PARTILHAR
Michael DeWolfe é o cirurgião, 5ivestar o artista. A viver em Chicago, esteve em Macau porque ficou com “a sensação que é uma terra de oportunidades na música, no cinema ou na moda”. A possibilidade de entrar num filme feito em Macau foi outra das razões que o trouxeram até nós mas também espera desenvolver laços com os artistas locais

Avisita foi curta mas o suficiente para deslumbrar este norte-americano que é cirurgião plástico durante o dia e artista pop no tempo que lhe resta. De Macau, para já, leva os prazeres da gastronomia e as vistas do património graças a uma visita guiada proporcionada pela Direcção dos Serviços de Turismo.
“Apaixonei-me por Macau. Vejo a cidade como um lugar ainda numa fase de tremendo crescimento na área do entretenimento”, diz o artista, que assegura ao HM que “tem muita satisfação nas duas coisas” que faz na vida. “Não conseguiria viver sem ambas, acho que perderia o equilíbrio. A medicina traz-me o processo científico, técnico, mecânico e a música permite-me criar coisas a partir do nada”.
Para já, Michael DeWolfe ainda não tem resultados concretos da visita mas espera voltar em Outubro para participar num filme a ser feito no território e agora em fase de pré-produção. Espera também desenvolver laços artísticos localmente. “Quero trazer a minha música para Macau e colaborar com músicos locais, desenvolver sinergias e iniciar um processo criativo”.

Combinar tudo

Combinar estilos é a sua grande paixão dando o exemplo de “Cola”, um dos seus últimos temas. “Nunca tinha visto um tema dos anos 50 arranjado como um tema pop e quis experimentar”. Já pronto para lançar está também outro tema do mesmo período onde recria o lendário “Great Balls of Fire” de Jerry Lee Lewis. No futuro espera combinar jazz com hip hop. “Gosto do ambiente de espectáculo de variedades que o jazz aporta”, diz.
A música chinesa dos anos 40 ou 60 também pode ser uma possibilidade apesar de ainda não se sentir suficientemente familiarizado com os temas.
Nasceu na Califórnia, cresceu na Flórida e foi para Chicago para ser médico mas o ambiente da cidade inspirou ainda mais a sua veia artística. “Chicago é um cenário super urbano”, explica, “cheio de música e arte e isso alimentou muito a minha criatividade”.

Estrelas a desaparecer

Falámos de influências e Michael confessa que Prince era um dos seus favoritos. “O seu estilo e individualidade sempre me cativaram”, explica.
Mas porque o seu som bebe muito no hip hop, Outkast surge como uma das suas principais influências. A maior dificuldade surgiu quando pretendemos saber com quem gostaria um dia de trabalhar. Depois de uma longa pausa, acabou por dizer que “estão todos a morrer (risos)… dos vivos alguém interessante seria o Pharrel porque está sempre a quebrar barreiras”.
Aí falámos da ideia que corre de já não existirem estrelas rock. Será apenas mercantilismo, hoje? Michael acha que “existe o perigo de as perder se deixarmos a indústria tomar conta de tudo e decidir o que as massas ouvem, pois o desenvolvimento dos artistas desaparece e ficamos apenas com receitas rápidas de sucesso para repetir ad aeternum”. A esperança reside no mundo da distribuição pois, explica, “os artistas têm mais facilidade de publicarem e distribuírem conteúdos”.
Para já, 5ivestar faz a música que lhe apetece. “Tive muita gente a tentar manipular a minha música mas continuo a fazer o que quero. O que sair, saiu. Umas vezes acústico, outras pop. Se sinto que um ‘beat’ mexe comigo vou por aí”, explica.

Estado de emergência

Michael define-se, acima de tudo, como um escritor. Já escreveu livros, começando pela poesia, fez ‘spoken word’ e passou a MC. Foi assim que um dia surgiu o patrocínio da Nike.
“Eles perceberam que a poesia em ‘spoken word’ tinha muito impacto junto da juventude de Chicago e patrocinaram-me para me apresentar nas escolas. Não me marcaram uma agenda de temas, diz-nos, enquanto continuou a falar do que o celebrizou em Chicago: “a desigualdade, a brutalidade policial, o sistema educativo”, apesar de abordar outros temas como as relações amorosas ou textos para inspirar.
Entrávamos na mundo da política e quisemos saber a sua visão do que se passa no seu país. “A política americana está em estado de emergência”, diz. “Temos candidatos muito maus e não me consigo rever em nenhum”, confessa. Acha Bernie Sanders transformador mas não acredita que os americanos estejam preparados para tanta mudança apesar de reconhecer o impacto que o candidato tem vindo a exercer junto das camadas mais jovens. “São políticas nunca aplicadas VS coisas que as pessoas conhecem” explica para comparar o senador com Hillary Clinton. “O problema”, diz, “é estarmos a vir ladeira abaixo quando comparamos com Obama. Ele é inteligente, carismático e dominou a cena. Nenhum destes candidatos chega sequer perto”, afirma.

O fascínio de reconstruir corpos

Da sua prática como médico para a música, o que passa é, diz, a ética de trabalho. “Muita gente pensa que ser artista é fácil, natural, mas todos sabem que em medicina é preciso esforçarmo-nos muito”. Michael confessa aplicar a dedicação que a profissão de médico lhe exige à música também, pois “o divertimento só acontece quando vamos para palco. O resto é muito trabalho, muita dedicação”, garante.
Queríamos saber um pouco mais desse seu outro lado na mesa de operações e Michael confessa que o que mais o satisfaz, o que mais o espanta é “tirar um bocado de tecido de uma parte do corpo para aplicar noutra. Quando o tiras, desligas o suprimento de sangue e o tecido está morto. Mas depois voltas a ligá-lo noutra zona e ele volta à vida. Acho isso fabuloso”. Fala-nos ainda que a cirurgia plástica não é apenas fazer pessoas bonitas mas salvar situações graves. “Faço muita reconstrução de seios, ou de maxilares perdidos por causa do cancro. Neste caso, tiro um bocado de osso de uma perna, religo-o na boca, ele volta à vida e a pessoa recupera a cara. Dá-me um grande prazer, a sensação que fiz algo de fenomenal”.
Um sentimento semelhante ao que deseja para o seu lado de músico: “ter milhões de pessoas a volta do mundo a ouvirem a minha música e a gostarem dela é o que pretendo. Quero criar um impacto”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here