Um pesadelo com uma cor

 

O Outro

Um menino mexe na terra para ver se há um submarino para ali enterrado; alguém falou disso. Um submarino amarelo como na canção dos Beatles.

Começa a escavar e chama os seus amigos. Todos ajudam. E sim, a ponta amarela metálica aparece. Um submarino amarelo, diz Jonathan.

São quatro meninos amigos e escavam durante semanas um submarino amarelo gigante, setenta metros de comprimento. Decidem ir para lá viver, fogem da casa dos pais, roubam comida da aldeia e sobrevivem ali escondidos no submarino amarelo. Chamam muitos amigos e eles vêm.

Quando têm dezoito anos decidem sair para matar.

Já são muitos, uma tribo inteira. Começam a matar todos os pais que ficaram na aldeia. Os meninos do submarino amarelo cresceram.

 

Poemas do Oriente e do Ocidente

Kafka

1Kafka no oriente transforma
os caminhos vermelhos e sagrados
em assunto político. Tudo deve ser discutido,
até a linha recta.

2Uma cerimónia do chá,
só o último a beber a última gota
será salvo. Em todos os outros
jamais se poderá
eliminar 
a sede.
Mas aquele que ficou sem sede,
ficou
 também só, para sempre.
E para esse mal não há ainda
 cerimónia.

Mulheres, poder e pés no chão

Uma notícia: num certo país, muitas mulheres amamentam os seus bebés em público, em protesto contra uma lei que o proíbe.

1Helicóptero vigia mulher que amamenta ao ar livre.
Nenhuma lei dispara – mas a arma legal, sim.
Amamentam em protesto público,
mulheres zangadas com a lei.

2Estamos no mundo para obedecer ao justo, atirar pedra ao inaceitável,
tornar lúdica a perda de tempo, transformar lixo em jogo.
Mas no Estado forte que se instala aos poucos,
a banalidade não existe, e a força exige a mudança abrupta
da velha constituição.

3Antes da brutalidade inventam-se argumentos,
método antigo de novo colocado em circulação.
Democracia. Leis justas e direito aos pés na terra.
Mas de um lado do mundo, levantam-se à força homens do solo
para que estes não tenham apoio.
Sem lei, sem pés, sem chão: tudo é frágil,
capaz de num segundo desaparecer da paisagem.


ILUSTRAÇÃO: ANA JACINTO NUNES

 

22 Mai 2020