GP Macau | Cinco construtores esperados na Taça do Mundo de GT

Já são conhecidas as primeiras informações sobre a quinta edição da Taça do Mundo de GT da FIA que se disputará no programa da 66ª edição do Grande Prémio de Macau. A edição do ano passado teve boa adesão por parte dos construtores, mas só conseguiu reunir catorze viaturas, o número limite para a prova se realizar. Este ano é esperada uma grelha de partida mais composta.

Na conferência de imprensa de apresentação do Grande Prémio, no mês passado, Chong Coc Veng, Coordenador da Subcomissão Desportiva da Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau, referiu que “as equipas da FIA e da Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau (COGPM) tomaram já medidas com o objectivo de atrair mais pilotos a Macau e para melhorar ainda mais a corrida para o espectadores.”

A prova continuará a ser co-organizada pela influente SRO Motorsports Group que, numa comunicação enviada às equipas na passada quarta-feira, esclarece que o “formato manter-se-á praticamente inalterado: com pilotos e equipas apoiados pelos construtores em luta por um dos mais prestigiados títulos das corridas de GT”.

A estrutura do fim-de-semana da Taça do Mundo também não sofrerá alterações, estando previstos dois treinos-livres de 30 minutos, uma sessão de qualificação com a mesma duração, uma corrida de qualificação de 12 voltas, provavelmente a ser realizada no sábado do evento, e a corrida decisiva de 18 voltas, ou 75 minutos, no domingo. Como é tradição, as viaturas participantes também deverão ser expostas na Praça do Tap Seac no fim-de-semana que antecede o evento, proporcionando à comunidade local um contacto muito próximo com algumas das máquinas que irão animar o fim-de-semana de 16 e 17 de Novembro.

Para além da importância do triunfo na prova, os concorrentes também irão contender pelas 725,000 patacas, em prémios monetários, que estarão em jogo.

Quem virá?

Neste momento ainda é cedo para prever quem serão os pilotos e equipas que irão marcar presença no Circuito da Guia em Novembro. No entanto, segundo a comunicação enviada aos potenciais intervenientes, “nesta fase inicial estamos a contar com pelo menos cinco construtores”.

O ano passado cinco construtores disseram “sim” ao desafio de Macau – Audi, BMW, Mercedes-AMG, Nissan e Porsche. Os quatro gigantes da indústria automóvel germânica deverão repetir a presença este ano, tendo a BMW, que venceu o ano passado com o brasileiro Augusto Farfus, e a Porsche já admitido as suas intenções publicamente. A Bentley, a Honda, a Lamborghini e a Nissan são outros construtores que também estarão a ponderar um regresso à RAEM.

Além dos pilotos “Ouro” e “Platina” segundo o ranking da FIA, a prova irá aceitar a presença de pilotos “Prata”. Para incentivar a presença dos mesmos, haverá prémios monetários para os três melhores classificados. Os dois pilotos de automobilismo mais representativos do território, os portugueses André Couto e Rodolfo Ávila, são únicos categorizados pela FIA como “Silver”.

O período de inscrições para a prova dura de 28 de Junho até ao dia 31 de Agosto. Contudo, a lista de inscritos só será tornada pública na habitual Conferência de Imprensa da COGPM no mês de Outubro.

10 Jun 2019

Audi quer continuação da Taça GT em Macau

Responsável pela preparação dos carros do construtor defende que Taça Mundial de FT deve continuar em Macau, apesar de sugestão para mudança para Abu Dhabi.

 

 

Apesar dos espectaculares acidentes que têm marcado as edições da Taça Mundial FIA GT no circuito da Guia, o responsável pela preparação dos Audi para clientes privados, Chris Reinke, defende que a prova deve continuar a ser disputada no território. As afirmações surgem numa altura em que existe a possibilidade desta competição ser mudada por outro circuito, como o Yas Marina no Abu Dhabi. Essa foi pelo menos a sugestão de um construtor, segundo o portal Sportscar375, que não identificou o construtor em causa.

“Para nós é tudo muito claro. Em Macau há uma forma muita própria de recebermos esta prova, que por não fazer parte de qualquer campeonato se torna num evento radical ao nível da provas de GT3”, disse Chris Reinke, responsável da Audi, ao portal Sportscar365. “Nós consideramos que Macau tem o circuito indicado para esta prova. É um evento extraordinário”, acrescentou.

A questão sobre uma possível realocação da prova que desde a criação foi realizada em Macau, prende-se com os vários acidentes. Em 2016, Laurens Vanthoor conquistou o troféu, apesar de ter capotado o carro e obrigado á interrupção da corrida. Depois de uma sessão de 90 minutos em que os carros só realizam 5 voltas em ritmo competitivo. No ano passado, a corrida de qualificação teve um acidente que envolveu quase metade dos concorrentes e que condicionou o resultado final.

Chris Reinke considerou estes episódios uma falsa questão, no sentido em que, diz o responsável, as pessoas que se deslocam ao Território sabem o que têm pela frente. “Se falássemos em incluir esta prova num campeonato poderíamos falar numa aposta com um risco elevado. Mas quando as pessoas vão a Macau sabem o que têm pela frente e se querem arriscou ou não. Para nós não há nenhum problema se a prova continuar a ser realizada em Macau”, explicou.

“Quando vamos a Macau temos consciência do tipo de circuito e a natureza das provas. É um conhecimento que já existe antes da prova e que sai reforçado quando regressamos a casa”, frisou.

Questionada sobre o facto de poder haver uma mudança de pista para a Taça Mundial FIA GT, Reike admitiu que esse cenário está a ser equacionado: ““Há um grande risco de isso acontecer, e nós estávamos cientes desse aspecto quando nos inscrevemos na prova. Acho que todos os que se vão inscrever têm de compreender que isso pode acontecer”, admitiu.

“Os riscos fazem parte desta prova, que também se tornou conhecida por esse risco”, concluiu.

A Taça Mundial FIA GT começou a ser realizada em 2015, a partir da competição para GT do Grande Prémio. Apesar de no início o evento ser aberto a pilotos amadores, nos últimos anos tornou-se exclusivo para pilotos profissionais. No ano passado, um total de 20 carros participação na prova, com sete construtores diferentes, o que foi um recorde.

5 Jan 2018

FIA só aceita profissionais para a Taça do Mundo de GT

Apesar da polémica em torno da última edição, a Taça do Mundo FIA de GT irá continuar a ser disputada no Circuito da Guia em 2017 por decisão da Federação Internacional do Automóvel (FIA). Contudo, desta vez, os pilotos amadores serão impedidos de tomar parte na prova, o que era uma das condições de alguns construtores envolvidos nesta corrida para continuarem a visitar a RAEM.

Para além de ter confirmado a continuidade da prova nas ruas de Macau, a FIA anunciou que esta só estará aberta a pilotos profissionais. Isto é, apenas pilotos classificados pela FIA como “Ouro” ou “Platina”, segundo a classificação oficial de pilotos da entidade federativa, serão autorizados a estar à partida. Esta medida irá afastar vários pilotos asiáticos que habitualmente competem nas diversas competições de GT e que tinham como momento alto da temporada a participação no Grande Prémio de Macau. Curiosamente, nenhuma das interrupções da corrida de má memória do ano passado foi causada por pilotos amadores ou menos experientes.

Esta resolução limita também a participação de pilotos do território na corrida. Presentemente apenas André Couto, que nos dois últimos anos escolheu a Taça do Mundo FIA de GT para estar à partida do Grande Prémio de Macau, cumpre actualmente os critérios mínimos para alinhar na corrida.

Com o intuito de aumentar o prestígio da prova, apenas viaturas de fábrica ou apoiadas pelos construtores serão aceites à partida, sendo que os construtores não terão que pagar inscrição, ao contrário dos anos anteriores. A FIA aponta para uma grelha de partida de 18 a 25 (número máximo) carros. Como período de inscrições só agora abriu, nenhum construtor apresentou os seus planos para a prova. Todavia, é esperada a presença de equipas da Audi, BMW, Mercedes-Benz e Porsche.

Outras medidas

Para combater as interrupções e tentar diminuir ao máximo o tempo de recuperação das viaturas acidentadas, serão instituídas medidas no regulamento técnico da prova, assim como haverá à disposição novo equipamento para esse propósito. O procedimento de recomeço, após eventuais interrupções nas duas corridas da taça mundial, passará de 10 para 5 minutos. Outras medidas de segurança serão igualmente implementadas no circuito, como modificações nos correctores e melhor uso das barreiras de segurança Tecpro.

A prova patrocinada novamente este ano pela Sociedade de Jogos de Macau será composta por duas sessões de treinos-livres, uma qualificação de 30 minutos e uma corrida de qualificação de 12 voltas (ou 60 minutos) no sábado. A Corrida Principal, no domingo, será constituída por 18 voltas (ou 75 minutos).
A primeira edição da Taça do Mundo FIA de GT, realizada em 2015, foi ganha pelo alemão Maro Engel em Mercedes-Benz. O ano passado foi o belga Laurens Vanthoor quem triunfou, apesar do seu Audi R8 LMS ter terminado com as quatro rodas para o ar.

SRO continua ao leme

Também já é sabido que a reputada empresa francesa SRO Organization, que entre outros campeonatos, organiza as Blancpain GT Series na Europa e Ásia, vai continuar, pelo terceiro ano consecutivo, a assistir a Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC) no que respeita à coordenação da participação de equipas e pilotos estrangeiros.

Mantendo a tradição de anos anteriores, a Praça do Tap Seac acolherá, no fim-de-semana que antecede o evento, a exposição de supercarros, com a presença das viaturas que vão estar à partida da Taça do Mundo FIA de GT.

As inscrições para esta corrida terminam no dia 31 de Agosto, mas os concorrentes só serão oficialmente dados a conhecer mais tarde no ano.

19 Jul 2017

Taça do Mundo de GT deve voltar este ano

A Federação Internacional do Automóvel (FIA) ainda não confirmou o regresso da Taça do Mundo FIA de GT ao Circuito da Guia este ano, mas Stéphane Ratel, o presidente da SRO Motorsports Group e figura proeminente das corridas de GT a nível mundial, está confiante que a prova irá ficar na RAEM pelo terceiro ano consecutivo.

Apesar dos insistentes rumores que davam conta da possibilidade do moderno circuito francês de Paul Ricard poderia substituir Macau, Ratel, cuja organização ajudou a Associação Geral Automóvel Macau-China (AAMC) a colocar de pé este evento nos dois últimos anos, continua a afirmar que Macau é a melhor localização para acolher um evento desta natureza e dimensão.

“Penso que Macau é o melhor lugar para o evento”, disse o francês que também organiza as séries Blancpain GT na Europa e Ásia, em entrevista à publicação especializada norte-americana Sportscar365.  “A ideia é fazê-lo (o evento) um pouco mais profissional. Cada ano temos mais pilotos amadores e mais acidentes.”

Mesmo tendo assumidas pretensões em subir a parada, Ratel admite que será difícil colocar de pé um evento apenas com equipas de fábrica e pilotos profissionais, visto que as corridas de GT (Grande Turismo) estão na sua essência direccionadas à competição-cliente. A Taça do Mundo do ano passado reuniu apenas quatro construtores em Macau, menos um que na edição de 2015 e menos três do que a FIA ambicionava quando em 2014 decidiu avançar com esta prova. O empresário francês conhece melhor que ninguém as dificuldades em persuadir os construtores automóveis em participar oficialmente nesta categoria, pois quando ele próprio tentou organizar um Campeonato do Mundo FIA com viaturas de GT iguais às que vemos em Novembro em Macau este acabou por morrer pelo desinteresse dos próprios fabricantes em apoiar a iniciativa. “Nós sabemos que os construtores da categoria GT3 têm dificuldades em gastar dinheiro em eventos que não sejam bem estabelecidos como as 24 horas de Spa-Francorchamps (Bélgica) ou Nürburgring (Alemanha)”, sublinhou.

Para melhor, está bem

Contudo, por agora, “a ideia é modificar algumas das regulamentações desportivas para melhor executar o evento e orientá-lo mais para pilotos profissionais”. A edição do ano passado que terminou ao fim de três voltas e com o vencedor com as quatro rodas apontadas para o céu deixou os quatro construtores presentes bastante insatisfeitos, ao ponto da Porsche ameaçar não regressar caso o evento não reúna as condições mínimas para proclamar o estatuto que tem. Para os construtores automóveis envolvidos na Taça do Mundo FIA de GT, que fazem um investimento avultado para estarem presentes oficialmente no Grande Prémio de Macau, o evento tem pecado pela falta de tempo no programa, que este ano terá novamente a Taça do Mundo de Fórmula 3 e mundial de carros de turismo (WTCC),  e as pelas interrupções sucessivas causadas por acidentes com pilotos amadores. Isto, apesar do ano passado o maior perturbador ter sido o próprio vencedor da prova, o belga Laurens Vanthoor.

31 Mar 2017