PARTILHAR
A edição deste ano dos Jogos Olímpicos está a ser marcada por graves crises económicas e políticas no país anfitrião. A falência do Estado do Rio de Janeiro e os sucessivos episódios de violência na cidade carioca são algumas das preocupações. O terrorismo e a falta de condições de saúde juntam-se ao ramalhete

O[/drocap]site do comité organizador dos Jogos Olímpicos (JO) 2016 anuncia em contagem decrescente os 17 dias que faltam para a realização do maior evento desportivo do mundo. Pela primeira vez, foi seleccionada uma cidade sul-americana: as hostes cabem ao Rio de Janeiro, a cidade maravilhosa, mas agora falida e dominada pela insegurança. O Brasil vai receber a 31ª edição do evento, mas as expectativas não são muito positivas.
Se quando foi escolhida, em 2009, a insegurança da cidade carioca já era uma preocupação, a situação parece ter vindo a piorar, como relatam alguns portugueses a viver no local.
Segundo a agência Associated Press (AP), aquando da eleição do Rio como sede dos JO, o prefeito Eduardo Paes admitiu existirem “grandes problemas” relativos à segurança, ainda que Paes garantisse que esta iria ser reforçada. O Comité Olímpico Internacional (COI), no entanto, expressou optimismo quanto à capacidade da cidade e do Brasil em responder a estas preocupações, ao afirmar que sete anos seria tempo suficiente para o Rio de Janeiro resolver os problemas de criminalidade.
Mas os anos passaram e o Rio continua a debater-se com uma insegurança constante. Helena Fonseca, portuguesa a residir no Brasil há cerca de três anos, diz ao HM que actualmente conhece até pessoas que, tendo que viajar para o Rio, escolhem trajectos de modo a aterrar a sul da cidade. “Mesmo que tenham que continuar viagem, evitam passar por zonas que estão totalmente dominadas pelo tráfico”, salienta, dizendo porém “que as [autoridades] sabem bem como dominar o tráfico quando querem”.
A AP confirma a existência de um programa para controlar os níveis de criminalidade nas favelas locais. Unidades de Polícia (UPP) estão a ser criadas para reerguer a confiança através do uso de patrulhas de rua e do trabalho cívico. No entanto, apesar da queda no número de homicídios e de violações dos Direitos Humanos, a Human Rights Watch alerta para que o país investigue a ocorrência de assassinatos extrajudiciais.
E antes de chegar às ruas, a insegurança já dá as boas-vindas nos aeroportos. A 4 de Julho, o Jornal Estadão dava a notícia de manifestações a ser realizadas por polícias e bombeiros na zona de chegadas ao aeroporto António Carlos Jobin, também conhecido pelo Galeão. Os manifestantes seguravam cartazes a dizer “bem-vindos ao inferno”. Os elementos das Forças de Segurança argumentavam que o facto de não receberem salários há meses os fazia “estar a morrer”, enquanto perguntavam “como é que uma cidade sem segurança pode sediar os Jogos?”. “Para os Olímpicos há tudo e para nós não há nada”, diziam ainda.
Luís Manuel, português que também está no Brasil há três anos, considera que estas são essencialmente vozes em que “os sindicatos estarão a aproveitar a oportunidade para exigir melhorias nas suas condições de trabalho que são efectivamente precárias”. Para Luís, contudo, numa cidade já tão assolada pela insegurança – como é o caso do Rio de Janeiro – o problema vai manter-se o mesmo. “Mas quando chegar a hora H acredito que não vão deixar de estar nas ruas para manter a segurança”, acrescenta, esperançoso.
Questionado sobre a segurança durante os JO numa área afectada pela falência do governo estadual, o presidente do Comité Organizador Rio2016 vincou que “o projecto de segurança para os Jogos é muito bom”, como refere o canal Sapo. Contudo, tendo em conta o historial do evento, advertiu que “ninguém está imune a um lobo solitário”.

Terrorismo eminente

E, se não era suficiente o medo da criminalidade comum, o terrorismo paira também sobre a cidade do Cristo Redentor. A edição de segunda-feira do Correio da Manhã noticiava que “quatro pessoas com ligações a grupos terroristas pediram credenciais para o Rio2016”. A informação foi avançada pelo programa Fantástico, da TV Globo. Além dos quatro suspeitos, com fortes ligações ao radicalismo islâmico, haveria mais 36 elementos com ligação a outros grupos extremistas que fizeram pedidos de credenciais, todos recusados por orientação do Comando Integrado Anti-Terrorismo (CIANT), um órgão criado na Polícia Federal brasileira.
O terrorismo é também preocupação para Carla Fellini, vice-presidente da Casa do Brasil em Macau, mas que fala ao HM a título pessoal. “Em Abril foi confirmada a ameaça por um terrorista do Daesh de atacar o Brasil”, relembra. “A questão da segurança continua a ser polémica, sendo que 76% da população diz que o país não está preparado para lidar com ameaças reais de terrorismo.”
Relativamente a possíveis medidas que estejam a ser tomadas, Carla Fellini afirma que há tropas das forças armadas a ser treinadas para a segurança dos Jogos. “Por volta de 22.800 membros recebem cem horas para enfrentar a ameaça terrorista e ataques biológicos.”

Biologia de esgoto

Bactérias, água imprópria e Zica também estão na ordem do dia quando se fala de Rio de Janeiro e dos Olímpicos. Segundo notícia da Globo, quase 1400 atletas velejarão nas águas da Marina da Glória na Baía de Guanabara, nadarão na Praia de Copacabana e praticarão canoagem e remo nas águas imundas da Lagoa Rodrigo de Freitas.
Em Julho de 2015, a AP encomendou quatro testes à qualidade da água em cada um dos locais de competição e também à água da Praia de Ipanema, muito frequentada por turistas. Os resultados dos testes indicaram altas contagens de vários tipos de vírus em muitas das amostras. Os vírus são conhecidos por causar doenças estomacais, respiratórias e outras, incluindo diarreia aguda e vómitos. Outras consequências são doenças cerebrais e cardíacas. As concentrações dos vírus foram aproximadamente as mesmas que são encontradas no esgoto puro. Na candidatura olímpica, as autoridades cariocas prometeram um programa governamental de quatro mil milhões de dólares para expansão da infra-estrutura de saneamento básico. Como parte do seu projecto olímpico, o Brasil prometeu construir unidades de tratamento de resíduos em oito rios para filtrar boa parte dos esgotos e impedir que toneladas de resíduos caseiros fluíssem para a Baía de Guanabara, mas apenas uma foi construída. O governador do Estado do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, reconheceu que “para a Olimpíada, não dá tempo” para terminar a limpeza da baía.

Haja repelente

Já relativamente ao Zica, haja repelente. Segundo o Comité português que está em “contacto directo com a Direcção-Geral de Saúde e a seguir atentamente todas as recomendações da Organização Mundial de Saúde sobre esta matéria”, todas as recomendações têm sido transmitidas aos atletas que “não manifestaram qualquer preocupação de maior sobre o tema nem levantaram quaisquer questões”, como garantiu o Comité ao HM. Mas os portugueses já estão preparados.
“Vamos seguir as recomendações dadas pelas autoridades competentes, que incluem, entre outros cuidados, o uso recorrente de repelentes, tendo já o COP garantido um acordo com uma marca de repelentes local para o seu fornecimento para toda a comitiva.”

Se fosse hoje era outra coisa

O presidente do Comité Organizador Rio16, Carlos Arthur Nuzman, admitiu, em entrevista ao jornal Globo de segunda-feira que, no cenário actual, o Rio de Janeiro não seria escolhido para sede dos Jogos Olímpicos de 2016.
“Em toda a candidatura, na hora que entra em processo de julgamento, todos os factores são pesados na balança pelo COI. Na situação que hoje está, eu acho que o Rio não seria escolhido”, afirmou.
A mesma opinião é partilhada pelo Comité Olímpico de Portugal que diz ao HM que “sem dúvida que a realidade é muito distinta daquela que o Brasil vivia quando foi escolhido para acolher os Jogos Olímpicos”.
“O próprio responsável máximo do comité organizador já reconheceu publicamente que se fosse hoje o Brasil não ganharia e provavelmente nem seria candidato. Porém, apesar desta realidade, todos os esforços estão a ser feitos para o sucesso do evento e queremos crer que tudo correrá bem. É naturalmente essa a nossa expectativa e vontade, mas temos alguma expectativa sobre o que vamos encontrar”, afirma o gabinete de comunicação ao HM.

De braços abertos

As questões são muitas e as soluções poucas. Valha a hospitalidade do povo brasileiro que parece ser uma dominante comum, tanto para Helena, como para Carla. “Uma ideia um pouco romântica ou até infantil mas considero que dado o carácter acolhedor do brasileiro, ele irá receber da melhor maneira os visitantes que possam vir a visitar os jogos”, afirma a primeira portuguesa acolhida pelo povo do samba.
Já Carla, que reside em Macau, não deixa de sublinhar que “o Rio de Janeiro estará, apesar de tudo, com os braços abertos como o Cristo Redentor que abençoa aquela cidade, para receber todos os que lá  chegarem”.
“A maior riqueza que ainda temos é  a hospitalidade, o povo sorridente que mesmo enfrentando todas as dificuldades, sabem transformar tudo isso em alegria”, remata.

Com ou sem doping, é igual

O governador do Estado do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, lamentou da o facto de o Rio de Janeiro estar sem laboratório para fazer análises anti-doping a um mês dos Jogos, depois de a Agência Mundial Anti-doping (AMA) o ter suspendido por não cumprir os requisitos internacionais. “A AMA tinha aprovado, houve um erro e suspenderam. A AMA vem fazer a inspecção e esperamos que tenha uma solução positiva. O laboratório é espectacular”, lê-se no Sapo.

China com maior delegação de sempre

O Rio de Janeiro receberá em Agosto a maior delegação de atletas já enviada pela China em toda a história dos Jogos Olímpicos, segundo noticiou a agência Xinhua na passada segunda-feira. Ao todo, 256 mulheres e 160 homens, entre eles 35 campeões, compõem a equipa de 416 atletas chineses. A delegação inteira terá 711 membros, incluindo 29 treinadores estrangeiros, segundo informou Cai Zhenhua, vice-chefe da Administração de Desportos do país asiático.

Rússia pode ser banida

O Comité Executivo da Agência Mundial Anti-doping (Wada) recomendou ao Comité Olímpico Internacional que considere negar a participação de todos os atletas submetidos ao Comité Olímpico Russo, adianta a agência Brasil. A recomendação também vale para os paratletas russos ligados ao seu respectivo comité. O Wada também sugere que o acesso de autoridades do governo russo aos Jogos Rio 2016 seja negado.
As recomendações foram feitas após a divulgação de um relatório assinado por Richard McLaren, nomeado para conduzir a investigação baseada nas denúncias do ex-director do Laboratório de Moscovo, Grigory Rodchenkov, sobre adulteração de testes anti-doping para mascarar o uso de substâncias proibidas pela Wada. O relatório afirma que as fraudes em testes anti-doping foram postas em prática do final de 2011 até Agosto de 2015 na Rússia. Diz ainda que atletas russos “de uma vasta maioria de desportos de Verão e Inverno” eram beneficiados pela “metodologia do desaparecimento positivo”. Além disso, McLaren afirma que as autoridades russas sabiam da prática por atletas participantes dos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here