Arte Macau | Pintura e escultura gigantes em exibição

Uma pintura alusiva a Macau com 26 metros de comprimento criada pelo estúdio de Pequim “Drawing Architecture Studio” e uma escultura em bronze de Su Xinping já podem ser vistas na Praceta da Arte do Centro Cultural de Macau

 

Integrada na Bienal Internacional de Artes de Macau 2021, já se encontram expostas na Praceta da Arte do Centro Cultural de Macau (CCM), duas obras de Arte Pública de grandes dimensões que prometem proporcionar uma experiência visual “única” a quem passa.

Desenvolvida pelo estúdio de Pequim “Drawing Architecture Studio”, a pintura de grandes dimensões “Aprender com Macau” promete, tirando partido dos seus 26 metros de comprimento e 13 metros de altura, retratar marcos locais de Macau através de cores vivas e linhas simples.

“Esta pintura combina linhas simples e cores ricas, para, com base na arquitectura e nas observações da rotina diária de Macau, esboçar um panorama totalmente original da região, retratando diversos marcos locais de características únicas e, sobretudo, a imagem de uma cidade vivaz e dinâmica, em homenagem à sua cultura local”, pode ler-se numa nota do Instituto Cultural.

Inspirada no impacto que a indústria do jogo tem vindo a ter no desenvolvimento da arquitectura e paisagem de Macau e na vida diária dos seus habitantes, a obra pretende também ensaiar “novas ideias para a concepção urbana do século XXI”. Na pintura, que acaba por ser um “mega panorama” da cidade, é possível ver vários edifícios icónicos, como o Grand Lisboa, projectados na tela, recorrendo ao que o IC designa por “linguagem representativa da axonometria arquitectónica icónica”.

A pintura “Aprender com Macau” pode ser apreciada até 30 de Novembro na parede exterior de Museu das Ofertas sobre a Transferência de Soberania de Macau.

Mãos do infinito

A poucos metros de distância, no centro da Praceta de Arte do CCM, duas gigantescas mãos encontram-se, num aperto que tende a parecer infinito.

“Encontro” é uma escultura de bronze da autoria do artista da China, Su Xinping, que assume a forma de um par de mãos gigantes, procurando criar a imagem da “monumentalidade da montanha” e explorar a sensação de infinidade.

Para tal, a obra socorre-se de uma “representação expressiva com dimensões surreais” e “uma observação em perspectiva sugerida de baixo para cima”.

“Com esta obra, a intenção do artista passa por proporcionar aos espectadores, por meio de uma experiência visual única, uma sensação de infinito que se estende a partir do artefacto e assimilar um encontro com o mundo espiritual extraído da realidade mundana”, aponta o IC.

Até atingir o seu estado final, “Encontro” evoluiu a partir de uma série de esboços que foram gradualmente ganhando tridimensionalidade e que se assumem como uma representação de “um mundo em constante fractura e reunião”, potenciado por uma noção temporal e espacial “deslocada”.

A escultura “Encontro” pode ser vista Praceta de Arte do CCM até ao dia 29 de Novembro.
Aproveitando o balanço, de recordar que, não muito longe dali, quem apreciar as duas obras de rua, pode aproveitar a ocasião para visitar, no interior do CCM até 17 de Outubro, a terceira secção da Exposição Principal da Arte Macau.

Sob o tema “Avanços e Recuos da Globalização”, a exposição inclui obras de vários artistas que idealizam “cenários de desafio, dilema, hesitação, ilusão e ansiedade”, que a Humanidade tem vindo a enfrentar à medida que tendência da globalização se adensa, em conluio com o “tempo de desespero” provocado pela pandemia de covid-19.

Aeroportos, globos terrestres, sistemas de navegação, satélites, imagens aéreas e mensagens partilhadas nas redes sociais durante o período pandémico, são alguns dos tópicos que deram o mote para a exploração artística da exposição.

3 Set 2021

Riccardo Cordero, escultor: “A minha escultura pode ser como a caligrafia”

Riccardo Cordero, escultor italiano, é um dos nomes que integra o cartaz da “Arte Macau: Bienal Internacional de Arte de Macau. A sua peça intitula-se “Chacra” e só estará exposta na praça do Tap Seac no final deste mês. Cordero foi também um dos artistas escolhidos para expor na China por ocasião dos Jogos Olímpicos de Inverno, no próximo ano

 

Como surgiu a oportunidade de participar nesta bienal?

Em 2005 foi a primeira vez que expus um trabalho na China. Fui convidado para o Parque de Esculturas de Xangai e também fui a Guilin, onde também expus uma grande escultura. Já fiz muito trabalho na China, onde tenho recebido, na maioria, convites privados. Fui um dos vencedores de uma competição para os Jogos Olímpicos (JO) de Inverno, que serão em Pequim no próximo ano.

Que projecto vai desenvolver para os JO?

Hoje [quarta-feira] recebi algumas imagens da fábrica onde está a ser produzida a escultura. É muito grande, tem cerca de 17 metros de altura. Estamos em permanente contacto porque para mim é muito complicado ir à China nesta altura, por causa da covid-19. Mas ao mesmo tempo recebi um convite de Qiu Zhijie [curador da bienal de Macau] e isso foi um pouco surpreendente, porque não sabia nada sobre ele. Contactei um amigo que tenho na China e ele ajudou-me a falar com a assistente do curador. Eu disse que ia fazer um projecto na China mas eles mantiveram a ideia inicial, e então tive de alterar um pouco [a peça], porque nunca faço duas esculturas absolutamente iguais.

Então o trabalho exposto em Macau é semelhante ao que será exposto na China?

Sim. São um pouco diferentes, a escultura exposta na China é muito maior. Fiquei muito feliz por receber este convite, porque fui a Macau há alguns anos. Gostei muito, foi divertido ver os nomes das ruas em chinês e em português.

Foi ao Venetian? O que achou?

Não queria acreditar. Fui a Las Vegas, há uns anos, e penso que é outra Las Vegas na China. Fiquei muito surpreendido, mas achei muito engraçado. Gostei de estar um dia ou dois, como se fosse uma piada.

Como descreve as esculturas que serão expostas na China?

Duas ou três pessoas da comissão técnica, em Pequim, gostaram muito do meu trabalho e isso deixou-me muito feliz. O nome da minha escultura em Macau é “Chacra”, que é algo muito importante para o corpo, para garantir o equilíbrio. A escultura sugere um pouco isso, as pessoas podem entrar dentro da escultura e trabalhar em torno dela, como se fosse um monumento. A ideia é que as pessoas possam participar na escultura, no seu volume, no espaço. Na escultura exposta na China a ideia é semelhante, como um objecto que surge de outro planeta, e aparece naquele lugar. A escultura sugere que as pessoas podem vê-la como um verdadeiro símbolo, e não como um monumento.

Como se descreve como escultor para o público chinês?

Da primeira vez que falei do meu trabalho na China fiquei um pouco surpreendido. Participei em dois ou três simpósios, onde estavam muito curiosos sobre aquilo que eu fazia. Não foi fácil explicar o meu trabalho porque talvez a mentalidade seja um pouco diferente. Talvez tenham um sistema diferente para compreender e falar da arte. Fizeram-me muitas perguntas. Mas em termos gerais gostei muito de trabalhar na China, acho que são muito técnicos, muito cuidadosos.

Porque diz que há uma maneira diferente de os chineses olharem para o panorama artístico? Acredita que há de facto diferenças se compararmos, por exemplo, com os europeus?

Talvez as intenções, em termos de compreensão, não sejam assim tão diferentes. Mas é diferente a forma de falar, de comunicar. Quando falo aqui em Itália, na Alemanha, na Europa, do meu trabalho, uso várias palavras e as pessoas compreendem aquilo que eu digo. Quando falo do espaço, do tamanho dos meus trabalhos, compreendemo-nos mutuamente, porque temos um background [semelhante] nas nossas mentes. Quando falo para chineses, eles fazem-me perguntas muito especificas. Não apenas sobre o tema, que é muito importante para eles, pois começam por me perguntar o que é que aquilo representa. Na China têm interesse em compreender se represento determinada figura ou não.

Há quem defenda que Macau tem potencial para ser uma Veneza na Ásia, e ter um conjunto de eventos culturais na rua. Concorda?

É difícil responder a essa pergunta. Mas espero que sim. Acho muito interessante a ideia de colocar em Macau um sistema de arte. É bom começar com esta bienal. A minha escultura, quando estiver terminada, será colocada numa praça [Praça do Tap Seac]. Houve alguns problemas, relacionados com tufões, e a minha escultura só será colocada em finais de Agosto.

Quando percebeu que a escultura iria fazer parte da sua vida, e não outro tipo de expressão artística?

Essa é uma velha história. Comecei na escola primária a desenhar, era muito bom estudante nessa área. Fui para o Liceu Artístico, o meu pai era escultor de ornamentos, e quando decidi ir para esse liceu ele ficou um pouco preocupado, tendo sugerido que fosse para arquitectura. Comecei a fazer uns trabalhos de arquitectura quando ainda estava no liceu. Não era mau, mas não gostava. Então decidi que queria ir para a Academia de Belas Artes e aí fui obrigado a escolher logo no início, e comecei logo na escultura.

Quais as principais ideias ou mensagens que estão por detrás dos seus trabalhos?

O problema com as mensagens é que eu não acredito muito nisso. Penso que há de facto uma mensagem em cada trabalho e eu participo nisso, mas ao mesmo tempo tenho vindo a mudar as minhas ideias, quase como um click. É o mesmo na vida, vamos mudando algumas coisas, mas mantemos [o mesmo caminho]. Tenho mudado a forma de explicar o meu trabalho. Já fiz trabalhos figurativos, abstractos, mais naturalistas, porque penso que esse é um privilégio do artista: ser completamente livre. Não preciso de demonstrar nada. Gosto de ser eu próprio. Na vida vamos mudando e o trabalho é bom quando acompanha a vida. É uma benção podermos mudar. Claro que há uma fórmula que é mantida, uma linha, mas vamos alterando algumas coisas.

Com estas presenças na China acredita que a sua carreira pode ter um maior impulso internacional?

Sem dúvida. Sempre fui fascinado pela China e pelo Japão desde jovem. Sempre gostei do seu sistema de escrita, da caligrafia. E a minha escultura pode ser um pouco como a caligrafia. Normalmente não faço coisas pesadas e grandes, são esculturas abertas, com presença no espaço. Tive contacto com o movimento futurista em Itália e penso que essa é uma das ideias para eu trabalhar, esse dinamismo. Também gosto muito de viajar pelo mundo e viver várias experiências, portanto este momento [a pandemia] agora é muito mau para mim.

A caligrafia chinesa tradicional tem então um grande significado para si.

Sim, claro, gosto muito. Para um italiano, o desenho que vemos na caligrafia dá uma sugestão. No meu caso, uma sugestão forte vem de um desenho feito no espaço.

Gosta de fixar objectos num determinado espaço.

A ideia é que haja movimento, gravidade, dinamismo. Quando começo a montar uma escultura, faço por exemplo um círculo, e vou pondo partes. No fim disso tudo, as pessoas são obrigadas a participar no processo da escultura, porque completam um círculo. É como seguir um caminho. Gosto muito que haja essa participação. Em Macau, por exemplo, espero que a escultura não seja assim tão pequena, porque gosto que as pessoas entrem dentro dela.

 

De Turim para a China 

O círculo que se pode ver na obra “Chacra”, de Riccardo Cordero, é como se fosse uma praça de uma praça, proporcionando a quem a vê diferentes perspectivas. Com esta escultura, o artista quis representar o centro do espírito humano e também a memória de um mercado público de alimentos que foi transferido para dar lugar à Aldeia Olímpica na cidade de Turim. Nascido em 1942, foi nesta cidade que Riccardo Cordero frequentou o Liceu Artístico e depois a academia das belas artes, onde se graduou em 1965. A primeira vez que expôs o seu trabalho aconteceu em 1960, numa exposição organizada pela Sociedade Promotora das Belas Artes de Turim. Além dos trabalhos na China, Cordero já expôs em vários países da América Latina e da Europa, tal como Alemanha e França.

13 Ago 2021

Bienal de Macau | Konstantin Bessmertny desvenda representações das suas obras

Nas três obras que tem expostas na “Arte Macau: Bienal Internacional de Arte de Macau”, Konstantin Bessmertny criou representações e labirintos onde um dos elementos é o contraste das culturas portuguesa e chinesa. Com uma carreira que o destaca como um dos mais relevantes artistas locais, Bessmertny elogia a grande qualidade das obras expostas nesta bienal

 

Impelido a descrever as suas obras, Konstantin Bessmertny hesita e acaba quase sempre a dizer que cabe a cada um tirar as suas próprias conclusões. Relativamente às três obras que tem expostas na edição deste ano da “Arte Macau: Bienal Internacional de Arte de Macau”, o artista russo, radicado há décadas no território, fala de trabalhos cheios de labirintos e representações, não só das suas ideias, como do sítio que há muito o acolheu.

A “Grand Finale”, exposta nas Oficinas Navais nº1, é, para Konstantin Bessmertny, “um dos trabalhos mais interessantes” que já fez. A obra retrata uma “mesa limpa depois de uma refeição de comida cantonense, com oito pessoas, mulheres e homens”.

O quadro é uma alegoria, conforme afirma o próprio artista, que funciona quase como um “drama psicológico, em que vemos as caras e como se relacionam entre si”.

Há ainda o quadro “The League of Journeyers to the East”, que funciona “quase como uma instalação”. “Tentei fazer um labirinto complexo de algumas descoberta e ideias”, disse ao HM. “É difícil descrever o que está na pintura, mas posso dizer que é esse labirinto complexo, com muitas mensagens. Com este quadro, desafio o observador a compreender o que está por detrás.” A obra alberga também dois “jogos famosos”, muito populares nos séculos XVIII e XIX, e o tema da geometria, além das referências a personagens históricas.

Com a obra “Babel Lisboa”, Bessmertny explora o que tem servido de base à sociedade de Macau desde a sua fundação: a permanente interligação entre as culturas portuguesa e chinesa. “Uma das coisas que ao início me levou a fazer esta pintura foi tentar compreender esta palavra, ‘Lisboa’, e de como se relaciona com as pessoas que não conhecem Macau, ou que não conhecem a Lisboa em Portugal, mas também as que conhecem ambas. É como um labirinto de ideias, mas penso nas pessoas que têm uma introdução a ambas as culturas, portuguesa e chinesa.”

Neste quadro, “podem reconhecer-se partes que sugerem Lisboa, como casino e hotel, com detalhes sobre as mesas de jogo, mas há também Lisboa, a capital portuguesa”. “Para mim Lisboa não é apenas sobre as pessoas de Macau, mas é também Portugal, e os casinos. Então tentei meter todos estes elementos juntos”, frisou.

Trabalhos “brilhantes”

Konstantin Bessmertny olha para esta edição da Bienal como “uma das iniciativas mais importantes ao nível da arte contemporânea”, sendo que os trabalhos expostos no Museu de Arte de Macau, por exemplo, são “simplesmente brilhantes” e seguem “padrões internacionais”.

“Nas próximas edições da Bienal pode haver um crescimento, mas já é bom o suficiente do ponto de vista artístico. Pode, de facto, atrair para cá os verdadeiros amantes da arte”, acrescentou.

Recordando que Macau já teve uma bienal de arte nos anos 90, quando nenhum território na Ásia organizava eventos culturais deste género, Konstantin Bessmertny considera que esse facto deveria ter sido relembrado pelos organizadores.

O artista defende ainda que o território pode equiparar-se a Veneza, uma vez que existem vários espaços para exposições com a possibilidade de organizar percursos pedestres para quem gosta de arte. “Em meados de Maio, ou em Outubro, [os visitantes] poderiam receber um mapa, que passasse pelos casinos no Cotai e por todos os espaços de exposição que existem em Macau. Trabalho com Hong Kong e sei o quão difícil é encontrar bons espaços de exposição. Macau tem muitos mais espaços e podemos ter eventos de arte de larga escala muito facilmente. Mas não quero sugerir ou criticar. Se me perguntarem, darei uma lista de ideias”, referiu.

Em relação à pandemia, Konstantin Bessmertny considera que levou todos a olhar mais para o mundo da arte, mas não só. “As pessoas de Macau não divergem das de outros locais [na sua relação com a arte]. Mas vejo que, em termos gerais, as pessoas estão presas, passam mais tempo em casa, e passam a apreciar mais a natureza, por exemplo. As pessoas que nunca prestaram atenção à arte começam a ir mais vezes ao museu. É parte de uma experiência de abertura, de fazer coisas que nunca experimentamos. Ficar muito tempo num só lugar leva-nos a inventar coisas novas, a questionar, a abrandar. Penso que isso é um benefício para a humanidade, e não apenas para Macau.”

11 Ago 2021