Economia | Importações dos países lusófonos registam aumento

Até Novembro, Macau importou mais 7,4 por cento aos países lusófonos. Ao nível das exportações, o bloco lusófono dos países “Uma Faixa, Uma Rota” registou uma queda de 94,8 por cento

 

De Janeiro a Novembro, Macau importou dos países lusófonos, 776 milhões de patacas em mercadorias, ou seja mais 7,4 por cento em comparação com igual período de 2018, foi ontem anunciado pela Direcção de Serviços de Estatísticas e Censos (DSEC).

Em comunicado, a DSEC referiu que o território exportou para o bloco lusófono, nos 11 primeiros meses do ano, bens no valor de um milhão de patacas, uma queda de 94,8 por cento em termos anuais homólogos.

No período entre Janeiro e Novembro de 2019, as importações de mercadorias, em termos globais, alcançaram 81,31 mil milhões de patacas, uma descida de 1 por cento, em relação ao mesmo período do ano passado. Já as exportações do território cifraram-se em 11,69 mil milhões de patacas, uma subida de 4,9 por cento, em termos anuais homólogos, de acordo com a DSEC.

O défice da balança comercial nos 11 primeiros meses de 2019 cifrou-se em 69,62 mil milhões de patacas, menos 1,80 mil milhões de patacas, relativamente a igual período de 2018, notou a DSEC.

Sobe e desce

Por países ou territórios, as exportações para o Interior da China cifraram-se em 1,44 mil milhões de patacas, ou seja, menos 22,1 por cento em relação aos 11 primeiros meses de 2018.

Em contrapartida, os valores exportados de mercadorias para Hong Kong, no valor de 7,49 mil milhões de patacas, e para os Estados Unidos, no valor de 249 milhões de patacas, cresceram 7,7 por cento e 108 por cento, respectivamente.

Do lado das importações, registou-se uma descida de 3,2 por cento dos bens importados do Interior da China, no valor total de 27,97 mil milhões de patacas em termos anuais homólogos. Em sentido inverso, o valor importado de mercadorias da União Europeia, 22,31 mil milhões de patacas, subiu 9,2 por cento, nos primeiros 11 meses do ano.

O valor total do comércio externo de mercadorias entre Janeiro e Novembro de 2019 correspondeu a 93 mil milhões de patacas, uma queda de 0,3 por cento, em relação ao mesmo período de 2018.

O défice da balança comercial nos 11 primeiros meses de 2019 cifrou-se em 69,62 mil milhões de patacas, menos 1,80 mil milhões de patacas, relativamente a igual período de 2018.

3 Jan 2020

Economia | Importações dos países lusófonos registam aumento

Até Novembro, Macau importou mais 7,4 por cento aos países lusófonos. Ao nível das exportações, o bloco lusófono dos países “Uma Faixa, Uma Rota” registou uma queda de 94,8 por cento

 
De Janeiro a Novembro, Macau importou dos países lusófonos, 776 milhões de patacas em mercadorias, ou seja mais 7,4 por cento em comparação com igual período de 2018, foi ontem anunciado pela Direcção de Serviços de Estatísticas e Censos (DSEC).
Em comunicado, a DSEC referiu que o território exportou para o bloco lusófono, nos 11 primeiros meses do ano, bens no valor de um milhão de patacas, uma queda de 94,8 por cento em termos anuais homólogos.
No período entre Janeiro e Novembro de 2019, as importações de mercadorias, em termos globais, alcançaram 81,31 mil milhões de patacas, uma descida de 1 por cento, em relação ao mesmo período do ano passado. Já as exportações do território cifraram-se em 11,69 mil milhões de patacas, uma subida de 4,9 por cento, em termos anuais homólogos, de acordo com a DSEC.
O défice da balança comercial nos 11 primeiros meses de 2019 cifrou-se em 69,62 mil milhões de patacas, menos 1,80 mil milhões de patacas, relativamente a igual período de 2018, notou a DSEC.

Sobe e desce

Por países ou territórios, as exportações para o Interior da China cifraram-se em 1,44 mil milhões de patacas, ou seja, menos 22,1 por cento em relação aos 11 primeiros meses de 2018.
Em contrapartida, os valores exportados de mercadorias para Hong Kong, no valor de 7,49 mil milhões de patacas, e para os Estados Unidos, no valor de 249 milhões de patacas, cresceram 7,7 por cento e 108 por cento, respectivamente.
Do lado das importações, registou-se uma descida de 3,2 por cento dos bens importados do Interior da China, no valor total de 27,97 mil milhões de patacas em termos anuais homólogos. Em sentido inverso, o valor importado de mercadorias da União Europeia, 22,31 mil milhões de patacas, subiu 9,2 por cento, nos primeiros 11 meses do ano.
O valor total do comércio externo de mercadorias entre Janeiro e Novembro de 2019 correspondeu a 93 mil milhões de patacas, uma queda de 0,3 por cento, em relação ao mesmo período de 2018.
O défice da balança comercial nos 11 primeiros meses de 2019 cifrou-se em 69,62 mil milhões de patacas, menos 1,80 mil milhões de patacas, relativamente a igual período de 2018.

3 Jan 2020

Exportações para a China isentas de taxas alcançaram 95,7 milhões de patacas em 2018

As exportações de mercadorias com isenção de taxas aduaneiras de Macau para a China atingiram 95,7 milhões de patacas em 2018, traduzindo um aumento anual na ordem de um milhão de patacas.

De acordo com dados publicados no portal do CEPA — Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Interior da China e Macau –, sob alçada da Direcção dos Serviços de Economia, Abril figurou como o melhor mês, com o registo de 12,4 milhões de patacas; enquanto Fevereiro o pior, com 5,8 milhões de patacas.

Desde Janeiro de 2004 até Dezembro de 2018, o valor acumulado das exportações de mercadorias com isenção de direitos aduaneiros atingiu 957,5 milhões de patacas.

No plano do comércio de serviços, foram emitidos 631 certificados de prestador de serviços de Macau, quase metade dos quais relativos a serviços de transporte (agenciamento de carga/logística/conservação/armazenamento) ao longo do mesmo período.

O CEPA tem como objectivo “promover a prosperidade e o desenvolvimento comum do Interior da China e da Região Administrativa Especial e reforçar a cooperação mútua económica e comercial”, estabelecendo “um relacionamento semelhante a parceiros de comércio livre, num país com duas regiões aduaneiras autónomas” (Macau e Hong Kong). Desde a entrada em vigor do acordo, em Janeiro de 2004, têm vindo a ser assinados diversos suplementos, com vista ao alargamento das áreas, produtos e serviços.

8 Jan 2019

Comércio | Importações de Portugal crescem no primeiro semestre

 

Macau importou de Portugal, no primeiro semestre de 2018, produtos avaliados em 14,4 milhões de euros, mais 29 por cento comparativamente a igual período de 2017, informou ontem a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP). A informação da delegação de Macau da AICEP baseia-se no último balanço realizado pela Direcção dos Serviços de Estatística e Censos de Macau, a 31 de Julho.
O sector alimentar, que continua a representar metade do total de mercadorias que Macau compra a Portugal, registou um aumento de 15 por cento no período em análise, com destaque para o vinho (mais 24 por cento), carnes de animais da espécie suína, frescas, refrigeradas ou congeladas (mais 43 por cento), o azeite (mais 16 por cento) e as águas (mais 13 por cento). No sector das bebidas observou-se “um incremento de 21 por cento no primeiro semestre de 2018, directamente relacionado com o aumento da compra de vinho a Portugal”, refere o comunicado da delegação de Macau da AICEP.
O sector do azeite tem evidenciado um crescimento elevado, com Portugal a assumir-se como principal fornecedor deste produto à RAEM. No primeiro semestre de 2018, a compra de azeite a Portugal cresceu 16 por cento relativamente ao ano anterior, segundo a mesma nota. Destaca-se igualmente a importação de vestuário português, quel cresceu 494 por cento.
As máquinas e equipamentos constituem o terceiro grupo de produtos mais importado por Macau a Portugal (14 por cento do total), registando um aumento de 4 por cento (especialmente os transformadores eléctricos), seguido dos produtos farmacêuticos (8 por cento do total), que registaram “um desempenho excepcional” com uma taxa de crescimento de 186 por cento no primeiro semestre de 2018.

14 Ago 2018

Dumping | Pequim investiga importações da UE, Japão, Coreia do Sul e Indonésia

A China vai investigar as importações de produtos de aço inoxidável da União Europeia (UE), Japão, Coreia do Sul e Indonésia para determinar se estes estão a ser vendidos no país abaixo do preço de mercado, anunciou ontem o Ministério do Comércio. A decisão foi tomada depois da empresa Shanxi Taigang Stainless Steel – apoiada por outras quatro empresas do sector – ter solicitado às autoridades chinesas que iniciassem uma investigação sobre práticas de ‘dumping’ na venda de tarugos de aço inoxidável e placas de aço inoxidável laminado a quente importados desses países.

A investigação começou ontem e terminará dentro de um ano, a 23 de Julho de 2019, embora o ministério tenha indicado na sua página na Internet que o prazo pode ser prorrogado por mais um ano, até 23 de Julho de 2020, caso se verifiquem “circunstâncias excepcionais”.

As autoridades vão analisar se o ‘dumping’ ocorreu entre 1 de Janeiro e 31 de Dezembro de 2017 e, ao mesmo tempo, os danos que ocorreram na indústria entre 1 de Janeiro de 2014 e 31 de Março de 2018.

Os produtos testados são utilizados como matéria-prima para o aço inoxidável laminado a frio ou para a venda directa como um produto acabado para a construção de barcos, contentores, empresas ferroviárias e de energia e indústrias petroquímicas, entre outros. Em 2017, a China importou 703 mil toneladas desses produtos de aço inoxidável, um aumento de 200 por cento em relação ao ano anterior. A quase totalidade desses produtos, 98 por cento, vieram da UE, Japão, Coreia do Sul e Indonésia.

24 Jul 2018

Pequim sobe impostos sobre vários produtos norte-americanos

A China subiu ontem impostos sobre as importações de carne de porco, fruta e outros produtos dos Estados Unidos, parte de uma disputa comercial com Washington que tem abalados praças financeiras em todo o mundo

O Ministério das Finanças chinês afirmou que as taxas servem de retaliação à decisão do Presidente norte-americano, Donald Trump, de subir as importações sobre o aço e alumínio oriundos da China.
Mas o maior prejuízo para as importações chinesas depende ainda de uma possível subida das taxas alfandegárias sobre os produtos tecnológicos chineses, numa penalização contra a alegada fraca protecção dos direitos de propriedade intelectual por Pequim.
As medidas anunciadas por Trump poderão afectar as importações chinesas num valor de mais de 48 mil milhões de euros.
Analistas descartaram impactos económicos imediatos, mas afirmaram que a recuperação global poderá atrasar-se, caso outros países adoptem também medidas proteccionistas. Praças financeiras em todo o mundo foram abaladas nas últimas semanas por uma possível guerra comercial entre Washington e Pequim.

O contra-ataque

A decisão anunciada pelas autoridades chinesas inclui um aumento de 25 por cento nos impostos sobre as importações de carne porco ou alumínio e uma taxa de 15 por cento para maçãs, amêndoas e outros bens norte-americanos.
Pelas contas do Governo chinês, no ano passado, as importações chinesas daqueles produtos, a partir dos EUA, fixaram-se em 2,4 mil milhões de euros.
A medida afecta sobretudo áreas rurais dos Estados Unidos, onde se concentram muitos dos apoiantes de Trump.
A decisão dos EUA em subir os impostos “prejudicou gravemente os nossos interesses”, afirmou o Ministério chinês, em comunicado. “O nosso país defende e apoia o sistema multilateral de comércio”, indicou na mesma nota. O aumento das taxas alfandegárias “é uma medida de acordo com as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC), visando proteger os nossos interesses”, concluiu.
No total, em 2017, as importações chinesas de produtos agrícolas norte-americanos fixaram-se em 16,2 mil milhões de euros. Só em carne de porco, o valor ascende a mais de mil milhões de dólares, o que torna a China no terceiro maior mercado para a carne de porco norte-americana.

3 Abr 2018

Vinho | Portugal já é o quarto fornecedor europeu

Portugal é já o quarto fornecedor europeu dos vinhos importados pela China, que deverá em poucos anos tornar-se o maior mercado do mundo do sector, numa tendência que as empresas vinícolas portuguesas estão a tentar acompanhar.

“Estamos aqui a tentar acompanhar e apanhar este comboio, que é um comboio importante”, disse à agência Lusa Dora Martins, gerente de exportação da Real Companhia Velha, à margem de uma prova de vinhos organizada pela embaixada portuguesa em Pequim, que contou ainda com a participação da José Maria da Fonseca.

A China deverá ultrapassar, nos próximos anos, o Reino Unido e a França como o maior mercado do mundo para vinho, em termos de valor, segundo a consultora International Wine & Spirit Research (IWSR).

Na lista dos países europeus que em 2017 exportaram mais vinho para a China, encabeçada pela França, Portugal ficou no 4.º lugar, atrás de Espanha e Itália, segundo dados do centro de pequenas e médias empresas da União Europeia.

No ano passado, o país asiático comprou mais de 18 milhões de euros de vinho português, de acordo com a mesma fonte, representando 2,6% em volume e 2,5% em valor das exportações nacionais do sector.

No entanto, o mercado chinês tem “características próprias” e a “forma de os chineses consumirem vinho é diferente de todos os outros países”, notou Martins. “É um mercado onde há um grande desconhecimento sobre os vinhos portugueses e, portanto, é preciso vir cá mais vezes, explicar as castas locais, os vinhos e as regiões”, disse.

A representante da mais antiga empresa de vinhos de Portugal ressalvou que “os chineses aprendem muito rápido”. “Há dez, quinze anos, os chineses não percebiam nada de vinhos. E eu fico admirada e surpreendida o quão rápido o consumidor daqui aprende”, explicou.

Nos últimos anos, a campanha anticorrupção em curso na China levou a mudanças no perfil do mercado, com os vinhos a deixarem de servir como suborno e as vendas a serem impulsionadas pelo consumo real, segundo analistas do sector.

O ‘boom’ no comércio electrónico – a China representa quase metade das compras via ‘online’ em todo o mundo – contribuiu também para alargar a oferta de vinho importado a cidades menores do país, numa tendência que favorece os vinhos de gama média.

26 Mar 2018

Importações sobem 15,9% e exportações 6,1% em Outubro

As importações chinesas aumentaram 15,9%, em Outubro, face ao mesmo mês de 2016, um crescimento superior ao das exportações, que aumentaram 6,1%, segundo dados oficiais ontem divulgados pelas alfândegas chinesas.

As importações da China alcançaram, em Outubro, 994.000 milhões de yuan, enquanto as exportações se fixaram em 1,25 mil milhões de yuan.

A China registou assim, no mês passado, um superavit comercial de 254.470 milhões de yuan, uma queda homóloga de 20,3%.

No conjunto dos dez primeiros meses do ano, as exportações aumentaram 11,7%, enquanto as importações subiram 21,5%.

Entre Janeiro e Outubro, a China exportou um total de 12,41 biliões de yuan e importou 10,11 biliões de yuan.

Os dados deste mês estão ligeiramente abaixo das expectativas dos analistas.

Em Setembro, as exportações chinesas registaram uma subida homóloga de 9%, enquanto as importações cresceram 19,5%.

“Pensamos que isto reflecte um ligeiro abrandamento do crescimento em outros mercados emergentes, em conjunto com uma procura interna mais débil, resultado de um gasto menor em infra-estruturas”, comentou num relatório o analista da consultora Capital Economics, Julian Evans-Pritchard.

9 Nov 2017

Importações sobem 14,7% e exportações 11,2% em Julho

As importações chinesas registaram um crescimento homólogo de 14,7%, em Julho, enquanto as exportações aumentaram 11,2%, no mesmo período, segundo dados ontem difundidos pela Administração-geral das Alfândegas da China.

O país alcançou um excedente comercial de 321.200 milhões de yuan em Julho, uma subida de 1,4%, relativamente ao mesmo mês de 2016.

Os dados ficaram aquém das previsões dos analistas, que apontavam para um aumento de 15% das importações, e de entre 18% e 22% das exportações.

Julian Evans-Pritchard, analista da unidade de pesquisa Capital Economics, afirmou num relatório que “o crescimento do comércio [chinês] parece agora estar numa tendência descendente”.

O Fundo Monetário Internacional previu que o ritmo de crescimento da economia chinesa, a segunda maior do mundo, abrande para 6,6%, este ano, e se fixe em 6,2%, no próximo ano.

Em 2016, a economia chinesa cresceu 6,7%.

O aumento das exportações superou as expectativas no primeiro semestre do ano, num sinal positivo para a liderança chinesa, que quer evitar a perda de empregos em indústrias exportadoras.

A China tem sido o motor da recuperação global, desde a crise financeira de 2008, e um abrandamento nas importações chinesas pode ter repercussões para vários de países.

Nos primeiros seis meses de 2017, por exemplo, a China comprou 25% do conjunto das exportações brasileiras. O país é também o principal cliente do petróleo angolano.

O excedente da China com a UE, o principal parceiro comercial do país, aumentou 3,4%, para 12,2 mil milhões de dólares.

Deslizamento de terras faz oito mortos

Oito pessoas morreram e 17 encontram-se desaparecidas, na sequência de um deslizamento de terras, ocorrido ontem na província de Sichuan, sudoeste da China, informou a agência noticiosa oficial Xinhua. Os escombros cobriram a aldeia de Gengdi, uma zona habitada principalmente pela minoria étnica Yi, segundo as autoridades locais. Cinco pessoas ficaram feridas. O deslizamento ocorreu devido ás fortes chuvas que atingiram a região durante os últimos dias. Em 24 de Junho passado, também na província de Sichuan, um deslizamento de terra e rochas causou quase 100 mortos.

9 Ago 2017

Comércio externo de Macau subiu 6,1% até Junho

O comércio externo de Macau subiu 6,1% nos primeiros seis meses do ano, em termos anuais homólogos, atingindo 40,73 mil milhões de patacas, indicam dados oficiais ontem divulgados.

Segundo a Direção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC), entre Janeiro e Junho Macau exportou bens avaliados em 5,62 mil milhões de patacas  – mais 9,8% – e importou produtos avaliados em 35,12 mil milhões de patacas  – mais 5,6% em termos anuais homólogos.

Por conseguinte, o défice da balança comercial atingiu 29,50 mil milhões de patacas.

Em termos de mercados, as exportações para a China entre Janeiro e Junho totalizaram 917 milhões de patacas até Junho, refletindo uma subida de 2,3%.

As vendas de mercadorias para os países de língua portuguesa foram de 700 mil patacas, valor que traduz uma queda de 87,8% em termos anuais homólogos.

Em contrapartida, as exportações para Hong Kong cresceram 16,8% entre Janeiro e Junho.

A mesma tendência foi verificada nas vendas de mercadorias para a União Europeia (100 milhões de patacas) e para os Estados Unidos (95 milhões de patacas) que aumentaram, respectivamente, 8,7% e 26,8%.

Em termos de mercadorias, exportaram-se 5,28 mil milhões de patacas  de produtos não têxteis, mais 11,1%, em termos anuais.

As exportações de joalharia com diamantes (444 milhões de patacas) cresceram 35,9%, enquanto as de componentes electrónicos (476 milhões de patacas) diminuíram 18,1%, bem como as de produtos têxteis e vestuário (335 milhões de patacas), que desceram 7%, segundo a DSEC.

Às compras

Já do lado das importações, Macau comprou à China produtos no valor de 11,51 mil milhões de patacas – menos 6,7% em termos anuais homólogos.

A mesma tendência foi verificada nas importações de mercadorias dos países de língua portuguesa (306 milhões de patacas) que diminuíram 3,3%.

Em sentido inverso, as compras à União Europeia (9,07 mil milhões de patacas) aumentaram 14,8%.

Ao nível dos produtos, destaca-se as importações de joalharia em ouro (3,20 mil milhões de patacas) e de relógios de pulso (2,52 mil milhões de patacas) que subiram, respectivamente, 30% e 39,6%, de acordo com a DSEC.

Já as compras de telemóveis (1,91 mil milhões de patacas) e de materiais de construção (885 milhões de patacas ou 93,) registaram descidas de 17,3%, 16,9%, respectivamente.

Só em Junho, Macau exportou produtos avaliados em 938 milhões de patacas  – mais 14,3% face ao mesmo mês de 2016 – e importou mercadorias no valor de 6,17 mil milhões de patacas, ou seja, mais 10,4%, indica a DSEC.

Por conseguinte, o défice da balança comercial de Junho alcançou 5,24 mil milhões de patacas.

1 Ago 2017