanças, energia e África.

No entanto, a divisão entre Trump e os demais 19 membros do grupo, incluindo países tão diversos como Japão, Arábia Saudita e Argentina, foi dura. “No final, as negociações sobre o clima reflectem a dissidência – todos contra os Estados Unidos da América”, disse Merkel a repórteres no fim da reunião. “E o facto de que as negociações sobre comércio foram extraordinariamente difíceis é devido a posições específicas tomadas pelos Estados Unidos”. No comunicado final, os outros 19 líderes tomaram nota da decisão dos EUA de retirar-se do acordo climático de Paris, declarando-a “irreversível”.

Por seu lado, os EUA tomaram uma atitude confrontacional dizendo que o país “se esforçaria para trabalhar em estreita colaboração com outros países para ajudá-los a ter acesso e usar combustíveis fósseis de forma mais limpa e eficiente”. Sobre o comércio, outro ponto delicado, os líderes concordaram que iriam “combater o proteccionismo, incluindo todas as práticas injustas e reconhecer o papel de instrumentos legítimos de defesa sobre esse tema”.

Uma economia digital favorável ao crescimento e emprego

O presidente chinês Xi Jinping propôs sábado que os membros do Grupo dos Vinte (G20) construam uma economia digital que seja favorável ao crescimento e ao emprego. “Devemo-nos adaptar activamente à evolução digital, fomentar novos motores económicos, avançar nas reformas estruturais e promover o desenvolvimento integrado da economia digital e real”, disse Xi.

Para esse fim, propôs implementar a Iniciativa de Desenvolvimento e Cooperação de Economia Digital do G20 e o Plano de Acção de Nova Revolução Industrial, ambos adoptados no ano passado na cimeira de Hangzhou, na China.

O líder chinês pediu a todos os membros que lidem com os riscos e desafios para guiar a economia digital em direcção à abertura e abrangência, acrescentando que o bloco do G20 precisa expandir o acesso à economia digital e reduzir a disparidade digital entre o Norte e o Sul.

“Precisamos prestar atenção à produção digitalizada e ao impacto da inteligência artificial no emprego em diversas nações, e tomar políticas activas de emprego”, acrescentou.

O presidente chinês também pediu a todas as partes que criem um ambiente internacional favorável ao desenvolvimento da economia digital, integrem melhor as suas respectivas estratégias de desenvolvimento, e melhorem juntos o nível da aplicação digital. “Devemos procurar a construção de um ciberespaço pacífico, seguro, aberto e cooperativo, e explorar caminhos para desenvolver regras de comércio internacionais que sejam multilaterais, transparentes e inclusivas nos sectores digitais”, acrescentou ele.

Japão | Shinzo Abe sem espaço de regressão

Xi Jinping disse sábado que o Japão deve cumprir com a sua palavra nos assuntos relacionados com a História e Taiwan, e remover as distracções nas relações bilaterais com estratégias e acções concretas. Ao reunir com o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, Xi também pediu ao Japão que aprenda com a história para garantir que as relações China-Japão avancem na direcção certa e tenham uma perspectiva mais brilhante.

Xi observou que “as relações amistosas firmes entre a China e o Japão não só concernem o bem-estar dos dois povos, mas também têm um impacto na Ásia e no mundo em geral”. A China e o Japão normalizaram suas relações diplomáticas há 45 anos depois de atingir importante consenso sobre a história, Taiwan e as Ilhas Diaoyu, entre outros assuntos. No ano que vem, as duas nações comemorarão o 40º aniversário da assinatura do Tratado China-Japão de Paz e Amizade.

O presidente chinês disse que os dois países devem promover o seu senso de responsabilidade neste momento e aproveitar as oportunidades na nova era dos laços bilaterais. “Apesar das voltas e reviravoltas, e outros testes severos nos últimos 45 anos, o desenvolvimento das relações Pequim-Tóquio proporcionou a ambos muitas ideias construtivas”, disse Xi.

“A confiança política é a premissa das relações China-Japão”, disse Xi, se referindo aos quatro documentos políticos e o acordo de quatro pontos que servem como os princípios orientadores dos laços bilaterais para tratar adequadamente dos assuntos relacionados com a história e Taiwan, entre outros. “Esses assuntos, vitais para a base política dos laços China-Japão, não têm nenhum espaço para concessão ou regressão. Caso ao contrário, as relações bilaterais sairão do curso certo e diminuirão o ritmo do desenvolvimento”, disse.

Por seu lado, Shinzo Abe disse que seu país está preparado para demonstrar acrescentar dinâmica nos seus laços com a China, pois os dois países, a segunda e a terceira maior economia do mundo, respectivamente, são actores influentes nos assuntos mundiais e regionais.

O líder japonês quer mais contactos de alto nível com a China, acrescentando que está disposto a promover a cooperação bilateral em áreas como economia e comércio, finanças, turismo, assim como a colaboração no projecto Uma Faixa, Uma Rota.

Abe também prometeu que sobre Taiwan, não há nenhuma mudança na posição do Japão definida na sua declaração conjunta com a China em 1972.

Diálogo com a Coreia do Norte

O presidente chinês, Xi Jinping, afirmou ao presidente norte-americano, Donald Trump, no sábado, a adesão da China à resolução da questão nuclear norte-coreana por meio de negociações, informou a agência de notícias estatal Xinhua. Xi disse que, ao mesmo tempo em que se formulam “respostas necessárias” à Coreia do Norte contra a resolução da ONU, deveria haver esforços intensificados para promover o diálogo, acrescentou a Xinhua. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou ter tido uma conversa “excelente” com o presidente da China, Xi Jinping, sobre questões como o comércio entre os dois países e a Coreia do Norte. “Deixando Hamburgo para Washington e a Casa Branca. Acabei de encontrar o presidente da China e tivemos uma reunião excelente sobre comércio e Coreia do Norte”, escreveu Trump no Twitter.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here