Galos

Bem-vindos ao ano novo do Galo. Não fosse o galo o melhor calão para pénis da língua inglesa e esta dedicatória aos galos erectos não existiria.

Os galos estão no coração do imaginário masculino e em muitas culturas são símbolo de masculinidade. Estes galos, preciosos adereços pendurados, em tempos embrionários foram coisa nenhuma. Agora falos de tão grandiosa beleza e arquitectura, urinam e ejaculam alternadamente, apesar de uma abertura por igual. O objecto de tão grande desejo sexual julga-se simples e complexo, simples em funcionamento mas complexo nos significados que gerações de homens procuram: à procura do sentido do pénis.

Grande ou pequeno, relativo em tamanho, o pénis erecto tem o potencial de surpreender no seu crescimento, ou, por vezes, nem tanto. Se há mistérios da vagina, há mistérios do pénis se assim os quisermos entender ou até explicar… Há teorias infindáveis sobre a pluralidade de tamanhos, sobre como aumentar, ou acidentalmente diminuir! Mas não vale a pena tentar prever absolutamente nada, não há tamanho de sapatos, nem tamanho de mãos que possam garantir o tamanho do objecto penetrador. Há quem diga que fumar fá-lo (falo) diminuir…

As bolas, uma mais pendurada que a outra, revestidas de um tecido mais ou menos farto, permitem a temperatura ideal para que as gónadas se ocupem das criação das criaturinhas que correm rápido, cheias de energia, à procura de ovócitos para fecundar. Das estimadas 7000 ejaculações de uma vida masculina, os nossos amiguinhos espermatozóides procuram companhia ideal para gerarem vida – diria que 99,99% das vezes sem sucesso. O sémen, o liquido viscoso dos deuses, rico em vitamina C e aminoácidos para garantir a mobilidade ultrasónica dos nossos transportadores de cromossomas, espirra com vigor para dentro – daquilo que a mente masculina assim desejar. Se o sabor muda consoante a dieta? Muda. Ao que parece o consumo de carne vermelha pode estragar um pouco o aroma do nosso elixir do sexo – o elixir do orgasmo masculino.

O orgasmo masculino pode ser curto comparado com o orgasmo feminino mas é o triunfo de beleza sexual. O jacto tão clarificador, não engana absolutamente ninguém de que o prazer foi atingido. Os homens tremem ao sabor da pulsante necessidade de se moverem até à saída da última gota. Os caminhos para lá chegar são mais que muitos: as áreas de excitação do órgão sexual masculino estão na ponta da sua varinha, no períneo,  a área entre os testículos e o ânus, e na próstata. Tudo passíveis de carinho, amor e muitas massagens, tal como o resto do corpo.

Um artefacto de 28.000 anos foi encontrado com uma clara forma fálica. Em pedra polida, era muito provavelmente usado no auxílio sexual, ou mesmo como decoração. Como as mulheres carregam os bebés, artefactos de mulheres hiper-sexualizadas são muito mais comuns de serem encontrados, mas um pénis? Muitíssimo raro. Isto sugere que o nosso tão prezado galo tenha estado fora do spotlight durante demasiado tempo. Se há um enfoque exagerado no corpo feminino até em tempos contemporâneos? Há. Se precisamos de mais falos simpáticos nas nossas vidas? Precisamos.

Bem dito ano do Galo que veio reforçar (se bem que talvez somente na minha fantasia) a importância do pénis nas nossas vidas. São precisos uns galos cantadores de vigor e desejo para satisfazer perspectivas femininas de igualdade também. Não me interpretem mal, nunca estaria a pregar a favor de uma filosofia de ‘satisfaz o teu homem’: satisfaçam-se um ao outro.

6 Fev 2017