PARTILHAR

Não há nada mais chato que ter que aturar um tipo a falar das suas férias, daquilo que viu, de como se divertiu e tudo isso, certo? Dá logo vontade de o mandar a tal sítio, e já agora esse sítio pode ser o mesmo onde passou as tais férias – “Olha, se gostaste tanto, porque é que não ficaste por lá?”. Digam lá se é ou não é o que dá vontade, em vez de ostentar aquela expressão idiota, com um sorriso de parvinho, anuindo com a cabeça e repetindo a cada cinco segundos “Ai sim? Que giro…”, intervalado de quando um vez com “tenho que lá ir, também”, como se se estivesse a falar de um lugar a meia hora daqui, e que desse para ir lá já amanhã. E se o tipo mostra fotografias, algumas em calções, exibindo a pança e as patorras calejadas? Ui! E quando se gaba dos descontos, ou das promoções, e outras coisas de que milhares como ele usufruíram, mas de que julga ter o exclusivo, como se fosse o Emir da Fartónia? “Last but not least”, há ainda os que evidenciam aquilo que eu chamo “síndrome de Álvares Cabral”: falam do local onde estiveram como se tivessem sido os primeiros, e até agora únicos, a ter lá ido. É terrível ter de ouvir falar das férias dos outros, sim, mas consigo pensar em tanta coisa pior, sei lá, a escravatura sexual, por exemplo. Isto tudo por dizer que…ah sim: estive em Bali. Sabiam??? Juro! Foi o máximo!
Falando a sério, fui mesmo a Bali, e foi mesmo o máximo, e no parágrafo anterior quis apenas relativizar um bocado a coisa, para não dar a entender que fui a algum sítio de que ninguém ouviu falar, mas onde toda a gente devia ir também. De facto não dou um bom “turista”, e sou incapaz de ficar estuporado a contemplar um monumento, ou uma curiosidade qualquer, como se fosse a primeira vez que sai de Vila Franca da Parvónia, onde a telefonia é a tecnologia mais recente. Gosto é de me misturar com os locais, fazendo de conta que sou um deles, ando a tratar da vidinha, e o melhor é os vendedores da banha da cobra e “otros recuerdos” irem antes chatear os tótós que andam perdidos, de mapa na mão mas no entanto olhando para cima. O que diabo essa gente que procura orientar-se num lugar estranho pensa que vai encontrar olhando…para cima? Uma seta feita de nuvens com a legenda “é aqui”? Mas no caso de Bali torna-se difícil, senão mesmo impossível, passar despercebido, de tão nítidas que são as diferenças entre a minha pessoa e os balinenses (Balianos? Baleeiros? Balios?) – é o que acontece quando se nasce branco e sem graça nenhuma.
E a diferença é Bali, e parecendo isto um chavão já mais que gasto, ali pode-se mesmo aplicar no seu estado mais puro e duro. Antes de ter lá ido tinha uma noção de que Bali era uma ilha do arquipélago da Indonésia, e assim sendo estaria a visitar “a Indonésia”. Nada disso, e não tendo nada com que comparar, pois nunca estivera antes na Indonésia e posso continuar a dizer que nunca estive, não sei se é melhor ou pior: Bali é simplesmente Bali, e nem sei como é que os Bali-coisos ainda não se lembraram de solicitar a independência, em vez de ficarem referenciados como “mais uma província” da Indonésia. Note-se que nada me move contra o país propriamente dito, e a este ponto gostaria de acrescentar que não tenho agora nem nunca alguma vez tive fosse o que fosse contra este país e/ou o seu povo. Quis deixar isto bem vincado, de modo a desmarcar-me daquelas pessoas que há vinte anos nem podiam ouvir falar da Indonésia e derivados sem desatar logo a berrar “Assassinos! Liberdade para Timor-Leste!”, feito selvagens, e depois foi o que se viu. Não seria de esperar outra coisa quando se nutre um ódio inexplicável por algo situado numa realidade distante e completamente díspar da nossa, e de que nada se sabe. É só para vos recordar dessa triste figura; é o nosso fado, deixem lá.
E já que falei de “realidade distante”, foi disso mesmo que me apercebi ao terceiro ou quarto dia em Bali: nunca tinha estado tão longe de Portugal! Estava ali mesmo nos antípodas, mais perto da Austrália do que seria recomendado para quem não gosta de ficar de cabeça para baixo no globo terrestre, e pensei que fosse sentir alguma coisa, um zunido nos ouvidos ou isso, mas nada. Sinceramente, nem dei pelos dias que passavam, de tão aprazível e idílico que é Bali, e as minhas preocupações resumiam-se a pensar o que ia ser o almoço, e depois disso o que iria comer ao jantar, e se teria estômago para tudo aquilo. Claro que estamos a falar de um tempo passado, na minha era pré-Bali, há uns dez quilos atrás. Uma das coisas que mais que encantou foi ver de como existe vida para além dos turistas, e de como estes podem circular livremente sem que alguém os venha assediar, oferecendo CDs piratas, droga, virgens ou rapazinhos, e de como tudo isso se pode lá encontrar na mesma, para quem gosta, sem que o exponham à vista de casais, crianças ou excursões da terceira idade. O pior que me aconteceu foi estarem a oferecer-me transporte para o dia seguinte – as duas palavras que mais ouvi em Bali foram “transport” e “tomorrow”.
Se ainda há quem na hora de escolher o destino para umas férias demasiado curtas para ir a Portugal, ou longas demais para ficar em Macau, e acaba sempre por optar pela Tailândia, ao ponto de já saber o nome de quase metade dos habitantes de Pattaya e Kho Samui, proponho Bali como alternativa. Aqueles receios de bolso que se atiram quando se tenta justificar o facto de nunca ter ido a um sítio super-bestial, em vez de dizer apenas “não calhou” ou “não me apeteceu lá ir” que mais se ouvem quando se fala de Bali, são completamente injustificados e patetas; o tal ataque terrorista já foi há dez anos e quase ninguém se recorda, o “tsunami” foi do outro lado do arquipélago, e a religião praticada pela maioria não é o Islão, mas antes uma espécie de variante polinésica do hinduísmo – estou a ver o “haka” da selecção de râguebi da Nova Zelândia? Algo dentro desse género. E por quanto é que sai a brincadeira, afinal? Diria que se paga o dobro do que custariam o mesmo período de papo para o ar na Tailândia, mas tem-se dez vezes mais qualidade. Pensem nisso, e se forem lá depois podem dizer-me se gostaram ou não, mas poupem-me nos detalhes. É que estive lá o mês passado, não sei se já vos contei…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here