Investigadores da Universidade de Macau monitorizam Ponte do Delta

A Universidade de Macau (UM) está a participar em dois projectos associados à manutenção inteligente, reparo e operação da ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau. A primeira travessia da ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau deu-se em Outubro de 2018.

O Programa de Desenvolvimento e Investigação Chave Nacional é focado no uso de tecnologia inteligente na operação e manutenção da ponte, enquanto o da Província de Guangdong procura de formas de monitorização e controlo em situação de emergência. A UM comunicou que os programas foram oficialmente lançados no ano passado, e se realizam em conjunto com parceiros na China continental e em Hong Kong.

A professora Hannah Zhou, que lidera a equipa da UM, defendeu a importância de monitorizar diferentes áreas da infraestrutura, uma vez que a estrutura da ponte pode ser afectada por vários factores. “O foco actual da equipa da UM é no túnel imerso da ponte e as suas partes fracas de conexão com as ilhas artificiais. O túnel é composto por 33 segmentos, cujas juntas são mais susceptíveis a deformação”, explica a nota da UM.

Os investigadores da entidade de ensino superior estão a desenvolver diferentes sensores, alguns feitos de fibra ótica que consegue transmitir dados e medir factores como mudanças na temperatura e pressão. “Estes dados reflectem o quanto a estrutura é deformada sob pressão”, indicou Zhou, citada na nota. Além disso, a equipa está a desenhar uma rede de sensores para serem instalados nos pontos de contacto do túnel com as duas ilhas artificiais da ponte.

1 Mar 2021

Estudo | Ponte HKZM “rouba” 42,7% de passageiros aos terminais marítimos

Um estudo encomendado pelo Governo revelou que desde a abertura da Ponte HKZM as pessoas que visitam Macau alteraram o seu padrão de viagem. Mais de 40 por cento admitiram deixar de usar os terminais marítimos. Por outro lado, a ponte trouxe mais passageiros ao Aeroporto de Macau

 
A curiosidade para circular na ponte que faz a maior travessia marítima, e para usar uma estrutura que custou muitos, mas mesmo muitos, milhões de patacas, foi a razão principal para fazer a travessia pela Ponte HKZM, de acordo com um estudo encomendado pela Direcção dos Serviços do Turismo (DST). Entre as respostas aos 3.070 inquéritos, recolhidos entre Abril e Setembro de 2019 no átrio de partida dos postos fronteiriços, 62,5 por cento apontou o custo e a dimensão da ponte como motivação para a travessia. O facto de a viagem ser mais barata dessa forma foi a justificação dada por 21,7 por cento dos utilizadores.
A análise, intitulada “Impacto da abertura da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau na indústria turística”, demonstra a forma como a infra-estrutura alterou o padrão de deslocação dos visitantes a Macau, incluindo a diminuição do uso dos terminais marítimos. Nesse aspecto, os resultados mostram que 42,7 por cento dos visitantes de Macau indicaram que irão reduzir o uso dos terminais marítimos (Terminal Marítimo de Passageiros da Taipa e Terminal Marítimo de Passageiros do Porto Exterior) devido à abertura da Ponte HKZM.
O padrão de viagens terrestres e marítimas dos visitantes de Hong Kong, em específico, mudou significativamente, com 60,6 por cento a indicar que irão reduzir o uso dos terminais devido à abertura da ponte.

Aeroporto concorrido

O relatório também assinala que, embora a maioria dos visitantes use o mesmo posto fronteiriço para entrada e saída da RAEM, a abertura da ponte fez com que visitantes que entram utilizem mais o Aeroporto Internacional de Macau. Dessa forma, entre os que entraram em Macau pela Ponte HKZM, 23,7 por cento saíram pelo Aeroporto Internacional de Macau. O mesmo se verificou na direcção oposta, ou seja, entre os visitantes que viajam via aérea para Macau, 21,9 por cento dos visitantes usaram a ponte para sair da cidade.
Por outro lado, mais de 70 por cento dos visitantes que entraram em Macau, disseram fazer “viagens Macau-Hong Kong”, e 60 por cento “itinerários multi-destinos”. Entre os inquiridos, o nível de satisfação quanto a esta forma para entrar e sair de Macau foi de perto de 90 por cento.

Passe rápido

A partir de amanhã, o pagamento das portagens na Ponte HKZM pode ser feito com o cartão Macau Pass. A novidade, dada pela Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego, tem como objectivo “concretizar e implementar as estratégias para o desenvolvimento da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau”. Em paralelo, a partir de 1 de Janeiro de 2020, serão ajustadas as “categorias dos veículos e tarifação da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau”, ou seja, na “1.ª categoria dos automóveis” o número de assentos passa de 7 lugares passa para 9 lugares. Estes veículos vão usufruir de tarifa gratuita nos dias de feriados e festividades do Estado.

19 Dez 2019

Estudo | Ponte HKZM “rouba” 42,7% de passageiros aos terminais marítimos

Um estudo encomendado pelo Governo revelou que desde a abertura da Ponte HKZM as pessoas que visitam Macau alteraram o seu padrão de viagem. Mais de 40 por cento admitiram deixar de usar os terminais marítimos. Por outro lado, a ponte trouxe mais passageiros ao Aeroporto de Macau

 

A curiosidade para circular na ponte que faz a maior travessia marítima, e para usar uma estrutura que custou muitos, mas mesmo muitos, milhões de patacas, foi a razão principal para fazer a travessia pela Ponte HKZM, de acordo com um estudo encomendado pela Direcção dos Serviços do Turismo (DST). Entre as respostas aos 3.070 inquéritos, recolhidos entre Abril e Setembro de 2019 no átrio de partida dos postos fronteiriços, 62,5 por cento apontou o custo e a dimensão da ponte como motivação para a travessia. O facto de a viagem ser mais barata dessa forma foi a justificação dada por 21,7 por cento dos utilizadores.

A análise, intitulada “Impacto da abertura da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau na indústria turística”, demonstra a forma como a infra-estrutura alterou o padrão de deslocação dos visitantes a Macau, incluindo a diminuição do uso dos terminais marítimos. Nesse aspecto, os resultados mostram que 42,7 por cento dos visitantes de Macau indicaram que irão reduzir o uso dos terminais marítimos (Terminal Marítimo de Passageiros da Taipa e Terminal Marítimo de Passageiros do Porto Exterior) devido à abertura da Ponte HKZM.

O padrão de viagens terrestres e marítimas dos visitantes de Hong Kong, em específico, mudou significativamente, com 60,6 por cento a indicar que irão reduzir o uso dos terminais devido à abertura da ponte.

Aeroporto concorrido

O relatório também assinala que, embora a maioria dos visitantes use o mesmo posto fronteiriço para entrada e saída da RAEM, a abertura da ponte fez com que visitantes que entram utilizem mais o Aeroporto Internacional de Macau. Dessa forma, entre os que entraram em Macau pela Ponte HKZM, 23,7 por cento saíram pelo Aeroporto Internacional de Macau. O mesmo se verificou na direcção oposta, ou seja, entre os visitantes que viajam via aérea para Macau, 21,9 por cento dos visitantes usaram a ponte para sair da cidade.

Por outro lado, mais de 70 por cento dos visitantes que entraram em Macau, disseram fazer “viagens Macau-Hong Kong”, e 60 por cento “itinerários multi-destinos”. Entre os inquiridos, o nível de satisfação quanto a esta forma para entrar e sair de Macau foi de perto de 90 por cento.

Passe rápido

A partir de amanhã, o pagamento das portagens na Ponte HKZM pode ser feito com o cartão Macau Pass. A novidade, dada pela Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego, tem como objectivo “concretizar e implementar as estratégias para o desenvolvimento da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau”. Em paralelo, a partir de 1 de Janeiro de 2020, serão ajustadas as “categorias dos veículos e tarifação da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau”, ou seja, na “1.ª categoria dos automóveis” o número de assentos passa de 7 lugares passa para 9 lugares. Estes veículos vão usufruir de tarifa gratuita nos dias de feriados e festividades do Estado.

19 Dez 2019

Ponte HKZM | Cidadão “desaparecido” é suspeito de contrabando

Os Serviços de Segurança Pública da Província de Guangdong afirmaram através da sua conta oficial da rede social Weibo, que o cidadão de Hong Kong que “desapareceu” na passada sexta-feira quando vinha para Macau através da Ponte Hong-Kong-Zhuhai-Macau foi detido por suspeita de contrabando. Recorde-se que o caso só veio a público depois do filho do desaparecido ter denunciado a situação aos meios de comunicação social.
Segundo as informações das autoridades do interior da China o homem detido, de apelido Chung, tem 53 anos, é residente de Hong Kong e era procurado pelas autoridades de Shenzhen desde de Agosto de 2012, por suspeita de contrabandear telemóveis através de condutores de camiões entre Guangdong e Hong Kong.
A pensar na vinda do Presidente Xi Jinping a Macau para as celebrações dos 20 anos da RAEM, as autoridades do interior da China contam com mais postos de controlo de segurança instalados nas ilhas artificiais da ponte, de forma a proceder à inspecção de todos aqueles que se deslocam para a cidade chinesa de Zhuhai ou para a RAEM provenientes de Hong Kong.

17 Dez 2019

Ponte HKZM | Cidadão “desaparecido” é suspeito de contrabando

Os Serviços de Segurança Pública da Província de Guangdong afirmaram através da sua conta oficial da rede social Weibo, que o cidadão de Hong Kong que “desapareceu” na passada sexta-feira quando vinha para Macau através da Ponte Hong-Kong-Zhuhai-Macau foi detido por suspeita de contrabando. Recorde-se que o caso só veio a público depois do filho do desaparecido ter denunciado a situação aos meios de comunicação social.

Segundo as informações das autoridades do interior da China o homem detido, de apelido Chung, tem 53 anos, é residente de Hong Kong e era procurado pelas autoridades de Shenzhen desde de Agosto de 2012, por suspeita de contrabandear telemóveis através de condutores de camiões entre Guangdong e Hong Kong.

A pensar na vinda do Presidente Xi Jinping a Macau para as celebrações dos 20 anos da RAEM, as autoridades do interior da China contam com mais postos de controlo de segurança instalados nas ilhas artificiais da ponte, de forma a proceder à inspecção de todos aqueles que se deslocam para a cidade chinesa de Zhuhai ou para a RAEM provenientes de Hong Kong.

17 Dez 2019

Ponte HKZM | Cidadão de Hong Kong “desapareceu” quando vinha para Macau

Antes de ficar incontactável, o homem enviou uma mensagem ao filho a dizer que tinha sido detido pelas autoridades do Interior da China. A detenção terá acontecido num dos postos fronteiriços instalados para proteger a visita de Xi Jinping a Macau

 
Um cidadão de Hong Kong vinha para Macau de autocarro através da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau e “desapareceu”. A notícia foi avançada pela Cable TV News, de Hong Kong, e confirmada ontem pelas autoridades da RAEHK.
De acordo com o relato do filho do desaparecido, o pai terá sido detido pela Polícia da China do Interior, num dos postos fronteiriços instalados nas ilhas artificiais da ponte, a pensar na segurança de Xi Jinping, que esta semana visita Macau.
O desaparecimento aconteceu na sexta-feira de acordo com a denúncia do filho, que afirma ter recebido uma mensagem do pai a informar sobre a detenção. “Fui preso”, foi este o conteúdo da mensagem que o denunciante terá recebido.
O momento em que a liberdade do pai foi restringida terá acontecido ainda antes da entrada em Macau, uma vez que o homem diz ter contactado as autoridades da RAEM à procura do progenitor. A resposta que alegadamente terá recebido é que o seu pai nunca chegou a entrar na RAEM.
Na semana passada foi anunciado pelas entidades do Interior que seria instalado um novo posto fronteiriço numa das ilhas artificiais do traçado da ponte. Segundo a informação revelada, que ontem foi apontada pelo Hong Kong Free Press, o controlo alfandegário conta com máquinas de Raio-X e reconhecimento facial.
Além de servirem como forma de garantir a segurança do Presidente Xi Jinping, um dos objectivos passa igualmente por evitar que qualquer pessoa de Hong Kong tente aproveitar a ocasião para demonstrar o descontentamento com a situação da RAEHK. Este aspecto foi apontado como “um ambiente social favorável” para a visita de Xi Jinping, no âmbito das comemorações dos 20 anos da transferência de soberania.

Déjà vu

Os controlos alfandegários entre as fronteiras permanentes da ponte vão estão em vigor até 22 de Dezembro, o que pode fazer com que as pessoas que pretendam voar a partir de Hong Kong, vindas de Macau, tenham de passar por mais um controlo.
Depois de ter recebido a queixa, a Polícia de Hong Kong afirmou que ia ficar à espera de ser contactada pelas autoridades do Interior, uma vez que considerou que não é “apropriado” interferir nos assuntos de outras jurisdições.
Em Hong Kong a detenção está a merecer comparações com o caso dos livreiros raptados na RAEHK pelas autoridades do Interior e levados para o outro lado da fronteira, para onde enviavam livros com conteúdos considerados sensíveis sobre o Partido Comunista Chinês.

16 Dez 2019

Ponte HKZM | Cidadão de Hong Kong “desapareceu” quando vinha para Macau

Antes de ficar incontactável, o homem enviou uma mensagem ao filho a dizer que tinha sido detido pelas autoridades do Interior da China. A detenção terá acontecido num dos postos fronteiriços instalados para proteger a visita de Xi Jinping a Macau

 

Um cidadão de Hong Kong vinha para Macau de autocarro através da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau e “desapareceu”. A notícia foi avançada pela Cable TV News, de Hong Kong, e confirmada ontem pelas autoridades da RAEHK.

De acordo com o relato do filho do desaparecido, o pai terá sido detido pela Polícia da China do Interior, num dos postos fronteiriços instalados nas ilhas artificiais da ponte, a pensar na segurança de Xi Jinping, que esta semana visita Macau.

O desaparecimento aconteceu na sexta-feira de acordo com a denúncia do filho, que afirma ter recebido uma mensagem do pai a informar sobre a detenção. “Fui preso”, foi este o conteúdo da mensagem que o denunciante terá recebido.

O momento em que a liberdade do pai foi restringida terá acontecido ainda antes da entrada em Macau, uma vez que o homem diz ter contactado as autoridades da RAEM à procura do progenitor. A resposta que alegadamente terá recebido é que o seu pai nunca chegou a entrar na RAEM.

Na semana passada foi anunciado pelas entidades do Interior que seria instalado um novo posto fronteiriço numa das ilhas artificiais do traçado da ponte. Segundo a informação revelada, que ontem foi apontada pelo Hong Kong Free Press, o controlo alfandegário conta com máquinas de Raio-X e reconhecimento facial.

Além de servirem como forma de garantir a segurança do Presidente Xi Jinping, um dos objectivos passa igualmente por evitar que qualquer pessoa de Hong Kong tente aproveitar a ocasião para demonstrar o descontentamento com a situação da RAEHK. Este aspecto foi apontado como “um ambiente social favorável” para a visita de Xi Jinping, no âmbito das comemorações dos 20 anos da transferência de soberania.

Déjà vu

Os controlos alfandegários entre as fronteiras permanentes da ponte vão estão em vigor até 22 de Dezembro, o que pode fazer com que as pessoas que pretendam voar a partir de Hong Kong, vindas de Macau, tenham de passar por mais um controlo.

Depois de ter recebido a queixa, a Polícia de Hong Kong afirmou que ia ficar à espera de ser contactada pelas autoridades do Interior, uma vez que considerou que não é “apropriado” interferir nos assuntos de outras jurisdições.

Em Hong Kong a detenção está a merecer comparações com o caso dos livreiros raptados na RAEHK pelas autoridades do Interior e levados para o outro lado da fronteira, para onde enviavam livros com conteúdos considerados sensíveis sobre o Partido Comunista Chinês.

16 Dez 2019

Técnicos acusados por falsificação de testes na ponte Ponte HKZM   

Foram ontem considerados culpados doze técnicos de uma empreiteira contratada pelo Governo de Hong Kong por falsificação de testes da mega ponte que liga Macau, Hong Kong e Zhuhai, inaugurada há um ano, noticiou o South China Morning Post.

O Tribunal Distrital considerou que os funcionários do laboratório da Jacobs China Limited, empresa responsável por analisar a força dos materiais utilizados na construção da mega ponte, foram culpados por um caso de fraude que custou aos cofres do Governo de Hong Kong 58 milhões de dólares de Hong Kong.

Seis dos funcionários do laboratório já se tinham declarado culpados, os 12 que se declararam inocentes, e que foram ontem condenados, afirmaram que seguiram ordens para corrigir os resultados dos testes alterando os registos do computador, substituindo as amostras verdadeiras por falsificadas.

Os arguidos disseram ainda, segundo o mesmo jornal, que não sabiam que estavam a incorrer num crime. Uma justificação que não foi aceite pelo juiz daquele tribunal. Segundo o juiz, os réus estavam cientes da diferença entre “corrigir erros” e “encobrir erros”, tendo cometido o crime de forma consciente.
Esta quinta-feira o juiz vai ouvir os advogados de defesa que vão procurar atenuar as penas que podem ir até aos 32 meses de prisão.

O caso, lembrou o South China Morning Post, teve início em Maio de 2017 quando a Comissão Independente Contra a Corrupção deteve 21 funcionários da Jacobs Chin, depois daquele órgão de fiscalização ter acusado a empresa de falsificar, entre 2012 e 2017, 384 relatórios de testes dos materiais da mega ponte que liga Macau, Hong Kong e Zhuhai. Dois dos 21 funcionários foram libertados sem qualquer acusação, dos restantes, seis já se declararam culpados e os restantes 12 foram ontem condenados.

21 Nov 2019

Transportes | Secretário fala de menos fluxo nos terminais marítimos

O secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário, admitiu ontem que os terminais marítimos de Macau e do Pac On têm vindo a perder passageiros desde a abertura da nova ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau.

“Temos vindo a perder passageiros no terminal de Macau e do Pac On desde a abertura da nova ponte. Vamos tentar fazer o melhor que podemos, as pessoas preferem viajar de camioneta. Se o número de Raimundo do Rosário recusou ainda falar do recurso apresentado em tribunal pela empresa ligada à construção do parque de materiais e oficinas do metro ligeiro, nomeadamente no que diz respeito ao valor de indemnização exigido. “Há uma acção de indemnização relativa ao parque de materiais e oficinas, mas isso está a seguir os seus trâmites. Não me vou pronunciar sobre acções que estão em curso.”

O secretário também nada disse sobre os novos contratos dos autocarros, cujo prazo termina a 31 de Outubro e cujas discussões se prolongam há cerca de um ano. “Tenho consciência que falta um mês para o fim dos contratos dos autocarros. Também estou limitado de tempo, mas enquanto não estiver tomada uma decisão não vou dizer mais nada. Não pode ser até Dezembro, porque o contrato acaba a 31 de Outubro. Teremos de tomar uma decisão até lá.”

30 Set 2019

Transportes | Secretário fala de menos fluxo nos terminais marítimos

O secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário, admitiu ontem que os terminais marítimos de Macau e do Pac On têm vindo a perder passageiros desde a abertura da nova ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau.
“Temos vindo a perder passageiros no terminal de Macau e do Pac On desde a abertura da nova ponte. Vamos tentar fazer o melhor que podemos, as pessoas preferem viajar de camioneta. Se o número de Raimundo do Rosário recusou ainda falar do recurso apresentado em tribunal pela empresa ligada à construção do parque de materiais e oficinas do metro ligeiro, nomeadamente no que diz respeito ao valor de indemnização exigido. “Há uma acção de indemnização relativa ao parque de materiais e oficinas, mas isso está a seguir os seus trâmites. Não me vou pronunciar sobre acções que estão em curso.”
O secretário também nada disse sobre os novos contratos dos autocarros, cujo prazo termina a 31 de Outubro e cujas discussões se prolongam há cerca de um ano. “Tenho consciência que falta um mês para o fim dos contratos dos autocarros. Também estou limitado de tempo, mas enquanto não estiver tomada uma decisão não vou dizer mais nada. Não pode ser até Dezembro, porque o contrato acaba a 31 de Outubro. Teremos de tomar uma decisão até lá.”

30 Set 2019

Ponte HKZM | Transporte em carro privado disponível

A empresa VIT – Asia Services foi a primeira companhia a conseguir licença de serviço de transporte privado na ponte HKZM, avançou o canal de rádio da TDM na passada sexta-feira. O serviço permite a ligação entre Macau e Hong Kong pela ponte, sendo possível a ligação ao aeroporto.

Para já, está disponibilizada uma frota de quatro veículos, cada um com capacidade máxima para transportar seis pessoas. A recolha e entrega de passageiros é feita porta a porta.
Relativamente aos custos, as tarifas variam consoante o serviço seja diurno ou nocturno, no último caso são mais caras. O valor de base para chegar de Macau ao Aeroporto Internacional de Hong Kong é 2800 dólares de Hong Kong.

Yany Kwan, presidente VIT – Asia Services, disse à TDM – Canal Macau que a ligação ao aeroporto é particularmente vantajosa para os residentes de Macau: “(A ligação para) o aeroporto de Hong Kong é óptima para os residentes de Macau porque podem estar lá numa hora e quinze minutos, da porta de casa directamente para o aeroporto de Hong Kong. Não têm sequer de se preocupar em transportar a bagagem”, apontou à mesma fonte.

Relativamente aos valores apresentados, o responsável avançou que “se dividirmos, dá 400 e tal dólares por pessoa. Se considerarmos o bilhete do ferry e o táxi, acho que vale a pena”.

5 Ago 2019

Ponte HKZM | Mak Soi Kun critica Hong Kong

Ofacto da ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau não ter um estacionamento junto à fronteira na RAEHK levou o deputado Mak Soi Kun a escrever uma interpelação a apresentar queixas de residentes. O legislador, vencedor das eleições legislativas, revelou que recebeu muitas queixas de residentes, uma vez que ao contrário do que acontece em Macau, em Hong Kong não há lugares de estacionamento prontos para deixarem as viaturas e entrarem na cidade pelo próprio pé ou transportes públicos. “As pessoas de Macau estavam à espera de ter os mesmos direitos de utilização da ponte que os cidadãos de Hong Kong”, aponta Mak Soi Kun. “Será que o Governo de Macau, que quer incentivar uma maior integração na Grande Baía, já pensou em acautelar os interesses dos residentes? O que é que o Governo vai fazer em relação a este assunto?”, questiona.

 

7 Mar 2019