PARTILHAR

Ofruto proibido é o mais apetecido, já diz o ditado, e um território hostil torna-se facilmente apetecível a profissionais de várias áreas, nomeadamente da fotografia. Foi o que aconteceu com Nathalie Daoust, fotógrafa e cineasta canadiana, autora de “Sonhos Coreanos”, um projecto que capta imagens proibidas na Coreia do Norte. Apesar das limitações, a artista não baixou os braços. Sempre vigiada e em áreas permitidas, Nathalie foi mais além e arriscou a recolha de imagens inéditas e interditas.
As dificuldade em viajar na no reino de Kim Jong-un são mais que muitas. Do preço à dificuldade em chegar ao país, à vigilância extrema e manipulação dos visitantes, conhecer o coração da Coreia do Norte é impossível. Ali, só se vê o que é autorizado e só se fica nos hotéis aprovados. Só se fotografa sob vigilância, enquanto que as aldeias onde vive grande número da população com salários de cerca de um dólar mensal, ou os campos de concentração do tamanho de cidades onde estão encarceradas três gerações por crimes, não fazem parte do roteiro nem da permissão.
“Tive que viajar através da China como uma turista”, diz Nathalie Daoust em entrevista à revista Another. “Depois de uma excursão de pesquisa, organizei uma segunda viagem” ao país onde não são permitidos fotógrafos alheios à Associated Press. 14716P9T2
Esta segunda incursão por terras de Kim Jong-un já foi feita especialmente para capturar imagens. Utilizou um passaporte que não era o seu, colocou a câmara à altura da barriga e um disparador remoto escondido debaixo do braço e fez-se à aventura. Ficou hospedada num pequeno hotel que mais parecia um “motel de estrada” e, apesar da sua estadia ser constantemente vigiada, com câmara analógica e disparador imperceptível estava aberto o caminho para conseguir imagens inéditas.
A utilização do sistema analógico terá sido fundamental. “Acho que eles pensaram que seria uma amadora porque não usava uma câmara digital”, admite. A verificação que se faz aquando da captura de imagens “do querido líder” – para que nenhuma apresente cabeça ou pés cortado – também aqui não era possível, o que conferia à fotógrafa uma maior liberdade.
O resultado é perturbador. Num misto de fotografia artística que roça as imagens eróticas do início do séc. passado, em tons sépia quase fantasmagóricos, Nathalie Daoust apresenta uma Coreia à vista de todos mas com o peso de realidade.
São imagens à altura das entranhas, que convidam a quem as observa a uma imersão e consciencialização do que se passa naquele país, sendo que é este agora o objectivo da autora.
Nathalie Daoust adianta ainda que passou “grande parte da carreira a explorar o mundo quimérico e fantasioso” de desejos e impulsos ocultos que estão na base dos sonhos e condutas de cada um e que os levam a ultrapassar os limites do convencional. Na Coreia, a exploração foi direcionada aos instintos de fuga, não como escolha individual, mas como modo de vida de quem é aglutinado pela nação. “Uma nação irreal” e produto de reinterpretações e ditames do poder.
Agora, é objectivo do trabalho alertar todos para uma maior consciência do que ali se vive. Num país que obedece ao culto da personalidade de Kim Jong-Un, num regime opressivo, o projecto “Sonhos Coreanos” é um grito de esperança e alerta para que os governos de todo o lado sejam capazes de “impulsionar a mudança eficaz neste país”, refere Daoust na mesma entrevista.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here