Património | Edifício construído por empresa de Mak Soi Kun gera polémica

Um edifício construído pela empresa do deputado Mak Soi Kun está a ser alvo de críticas nas redes sociais. O projecto de arquitectura manteve duas fachadas e criou uma nova estrutura no meio sem qualquer relação estética com a zona circundante. Vários arquitectos criticam o projecto pelo facto de não ter nenhuma ligação com o centro histórico

 

“Um ovni”. “Horroroso”. “Um mau bolo de noiva”. Estas são algumas das expressões usadas por arquitectos contactados pelo HM sobre o edifício que está a ser construído entre a Travessa da Sé e Rua de São Domingos, no centro histórico de Macau. Nas redes sociais, as críticas multiplicaram-se. “Não vejo deputados a insurgirem-se contra esta coisa que nasceu ao lado de um edifício classificado”, escreveu um residente.

De um lado manteve-se a fachada tradicional com janelas castanhas e uma parede pintada de cor amarela, enquanto que do outro restou apenas a fachada de um edifício de arte nova, da década de 30. No interior dos edifícios tudo foi destruído. No meio destas duas estruturas, foi edificado um prédio com espelhos. Ao lado dessa obra fica a Casa de Lou Kau, um espaço de património classificado e mantido pelo Instituto Cultural (IC).

A obra, da responsabilidade da empresa Soi Kun, do deputado Mak Soi Kun, tem sido alvo de críticas nas redes sociais e até levou alguns arquitectos a visitar o local. A maioria dos profissionais com quem o HM falou não gostou nada do que viu.

“Aquele resultado dói só de olhar. Se olharmos para as fotografias antigas, a parte amarela não existia, foi feita uma mera imitação. Depois passamos a esquina [entre a Rua de São Domingos e a Travessa da Sé] e chegamos a um edifício dos anos 30 do qual só se manteve a fachada. Ninguém respeita o volume e a relação entre o edifício e a fachada, depois lá dentro fez-se o que quis”, comentou Nuno Alves.

Para o arquitecto, o autor do projecto pensou “tenho aqui um espaço, tenho um ovni e vou colocá-lo aqui”. “Obviamente, que poderia ter sido feita uma coisa mais equilibrada, em termos do uso dos materiais e da ligação entre as três áreas, que são distintas. Poderia ter sido feito um trabalho mais interessante em termos de contraste e continuidade.”

Quem também foi visitar o local foi o arquitecto Miguel Campina, depois do aviso feito por um colega. “Fui lá levado por um colega que me disse que eu tinha de ver aquilo. Fui de espírito aberto e cheguei lá e fiquei de boca aberta. Fiquei muito surpreendido. Estou convencido que se alguém da UNESCO se deparar com aquilo não vai ficar bem impressionado, não pode. Aliás, aquilo é desrespeito pela profissão, pela cidade, pelo passado.”

Para Miguel Campina, “tudo aquilo é horroroso, um bolo de noiva do pior gosto possível”. “Qualquer pessoa com o mínimo de gosto e sensibilidade chega ali e fica estupefacto, pensa que está numa feira popular e não num centro histórico protegido pela UNESCO”, acrescentou.

O HM tentou obter mais esclarecimentos junto do IC no sentido de compreender se foi emitido parecer sobre o projecto, tal como a Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes para saber o tipo de projecto ia ali nascer e quais os padrões que foram avaliados para a sua aprovação, mas até ao fecho desta edição não foi possível obter uma resposta.

“Uma aposta falhada”

Miguel Campina lamenta que o interior dos edifícios tenha sido completamente irreconhecível. “Aquilo é só fachada, todo o miolo foi destruído. É um edifício que deveria respeitar princípios de integração elementares, e ele não respeita nada. É um susto.”

“Pessoalmente, acho que foi uma aposta falhada. Houve uma tentativa de clareza que não resultou de todo, uma sequência de tentativas sem continuidade ou relação. Mas isso tem a ver com a vontade de afirmação de quem faz o desenho do que com uma sensibilidade mais atenta.”

Questionado sobre se as autoridades deveriam ter autorizado este projecto de construção, Miguel Campina garantiu que as autoridades públicas acabam por se preocupar “com coisas menores” e deu o exemplo do que se passa noutras capitais mundiais. “Deveria haver uma entidade moderadora capaz de repor o equilíbrio. Nas cidades devidamente equilibradas, como por exemplo em Londres, o projecto não avança se a arquitectura não tiver a qualidade suficiente. Fazem-se edifícios novos, alguns em clara ruptura com a tradição, mas a linguagem utilizada é excepcional. Aquilo é um falhanço completo, um desastre. Objectivamente, aquilo não valoriza o que quer que seja, só desvaloriza.”

Contactado pelo HM, o deputado José Pereira Coutinho adiantou que vai confrontar o IC com este caso. “Vamos contactar por escrito o IC para se pronunciar sobre esta estrutura. Fico bastante surpreendido com o facto do edifício ter sido aprovado tendo aquela fisionomia, com tanto vidro, não existindo, nos arredores, outro semelhante. Estou curioso em saber o que o IC disse sobre o edifício e quero saber o que a nova presidente do IC [Mok Ian Ian] pensa sobre o assunto”, referiu.

Algum equilíbrio

André Ritchie, arquitecto e ex-coordenador do Gabinete de Infra-estruturas de Transportes, visitou ontem o local mas não se mostrou tão chocado como os seus colegas de profissão. “Não acho que seja uma obra-prima, mas entendo que houve alguma coerência e cuidado. Estamos a falar de uma intervenção no centro histórico da UNESCO, e como arquitecto, o que está feito lá não me arrepia. Acho que há coisas muito piores do que não deveria ser feito. Para mim é um conjunto coerente. Construir no centro histórico não tem de ser copiar o que lá está.”

Para este profissional, “o arquitecto preservou as duas fachadas antigas e usou materiais que permitem a pessoa distinguir entre o novo e o antigo”. “Acho que o resultado é bastante interessante. Volumetricamente houve também um cuidado de ir buscar as alturas desses edifícios existentes.”

“Do lado da Travessa da Sé a transição entre o novo e o antigo é feita com algum sucesso, mas do lado da Rua de São Domingos, onde está a fachada amarela, poderia ter sido melhor feito. A parte nova com vidro o desenho poderia ter ido buscar alguns elementos ao edifício amarelo”, frisou André Ritchie.

Apesar de aceitar uma intervenção que entende ter uma perspectiva mais moderna, sem se copiar exactamente o desenho anterior, o arquitecto lamenta que se destrua todo o interior dos históricos edifícios, que antes eram símbolo de vivências na zona do Leal Senado, ainda presentes na memória do arquitecto.

“Passou a ser regra aceite que o proponente preserve a fachada e depois pode rebentar com o interior do edifício. Temos as fachadas e tudo o que está atrás já não tem qualquer tipo de correspondência. O centro histórico deveria ter alma.”

O HM tentou saber a opinião do deputado Mak Soi Kun sobre este projecto mas, apesar de terem sido enviadas várias imagens do projecto e do nome da empresa responsável pela construção, foi-nos dito que eram necessárias informações mais concretas, pelo que não obtivemos resposta em tempo útil.

26 Jul 2018

Largo do Senado acolhe vigília por Tiananmen pelo quinto ano consecutivo

O Largo do Senado vai ser palco, na próxima segunda-feira, da tradicional vigília em homenagem às vítimas do massacre de Tiananmen, o que sucede pelo quinto ano consecutivo

 

O Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM) confirmou ontem ao HM ter aceitado o pedido submetido pela União para o Desenvolvimento Democrático de Macau, dos deputados Au Kam Sam e Ng Kuok Cheong, para realizar a vigília em homenagem às vítimas do massacre de Tiananmen no Largo do Senado. A iniciativa tem lugar na próxima segunda-feira entre as 20 e as 22 horas.

Em declarações ao HM, Au Kam San afirmou não ter expectativas relativamente à adesão da vigília que, no ano passado, juntou aproximadamente duas centenas de pessoas na principal praça de Macau no pico do evento.

A vigília em homenagem às vítimas de Tiananmen voltou ao Largo do Senado em 2014, após um interregno de, pelo menos, 15 anos. Essa vigília, que coincidiu com o 25.º aniversário de Tiananmen, foi, aliás, uma das mais participadas de sempre, tendo juntado pelo menos três mil pessoas, de acordo com a organização.

Depois de anos reservado para actividades subordinadas ao Dia Mundial da Criança, a praça ficou desimpedida em 2014 após a Associação Geral de Estudantes Chong Wa de Macau ter cancelado o pedido de cedência do espaço em respeito por Ma Man Kei, uma das figuras mais importantes da comunidade chinesa, que tinha falecido na semana anterior.

Tal permitiu aos dois deputados ocupar a vaga e deixar de assinalar a efeméride no Largo de S. Domingos que, apesar de distar poucos metros do “coração” da emblemática praça, fazia com que o evento passasse mais despercebido, além de que era, muitas vezes, ofuscado pelos espectáculos do Dia Mundial da Criança.

Macau e Hong Kong (com uma dimensão muito mais expressiva, na ordem dos milhares de participantes por ano) são os únicos locais da República Popular da China onde se assinala a repressão do movimento estudantil pró-democracia de 4 de Junho de 1989.

Centenas de pessoas – ou mesmo mais de mil segundo algumas estimativas – morreram depois o regime chinês enviar tanques para a Praça de Tiananmen, esmagando os protestos no coração de Pequim, onde manifestantes estavam concentrados há sete semanas a exigir reformas democráticas.

Em Dezembro último, porém, foi tornado público um telegrama secreto da diplomacia britânica que dava conta de uma “estimativa mínima de 10.000 civis mortos”. O número, facultado a 5 de Junho de 1989 pelo então embaixador da Grã-Bretanha, Alan Donald, é quase dez vezes superior ao comummente aceite à época. No entanto, foi considerado credível pelo sinólogo francês Jean-Pierre Cabestan que, em declarações à agência de notícias France-Presse, assinalou então que os documentos confidenciais que foram sendo divulgados nos últimos anos nos Estados Unidos sugerem a mesma ordem de grandeza.

1 Jun 2018

A Pharmacia Popular

Vários assuntos atravessam a estadia em Macau de Camilo Pessanha e a construção da Avenida Almeida Ribeiro é um deles. Imaginariamente delineada já nos jornais desde 1890, essa avenida só fará a ligação do Porto Interior com a Praia Grande em 1926, está a falecer o poeta. A história da Avenida Almeida Ribeiro, por vezes mal contada pois dá-a como terminada em 1915, mas tal só acontece do Porto Interior ao Largo do Senado. Cinco anos para construir essa parte da via, demorando do Senado à Praia Grande mais dez, e só quando o morro é destruído, com grande contestação da comunidade chinesa de Macau, é a ligação em linha recta feita até à Praia Grande.

Para remediar o corte da Rua da Sé, que fica sem a parte tomada pela Avenida Almeida Ribeiro, é pensada uma ponte, mas a Rua Central, ganhando uma boa centena de metros, começa agora a um nível mais baixo, na Avenida Coronel Mesquita, que da Rua da Praia Grande vai até ao Cinema Apolo. Daí o Largo do Senado onde, para Oeste se liga a Avenida Almeida Ribeiro, que em 1926 estende o nome e ocupa a então Avenida Coronel Mesquita; e nessa transferência de nomes passa a Avenida Coronel Mesquita a designar uma via na parte Norte da cidade.

Percorre também toda a estadia em Macau do poeta a história das obras do porto, desde o desassoreamento do Porto Interior à construção do novo Porto Exterior para albergar navios de maior calado. Já para a Lotaria da Santa Casa da Misericórdia de Macau não há aqui espaço.

Luz eléctrica na cidade

Entre 1898 a 1919 apenas funciona no Liceu Nacional de Macau o curso geral, sem o complementar e como o currículo é parecido com o do Seminário de S. José e do Colégio Feminino de Santa Rosa de Lima, o Liceu tem uma fraca frequência de alunos. Por isso é o Instituto Comercial de Macau fundado pela Portaria n.º 59 de 10 de Agosto de 1901, ficando anexo ao Liceu e tutelado pelo Leal Senado. Tal dura apenas até 1903, pois dissolvido é em 7 de Outubro integrado no Liceu.

Sobre um museu para a cidade, Pessanha, nas suas cinco estadias em Macau, escuta e fala sobre a sua criação, mas o único que conhece é o de História Natural criado no Liceu em 1895 pelo Reitor Dr. Gomes da Silva. Ano da existência da Pharmacia Popular, fundada a 5 de Dezembro na Rua da Praia Grande, comprada em 1910 pela família Nolasco.

Quando Camilo Pessanha vai para Portugal em Agosto de 1905, está por inaugurar o sistema de iluminação eléctrica em Macau, o que ocorrerá em Fevereiro de 1906 e a verá ao regressar em 18 de Fevereiro de 1909, para a sua quarta estadia que se desenrolará até 10 de Setembro de 1915.

No dia seguinte à chegada, a 19 de Fevereiro de 1909 Camilo Pessanha reassume o cargo de Conservador do Registo Predial e a 11 de Março é nomeado professor de Economia Política e de Direito Comercial, tomando posse a 2 de Junho do cargo de professor de Noções de História Universal, História da China e especialmente das suas relações políticas e comerciais e História Pátria. Em 29 de Junho de 1910 vê ser inaugurado o novo farol da Guia, sendo a altura sobre o nível do mar de 105,7 metros e cuja torre de 14,5 metros passou a ser circular, tendo no topo o novo aparelho luminoso de terceira ordem, uma aparelhagem moderna de rotação que veio de Paris, com uma distância focal de 0,375 metros e uma intensidade de luz cujo alcance era de 25 milhas. No mesmo ano é aberta a Avenida da República e dá-se início ao projecto de abertura da Avenida Almeida Ribeiro.

Carestia

O jornal Vida Nova de 2 de Janeiro de 1910 refere que “a construção de habitações na parte da Colina da Penha levou ao desviar de alguns veios de água que alimentavam a fonte do Lilau e devido também à exploração de várias pedreiras na referida montanha secaram algumas pequenas nascentes; “de modo que os habitantes daquela zona da cidade que dantes se utilizavam da água daquela fonte e nascentes, hoje vêem-se na necessidade de servir-se da água da Fonte de Inveja que, segundo dizem, já não é tão abundante como noutros tempos. Dizem também que o corte das árvores daquela montanha influiu para o desaparecimento de algumas nascentes”.

De Macau, Pessanha ausenta-se de 19 a 22 de Novembro de 1911 para ir a Cantão à procura de objectos de arte chinesa, segundo Daniel Pires que refere, no final do Verão de 1912, Pessanha mora num casarão antigo do século XVII ou XVIII de alvas varandas, cerca do Hotel da Boa Vista e “em cujas espaçosas salas e largos corredores se desenrolava a suave e ridente fantasmagoria do seu museu chinês…”, observação de Alberto Osório de Castro.

À falta do inebriante absinto consumido em Portugal, Camilo Pessanha em Macau substitui-o pelo ópio, que sente falta na sua estadia na metrópole e o faz regressar a 21 de Maio de 1916. No dia seguinte, a Pharmacia Popular muda-se para a casa n.º 16 do Largo de Senado, onde Beatriz Basto da Silva refere ter estado a antiga Farmácia e Drogaria Franco e Companhia.

Nessa quinta estadia em Macau de Camilo Pessanha e última, o jornal O Progresso (Semanário independente, Dedicado à Propugnação dos Interesses Portugueses no Extremo-Oriente, com redacção e tipografia na Rua do Hospital n.7 e Director Luiz Nolasco) de 1 de Outubro de 1916, num artigo de fundo, na primeira página a prolongar-se à seguinte, com o título Carestia da Vida revê os preços dos produtos de primeira necessidade entre 1910 e 1916, num trabalho de curiosa caturrice. Durante esse período, “a carne de vaca aumentou 33%, a de porco 80%, o arroz 44%, peixe 60%, galinha 100%, pombos 125%, batatas 100%, laranjas 25%, pão 60%,carvão 54%, petróleo 72%, lenha 60%, açúcar 88%, leite de lata 48% e biscoitos de soja 38%. Toda a gente berrava contra a carestia de vida, mas em geral ignorava-se quantas vezes, em números…”

6 Out 2017

Comércio externo de Macau subiu nos dois primeiros meses do ano

O comércio externo de Macau subiu 2,8 por cento em termos anuais homólogos até Fevereiro, alcançando 13,56 mil milhões de patacas, indicam dados oficiais. Em 2016, o comércio externo de Macau tinha registado, pelo segundo ano consecutivo, uma queda, e em Janeiro passado tinha verificado uma diminuição.

Segundo a Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC), nos primeiros dois meses de 2017, Macau exportou produtos no valor de 1,88 mil milhões de patacas  – mais 11,2 por cento em termos anuais homólogos – e importou bens avaliados em 11,69 mil milhões de patacas, ou seja, mais 1,6 por cento.

Nos dois primeiros meses deste ano, o défice da balança comercial atingiu 9,81 mil milhões de patacas, traduzindo um desagravamento ligeiro (0,1 por cento) comparativamente a igual período do ano passado.

Em termos de mercados, as exportações para a China diminuíram 1,8 por cento em termos anuais homólogos, para 234 milhões de patacas. Em contrapartida, as vendas de mercadorias de Macau para Hong Kong, no valor de 1,25 mil milhões de patacas subiram 20,2 por cento.

As exportações para os Estados Unidos (32 milhões de patacas) e para a União Europeia (31 milhões de patacas) aumentaram, respectivamente, 58,7 por cento e 6,5 por cento, em termos anuais homólogos.

A mesma tendência verificou-se nas vendas aos países de língua portuguesa que aumentaram 25,6 por cento para 200 mil patacas nos primeiros dois meses do ano em termos anuais homólogos, indica a DSEC.

Em termos de mercadorias, o valor exportado de joalharia com diamantes aumentou 82,6 por cento para 264 milhões de patacas, enquanto as vendas de máquinas, aparelhos e componentes diminuíram 55 por cento para 66 milhões de patacas.

Mais Europa, mais lusofonia

Já do lado das importações, Macau comprou à China produtos no valor de 3,95 mil milhões de patacas, o representa uma quebra de 7,9 por cento em relação aos primeiros dois meses do ano passado. Em sentido inverso, as compras à União Europeia dez por cento.

O mesmo sucedeu relativamente ao valor importado de mercadorias dos países de língua portuguesa, que cresceu 12,9 por cento para 103 milhões de patacas face ao período homólogo do ano passado.

Só no mês de Fevereiro, Macau exportou produtos avaliados em 904 milhões de patacas– mais 27,2 por cento face a Fevereiro de 2016 – e importou mercadorias no valor de 5,18 mil milhões de patacas, ou mais 9,1 por cento.

O défice comercial do segundo mês do ano foi de 4,28 mil milhões de patacas.

3 Abr 2017

LAG 2017 | Antigo edifício do GCS deverá ser um centro de exposições

O Secretário para a Economia e Finanças confirmou que o edifício que albergou o Gabinete de Comunicação Social deverá servir de centro de exposições para produtos Made in Macau ou para lojas com carácter não permanente. Só faltou o calendário

O Governo tomou finalmente uma decisão para a utilização das antigas instalações do Gabinete de Comunicação Social (GCS), um edifício de cor amarela actualmente vazio, localizado no Leal Senado. Lionel Leong, Secretário para a Economia e Finanças, confirmou na Assembleia Legislativa (AL) que há duas soluções pensadas para o edifício.

“O edifício era usado para formação de trabalhadores por parte dos Serviços de Administração e Função Pública e temos pensado que poderia ser atribuído ao Instituto de Promoção do Comércio e Investimento, ou outras entidades, mas verificámos que existem várias deficiências. O rés-do-chão funcionava como garagem mas trata-se de uma zona pedonal, onde não é permitida a entrada de viaturas. Estamos a pensar reabilitar as instalações para que sirvam como uma pop-up store [lojas com carácter não permanente] ou um centro de produtos de Macau para exposição e venda.”

Para o Secretário, esta medida vai permitir que “as pessoas conheçam os produtos Made in Macau”. “Queremos promover ainda mais a área das indústrias culturais e criativas”, acrescentou Lionel Leong, sem avançar um calendário para o arranque do novo projecto.

Promessas adiadas

Com 24 metros de altura, o edifício foi construído na década de 80 e estará a ser gerido pela Fundação Macau. Em 2008, Ho Kuai Leng, membro do conselho de administração desta entidade, confirmou que ali iria nascer um espaço cultural com apenas quatro andares, projecto que iria levar à demolição do edifício. Quase dez anos depois, ainda nada foi feito.

À data, Ho Kuai Leng prometeu que o projecto ficaria concluído em 2010, sendo que iria albergar também espaços para exposições e uma sala de leitura.

Num trabalho recente publicado pelo HM, James Chu, criativo local, propôs que o edifício fosse transformado numa segunda C-Shop, uma vez que apenas existe um espaço do género junto à praça Jorge Álvares. “Claro que o Governo deveria abrir mais espaços como este. Há muitas boas localizações que estão a ser ocupadas pelo Governo e há espaços que estão vazios”, sugeriu.

A questão da desocupação do edifício foi levantada pelo deputado Ng Kuok Cheong no segundo dia de debate sobre as Linhas de Acção Governativa (LAG) para a área da Economia e Finanças. “Sobre o edifício desocupado onde estava o GCS, foi feita uma avaliação do valor das rendas que estão na zona? Se calhar uma loja que está ao lado do edifício pode ter hoje outro valor. Qual é o ponto da situação da ocupação do edifício do GCS?”, questionou o membro da AL.

28 Nov 2016