Seul | Park nega envolvimento em esquema de corrupção

O Tribunal Constitucional sul-coreano começou esta quinta-feira o julgamento do processo de destituição da Presidente, Park Geun-hye, suspeita de ter dado acesso privilegiado a informações sensíveis a uma amiga, que terá usado a sua influência para conseguir favores junto de grandes empresas.

A defesa da Presidente negou todas as acusações de envolvimento em esquemas de abuso de poder e corrupção. “Park nunca deixou os seus assessores interferirem com os assuntos de Estado e nomeou os dirigentes governamentais através de procedimentos legítimos”, afirmou o advogado Lee Joong-hwan.

O arranque do julgamento foi adiado para esta quinta-feira, depois de Park não ter ido à sessão marcada para terça-feira. A Presidente voltou a faltar, mas os juízes decidiram avançar. Não é obrigatória a presença de Park durante esta fase do processo e os seus advogados já tinham dito que a Presidente iria ausentar-se “a não ser que existam circunstâncias especiais”, segundo a agência estatal Yonhap.

Não sou o único

O tribunal tem seis meses para concluir se Park deve ou não ser destituída. Mesmo num país onde os casos de corrupção política são comuns, as suspeitas sobre Park criaram uma crise política sem precedentes na Coreia do Sul, que assistiu durante várias semanas às maiores manifestações populares da sua história democrática. O próprio partido da Presidente, o Saenuri, tem tentado distanciar-se de Park – mais de metade da bancada parlamentar votou a favor da destituição.

A 9 de Dezembro, o Parlamento aprovou a abertura de um processo de destituição por uma larga maioria. A pressão para que Park se demita dura há meses, depois de terem vindo a público os contornos da sua amizade com Choi Soon-sil, uma empresária filha de um amigo do ex-Presidente e pai da actual líder, Park Chung-hee.

Park terá recorrido a Choi para pedir sugestões para discursos oficiais, dando-lhe acesso a informações confidenciais, incluindo acerca de políticas em relação à Coreia do Norte. A empresária é acusada de usar a sua posição privilegiada junto da Presidente para pressionar donos de grandes conglomerados sul-coreanos a financiarem fundações que lhe pertenciam. Outras suspeitas incluem o ingresso da filha de Choi, Chung Yoo-ra, na prestigiada Universidade para Mulheres Ewha, que terá sido concedido pela posição da sua mãe.

O julgamento de Choi, detida desde Novembro, também começou esta quinta-feira, com a empresária a negar todas as acusações. “Enfrento muita injustiça”, declarou Choi em tribunal. “A acusada não procurou nem o mínimo ganho financeiro para si própria desde o dia em que as fundações foram estabelecidas”, afirmou o seu advogado, Lee Kyung-jae.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários