F3 | 5ª edição da Taça do Mundo será novamente em Macau

O Conselho Mundial da Federação Internacional do Automóvel (FIA) confirmou na passada sexta-feira que o 67º Grande Prémio de Macau irá acolher a 5ª edição da Taça do Mundo de Fórmula 3 da FIA, naquela que será a 38ª corrida da categoria de Fórmula 3 nas ruas do território.
“O Conselho aprovou a inclusão da Taça do Mundo de F3 da FIA, durante o Grande Prémio de Macau, no Calendário Desportivo Internacional”, é possível ler no comunicado emanado pela federação internacional às redacções.
Isto quer dizer, que a próxima edição da prova, a quinta consecutiva que se realizada entre nós, irá manter os mesmos moldes da anterior, em que todo o plantel será proveniente do Campeonato FIA de Fórmula 3, utilizando os novos chassis construídos pela Dallara, com motores V6 produzidos pela Mechachrome em França e pneus específicos da Pirelli.
Cada uma das dez equipas do campeonato – Prema Racing, Hitech Grand Prix, ART Grand Prix, Trident, HWA Racelab, MP Motorsport, Jenzer Motorsport, Charouz Racing System, Carlin Buzz Racing e Campos Racing – terá obrigatoriamente que inscrever três carros no Grande Prémio em Novembro.
Se o calendário de oito provas do Campeonato FIA de Fórmula 3 não sofrer alterações de vulto, este acabará no final de Setembro em Sochi, na Rússia. Os carros e o material das equipas serão depois transportados para a Europa, onde estão agendados três dias de testes antes da viagem rumo ao Oriente.
Com Verschoor e Floersch
Sem capacidade financeira para subir um degrau na pirâmide mundial do automobilismo, Richard Verschoor, o vencedor surpresa do Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 de 2019, vai continuar na Fórmula 3 e com a equipa MP Motorsport. O jovem holandês que um dia foi dispensado pelo Red Bull Junior Team e que foi apenas 13º classificado o ano passado, deverá marcar presença na RAEM no final do ano, com o intuito de obter a “dobradinha” na prova e assim tentar igualar um feito apenas ao alcance de Edoardo Mortara, Felix Rosenqvist, António Félix da Costa e Dan Ticktum
Quem também conseguiu um lugar no campeonato foi Sophia Floersch que na experiente equipa espanhola Campos Racing encontrou uma estrutura que lhe deu a mão. A jovem germânica também recebeu na pretérita semana a boa notícia que irá participar nas míticas 24 Horas de Le Mans no mês de Junho. A participação, ou não, no Grande Prémio é um assunto para mais tarde no ano.
A língua portuguesa estará representada no Campeonato FIA de Fórmula 3 deste ano por dois brasileiros: Enzo Fittipaldi, neto do ex-campeão do mundo de F1 Emerson Fittipaldi, e Igor Fraga, que nasceu no Japão e é conhecido pelos seus vários títulos em competições de automobilismo no espaço virtual.

E sem Charles Leong

O piloto de Macau Charles Leong Hon Chio, 19º classificado na pretérita edição do Grande Prémio, voltará a não participar no campeonato que melhor o prepararia para enfrentar a difícil corrida do Circuito da Guia. O piloto da RAEM, que não consegue reunir seis ou sete milhões de patacas para segurar um lugar a tempo inteiro no campeonato principal de F3, fez saber ao HM que, por agora, não tem qualquer programa desportivo confirmado para 2020 e a sua prioridade até ao final do ano lectivo são mesmo os estudos.
Depois, a exemplo do que se passou na temporada passada, é provável que Leong procure um programa mais compacto de testes e corridas de forma a preparar a presença quase obrigatória na corrida de Fórmula 3 da RAEM, no que será a sua terceira participação.

9 Mar 2020

Automobilismo | André Couto regressa ao Super GT em 2020

André Couto prepara-se para a sua 17ª temporada no campeonato japonês Super GT. O piloto português residente em Macau, que é um dos pilotos estrangeiros com maior longevidade na mais forte competição de automobilismo do país do sol nascente, vai correr pelo segundo ano consecutivo pela equipa JLOC e ao volante de um Lamborghini Huracán GT3 Evo.

O vice-campeão do Super GT em 2004 na categoria principal (GT500) e campeão da classe GT300 em 2015 tripulou na temporada passada um dos dois Lamborghini Huracán GT3 Evo inscritos na categoria GT3000 pela equipa JLOC (Japanese Lamborghini Owners Club). Aos comandos do “touro” nº87, Couto conseguiu a proeza de vencer à classe os 1000 km de Fuji, a prova mais importante do calendário.

Para a nova época, o piloto de 43 anos é um dos três pilotos designados para conduzir o Huracán GT3 nº88, o carro principal da equipa fundada em 1994 pelo clube de proprietários de viaturas da marca italiana no Japão. Couto fará equipa com o experiente japonês Takashi Kogure; campeão do Super GT em 2010 e ex-piloto de testes da Honda na Fórmula 1. O também nipónico Yuya Tezuka é o terceiro elemento da equipa que só deverá entrar em cena nas corridas de longa distância.

“Estou muito satisfeito de regressar ao Super GT esta temporada”, disse ao HM o piloto que terminou em oitavo da categoria GT300 na época transacta. “O facto de ir conduzir o carro nº88, que é o principal da equipa, mostra a confiança que a equipa colocou em mim para esta época. Vou dar o meu melhor para retribuir a confiança”.

Durante a pré-temporada, Couto fez as duas primeiras corridas do Asian Le Mans Series pela JLOC, uma em Xangai e outra na Austrália, conseguindo um segundo lugar na categoria GT no circuito chinês. Porém, o Super GT em tudo um desafio diferente.

O peso do pneus

Pela frente esta temporada, Couto terá novamente a oposição dos Honda, Nissan e Lexus apoiados pelos próprios construtores, assim como os Aston Martin, Mercedes-AMG, Audi, BMW e Porsche de equipas privadas. A competição é forte e há um outro factor diferenciador neste campeonato: os pneus.

“Só saberemos quanto competitivo seremos após o primeiro teste colectivo. Vai ser muito importante o trabalho com a Yokohama para encontrar os melhores pneus. Sessenta por cento da competitividade neste campeonato depende do comportamento dos pneus”, explicou o piloto da RAEM que tem uma enorme experiência nesta matéria e que contará com gomas especiais do construtores de pneus japonês.

Por outro lado, a JLOC está a sair da sombra de uma pequena estrutura com poucos meios. Nas últimas temporada os seus Lamborghini mostraram-se capaz de ombrear com os melhores carros do campeonato, muito também pelo investimento que está a ser feito. “A equipa está a crescer e é a equipa oficial da Lamborghini no Japão. Contámos com algum apoio de fábrica, o que é uma preciosa ajuda”, afirma Couto.

Ameaça do Covid-19

Para evitar a propagação do COVID-19, as autoridades japonesas também têm posto travão a vários eventos desportivos, entre os quais, várias provas de automobilismo. O primeiro evento do campeonato de monologares Super Formula, que incluía no seu programa a prova de abertura do Campeonato Japonês de Superbikes, marcado para o mês de Abril, foi cancelado. A prova do Super Taikyu teve o mesmo destino.

Ambas as provas iriam ser realizada no circuito de Suzuka, a poucos quilómetros de uma unidade fabril importante da Honda.

À data de publicação deste artigo, a organização do Super GT ainda não tinha cancelado qualquer evento. Contudo, os dias oficiais de testes – 14 e 15 de Março – serão realizados à “porta-fechada” em Okayama. O campeonato começa a 11 e 12 de Abril, também no circuito da prefeitura de Chugoku, mas há dúvidas se evento se irá desenrolar na data prevista, dado que as provas do Super GT costumam atrair mais de vinte mil espectadores.

6 Mar 2020

Automobilismo | André Couto regressa ao Super GT em 2020

André Couto prepara-se para a sua 17ª temporada no campeonato japonês Super GT. O piloto português residente em Macau, que é um dos pilotos estrangeiros com maior longevidade na mais forte competição de automobilismo do país do sol nascente, vai correr pelo segundo ano consecutivo pela equipa JLOC e ao volante de um Lamborghini Huracán GT3 Evo.
O vice-campeão do Super GT em 2004 na categoria principal (GT500) e campeão da classe GT300 em 2015 tripulou na temporada passada um dos dois Lamborghini Huracán GT3 Evo inscritos na categoria GT3000 pela equipa JLOC (Japanese Lamborghini Owners Club). Aos comandos do “touro” nº87, Couto conseguiu a proeza de vencer à classe os 1000 km de Fuji, a prova mais importante do calendário.
Para a nova época, o piloto de 43 anos é um dos três pilotos designados para conduzir o Huracán GT3 nº88, o carro principal da equipa fundada em 1994 pelo clube de proprietários de viaturas da marca italiana no Japão. Couto fará equipa com o experiente japonês Takashi Kogure; campeão do Super GT em 2010 e ex-piloto de testes da Honda na Fórmula 1. O também nipónico Yuya Tezuka é o terceiro elemento da equipa que só deverá entrar em cena nas corridas de longa distância.
“Estou muito satisfeito de regressar ao Super GT esta temporada”, disse ao HM o piloto que terminou em oitavo da categoria GT300 na época transacta. “O facto de ir conduzir o carro nº88, que é o principal da equipa, mostra a confiança que a equipa colocou em mim para esta época. Vou dar o meu melhor para retribuir a confiança”.
Durante a pré-temporada, Couto fez as duas primeiras corridas do Asian Le Mans Series pela JLOC, uma em Xangai e outra na Austrália, conseguindo um segundo lugar na categoria GT no circuito chinês. Porém, o Super GT em tudo um desafio diferente.

O peso do pneus

Pela frente esta temporada, Couto terá novamente a oposição dos Honda, Nissan e Lexus apoiados pelos próprios construtores, assim como os Aston Martin, Mercedes-AMG, Audi, BMW e Porsche de equipas privadas. A competição é forte e há um outro factor diferenciador neste campeonato: os pneus.
“Só saberemos quanto competitivo seremos após o primeiro teste colectivo. Vai ser muito importante o trabalho com a Yokohama para encontrar os melhores pneus. Sessenta por cento da competitividade neste campeonato depende do comportamento dos pneus”, explicou o piloto da RAEM que tem uma enorme experiência nesta matéria e que contará com gomas especiais do construtores de pneus japonês.
Por outro lado, a JLOC está a sair da sombra de uma pequena estrutura com poucos meios. Nas últimas temporada os seus Lamborghini mostraram-se capaz de ombrear com os melhores carros do campeonato, muito também pelo investimento que está a ser feito. “A equipa está a crescer e é a equipa oficial da Lamborghini no Japão. Contámos com algum apoio de fábrica, o que é uma preciosa ajuda”, afirma Couto.

Ameaça do Covid-19

Para evitar a propagação do COVID-19, as autoridades japonesas também têm posto travão a vários eventos desportivos, entre os quais, várias provas de automobilismo. O primeiro evento do campeonato de monologares Super Formula, que incluía no seu programa a prova de abertura do Campeonato Japonês de Superbikes, marcado para o mês de Abril, foi cancelado. A prova do Super Taikyu teve o mesmo destino.
Ambas as provas iriam ser realizada no circuito de Suzuka, a poucos quilómetros de uma unidade fabril importante da Honda.
À data de publicação deste artigo, a organização do Super GT ainda não tinha cancelado qualquer evento. Contudo, os dias oficiais de testes – 14 e 15 de Março – serão realizados à “porta-fechada” em Okayama. O campeonato começa a 11 e 12 de Abril, também no circuito da prefeitura de Chugoku, mas há dúvidas se evento se irá desenrolar na data prevista, dado que as provas do Super GT costumam atrair mais de vinte mil espectadores.

6 Mar 2020

F1 | Regresso à China no mesmo fim-de-semana do GP Macau

O custo do cancelamento do Grande Prémio da China de Fórmula 1 para os cofres do campeonato rondará os 500 milhões de patacas. Por isso é que a Federação Internacional do Automóvel (FIA), juntamente com a Liberty Media, a empresa que gere os destinos da competição automóvel, decidiram aceitar o pedido de adiamento da prova, devido ao surto do coronavírus, que estava agendada para o fim-de-semana de 18 e 19 de Abril, depois de uma solicitação oficial do promotor do evento, o Juss Sports Group, em vez do seu cancelamento. Junto com as equipas, a Liberty Media procura agora uma data alternativa, num calendário apertado, para acomodar ainda este ano a prova de Xangai. Existe uma data proposta, é em Novembro e coincide precisamente com o Grande Prémio de Macau.
Devido aos condicionamentos do calendário de provas mais longo da história da Fórmula 1, o único fim-de-semana livre é o de 21 e 22 de Novembro, entre o Grande Prémio do Brasil e o Grande Prémio do Abu Dhabi.
A ideia inicial apresentada às equipas seria de um fim-de-semana de apenas dois dias. Por contrato, o circuito de Yas Marina, em Abu Dhabi, tem que receber a última corrida do ano, logo seria impossível realizar a prova chinesa numa data posterior. Mas a realização de três provas em locais tão longínquos do mundo não é por si só fácil ou sequer consensual.
“É um verdadeiro desafio logístico olímpico, uma vez que todo o circo terá de viajar do Brasil para a China e, posteriormente, para Abu Dhabi, isto no espaço de três semanas”, explicou ao HM o jornalista Jorge Girão que faz a cobertura da Fórmula 1 para o jornal português especializado em automobilismo AutoSport. “Ainda assim, é exequível e a FOM está interessada em tornar o evento chinês num de apenas dois dias, ao invés dos três habituais, para facilitar ao máximo.”
Um novo agendamento da prova requer o consentimento de todas as dez equipas, algo que raramente é possível. “Aqui surgem os problemas, uma vez que cada uma das equipas se move pelos seus próprios interesses e basta uma que não esteja interessada para que todo o plano impluda e quanto mais tempo demorar a uma votação, pior”, clarifica Jorge Girão.
Este é um evento muito importante para os construtores, mas também o é para diversos patrocinadores envolvidos na disciplina rainha do desporto motorizado. Por outro lado, a China tem sido um dos países em que as audiências mais cresceram, isto numa altura em que o campeonato tem perdido audiências televisivas, muito por culpa da aposta no “pay-per-view”.
“O final da temporada é sempre bastante atarefado, especialmente para o pessoal das equipas”, disse Chris Horner, o director desportivo da Red Bull, aos jornalistas na passada semana em Barcelona. Questionado se votaria a favor, o dirigente da poderosa estrutura apoiada pela Honda foi mais pragmático: “Tudo vai depender da situação no campeonato. Se tiveres numa boa posição no campeonato, claro que não vais querer mais uma corrida, mas se estás atrás, claro que vais votar a favor.”
Outros, como Franz Tost, o director desportivo da AlphaTauri (ex-Toro Rosso), são ainda mais cépticos, “em primeiro lugar, eles têm que resolver (o problema), o que eu duvido que aconteça dentro do prazo que precisam, para que seja seguro lá ir, sem termos problemas”.

Macau conta pouco

O Grande Prémio da China de Fórmula 1 realiza-se desde 2004, mas esta é a primeira vez que há uma potencial coincidência de datas com o Grande Prémio de Macau, um evento que decorre sem interrupções desde 1954. Contudo, a acontecer, esta não seria a primeira vez que haveria um campeonato mundial de automobilismo na China no mesmo fim-de-semana do Grande Prémio. Em 2018, as 6 Horas de Xangai, do Campeonato do Mundo FIA de Endurance (WEC), coincidiu com o Grande Prémio, algo que não se repetiu devido às exigências dos construtores automóveis presentes oficialmente na Taça do Mundo FIA de GT do Grande Prémio.
Contudo, desta vez a situação é diferente e o principal interessado vai certamente apenas olhar para o seu umbigo. “Antes de mais, a não realização de um Grande Prémio representa sempre uma penalização financeira e a China é dos países que mais paga para ter a sua corrida, logo, existe todo o interesse da parte da FOM para que a prova se realize e único constrangimento para o qual olharão será o calendário do Campeonato do Mundo de Fórmula 1”, acredita Jorge Girão. “Apesar da importância do Grande Prémio do Macau, uma das provas mais importantes da Ásia e de impacto mundial, este dificilmente será levado em consideração e, caso as equipas aprovem, o Grande Prémio da China será mesmo realizado no mesmo fim-de-semana do evento do Circuito da Guia.”
O impacto maior, se esta decisão for para a frente, será na cobertura mediática do evento da RAEM, até porque os horários das transmissões televisivas poderão coincidir.

27 Fev 2020

F1 | Regresso à China no mesmo fim-de-semana do GP Macau

O custo do cancelamento do Grande Prémio da China de Fórmula 1 para os cofres do campeonato rondará os 500 milhões de patacas. Por isso é que a Federação Internacional do Automóvel (FIA), juntamente com a Liberty Media, a empresa que gere os destinos da competição automóvel, decidiram aceitar o pedido de adiamento da prova, devido ao surto do coronavírus, que estava agendada para o fim-de-semana de 18 e 19 de Abril, depois de uma solicitação oficial do promotor do evento, o Juss Sports Group, em vez do seu cancelamento. Junto com as equipas, a Liberty Media procura agora uma data alternativa, num calendário apertado, para acomodar ainda este ano a prova de Xangai. Existe uma data proposta, é em Novembro e coincide precisamente com o Grande Prémio de Macau.

Devido aos condicionamentos do calendário de provas mais longo da história da Fórmula 1, o único fim-de-semana livre é o de 21 e 22 de Novembro, entre o Grande Prémio do Brasil e o Grande Prémio do Abu Dhabi.

A ideia inicial apresentada às equipas seria de um fim-de-semana de apenas dois dias. Por contrato, o circuito de Yas Marina, em Abu Dhabi, tem que receber a última corrida do ano, logo seria impossível realizar a prova chinesa numa data posterior. Mas a realização de três provas em locais tão longínquos do mundo não é por si só fácil ou sequer consensual.

“É um verdadeiro desafio logístico olímpico, uma vez que todo o circo terá de viajar do Brasil para a China e, posteriormente, para Abu Dhabi, isto no espaço de três semanas”, explicou ao HM o jornalista Jorge Girão que faz a cobertura da Fórmula 1 para o jornal português especializado em automobilismo AutoSport. “Ainda assim, é exequível e a FOM está interessada em tornar o evento chinês num de apenas dois dias, ao invés dos três habituais, para facilitar ao máximo.”

Um novo agendamento da prova requer o consentimento de todas as dez equipas, algo que raramente é possível. “Aqui surgem os problemas, uma vez que cada uma das equipas se move pelos seus próprios interesses e basta uma que não esteja interessada para que todo o plano impluda e quanto mais tempo demorar a uma votação, pior”, clarifica Jorge Girão.

Este é um evento muito importante para os construtores, mas também o é para diversos patrocinadores envolvidos na disciplina rainha do desporto motorizado. Por outro lado, a China tem sido um dos países em que as audiências mais cresceram, isto numa altura em que o campeonato tem perdido audiências televisivas, muito por culpa da aposta no “pay-per-view”.

“O final da temporada é sempre bastante atarefado, especialmente para o pessoal das equipas”, disse Chris Horner, o director desportivo da Red Bull, aos jornalistas na passada semana em Barcelona. Questionado se votaria a favor, o dirigente da poderosa estrutura apoiada pela Honda foi mais pragmático: “Tudo vai depender da situação no campeonato. Se tiveres numa boa posição no campeonato, claro que não vais querer mais uma corrida, mas se estás atrás, claro que vais votar a favor.”

Outros, como Franz Tost, o director desportivo da AlphaTauri (ex-Toro Rosso), são ainda mais cépticos, “em primeiro lugar, eles têm que resolver (o problema), o que eu duvido que aconteça dentro do prazo que precisam, para que seja seguro lá ir, sem termos problemas”.

Macau conta pouco

O Grande Prémio da China de Fórmula 1 realiza-se desde 2004, mas esta é a primeira vez que há uma potencial coincidência de datas com o Grande Prémio de Macau, um evento que decorre sem interrupções desde 1954. Contudo, a acontecer, esta não seria a primeira vez que haveria um campeonato mundial de automobilismo na China no mesmo fim-de-semana do Grande Prémio. Em 2018, as 6 Horas de Xangai, do Campeonato do Mundo FIA de Endurance (WEC), coincidiu com o Grande Prémio, algo que não se repetiu devido às exigências dos construtores automóveis presentes oficialmente na Taça do Mundo FIA de GT do Grande Prémio.

Contudo, desta vez a situação é diferente e o principal interessado vai certamente apenas olhar para o seu umbigo. “Antes de mais, a não realização de um Grande Prémio representa sempre uma penalização financeira e a China é dos países que mais paga para ter a sua corrida, logo, existe todo o interesse da parte da FOM para que a prova se realize e único constrangimento para o qual olharão será o calendário do Campeonato do Mundo de Fórmula 1”, acredita Jorge Girão. “Apesar da importância do Grande Prémio do Macau, uma das provas mais importantes da Ásia e de impacto mundial, este dificilmente será levado em consideração e, caso as equipas aprovem, o Grande Prémio da China será mesmo realizado no mesmo fim-de-semana do evento do Circuito da Guia.”

O impacto maior, se esta decisão for para a frente, será na cobertura mediática do evento da RAEM, até porque os horários das transmissões televisivas poderão coincidir.

27 Fev 2020

Sophia Floersch premiada nos Laureus World Sports Awards

Sophia Floersch recebeu o prémio “World Comeback of the Year” na cerimónia dos Laureus World Sports Awards, que decorreu em Berlim na semana passada, pelo seu regresso ao Grande Prémio de Macau depois do seu brutal acidente em 2018. A piloto germânica já tem um programa desportivo para 2020, mas ao HM disse ter dúvidas que regresse a Macau este ano.

Floerch superou o tenista Andy Murray e o clube de futebol Liverpool “na corrida” a este prémio. “Este é um sonho tornado realidade”, disse quando recebeu a estatueta. “Em primeiro lugar, estou muito feliz em estar aqui e segurar isto (o troféu) com as minhas mãos é uma grande honra. Estar à vossa frente, que de facto são os meus ídolos, e olhar-vos é algo incrível.”

A sucessora de Tiger Woods, Roger Federer e Michael Phelps recordou à plateia que “este acidente em Macau foi mau e em vídeo foi muito mau. Contudo, para mim, dentro do carro não pareceu tão mau. Eu lembro-me de tudo. Aconteceu tão depressa que mal me apercebi.” Depois do acidente no Circuito da Guia, Floersch voltou ao volante no Campeonato Europeu Formula Regional, onde foi sétima classificada, para terminar o ano com uma participação no Grande Prémio de Macau, onde abandonou devido a problemas no seu F3. “Foram tempos duros, mas, para mim, o objectivo principal era regressar a um carro de corrida, o que aconteceu 106 dias depois”, relembrou.

 

Rumo a Le Mans

 

Sophia Floersh vai abraçar um novo desafio na temporada de 2020 e que lhe poderá abrir as portas para a uma participação futura nas míticas 24 Horas de Le Mans, mas que a pode afastar de Macau. A piloto que em 2018 escapou sem mazelas a um assombroso acidente na Curva do Lisboa está a lutar para continuar na disciplina que a tornou célebre, mas a falta de apoios poderá ditar o fim da sua passagem pelos monologares e muito provavelmente do objectivo de regressar à RAEM este ano.

Entretanto, a jovem de Munique foi escolhida para fazer parte da Richard Mille Racing Team, uma equipa recém-formada e totalmente financiada pelo relojoeiro suíço Richard Mille e que nos próximos dois anos colocará em pista um protótipo ORECA 07-Gibson LMP2 no campeonato de provas de “endurance” European Le Mans Series. Com a bênção da iniciativa “FIA Woman in Motorsport” e o apoio técnico da equipa francesa Signatech, que venceu o Grande Prémio de Macau de F3 em 2003 (Nicolas Lapierre), 2009 e 2010 (Edoardo Mortara), o protótipo da classe LMP2 da Richard Mille Racing Team será dividido por um trio de senhoras composto por Floersch, Katherine Legge – ex-colega de equipa do português Álvaro Parente – e Tatiana Calderón (21ª classificada no GP Macau F3 de 2014).

Para a além das seis provas do European Le Mans Series, uma delas em Portugal, a Richard Mille Racing Team pediu ao Automobile Club de l’Ouest um convite para participar nas 24 Horas de Le Mans.

 

F3 está mais difícil

 

Apesar de ter já um contrato que até a pode ajudar a uma futura profissionalização, Floersh gostaria de cumprir, em concomitância com os seus afazeres nas provas de resistência, uma temporada no Campeonato FIA de Fórmula 3 e regressar no final do ano à RAEM. Porém, este cenário parece, por agora, improvável, pois as verbas pedidas para participar neste escalão de acesso à Fórmula 1 são quase proibitivas.

“Ainda estou a trabalhar na F3”, disse ao HM. “Contudo, estamos como em Macau 2019, não parece positivo.” A equipa HWA RACELAB, por quem Floersh alinhou no ano transacto no Grande Prémio, já tem os seus pilotos para a nova temporada. A estrutura que tem ligações privilegiadas com a Mercedes-AMG renovou com o inglês Jack Hughes, um “veterano” da F3 em Macau, e contratou o australiano Jack Doohan, filho do ex-campeão do mundo de motociclismo Mike Doohan, e o brasileiro Enzo Fittipaldi, neto do ex-campeão do mundo de Fórmula 1 Emerson Fittipaldi.

“Saí de Macau com muitas promessas. Parecia muito positivo para 2020. Mas depois a minha equipa assinou contratos com valores altamente dotados. Mais de um milhão de euros para F3 é demasiado”, explicou. “Se algum patrocinador estiver interessado… liguem-me! O campeonato FIA F3 sem uma rapariga é uma pena para o automobilismo”.

Em tempos de indefinição, com a competitividade que lhe é característica, a piloto de 19 anos não tem muita vontade de regressar ao Circuito da Guia e à Taça do Mundo de F3 sem ter uma preparação à altura

25 Fev 2020

Automobilismo | Campeão Delfim Mendonça Choi vai manter a aposta

Delfim Mendonça Choi sagrou-se em 2019 campeão da categoria “1950cc ou Superior” do AAMC Challenge, competição também vulgarmente conhecida como Campeonato de Carros de Turismo de Macau. Já com planos bem definidos para o futuro a curto prazo, o jovem piloto aguarda que a vida volte ao normal para começar a preparar a nova temporada.

“Vou regressar ao AAMC Challenge e, uma vez mais, vou continuar na categoria 1950cc e Superior”, disse o piloto macaense ao HM, que obviamente ambiciona regressar ao Grande Prémio de Macau no final do ano.

Apesar de existirem agora sérias dúvidas se as duas provas do AAMC Challenge se vão realizar, como inicialmente previsto, no Circuito Internacional de Zhuzhou – pois apenas quatrocentos quilómetros separam a cidade de Wuhan, onde começou o surto do novo coronavírus, da cidade da província de Hunan – Mendonça Choi gosta da ideia da única competição de automobilismo da RAEM mudar de cenário este ano.

“Acho que é sempre bom correr numa nova pista”, afirma o piloto que apenas se iniciou no automobilismo em 2017, acreditando que esta potencial ida à nova pista de Zhuzhou “será um bom desafio”. Dado que todos os circuitos da República Popular da China estão encerrados até nova ordem, a preparação para a nova temporada faz-se por agora em frente ao computador: “Nós temos um simulador para treinarmos”.

Em 2019, no Circuito Internacional de Guangdong, na cidade de Zhaoqing, o piloto de matriz portuguesa conquistou o seu primeiro título de pilotos, com uma vitória na segunda corrida da época, ajudando a sua equipa SLM Racing Team a sagrar-se campeã de equipas.

Mais lá fora

Tal como em 2018 e 2019, o jovem piloto da RAEM planeia dividir as suas participações no AAMC Challenge, com algumas corridas além fronteiras, para continuar a ganhar experiência e assim preparar melhor a sua participação no mês de Novembro, no Grande Prémio de Macau.

“Este ano, se os tempos difíceis passarem, espero correr no Japão (TCSA – Touring Car Series in Asia) e na Malásia (Malaysia Championship Series), porque a competição por lá é forte”, explicou Mendonça Choi.
Para estas potenciais participações, o piloto não levará o seu habitual Mitsubishi Evo7, mas usará um dos carros que pertence à equipa SLM Racing Team.

Um caso mal-resolvido

A temporada passada só não foi sublime para Delfim porque a Taça FOOD4U de Carros de Turismo de Macau do 66º Grande Prémio de Macau não lhe correu de feição. “Terminei em oitavo na minha classe no Grande Prémio de Macau, mas fiquei desapontado com o meu resultado (11º da geral). Tinha colocado como objectivo terminar no Top 5. Isto, porque preparei-me, a mim e ao meu carro, muito bem, mas na sessão de qualificação não consegui realizar um bom tempo devido à bandeira vermelha. Tive que arrancar do 34º lugar, quase o último carro na grelha de partida, e fiquei bastante desiludido na altura.”

Sendo que esta prova é a mais importante do calendário para qualquer piloto do território, “dei o meu melhor na corrida para conseguir um bom resultado”, no entanto, “na partida (lançada) tivemos outro problema. Nem todos os carros estavam juntos no momento do arranque, porque um carro da frente estava muito lento, mas mesmo assim a Torre de Controlo colocou a luz verde, o que não foi justo para os carros que estavam atrás.”

O piloto do carro nº17 não esconde que “foi um resultado desapontante” numa temporada temporada quase perfeita, mas a confiança não ficou abalada, pois “espero que consiga fazer melhor no Grande Prémio em 2020”.

14 Fev 2020

Automobilismo | Campeão Delfim Mendonça Choi vai manter a aposta

Delfim Mendonça Choi sagrou-se em 2019 campeão da categoria “1950cc ou Superior” do AAMC Challenge, competição também vulgarmente conhecida como Campeonato de Carros de Turismo de Macau. Já com planos bem definidos para o futuro a curto prazo, o jovem piloto aguarda que a vida volte ao normal para começar a preparar a nova temporada.
“Vou regressar ao AAMC Challenge e, uma vez mais, vou continuar na categoria 1950cc e Superior”, disse o piloto macaense ao HM, que obviamente ambiciona regressar ao Grande Prémio de Macau no final do ano.
Apesar de existirem agora sérias dúvidas se as duas provas do AAMC Challenge se vão realizar, como inicialmente previsto, no Circuito Internacional de Zhuzhou – pois apenas quatrocentos quilómetros separam a cidade de Wuhan, onde começou o surto do novo coronavírus, da cidade da província de Hunan – Mendonça Choi gosta da ideia da única competição de automobilismo da RAEM mudar de cenário este ano.
“Acho que é sempre bom correr numa nova pista”, afirma o piloto que apenas se iniciou no automobilismo em 2017, acreditando que esta potencial ida à nova pista de Zhuzhou “será um bom desafio”. Dado que todos os circuitos da República Popular da China estão encerrados até nova ordem, a preparação para a nova temporada faz-se por agora em frente ao computador: “Nós temos um simulador para treinarmos”.
Em 2019, no Circuito Internacional de Guangdong, na cidade de Zhaoqing, o piloto de matriz portuguesa conquistou o seu primeiro título de pilotos, com uma vitória na segunda corrida da época, ajudando a sua equipa SLM Racing Team a sagrar-se campeã de equipas.

Mais lá fora

Tal como em 2018 e 2019, o jovem piloto da RAEM planeia dividir as suas participações no AAMC Challenge, com algumas corridas além fronteiras, para continuar a ganhar experiência e assim preparar melhor a sua participação no mês de Novembro, no Grande Prémio de Macau.
“Este ano, se os tempos difíceis passarem, espero correr no Japão (TCSA – Touring Car Series in Asia) e na Malásia (Malaysia Championship Series), porque a competição por lá é forte”, explicou Mendonça Choi.
Para estas potenciais participações, o piloto não levará o seu habitual Mitsubishi Evo7, mas usará um dos carros que pertence à equipa SLM Racing Team.

Um caso mal-resolvido

A temporada passada só não foi sublime para Delfim porque a Taça FOOD4U de Carros de Turismo de Macau do 66º Grande Prémio de Macau não lhe correu de feição. “Terminei em oitavo na minha classe no Grande Prémio de Macau, mas fiquei desapontado com o meu resultado (11º da geral). Tinha colocado como objectivo terminar no Top 5. Isto, porque preparei-me, a mim e ao meu carro, muito bem, mas na sessão de qualificação não consegui realizar um bom tempo devido à bandeira vermelha. Tive que arrancar do 34º lugar, quase o último carro na grelha de partida, e fiquei bastante desiludido na altura.”
Sendo que esta prova é a mais importante do calendário para qualquer piloto do território, “dei o meu melhor na corrida para conseguir um bom resultado”, no entanto, “na partida (lançada) tivemos outro problema. Nem todos os carros estavam juntos no momento do arranque, porque um carro da frente estava muito lento, mas mesmo assim a Torre de Controlo colocou a luz verde, o que não foi justo para os carros que estavam atrás.”
O piloto do carro nº17 não esconde que “foi um resultado desapontante” numa temporada temporada quase perfeita, mas a confiança não ficou abalada, pois “espero que consiga fazer melhor no Grande Prémio em 2020”.

14 Fev 2020

Grande Prémio | Co-organizador quer continuidade do mundial de GT em Macau

O SRO Motorsports Group, a entidade responsável pela co-organização da Taça do Mundo FIA de GT, quer que o troféu volte mais uma vez a ser disputado no programa do Grande Prémio de Macau em Novembro. Durante as 12 Horas de Bathurst do fim-de-semana passado, Stéphane Ratel, o presidente da organização sediada em Londres, desmentiu os rumores que este troféu poderia ser este ano ser transferido para França

 

O rumor sobre uma eventual troca de localização da taça mundial de carros Grande Turismo surgiu após a ter vindo a público a possibilidade de ser realizada uma corrida para pilotos profissionais com viaturas FIA GT3 durante a segunda edição do “FIA Motorsport Games” que este ano decorre em Outubro, no circuito francês de Paul Ricard. Estes “Jogos Olímpicos” de automobilismo também são organizados pelo SRO Motorsports Group.

O empresário francês confirmou que não tem ainda um acordo assinado com a Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau para a realização da Taça do Mundo FIA de GT, mas minimizou o facto, pois desde 2015 só mais tarde no ano é que ambas as partes selam esta parceria.

“Em todos os anos nunca tivemos um acordo para Macau antes do primeiro de Julho”, disse Ratel, citado pelo portal norte-americano Sportscar365. “Estamos a aguardar e trabalhamos com todos os construtores para saber quantos carros pretendem ter. Depois, mandamos para Macau um relatório a dizer ‘À data de hoje, isto é o que está confirmado. Isto é o que é possível.’ Depois Macau decide o que fazer. O processo é o mesmo todos os anos, mas é verdade que não tem sido fácil ter uma [grande] gelha de partida.”
Audi, BMW, Mercedes-AMG e Porsche já se comprometeram a regressar ao Circuito da Guia este ano, o que garante à partida mais de uma dúzia de concorrentes.

Participações não preocupam

Depois da presença de apenas 15 carros em 2018, a Taça do Mundo FIA de GT contou com 17 participantes o ano transacto. Em entrevista ao HM, na semana que antecedeu o 66º Grande Prémio de Macau, Chong Coc Veng, o presidente da Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC), afirmou que se a Taça do Mundo FIA de GT reunir mais de 15 equipas profissionais, então não será por aí que será posta em causa a sua continuidade.

“Consideramos que se tivermos mais de 15 equipas profissionais que o número é consideravelmente aceitável. Estamos a falar de equipas profissionais, de topo, que têm outras alternativas e lugares onde podem correr. Por isso, no nosso entender este número muito próximo dos 20 carros é satisfatório”, disse Veng ao HM.

Em 2019, a prova de sprint para viaturas FIA GT3 e destinada a pilotos profissionais contou com a presença oficial de quatro construtores: Audi, BMW, Mercedes AMG e Porsche. A Bentley teve muito próxima de ser a quinta marca a participar na prova, mas tal cenário não se concretizou no último momento. Raffaele Marciello venceu a corrida, oferecendo este prestigiado troféu à Mercedes-AMG.

Mesmo num cenário em que a Taça do Mundo FIA de GT não se realize na RAEM, a vinda dos potentes carros da classe FIA GT3 ao território não deverá ser posta em causa, visto que o troféu da federação internacional é parte integrante da corrida Taça GT Macau implementada com sucesso em 2008.

5 Fev 2020

Grande Prémio | Co-organizador quer continuidade do mundial de GT em Macau

O SRO Motorsports Group, a entidade responsável pela co-organização da Taça do Mundo FIA de GT, quer que o troféu volte mais uma vez a ser disputado no programa do Grande Prémio de Macau em Novembro. Durante as 12 Horas de Bathurst do fim-de-semana passado, Stéphane Ratel, o presidente da organização sediada em Londres, desmentiu os rumores que este troféu poderia ser este ano ser transferido para França

 
O rumor sobre uma eventual troca de localização da taça mundial de carros Grande Turismo surgiu após a ter vindo a público a possibilidade de ser realizada uma corrida para pilotos profissionais com viaturas FIA GT3 durante a segunda edição do “FIA Motorsport Games” que este ano decorre em Outubro, no circuito francês de Paul Ricard. Estes “Jogos Olímpicos” de automobilismo também são organizados pelo SRO Motorsports Group.
O empresário francês confirmou que não tem ainda um acordo assinado com a Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau para a realização da Taça do Mundo FIA de GT, mas minimizou o facto, pois desde 2015 só mais tarde no ano é que ambas as partes selam esta parceria.
“Em todos os anos nunca tivemos um acordo para Macau antes do primeiro de Julho”, disse Ratel, citado pelo portal norte-americano Sportscar365. “Estamos a aguardar e trabalhamos com todos os construtores para saber quantos carros pretendem ter. Depois, mandamos para Macau um relatório a dizer ‘À data de hoje, isto é o que está confirmado. Isto é o que é possível.’ Depois Macau decide o que fazer. O processo é o mesmo todos os anos, mas é verdade que não tem sido fácil ter uma [grande] gelha de partida.”
Audi, BMW, Mercedes-AMG e Porsche já se comprometeram a regressar ao Circuito da Guia este ano, o que garante à partida mais de uma dúzia de concorrentes.

Participações não preocupam

Depois da presença de apenas 15 carros em 2018, a Taça do Mundo FIA de GT contou com 17 participantes o ano transacto. Em entrevista ao HM, na semana que antecedeu o 66º Grande Prémio de Macau, Chong Coc Veng, o presidente da Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC), afirmou que se a Taça do Mundo FIA de GT reunir mais de 15 equipas profissionais, então não será por aí que será posta em causa a sua continuidade.
“Consideramos que se tivermos mais de 15 equipas profissionais que o número é consideravelmente aceitável. Estamos a falar de equipas profissionais, de topo, que têm outras alternativas e lugares onde podem correr. Por isso, no nosso entender este número muito próximo dos 20 carros é satisfatório”, disse Veng ao HM.
Em 2019, a prova de sprint para viaturas FIA GT3 e destinada a pilotos profissionais contou com a presença oficial de quatro construtores: Audi, BMW, Mercedes AMG e Porsche. A Bentley teve muito próxima de ser a quinta marca a participar na prova, mas tal cenário não se concretizou no último momento. Raffaele Marciello venceu a corrida, oferecendo este prestigiado troféu à Mercedes-AMG.
Mesmo num cenário em que a Taça do Mundo FIA de GT não se realize na RAEM, a vinda dos potentes carros da classe FIA GT3 ao território não deverá ser posta em causa, visto que o troféu da federação internacional é parte integrante da corrida Taça GT Macau implementada com sucesso em 2008.

5 Fev 2020

Automobilismo | Provas canceladas por todo o país devido ao coronavírus

Para evitar a propagação do coronavírus as autoridades chinesas estão a cancelar todos os grandes eventos desportivos no país. Uma das poucas competições desportivas da RAEM que se desenrola obrigatoriamente fora do território é o Campeonato de Carros de Turismo de Macau (MTCS, na sigla inglesa) e cujas suas duas provas de 2020 podem estar em risco

 

A Federação de Desporto Automóvel e Motociclos da República Popular da China (CAMF, na sigla inglesa) emitiu nas vésperas do Ano Novo Lunar um comunicado em que dava conta que todos os eventos desportivos estavam suspensos até ao mês de Abril. Contudo, este comunicado, publicado no site oficial da CAMG e nas suas redes sociais, foi removido, sem que a autoridade desportiva nacional chinesa justificasse porquê.

No entanto, o Rali da Montanha de Gelo de Changbai Mountain Ice Rally, do Campeonato da China de Ralis (CRC), que se disputava de 12 a 14 de Fevereiro, foi cancelado. Quem também “caiu” foi a prova do Campeonato FIA de Fórmula E marcada para o dia 21 de Março em Sanya. A competição de carros eléctricos, que tem interesses muito fortes na China, viu-se forçada a cancelar o seu único evento no país, depois de anular a sua etapa em Hong Kong devido aos distúrbios causados pelos protestos pelos movimentos pró-democracia e contra controverso projeto de lei de extradição.

Todo a situação está a ser seguida com especial atenção pela Federação Internacional do Automóvel (FIA) e pelos organizadores do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, cuja importante prova em território chinês, mais precisamente na cidade de Xangai, acontece de 17 a 19 de Abril. A logística da Fórmula 1 é gigantesca e planeada com muitos meses de avanço. O cancelamento do evento irá provocar seriamente várias dores de cabeça às equipas, num ano complicado em que estão vinte e dois Grande Prémios agendados.

Sob a direção do presidente da Comissão Médica da FIA, o professor Gérard Saillant, a federação internacional disse em comunicado que está a monitorizar a “evolução da situação com as autoridades relevantes e os seus clubes membros”, estando a avaliar “o calendário das suas próximas corridas e, se necessário, tomará as medidas necessárias para ajudar a proteger a comunidade global do desporto motorizado e o público em geral.”

Atenta ao desenrolar dos acontecimentos estará também a Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC), cujas duas provas do MTCS, que têm a particularidade de serem as corridas de qualificação dos pilotos locais para o Grande Prémio de Macau, e estarem agendadas para finais de Maio e início de Junho no Circuito Internacional de Zhuzhou, na província de Hunan. Apenas quatrocentos quilómetros separam a cidade de Wuhan, onde começou o surto, da cidade de Zhuzhou. As autoridades competentes irão certamente tomar uma decisão nas próximas semanas, até porque o transporte dos carros e material dos concorrentes é feito com bastante antecedência.

Ondas de choque

Tal como Macau, Wuhan organizava desde 2017 uma prova de automobilismo nas ruas em redor do enorme completo desportivo local. A cidade da província de Hubei preparava-se para organizar pela primeira vez em 2020 no primeiro de Maio a sua edição anual do “Circuito Citadino de Wuhan”, prova que já foi pontuável para a Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR), e que habitualmente decorre nos dois últimos meses do ano.

Este ano o evento que tem o alto patrocínio da CAMG, iria reunir todas as principais competições de automóveis em circuito da China (CTCC, TCR China, China GT, F4 China, etc). A data exacta do evento estava por confirmar, mas dificilmente esta será uma preocupação nos próximos meses para as autoridades locais.

Entretanto, o Circuito Internacional de Zhuhai, que é base operacional de grande parte das equipas do Sul da China, adiou a sua reabertura, de 30 de Janeiro para o dia 10 de Fevereiro.

Eventos Desportivos Cancelados em Fevereiro

1 – Liga Chinesa de Basquetebol – Início da temporada adiado

3 a 9 – Grupo de Qualificação para os Jogos Olímpicos Futebol Feminino (Wuhan/Nanjing) – Transferido para Sydney

4 a 8 – Torneiro de Ténis “Fed Cup Asia/Oceania” Grupo 1 (Dongguan) – Transferido para o Cazaquistão

8 a 9 – Maratona de Hong Kong – Cancelado

12 a 13 – Campeonatos Asiáticos de Atletismo Indoor (Huangzhou) – Cancelado

12 a 14 – Rali Montanha de Gelo de Changbai (Liaoning) – Cancelado

15 – Supertaça de Futebol Guangzhou Evergrade vs Shanghai Shenhua (Suzhou) – Adiado

15 a 16 – Taça do Mundo de Esqui (Yanqing) – Cancelado

16 a 26 – Jogos Nacionais Chineses de Inverno (Hulunbuir) – Cancelado

22 – Superliga Chinesa de Futebol – Início da temporada adiado

23 a 1 Março – UCI Tour de Hainan – Cancelado

3 Fev 2020

Automobilismo | Provas canceladas por todo o país devido ao coronavírus

Para evitar a propagação do coronavírus as autoridades chinesas estão a cancelar todos os grandes eventos desportivos no país. Uma das poucas competições desportivas da RAEM que se desenrola obrigatoriamente fora do território é o Campeonato de Carros de Turismo de Macau (MTCS, na sigla inglesa) e cujas suas duas provas de 2020 podem estar em risco

 
A Federação de Desporto Automóvel e Motociclos da República Popular da China (CAMF, na sigla inglesa) emitiu nas vésperas do Ano Novo Lunar um comunicado em que dava conta que todos os eventos desportivos estavam suspensos até ao mês de Abril. Contudo, este comunicado, publicado no site oficial da CAMG e nas suas redes sociais, foi removido, sem que a autoridade desportiva nacional chinesa justificasse porquê.
No entanto, o Rali da Montanha de Gelo de Changbai Mountain Ice Rally, do Campeonato da China de Ralis (CRC), que se disputava de 12 a 14 de Fevereiro, foi cancelado. Quem também “caiu” foi a prova do Campeonato FIA de Fórmula E marcada para o dia 21 de Março em Sanya. A competição de carros eléctricos, que tem interesses muito fortes na China, viu-se forçada a cancelar o seu único evento no país, depois de anular a sua etapa em Hong Kong devido aos distúrbios causados pelos protestos pelos movimentos pró-democracia e contra controverso projeto de lei de extradição.
Todo a situação está a ser seguida com especial atenção pela Federação Internacional do Automóvel (FIA) e pelos organizadores do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1, cuja importante prova em território chinês, mais precisamente na cidade de Xangai, acontece de 17 a 19 de Abril. A logística da Fórmula 1 é gigantesca e planeada com muitos meses de avanço. O cancelamento do evento irá provocar seriamente várias dores de cabeça às equipas, num ano complicado em que estão vinte e dois Grande Prémios agendados.
Sob a direção do presidente da Comissão Médica da FIA, o professor Gérard Saillant, a federação internacional disse em comunicado que está a monitorizar a “evolução da situação com as autoridades relevantes e os seus clubes membros”, estando a avaliar “o calendário das suas próximas corridas e, se necessário, tomará as medidas necessárias para ajudar a proteger a comunidade global do desporto motorizado e o público em geral.”
Atenta ao desenrolar dos acontecimentos estará também a Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC), cujas duas provas do MTCS, que têm a particularidade de serem as corridas de qualificação dos pilotos locais para o Grande Prémio de Macau, e estarem agendadas para finais de Maio e início de Junho no Circuito Internacional de Zhuzhou, na província de Hunan. Apenas quatrocentos quilómetros separam a cidade de Wuhan, onde começou o surto, da cidade de Zhuzhou. As autoridades competentes irão certamente tomar uma decisão nas próximas semanas, até porque o transporte dos carros e material dos concorrentes é feito com bastante antecedência.

Ondas de choque

Tal como Macau, Wuhan organizava desde 2017 uma prova de automobilismo nas ruas em redor do enorme completo desportivo local. A cidade da província de Hubei preparava-se para organizar pela primeira vez em 2020 no primeiro de Maio a sua edição anual do “Circuito Citadino de Wuhan”, prova que já foi pontuável para a Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR), e que habitualmente decorre nos dois últimos meses do ano.
Este ano o evento que tem o alto patrocínio da CAMG, iria reunir todas as principais competições de automóveis em circuito da China (CTCC, TCR China, China GT, F4 China, etc). A data exacta do evento estava por confirmar, mas dificilmente esta será uma preocupação nos próximos meses para as autoridades locais.
Entretanto, o Circuito Internacional de Zhuhai, que é base operacional de grande parte das equipas do Sul da China, adiou a sua reabertura, de 30 de Janeiro para o dia 10 de Fevereiro.

Eventos Desportivos Cancelados em Fevereiro

1 – Liga Chinesa de Basquetebol – Início da temporada adiado
3 a 9 – Grupo de Qualificação para os Jogos Olímpicos Futebol Feminino (Wuhan/Nanjing) – Transferido para Sydney
4 a 8 – Torneiro de Ténis “Fed Cup Asia/Oceania” Grupo 1 (Dongguan) – Transferido para o Cazaquistão
8 a 9 – Maratona de Hong Kong – Cancelado
12 a 13 – Campeonatos Asiáticos de Atletismo Indoor (Huangzhou) – Cancelado
12 a 14 – Rali Montanha de Gelo de Changbai (Liaoning) – Cancelado
15 – Supertaça de Futebol Guangzhou Evergrade vs Shanghai Shenhua (Suzhou) – Adiado
15 a 16 – Taça do Mundo de Esqui (Yanqing) – Cancelado
16 a 26 – Jogos Nacionais Chineses de Inverno (Hulunbuir) – Cancelado
22 – Superliga Chinesa de Futebol – Início da temporada adiado
23 a 1 Março – UCI Tour de Hainan – Cancelado

3 Fev 2020

Automobilismo | Corridas de Carros de Turismo de Macau com novo palco

A Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC) ainda não revelou as novidades para a edição de 2020 do Campeonato de Carros de Turismo de Macau (MTCS, na sigla inglesa), mas o Circuito Internacional de Zhuzhou, no Interior da China, anunciou no seu calendário de provas para este ano os dois “Festivais de Corridas de Macau”

Em Novembro, em vésperas do 66º Grande Prémio de Macau, Chong Coc Veng, o Presidente da AAMC, afirmou em entrevista ao HM que este ano o MTCS “podia ser disputado numa pista diferente. É uma decisão que só vai ser tomada depois de Janeiro. Mas na selecção de uma pista temos em conta diferentes aspectos, como a proximidade, devido aos custos da logística, a existência de hospitais, hotéis, entre outros. Achamos que a rotatividade é importante para que os pilotos não se aborreçam e tenham uma experiência diferente.”

Depois de ter passado pelo circuito da vizinha cidade de Zhuhai, nos últimos anos, o MTCS tinha vindo a disputar-se no exíguo Circuito Internacional de Guangdong, nos arredores da cidade de Zhaoqing. As limitações do circuito – por exemplo, os carros da nova Taça da Grande Baía tinham que ser separados em dois grupos – e a vontade de vários pilotos em competirem num palco diferente, terão pesado na escolha de uma nova pista para esta temporada.

Vários pilotos ouvidos pelo HM, e que preferiram manter a sua identidade confidencial até que se confirme oficialmente os dois “Festivais de Corridas de Macau” no Circuito International de Zhuzhou, mostraram boa receptividade a esta notícia. Contudo, todos aguardam por receber informação suplementar e exacta do custo do transporte, visto que este tem um peso muito importante nos orçamentos dos pilotos de equipas.

Visto à lupa

O novo circuito, erguido numa área de cinquenta hectares na segunda maior cidade da província de Hunan, foi inaugurado apenas o ano passado e teve um investimento de 1,6 mil milhões de patacas. Homologada em Grau 2 da FIA, a pista tem um perímetro de 3,77 quilómetros, no sentido contrário aos ponteiros do relógio, com catorze curvas no total, nove para a esquerda e cinco para a direita. A maior recta tem 645 metros de comprimento.

Segundo o calendário publicado pelo Circuito Internacional de Zhuzhou, o primeiro “Festival de Corridas de Macau” está agendado para 21 a 24 de Maio, e o segundo para 26 a 28 de Junho. Estas duas provas servem também de apuramento dos pilotos locais para o 67º Grande Prémio de Macau, que este ano se realiza de 19 a 22 de Novembro. É expectável um anúncio oficial por parte da AAMC sobre este tema e a regulamentação técnica dos seus campeonatos ainda antes do Ano Novo Lunar.

17 Jan 2020

Automobilismo | Corridas de Carros de Turismo de Macau com novo palco

A Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC) ainda não revelou as novidades para a edição de 2020 do Campeonato de Carros de Turismo de Macau (MTCS, na sigla inglesa), mas o Circuito Internacional de Zhuzhou, no Interior da China, anunciou no seu calendário de provas para este ano os dois “Festivais de Corridas de Macau”

Em Novembro, em vésperas do 66º Grande Prémio de Macau, Chong Coc Veng, o Presidente da AAMC, afirmou em entrevista ao HM que este ano o MTCS “podia ser disputado numa pista diferente. É uma decisão que só vai ser tomada depois de Janeiro. Mas na selecção de uma pista temos em conta diferentes aspectos, como a proximidade, devido aos custos da logística, a existência de hospitais, hotéis, entre outros. Achamos que a rotatividade é importante para que os pilotos não se aborreçam e tenham uma experiência diferente.”
Depois de ter passado pelo circuito da vizinha cidade de Zhuhai, nos últimos anos, o MTCS tinha vindo a disputar-se no exíguo Circuito Internacional de Guangdong, nos arredores da cidade de Zhaoqing. As limitações do circuito – por exemplo, os carros da nova Taça da Grande Baía tinham que ser separados em dois grupos – e a vontade de vários pilotos em competirem num palco diferente, terão pesado na escolha de uma nova pista para esta temporada.
Vários pilotos ouvidos pelo HM, e que preferiram manter a sua identidade confidencial até que se confirme oficialmente os dois “Festivais de Corridas de Macau” no Circuito International de Zhuzhou, mostraram boa receptividade a esta notícia. Contudo, todos aguardam por receber informação suplementar e exacta do custo do transporte, visto que este tem um peso muito importante nos orçamentos dos pilotos de equipas.

Visto à lupa

O novo circuito, erguido numa área de cinquenta hectares na segunda maior cidade da província de Hunan, foi inaugurado apenas o ano passado e teve um investimento de 1,6 mil milhões de patacas. Homologada em Grau 2 da FIA, a pista tem um perímetro de 3,77 quilómetros, no sentido contrário aos ponteiros do relógio, com catorze curvas no total, nove para a esquerda e cinco para a direita. A maior recta tem 645 metros de comprimento.
Segundo o calendário publicado pelo Circuito Internacional de Zhuzhou, o primeiro “Festival de Corridas de Macau” está agendado para 21 a 24 de Maio, e o segundo para 26 a 28 de Junho. Estas duas provas servem também de apuramento dos pilotos locais para o 67º Grande Prémio de Macau, que este ano se realiza de 19 a 22 de Novembro. É expectável um anúncio oficial por parte da AAMC sobre este tema e a regulamentação técnica dos seus campeonatos ainda antes do Ano Novo Lunar.

17 Jan 2020

Automobilismo | Rodolfo Ávila faz balanço positivo da época

Rodolfo Ávila encerrou a temporada de 2019 em alta, com um triunfo indiscutível na última corrida do CTCC, um resultado merecido numa época atribulada e, acimada tudo, importante para o futuro. O piloto português de Macau fez um balanço positivo da temporada passada ao HM e está confiante que poderá regressar este ano ao popular campeonato de automobilismo da República Popular da China

 
No cair do pano do Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC, na sigla inglesa), no circuito citadino de Wuhan, na China Interior, Ávila esteve em destaque, não só por ter triunfado na segunda corrida, mas também porque foi vital na estratégia da equipa SVW333 Racing para que o seu piloto principal, o chinês Zhang Zhen Dong, conquistasse o título de pilotos. No penúltimo fim-de-semana de Dezembro, o VW Lamando nº9 qualificou-se no terceiro lugar e na primeira corrida estava destinado a terminar no segundo lugar, quando a equipa pediu a Ávila para este abrandar e deixar passar o seu companheiro de equipa para que este somasse o maior número de pontos possível.
“Neste campeonato a equipa é o que conta mais, não há margem para individualismo, mesmo que por vezes custe a qualquer piloto ter que abdicar de um bom resultado em prol dos interesses da equipa”, explicou o piloto da RAEM ao HM que se estreou no CTCC em 2016 ao serviço da SVW333 Racing.
Questionado sobre a temporada transacta, Ávila reconhece que “foi difícil, porque nem sempre tivemos o melhor carro e o balanço de performance também nem sempre nos foi favorável ao longo do ano”. Para além do triunfo em Wuhan, Ávila também venceu este ano em Xangai e os resultados só não foram melhores devido a toques maldosos de adversários. “Fui várias vezes atirado para fora e perdi muitos pontos por causa disso, mas mesmo assim, faço um balanço positivo, porque estou certo que se não fosse uma série de infortúnios poderia ter terminado ainda melhor classificado no campeonato. A equipa fez um bom trabalho, ganhamos fiabilidade e houve provas em que tínhamos carro para vencer.”
Ávila, que no dia-a-dia assume as funções de Team Manager da equipa Asia Racing Team, terminou no terceiro lugar na classificação de pilotos, enquanto a SVW333 Racing ficou no segundo lugar na classificação de equipas, onde a equipa oficial da VW SAIC enfrentou as suas congéneres da Kia, BAIC, Ford e Toyota.

2020 bem encaminhado

O piloto de 32 anos ainda não tem a temporada de 2020 definida a cem por cento, mas os bons resultados obtidos na temporada passada permitem-lhe estar confiante que poderá continuar a defender as cores da SVW333 Racing pelo terceiro ano consecutivo no CTCC. “A equipa ainda não confirmou os seus pilotos para este ano, mas mostrou vontade para que eu continuasse. Esse é um bom sinal”, clarificou.
Depois de várias temporadas a competir em corridas de monolugares, GTs e na Taça Porsche Carrera Ásia, Ávila está satisfeito por fazer parte do restrito grupo de pilotos que compete no CTCC. “Gosto de competir neste campeonato. É o maior e mais importante campeonato da China de circuitos e um dos melhores campeonatos do mundo de carros de turismo”, afirma Ávila, acrescentando que “para além de ter cinco marcas representadas com equipas de fábrica, o nível dos pilotos é muito bom, reunindo os melhores pilotos chineses da actualidade e vários pilotos internacionais de renome como o Rob Huff, Colin Turkington, Alex Fontana ou Pepe Oriola.”
2020 deverá ser o último ano do CTCC com os actuais carros, que não são utilizados em mais nenhum outro campeonato no mundo, sendo ainda uma incógnita regulamentação técnica que virá a ser adoptada no futuro.

13 Jan 2020

Automobilismo | Rodolfo Ávila faz balanço positivo da época

Rodolfo Ávila encerrou a temporada de 2019 em alta, com um triunfo indiscutível na última corrida do CTCC, um resultado merecido numa época atribulada e, acimada tudo, importante para o futuro. O piloto português de Macau fez um balanço positivo da temporada passada ao HM e está confiante que poderá regressar este ano ao popular campeonato de automobilismo da República Popular da China

 

No cair do pano do Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC, na sigla inglesa), no circuito citadino de Wuhan, na China Interior, Ávila esteve em destaque, não só por ter triunfado na segunda corrida, mas também porque foi vital na estratégia da equipa SVW333 Racing para que o seu piloto principal, o chinês Zhang Zhen Dong, conquistasse o título de pilotos. No penúltimo fim-de-semana de Dezembro, o VW Lamando nº9 qualificou-se no terceiro lugar e na primeira corrida estava destinado a terminar no segundo lugar, quando a equipa pediu a Ávila para este abrandar e deixar passar o seu companheiro de equipa para que este somasse o maior número de pontos possível.

“Neste campeonato a equipa é o que conta mais, não há margem para individualismo, mesmo que por vezes custe a qualquer piloto ter que abdicar de um bom resultado em prol dos interesses da equipa”, explicou o piloto da RAEM ao HM que se estreou no CTCC em 2016 ao serviço da SVW333 Racing.

Questionado sobre a temporada transacta, Ávila reconhece que “foi difícil, porque nem sempre tivemos o melhor carro e o balanço de performance também nem sempre nos foi favorável ao longo do ano”. Para além do triunfo em Wuhan, Ávila também venceu este ano em Xangai e os resultados só não foram melhores devido a toques maldosos de adversários. “Fui várias vezes atirado para fora e perdi muitos pontos por causa disso, mas mesmo assim, faço um balanço positivo, porque estou certo que se não fosse uma série de infortúnios poderia ter terminado ainda melhor classificado no campeonato. A equipa fez um bom trabalho, ganhamos fiabilidade e houve provas em que tínhamos carro para vencer.”

Ávila, que no dia-a-dia assume as funções de Team Manager da equipa Asia Racing Team, terminou no terceiro lugar na classificação de pilotos, enquanto a SVW333 Racing ficou no segundo lugar na classificação de equipas, onde a equipa oficial da VW SAIC enfrentou as suas congéneres da Kia, BAIC, Ford e Toyota.

2020 bem encaminhado

O piloto de 32 anos ainda não tem a temporada de 2020 definida a cem por cento, mas os bons resultados obtidos na temporada passada permitem-lhe estar confiante que poderá continuar a defender as cores da SVW333 Racing pelo terceiro ano consecutivo no CTCC. “A equipa ainda não confirmou os seus pilotos para este ano, mas mostrou vontade para que eu continuasse. Esse é um bom sinal”, clarificou.

Depois de várias temporadas a competir em corridas de monolugares, GTs e na Taça Porsche Carrera Ásia, Ávila está satisfeito por fazer parte do restrito grupo de pilotos que compete no CTCC. “Gosto de competir neste campeonato. É o maior e mais importante campeonato da China de circuitos e um dos melhores campeonatos do mundo de carros de turismo”, afirma Ávila, acrescentando que “para além de ter cinco marcas representadas com equipas de fábrica, o nível dos pilotos é muito bom, reunindo os melhores pilotos chineses da actualidade e vários pilotos internacionais de renome como o Rob Huff, Colin Turkington, Alex Fontana ou Pepe Oriola.”

2020 deverá ser o último ano do CTCC com os actuais carros, que não são utilizados em mais nenhum outro campeonato no mundo, sendo ainda uma incógnita regulamentação técnica que virá a ser adoptada no futuro.

13 Jan 2020

Sabino Osório Lei, piloto que saltou dos videojogos para as corridas reais

Num período em que o automobilismo de Macau precisa urgentemente de se renovar, a presença de “sangue novo” nas grelhas de partida é sempre bem-vinda. A presença do estreante Sabino Osório Lei em 2019 foi mais uma refrescante adição às provas locais, um piloto que praticamente saiu directo dos simuladores para as corridas a sério.

O piloto macaense debutou no automobilismo apenas na temporada transacta, tendo como experiência anterior nos desportos motorizados algumas participações em eventos de karting na China Continental e um curto teste num Fórmula 4. Contudo, Sabino conta com um vasto currículo nas provas de simuladores, incluindo um segundo lugar nas qualificações da “Esports WTCR OSCARO Asia/Oceania” e a vitória num China Sim Challenge. Depois de ter conseguido o apuramento nas duas provas do Campeonato de Carros de Turismo de Macau (MTCS), em Zhaoqing, com resultados prometedores, a estreia “a doer” de Sabino no Circuito da Guia também não desapontou.

“Foi fantástico para mim, porque foi a primeira vez no Grande Prémio de Macau e finalmente pude sentir a diferença entre a competição real e o ‘sim racing’…”, explicou ao HM o piloto que tripulou um Volkswagen Golf GTI TCR da equipa local SLM Racing Team.

Sobre a passagem do mundo virtual para o mundo real, Sabino destaca que “a concentração é totalmente diferente”, o que obriga a outro tipo de abordagem. “Tens que manter a tua mente limpa e concentrares-te em tudo o que se passa em pista. O que quero dizer é que não difícil conduzir, mas a parte da ‘concentração total’ requer algum tempo”.

Em termos desportivos, Sabino qualificou-se na décima segunda posição da grelha de partida da Taça de Carros de Turismo de Macau, posição em que terminou a corrida, classificando-se no nono lugar entre os concorrentes da classe “1950cc e Superior”. Este resultado esteve em concordância com os seus objectivos para o evento mais importante da temporada, pois “a minha missão era terminar nos dez primeiros, portanto fiquei satisfeito com o resultado obtido”.

Olhar para fora

Tal como a maioria dos pilotos do território, Sabino ainda não tem a próxima temporada definida, no entanto, está praticamente certo que deverá voltar ao MTCS e ao Grande Prémio de Macau em Novembro. Tentar algo além-fronteiras também não está descartado. “Ainda estou a planear, mas se possível, talvez farei algumas corridas do TCSA, GT Asia, ou TCR Asia”, afirmou.

O piloto que continua activo nas provas de simuladores não esconde um desejo para o futuro: “Eu espero que o AAMC adicione mais corridas ao Grande Prémio, porque gostava de me juntar a uma daquelas corridas de troféus monomarca ou algo parecido em que a competição é mais renhida. Como sabem, a Taça de Carros de Turismo de Macau não é realmente divertida porque existem grandes diferenças entre os carros 1950cc e 1600cc Turbo. Tenho esperanças de ver uma competição com carros com andamentos mais próximos.”

3 Jan 2020

Automobilismo | Vitória em Macau abre portas a Souza na China

Filipe Souza foi um dos dois pilotos da RAEM que subiu ao degrau mais alto do pódio na 66ª edição do Grande Prémio de Macau. Depois de ter conseguido cumprir o seu objectivo para esta temporada, o experiente piloto de carros de Turismo está a ponderar as diferentes possibilidades para continuar em bom plano em 2020 e não fecha a porta a um regresso às competições locais.

O piloto macaense abdicou de repetir a participação na Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR) no Grande Prémio de Macau este ano, para regressar à Taça de Carros de Turismo de Macau, alcançando o seu objectivo número um: vencer a categoria para viaturas com motorizações de 1950cc ou Superior.

Apesar deste sucesso não ter passado despercebido no automobilismo local, Souza ainda não sabe aonde irá correr na próxima temporada e se voltará a competir no Campeonato de Carros de Turismo de Macau (MTCS, na sigla inglesa). “Neste momento, não tenho a certeza, mas normalmente tenho que fazer MTCS, porque serve a qualificação para o Grande Prémio de Macau. Caso contrário, só posso fazer a prova do WTCR em Macau”, explicou o experiente piloto do território ao HM.

Regressar esporadicamente ao WTCR, como num passado não muito longínquo, parece estar fora de questão, devido aos “elevados custos e escassas possibilidades de obter um bom resultado para um piloto privado”. Porém, a exemplo de outros pilotos, a nova Taça GT – Corrida da Grande Baía despertou o interesse de Souza, essencialmente por esta reunir carros da categoria GT4, capazes de performances bastante interessantes a um custo razoável.

“É algo que estou a pensar, porque é um campeonato novo para nós e também acredito que é mais competitivo”, realça Souza que em 2017 testou um BMW M4 GT4 no Japão.

Piscar de olho chinês

Para além do triunfo no Circuito da Guia, o piloto do Audi RS3 LMS TCR também se sagrou este ano campeão da categoria TCR dos Pan Delta Super Racing Festival do Circuito Internacional de Zhuhai. Estes resultados de vulto colocaram o nome de Souza no radar das equipas do campeonato TCR China Series para a próxima época.

“O TCR China também é uma hipótese”, revelou Souza. “Este ano fiz duas provas deste campeonato, uma em Zhuhai e outra em Xangai. Tenho equipas que estão a discutir comigo para que corra com eles no próximo ano.” O TCR China Series será composto por seis provas, mais uma que este ano, todas elas na China Interior.

18 Dez 2019

Automobilismo | Vitória em Macau abre portas a Souza na China

Filipe Souza foi um dos dois pilotos da RAEM que subiu ao degrau mais alto do pódio na 66ª edição do Grande Prémio de Macau. Depois de ter conseguido cumprir o seu objectivo para esta temporada, o experiente piloto de carros de Turismo está a ponderar as diferentes possibilidades para continuar em bom plano em 2020 e não fecha a porta a um regresso às competições locais.
O piloto macaense abdicou de repetir a participação na Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR) no Grande Prémio de Macau este ano, para regressar à Taça de Carros de Turismo de Macau, alcançando o seu objectivo número um: vencer a categoria para viaturas com motorizações de 1950cc ou Superior.
Apesar deste sucesso não ter passado despercebido no automobilismo local, Souza ainda não sabe aonde irá correr na próxima temporada e se voltará a competir no Campeonato de Carros de Turismo de Macau (MTCS, na sigla inglesa). “Neste momento, não tenho a certeza, mas normalmente tenho que fazer MTCS, porque serve a qualificação para o Grande Prémio de Macau. Caso contrário, só posso fazer a prova do WTCR em Macau”, explicou o experiente piloto do território ao HM.
Regressar esporadicamente ao WTCR, como num passado não muito longínquo, parece estar fora de questão, devido aos “elevados custos e escassas possibilidades de obter um bom resultado para um piloto privado”. Porém, a exemplo de outros pilotos, a nova Taça GT – Corrida da Grande Baía despertou o interesse de Souza, essencialmente por esta reunir carros da categoria GT4, capazes de performances bastante interessantes a um custo razoável.
“É algo que estou a pensar, porque é um campeonato novo para nós e também acredito que é mais competitivo”, realça Souza que em 2017 testou um BMW M4 GT4 no Japão.

Piscar de olho chinês

Para além do triunfo no Circuito da Guia, o piloto do Audi RS3 LMS TCR também se sagrou este ano campeão da categoria TCR dos Pan Delta Super Racing Festival do Circuito Internacional de Zhuhai. Estes resultados de vulto colocaram o nome de Souza no radar das equipas do campeonato TCR China Series para a próxima época.
“O TCR China também é uma hipótese”, revelou Souza. “Este ano fiz duas provas deste campeonato, uma em Zhuhai e outra em Xangai. Tenho equipas que estão a discutir comigo para que corra com eles no próximo ano.” O TCR China Series será composto por seis provas, mais uma que este ano, todas elas na China Interior.

18 Dez 2019

GP Internacional de Karting | Finlandês voador vence em Coloane

A tradição ainda é o que era. A Tony Kart voltou a ser mais forte que a concorrência na edição de 2019 do Grande Prémio Internacional de Karting de Macau que se realizou no pretérito fim-de-semana no Kartódromo de Coloane. A estrutura fundada em 1958 por Antonio “Tony” Bosio colocou os seus quatro pilotos de fábrica nas quatro primeiras posições da Taça Macau KZ, a corrida “cabeça de cartaz” do fim-de-semana, com Simo Puhakka a sagrar-se o vencedor.

Mesmo sem contar com Marco Ardigò este ano, visto que o carismático especialista transalpino se retirou das lides, o domínio da Tony Kart ao longo da prova raramente foi beliscado. Puhakka, que o ano passado fez a melhor volta da corrida, foi este ano o mais forte, tendo o finlandês de 31 anos levado a melhor sobre os italianos Matteo Viganó e Alessio Piccini que completaram o pódio. O sueco Noah Milell foi o quarto classificado, enquanto o australiano Aaron Cameron, fechou o “Top-5”, sendo o primeiro a não utilizar chassis da Tony Kart, mas sim um JC Kart construído no seu país.

Macau esteve representado na prova por Charles Leong Hon Chio. O jovem piloto que há três semanas competiu no Grande Prémio de Macau de Fórmula 3, abriu uma excepção e queria fazer melhor que o sétimo lugar obtido em 2018, no entanto, tal não foi possível. “Não correu como eu esperava. O resultado não foi bom o suficiente, não me adaptei bem à condução do kart”, afirmou Leong ao HM, ele que terminou no décimo posto.

Outras marcas

Com corridas para todos os gostos, foram vários os pilotos que tiveram motivos para celebrar no evento co-organizado pela Associação Geral-Automóvel Macau-China (AAMC), Instituto do Desporto (ID) e Direcção dos Serviços de Turismo (DST). Na Corrida CKC Macau, classe CKC X30 Cadetes para convidados, onde se destacou a ausência do piloto português inscrito, Pedro Rilhado, venceu Rashid Al Dhaheri dos Emirados Árabes Unidos. Justin Lai, que defendeu as cores de Macau, abandonou na final.

A temporada de 2019 do Campeonato Open Asiático de Karting (AKOC, na sigla inglesa) também chegou também ao fim entre nós, com mais de uma centena de pilotos a marcarem presença. No que respeita aos pilotos do território, Gonçalo Ferreira foi 25º classificado na Fórmula 125 Jr Open/X30 JR, ao passo que Hermes Lai e Lam Kam San foram primeiro e segundo, respectivamente, na final da Fórmula 125/Rotax Veteranos.

10 Dez 2019

GP Internacional de Karting | Finlandês voador vence em Coloane

A tradição ainda é o que era. A Tony Kart voltou a ser mais forte que a concorrência na edição de 2019 do Grande Prémio Internacional de Karting de Macau que se realizou no pretérito fim-de-semana no Kartódromo de Coloane. A estrutura fundada em 1958 por Antonio “Tony” Bosio colocou os seus quatro pilotos de fábrica nas quatro primeiras posições da Taça Macau KZ, a corrida “cabeça de cartaz” do fim-de-semana, com Simo Puhakka a sagrar-se o vencedor.
Mesmo sem contar com Marco Ardigò este ano, visto que o carismático especialista transalpino se retirou das lides, o domínio da Tony Kart ao longo da prova raramente foi beliscado. Puhakka, que o ano passado fez a melhor volta da corrida, foi este ano o mais forte, tendo o finlandês de 31 anos levado a melhor sobre os italianos Matteo Viganó e Alessio Piccini que completaram o pódio. O sueco Noah Milell foi o quarto classificado, enquanto o australiano Aaron Cameron, fechou o “Top-5”, sendo o primeiro a não utilizar chassis da Tony Kart, mas sim um JC Kart construído no seu país.
Macau esteve representado na prova por Charles Leong Hon Chio. O jovem piloto que há três semanas competiu no Grande Prémio de Macau de Fórmula 3, abriu uma excepção e queria fazer melhor que o sétimo lugar obtido em 2018, no entanto, tal não foi possível. “Não correu como eu esperava. O resultado não foi bom o suficiente, não me adaptei bem à condução do kart”, afirmou Leong ao HM, ele que terminou no décimo posto.

Outras marcas

Com corridas para todos os gostos, foram vários os pilotos que tiveram motivos para celebrar no evento co-organizado pela Associação Geral-Automóvel Macau-China (AAMC), Instituto do Desporto (ID) e Direcção dos Serviços de Turismo (DST). Na Corrida CKC Macau, classe CKC X30 Cadetes para convidados, onde se destacou a ausência do piloto português inscrito, Pedro Rilhado, venceu Rashid Al Dhaheri dos Emirados Árabes Unidos. Justin Lai, que defendeu as cores de Macau, abandonou na final.
A temporada de 2019 do Campeonato Open Asiático de Karting (AKOC, na sigla inglesa) também chegou também ao fim entre nós, com mais de uma centena de pilotos a marcarem presença. No que respeita aos pilotos do território, Gonçalo Ferreira foi 25º classificado na Fórmula 125 Jr Open/X30 JR, ao passo que Hermes Lai e Lam Kam San foram primeiro e segundo, respectivamente, na final da Fórmula 125/Rotax Veteranos.

10 Dez 2019

WTCR em Macau pelo terceiro ano consecutivo

Da reunião do Conselho Mundial da Federação Internacional do Automóvel (FIA), realizada na passada quarta-feira em Paris, saiu o calendário para a temporada de 2020 da Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR), competição onde o Circuito da Guia irá continuar a ser parte integrante pelo terceiro ano consecutivo.

A principal competição de carros de Turismo sob a alçada da FIA voltará a ter dez eventos no próximo ano, incluindo provas em Portugal (Vila Real) e na China Interior (Ningbo). No calendário do próximo ano entraram Espanha (Aragão) e Coreia do Sul (Inje) para o lugar da Holanda (Zandvoort) e do Japão (Suzuka). Macau será novamente, a exemplo deste ano, a penúltima prova do ano, ficando o Circuito Internacional de Sepang, na Malásia, com a “honra” de encerrar a temporada.

Entretanto, a FIA e o Eurosport Events prolongaram o contrato por mais três anos que dá à empresa de promoção de eventos do canal pan-europeu de televisão os direitos de ficar à frente da organização da WTCR. Ao mesmo tempo, será introduzido em 2020 um troféu para iniciados que visa a motivar a participação de mais jovens pilotos no campeonato.

De acordo com a informação que chegou de Paris, a 67ª edição do Grande Prémio de Macau será realizada de 19 a 22 de Novembro de 2020. No mês passado, as três corridas da WTCR no Circuito da Guia foram ganhas pelos carros da marca chinesa Lynk & Co, com os triunfos a serem divididos por Yvan Muller (dois) e Andy Priaulx (um).

Nenhuma palavra saiu deste Conselho Mundial sobre as Taças do Mundo de Fórmula 3 e de GT, sendo provável que estas sejam novamente atribuídas à RAEM. O próximo Conselho Mundial está marcado para o dia 6 de Março em Genebra.

9 Dez 2019

Morreu Domingos Piedade, um amigo de Macau

Faleceu no passado sábado Domingos Piedade, uma figura incontornável do automobilismo português e grande admirador do Grande Prémio de Macau. Piedade tinha 75 anos e lutava há cerca de dois anos contra um cancro no pulmão.

O Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, recordou-o como “uma figura maior” que tudo fez pela projecção do automobilismo. Piedade foi um pouco de tudo, jornalista, manager ou director desportivo, destacou-se como vice-presidente da AMG e teve influência nas carreiras de pilotos mundialmente conhecidos como Emerson Fittipaldi, Michael Schumacher, Michele Alboreto ou Ayrton Senna.

Curiosamente, Piedade estava em Macau no fatídico fim-de-semana que levou o brasileiro. Também teve um papel importante na entrada de Pedro Lamy na Fórmula 1 e foi ele que abriu as portas ao patrocínio da AMG a Nico Rosberg e Lewis Hamilton no karting. Um excelente contador de histórias, em Portugal foi presidente da Circuito do Estoril SA, Conselheiro para a Internacionalização da Economia Portuguesa e durante muitos anos comentou a Fórmula 1 na televisão e rádio. Apesar de já estar reformado, Piedade mantinha-se activo na consultoria para a indústria automóvel, mais precisamente para a HWA, com projectos na área dos veículos eléctricos na República Popular da China, como revelou numa entrevista realizada no ano passado à Rádio Macau.

A abrir portas

Piedade sempre foi um grande admirador do Grande Prémio de Macau, tendo sido fulcral na vinda à Corrida da Guia no início da década de 1990s da poderosa equipa oficial Mercedes-AMG, dando uma projecção internacional à prova rainha de carros de turismo do sudeste asiático que esta até aqui não tinha. Foi o lisboeta que abriu as portas à participação na equipa oficial do construtor de Estugarda do agora Presidente da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting, Ni Amorim. Um dos Mercedes 190 E conduzidos por Ni Amorim faz agora parte do espólio do Museu do Grande Prémio. Foi também com ele como manager que Pedro Lamy conseguiu o segundo lugar no Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 em 1992.

Quando esteve presente como convidado no 60º aniversário do Grande Prémio, Piedade deu uma entrevista à agência Lusa onde referiu que o Circuito da Guia “é uma pista muito difícil” e que “se hoje tivéssemos de partir do zero, não seria mais homologada”. Contudo, não deixou de referir que a tradição deverá ser mantida “sempre e quando a parte da segurança não seja demasiado arriscada, o que não é o caso em Macau, sobretudo porque é um evento extraordinariamente bem organizado”.

2 Dez 2019

Grande Prémio Internacional de Karting no próximo fim-de-semana

Disputa-se no próximo fim-de-semana mais uma edição do Grande Prémio Internacional de Karting de Macau no Kartódromo de Coloane. O evento que vem sendo co-organizado pela Associação Geral-Automóvel Macau-China (AAMC), Instituto do Desporto (ID) e Direcção dos Serviços de Turismo (DST), e que está no calendário internacional de eventos da CIK-FIA, terá um programa recheado de provas: Taça Macau KZ, Corrida CKC Macau (classe X30 Cadete) e as várias corridas das diferentes classes do Campeonato Open Asiático de Karting (AKOC, na sigla inglesa).

A Taça Macau KZ volta a ser a prova “cabeça de cartaz”, juntando algumas estrelas do karting europeu, a nata do karting sudeste asiático, e também concorrentes da Austrália, Canadá e Japão. A grande ausência deste ano é o vencedor da pretérita edição, o italiano Marco Ardigò, mas isso não retira competitividade ao evento, visto que a favorita equipa italiana TonyKart estará presente com quatro dos seus melhores pilotos, incluindo o finlandês Simo Puhakka, o quarto classificado no ano passado e que fez a melhor volta da corrida em 56,975 segundos.

Entre os 42 concorrentes inscritos nesta prova que não pontua para qualquer campeonato, destaque ainda para a presença do regressado Davide Forè, um nome incontornável do karting internacional, o jovem Leonardo Lorandi, o mais recente reforço da Renault Sport Academy, ou Ma Qing Hua, o piloto chinês que actualmente corre na Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR) e na Fórmula E.

João Afonso retirou-se das lides no final do ano passado, mas a RAEM continuará a estar bem representada na prova. Apesar de estar afastado do karting a tempo-inteiro, Charles Leong Hon Chio, o jovem piloto que há três semanas competiu no Grande Prémio de Macau de Fórmula 3, abriu uma excepção e vai tentar fazer melhor que o sétimo lugar obtido em 2018. O veterano Lam Kam San, Cheong Man Hei, Leong Kin On e Cheong Chi Hou são os outros pilotos do território que irão tentar a sua sorte entre os melhores da especialidade.

Portugal de volta

Diz a história que a presença de Portugal no Grande Prémio Internacional de Karting de Macau nunca foi forte. Nos dois últimos anos, o país mais ao sul da Europa nem sequer teve qualquer representação na prova. Contudo, este ano, o jovem Pedro Rilhado quebra esse hiato, alinhando na Corrida CKC Macau, classe CKC X30 Cadetes. O piloto de Lamego de 13 anos compete na Categoria Mini-Max do Campeonato de Portugal de Karting e do troféu Rotax Max Challenge Portugal, tendo igualmente realizado as provas do Troféu EasyKart.

No kartódromo inaugurado pela administração portuguesa do território em 1996, Rilhado estará novamente com a sua equipa, a BirelART Portugal. Esta corrida para os mais novos tem 21 concorrentes inscritos, incluindo Justin Lai que defende as cores de Macau.

Fim de festa

A temporada de 2019 do Campeonato Open Asiático de Karting (AKOC, na sigla inglesa) chega ao fim em Macau. No total estão inscritos 120 pilotos, divididos pelas cinco categorias, entre eles quatro pilotos de Macau: Lam Kam San e Hermes Lai na Fórmula 125/Rotax Veteranos, Gonçalo Ferreira na Fórmula 125 Jr Open/X30 JR, e Justin Lai na MiniROK,

As actividades em pista no Kartódromo de Coloane começam na quinta-feira, mas é no domingo que se realizam as “finais”, com a corrida “cabeça de cartaz” de 25 voltas a ser disputada às 15h40.

2 Dez 2019