Pequim acusa Coreia do Sul de “abalar” confiança mútua

A China culpou a Coreia do Sul por prejudicar a “confiança mútua”, ao concordar com a instalação do sistema antimísseis norte-americano na península coreana, apesar da oposição de Pequim, noticiou ontem a agência Yonhap.
Seul e Washington anunciaram no início deste mês a decisão de instalar o sistema THAAD, após os mais recentes testes nucleares e com mísseis balísticos, levados a cabo pela Coreia do Norte.
O plano para instalar aquele poderoso sistema, que lança projécteis capazes de destruir os mísseis inimigos, levou a duras críticas de Pequim e Moscovo, que consideram que este fortalecerá a capacidade militar dos EUA na região.
“O recente comportamento da Coreia do Sul prejudicou as fundações da nossa confiança mútua”, afirmou o ministro chinês dos Negócios Estrangeiros à imprensa, após um encontro com o seu congénere sul-coreano, à margem de um fórum regional em Vientiane, no Laos.
“Quero saber que tipo de acções práticas a Coreia do Sul irá tomar para proteger o nosso sólido relacionamento”, afirmou Wang, citado pela Yonhap.
A China é o principal mercado das exportações sul-coreanas e um parceiro chave nos esforços de Seul para conter o programa nuclear da Coreia do Norte.
Durante o encontro, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Sul, Yun Byung-Se, reconheceu os desafios nas relações bilaterais, mas realçou que a instalação do THAAD tem finalidades apenas defensivas e que não constitui um perigo para a segurança da China, segundo a Yonhap.

26 Jul 2016

General do Exército chinês condenado a prisão perpétua

Ogeneral aposentado Guo Boxiong, vice-presidente do organismo máximo militar da China entre 2003 e 2013, foi ontem condenado a prisão perpétua por ter aceitado subornos, anunciaram os tribunais militares, através da agência oficial Xinhua.
Guo, vice-presidente durante uma década da Comissão Militar Central, foi o responsável do posto mais alto do Exército a ser condenado na China, tendo sido privado dos seus direitos políticos para a vida e despojado do título de general, segundo a sentença, na qual foi igualmente ordenada a apreensão dos seus bens.
O alegado dinheiro e bens obtidos ilegalmente por Guo, de 74 anos, foram confiscados e devolvidos aos cofres públicos, refere a sentença do julgamento, celebrado à porta fechada e em segredo, como acontece com frequência na China em muitos processos a figuras políticas influentes acusadas de fraude.
No processo, a Procuradoria militar acusou Guo de “abusar da sua posição para ajudar na promoção de terceiros, aceitando quantidades extremamente grandes de dinheiro”.
“Guo aceitou os subornos “pessoalmente e através da sua família”, acrescentou a acusação, numa informação tornada pública em Abril, mês em que a imprensa de Hong Kong cifrava em 12,3 milhões de dólares o dinheiro obtido ilicitamente pelo ex-general, a troco de promoções de oficiais militares.
Outro vice-presidente da Comissão Militar Central na época em que Guo era um dos responsáveis, Xu Caihou, também foi investigado por corrupção e ficou detido à espera de julgamento mais de um ano, tendo falecido de cancro no ano passado, antes de ir a julgamento.
 

26 Jul 2016

Jogo |  Revisão à lei vai mesmo proibir funcionários de entrar em casinos

O vício do jogo está a afectar trabalhadores dos casinos, especialmente croupiers, e Paulo Chan quer evitar que isso aconteça. A Lei de Condicionamento da Entrada, do Trabalho e do Jogo nos Casinos vai mesmo proibir a entrada de funcionários das operadoras nas salas de jogo e será entregue à AL em 2017. Só não se sabe ainda se todos vão ser impedidos de entrar

Está confirmado: a revisão à Lei de Condicionamento da Entrada, do Trabalho e do Jogo nos Casinos vai mesmo proibir a entrada de funcionários das operadoras nas salas de jogo. A afirmação é do director da Inspecção e Coordenação de Jogos (DICJ), que diz a proposta de lei vai ser entregue na Assembleia Legislativa antes das eleições de 2017.
O Governo já tinha demonstrado querer restringir a entrada dos trabalhadores do Jogo nos casinos fora da sua jornada laboral. Agora, a questão confirma-se, ficando contundo por decidir se a proibição se estende a todos os empregados ou apenas aos croupiers, como admitiu Paulo Martins Chan à margem do programa de rádio Fórum Macau.
A DICJ está neste momento a recolher opiniões junto das operadoras de Jogo, associações e trabalhadores do sector, mas Paulo Chan frisa que está “é um dos trabalhos mais urgentes” do organismo que dirige.
“Ainda estamos no processo da revisão e não foram revelados os conteúdos a rever. Mas, com a análise de vários relatórios, notámos que os croupiers são um grupo de alto risco perante o vício do jogo”, explicou.

Com segurança

Paulo Martins Chan já tinha assegurado que iria  aperfeiçoar a lei que condiciona a entrada, trabalho e jogo nos casinos assim que assumiu o cargo. Agora, assegura que a lei revista vai ser entregue à AL antes das eleições em meados de 2017.
Choi Kam Fu, Presidente da Associação de Empregados das Empresas de Jogo Macau, mostrou preocupações com a decisão e disse esperar “que não afecte o emprego dos trabalhadores”. O responsável diz ainda que se deve proibir a entrada de todos os trabalhadores e não apenas dos croupiers, a fim de construir uma malha de segurança para todos os empregados.
Além da revisão desta lei, Paulo Chan adiantou ainda que o organismo também está a rever a lei que regula os promotores do Jogo e as máquinas de jogo electrónicas. “É necessário, para conseguirmos acompanhar. A nossa equipa legal já passou de duas para cinco pessoas”, frisou, sem adiantar detalhes sobre o que vai mudar nestes diplomas.

* por Angela Ka com Joana Freitas

26 Jul 2016

China encerra vários portais de notícias

AChina fechou vários portais de notícias “online”, acusados pelas autoridades de noticiarem e publicarem, de forma independente, artigos sobre temas considerados sensíveis, informou ontem a imprensa estatal.
Os principais órgãos “online” em língua chinesa, incluindo o Sina, Sohu, Netease e iFeng, encerraram alguns sites com informação de carácter político e social, e contas nas redes sociais, após Pequim ter “criticado duramente” a “grande quantidade de acções destes órgãos que violam as leis e regulamentos”, informou o jornal Beijing News.
Estes jornais “publicaram uma grande quantidade de notícias reunidas e editadas por eles próprios”, causando “um impacto particularmente mau”, afirmou, citando fonte não identificada do departamento.
Estes portais vão ser também multados, acrescentou a mesma fonte, sem revelar mais detalhes.

Condicionados

Os jornalistas dos órgãos “online” chineses geridos por grupos privados podem apenas cobrir eventos desportivos e da área do entretenimento, enquanto nos temas mais sensíveis estão autorizados apenas a difundir peças produzidas por órgãos estatais, como a agência oficial Xinhua.
Alguns destes jornais, contudo, formaram as suas próprias equipas de jornalistas de investigação ou fontes de informação, recorrendo muitas vezes a vídeos e registos independentes.
O Partido Comunista Chinês (PCC), que não tolera oposição ao seu poder, exerce um restrito controlo sobre os órgãos de comunicação, enquanto um poderoso aparelho de censura apaga comentários difundidos “online”.
Vários órgãos de comunicação estrangeiros estão bloqueados no país.
Desde que o actual Presidente chinês, Xi Jinping, ascendeu ao poder, em 2013, a pressão repressiva aumentou.
Em Fevereiro passado, Xi apelou à imprensa chinesa para se focar em “notícias positivas” e “exprimir a vontade do Partido e proteger a sua unidade e autoridade”.
Só no segundo trimestre de 2016, o Governo encerrou ou revogou a licença de 1.475 “sites” e encerrou mais de 12.000 contas em redes sociais, numa onda de repressão sobre a “informação online ilegal”, revelou na semana passada a Administração para o Ciberespaço da China.

26 Jul 2016

Doenças mentais intrigam mas “não aumentaram”

Au Chi Keung, vice-presidente do Instituto de Acção Social (IAS), assegurou ontem ao Ou Mun que o número de casos de pessoas que têm efectivamente uma doença mental não aumentou. O que subiu, refere, foram os pedidos de informação sobre doenças mentais. O vice-presidente do IAS respondia assim às notícias de que Macau tem cada vez mais pessoas com problemas psicológicos, mas essas devem-se, diz, ao facto de ser “cada vez mais frequente encontrarmos pessoas que se comportam de forma estranha na rua”. Casos que o responsável atribui ao crescimento do stress e densidade populacional. Au Chi Keong acredita que, à medida que mudamos a maneira de viver, não será surpreendente associações do sector “descobrirem mais casos deste tipo”.

26 Jul 2016

Pin-To | Livraria e loja de música fecha com festival no domingo

A Pin-to vê agora as portas fecharem. Mas nem só de lágrimas é o adeus e do desaparecimento sai o primeiro e último festival de música no espaço do Senado

Oespaço Pin-To, loja que se dedicou durante uma década à venda de livros e música, tem o ‘canto do cisne’ anunciado para o próximo dia 31 de Julho. Um casa dedicada à cultura que fecha portas, mas não sem antes realizar um sonho: o primeiro e último Festival de Música da Pin-To vai acontecer. Com nomes estrangeiros e locais, o fim-de-semana vai ter sons para todos os gostos.
Sexta-feira as vozes fazem-se ouvir a partir das 19h30. No palco estará Qing Yuan e Forget The G, que trazem como convidado especial Hugo Loi. Sábado a agenda começa às 14h30 e os interessados poderão assistir aos concertos de François Girouard & Rita, half cat, Cheng Wenzheng, Ringo & John Vu e os Jazzers!. Domingo fecha a programação e o espaço, passando por lá a partir das 15h00 Sonia Ka Ian Lao, Achun, Small Flower, KIRSTEN, Faslane, Aki e um encore de François Girouard.
A Livraria Pin-To abriu portas em 2003 e três anos depois dava origem à Música Pin-to.

Laboratório de minorias

A abertura do espaço terá sido na sua génese, uma experiência. Para os proprietários tratava-se um “laboratório” em que desejavam saber se a sua selecção musical teria eco ou ressonância em Macau, tendo em conta a pequena dimensão do mercado musical local. “Acreditamos que a beleza de música é sentida por todos quando abrem o coração”, afirmam os proprietários no Facebook. E foi assim que começaram a “apresentar as músicas não tão populares”, assumindo esta postura como mote do que se fazia na Pin-to.
Através da exposição de CDs, realização de seminários e produção de concertos, foi objectivo do pequeno espaço comercial divulgar as músicas que vinham de fora e ali serem apreciadas. O trabalho era procurar álbuns de destaque vindos de todo o mundo ao mesmo tempo em que estabelecia elos de cooperação com etiquetas independentes.
Da canção de intervenção, com passagem pela música electrónica experimental, o “ruído” e o rock, a Pin-To conferia um espaço para cada uma destas áreas. Ainda que algumas pessoas pudessem pensar que são estilos musicais feitos para minorias, para eles “mostrar a minoria” é uma mais valia, afirma a apresentação.
Ultimamente as prateleiras estão cada vez mais vazias, mas as oportunidades de encontro com “novos e velhos amigos” têm aumentado e é neste registo que se realiza o Festival de Música.


* por Angela Ka e Sofia Mota

26 Jul 2016

Criado mecanismo de informações sobre central nuclear

OGoverno anunciou a criação de um mecanismo de troca permanente de informação com Guangdong para acompanhar o funcionamento da central nuclear de Taishan, que começará a operar em 2017. O anúncio foi feito na Assembleia Legislativa pelo coordenador do Gabinete de Segurança, Choi Lai Hang, que reiterou perante os deputados que a região está preparada para responder a eventuais acidentes em centrais nucleares chinesas, incluindo na de Taishan, localizada a menos de 70 quilómetros de Macau.
Tal como já havia dito publicamente o Secretário da Segurança, Choi Lai Hang garantiu que Macau tem um plano de contingência para uma situação como esta, que foi actualizado em 2011 e que está de novo em fase de “aperfeiçoamento”, dada a aproximação da entrada em funcionamento da central de Taishan.
A este propósito, revelou que Macau e Guangdong já pediram autorização ao Governo Central para criar um mecanismo de troca de informação permanente entre as duas regiões para acompanhar o funcionamento da nova central.

Em princípio tudo bem

Choi Lai Hang reiterou que o plano de contingência segue “os critérios” internacionais, ao abrigo dos quais, mesmo em caso de acidente de nível 7 (o máximo), não são necessárias, “em princípio, medidas gerais de protecção”, incluindo a evacuação, num raio de 20 quilómetros, sublinhando que todas as centrais chinesas estão localizadas a maior distância.
No entanto, num raio de cem quilómetros serão necessárias “medidas de controlo”, relacionadas com a avaliação de riscos, previsão da evolução da situação, medição de níveis de radioactividade ou fiscalização da entrada de pessoas e mercadorias na cidade, incluindo alimentos. Neste âmbito, explicou que 17 departamentos públicos em Macau têm instruções para adoptar medidas de controlo, ao abrigo do plano de contingência.
Choi Lai Hang acrescentou que Macau dispõe também dos equipamentos necessários para medir níveis de radioactividade, depois de no mês passado o Secretário da Segurança ter admitido que alguns estavam desactualizados, mas ter já dado instruções para a compra de outros de substituição.
O coordenador do Gabinete de Segurança sublinhou que a China tem neste momento 13 centrais nucleares e 30 reactores em funcionamento e mais de 20 anos “de experiência” nesta área.”Podemos ter confiança”, afirmou.
A questão foi levada ao plenário através de uma interpelação ao Governo do deputado pró-democrata Au Kam San, que pediu garantias sobre a segurança da cidade em caso de acidente nuclear, questionando, como outros deputados, o critério que limita a um raio de 20 quilómetros a zona de maior perigo.
Os deputados apontaram casos de acidentes nucleares envolvendo explosões em que, por exemplo, os ventos levaram mais longe as substâncias radioactivas. Por outro lado, pediram ao Governo para fazer mais campanhas de informação pública sobre este tema.
 

25 Jul 2016

‘Brexit’ | China não pode salvar mundo de abrandamento

Aeconomia mundial não pode depender apenas da China para o salvar de um abrandamento provocado pelo ‘Brexit’, afirmou sexta-feira o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, nas vésperas do país acolher um encontro entre os ministros das Finanças do G20.
Representantes dos governos e chefes dos bancos centrais das 20 maiores economias do mundo reuniram-se este fim de semana no sudoeste da China, com o impacto da saída do Reino Unido da União Europeia (UE) como um dos principais assuntos na agenda.
Segunda maior economia do mundo, logo a seguir aos Estados Unidos, a China tem sido o motor da recuperação global desde a crise financeira de 2008, graças a um massivo pacote de estímulos lançado por Pequim.
Investidores de todo o mundo mostram-se, contudo, apreensivos face ao abrandamento da economia chinesa, enquanto o resultado do referendo no Reino Unido intensificou os riscos e instabilidade.
“É impossível carregar o fardo de todo mundo nos nossos ombros”, afirmou Li Keqiang, após um encontro, em Pequim, com responsáveis de seis organizações económicas internacionais, incluindo o Banco Mundial (BM) e o Fundo Monetário Internacional (FMI).
O FMI previu esta semana que a incerteza criada pela saída do Reino Unido da UE irá resultar no abrandamento da economia mundial no próximo ano.
Numa actualização das suas previsões, realizada em Abril, o FMI reviu a previsão de crescimento da economia global para este e o próximo ano em menos 0,1 por cento, para 3,1% e 3,5%, respectivamente.
“O falhanço em definir claramente a relação futura entre o Reino Unido e a União Europeia irá adicionar incerteza e diminuir a confiança”, afirmou o FMI num relatório enviado, na quinta-feira, aos ministros das Finanças do G20.
“E, se não for bem gerida, a transição da China poderá aumentar a volatilidade na trajectória base da economia mundial”, acrescentou.
Em 2015, a economia chinesa cresceu 6,9%, o ritmo mais baixo dos últimos 25 anos.

25 Jul 2016

China | Mais de 126 mortos devido a chuvas

Onúmero de mortos por causa das chuvas da última semana na China subiu para 126 e cerca de 250 mil pessoas estão isoladas na província de Hubei devido às inundações, segundo os dados oficiais mais recentes.
As chuvas no centro e norte da China afectaram mais de 680 mil pessoas em Hubei, onde dez localidades ficaram inundadas e 250 mil habitantes da cidade de Tianmen continuam isolados, revelam as mesmas informações.
Uma equipa de 500 militares e mil civis foi enviada para Tianmen para tentar resgatar e dar assistência às pessoas isoladas.
Na província de Hebei, que rodeia Pequim, o número de mortos confirmados ascende a 114, havendo outras 111 pessoas desaparecidas. Há mais 12 mortos e seis desaparecidos na província de Henan.
A resposta das autoridades chinesas a esta situação causou protestos em vários pontos do país por ter sido considerada tardia e insuficiente, segundo relatam as agências de notícias internacionais.
Numa conferência de imprensa no sábado, as autoridades de Xingtai, localizada 400 quilómetros a sul de Pequim e onde chegou a haver confrontos entre os habitantes e forças de segurança, pediram desculpa pela “resposta desadequada” ao temporal, destacando que estas chuvas foram “as piores” registadas na região desde finais da década de 1990.
Meios de comunicação social oficiais somaram-se às críticas ao Governo local, com o Global Times a publicar um editorial em que considera que o desastre que se vive no norte da China é “uma combinação de catástrofe natural e erro humano”, reprovando a atitude das autoridades locais.
O jornal lembra o que aconteceu há quatro anos em Pequim, quando as chuvas causaram dezenas de mortos e o Governo local, como agora, foi muito criticado pela falta de previsão.
Todos os anos, durante a época das chuvas na China, que começa em Maio, surgem críticas sobre a falta de transparência das autoridades, que se opõem a divulgar avisos.

25 Jul 2016

Diário secreto de Pequim

* por António Graça Abreu

Pequim, 25 de Outubro de 1977

Nas Edições de Pequim em Línguas Estrangeiras, secção portuguesa, o camarada Fu Ligang trabalha na mesma sala que eu, na mesa mais pequena, à minha direita. É uma espécie de meu secretário. O Fu estudou português em Macau, numa leva de 60 ou 70 jovens chineses que em 1965 a República Popular enviou quase secretamente para Macau, a fim de estudarem a língua de Camões.
O Fu Ligang aprendeu bem português. Teve um professor que nunca esqueceu com o nome de Júlio Dinis. Responsável e trabalhador — creio que é membro do Partido Comunista Chinês –, hoje de manhã perguntou-me:
“Então camarada António, está a gostar de viver em Pequim, está satisfeito com a China que veio encontrar”?
Assumindo os meus antecedentes meio comunistas, na versão meio maoista, ainda com meia convicção política, respondi-lhe mais ou menos nos seguintes meios termos:
“Sim, vim encontrar um país a crescer, um povo simpático e tenho boas condições de vida e de trabalho aqui em Pequim. Depois, estou a dar o meu pequeno contributo para ajudar a construir o socialismo, para a criação do homem novo, para a construção de uma sociedade mais justa e de um mundo melhor”.
O Fu Ligang ouviu o meu discurso impassível, um levíssimo sorriso a aflorar nos lábios e, passados uns longos segundos, olhou-me pelo canto do olho e disse-me, em excelente português:
“O camarada é ingénuo.”
E não houve mais conversa. Durante o resto da manhã debruçámo-nos sobre os textos a traduzir e a corrigir.
O Fu deve ter razão. Nestes meus quatro anos de Pequim, vou tentar entender e digerir a minha ingenuidade.

Pequim, 29 de Outubro de 1977

Tenho uma aí, uma espécie de ama ou empregada de crianças para, durante o dia tomar conta do meu filho mais pequeno, o Gonçalo, com apenas treze meses. É uma senhora já de meia idade, vive aqui ao lado do hotel e com a nossa concordância, gosta de levar o menino estrangeiro para sua casa, um pequeno andar aqui perto, pobre mas com um mínimo de conforto. Aí tratam o meu rapazinho com todas as mordomias de um príncipe e o Gonçalo adora estar no meio daquela família chinesa e ser o centro da atenção de todos, incluindo os vizinhos.
Logo no primeiro dia quando a aí se apresentou ao serviço, perguntou-me o nome do menino. Disse-lhe que se chamava Gonçalo, mas ela podia chamar-lhe simplesmente Gon, era mais fácil. A aí repetiu Gou狗, Gou, com alguma surpresa e muita estranheza. Gou狗 em chinês significa cão. Como era possível estes “diabos estrangeiros” chamarem cão a um filho seu?

Pequim, 30 de Outubro de 1977

Vem aí o frio, dizem-me que em Pequim, em Janeiro e Fevereiro as temperaturas oscilam entre os 0 e os 20 graus abaixo de zero. A Sibéria não está longe do norte da China.
Tenho andado a comprar agasalhos, vou precisar de me aquecer. Mas os chineses são um bocado exagerados no que ao frio diz respeito. De há um mês para cá usam ceroulas, homens e mulheres. Ficam cómicos, com as ceroulas vermelhas, cor-de-rosa ou verdes mais compridas do que as calças cinzentas ou azuis, a saírem por fora das pernas, a verem-se a léguas. Dizem-me que precisam de andar assim confortáveis para que depois, quando o verdadeiro frio chegar, não serem apanhados desprevenidos e ficarem sujeitos a uma qualquer gripe ou pneumonia.

Pequim, 1 de Novembro de 1977

Todas as semanas temos aqui no edifício número 1 do Hotel, numa espécie de salão nobre — ex-libris pomposo deste espaço no nosso imenso conglomerado habitacional –, umas conferências sobre a actualidade chinesa destinada a esta gente de desvairadas nacionalidades que habita o Hotel da Amizade.
As conferências são em chinês mas contamos com tradução simultânea feita pelos tradutores encartados do Bureau de Especialistas Estrangeiros, a entidade que zela e toma conta de nós no lugar onde vivemos. Sossegadamente sentados na sala, colocamos os auriculares nos ouvidos, escolhemos a língua, o inglês, o francês, o espanhol e vá de tentar entender o que cada mestre em política actual tem para nos contar. Só assiste quem quer mas há sempre aí duas dezenas e meia de estrangeiros e mais uns tantos quadros chineses a ouvir os discursos de gente graúda ligada ao Partido.
Vêm-nos falar do tomo V das Obras Escolhidas de Mao Zedong, em análises naturalmente muito politizadas, com suma reverência ao pensamento do grande timoneiro. Vou ficando a saber que Mao, em 1950, ao escrever sobre o “movimento de resistência à agressão norte-americana e ajuda à Coreia”, — quando seguiram para a guerra nas terras coreanas cerca de um milhão de soldados chineses, incluindo o filho mais velho de Mao, o general Mao Anying (1923-1950) que lá morreria num bombardeamento aéreo norte-americano –, fico a saber que a China pretendia sobretudo defender-se a si própria dado que, segundo Mao, os yankees tinham como objectivo entrar na China e aniquilar o regime comunista.
O camarada palestrante vai-nos contando a História recente, fala no internacionalismo proletário, refere a força da resistência do povo coreano, com o presidente Mao a dirigir pessoalmente a guerra do lado chinês, uma guerra justa, com fé na vitória. É verdade que o inimigo tinha mais canhões, mas faltava-lhe a moral e o camarada conferencista quase cita o velho Sun Zi (554 a.C.-496 a.C), o mestre da Arte da Guerra, ao dizer:

Ponto Um – Saber se temos forças suficientes para combater.
Ponto dois – Saber se temos forças suficientes para uma possível retirada.
Ponto três – Saber se nos podemos reabastecer.
Ponto quatro – Saber se podemos resistir a uma guerra prolongada.

E vai citando Mao Zedong:
“Ao adquirir-se experiência militar, eleva-se a consciência política. Devemos combater quando for necessário e negociar quando o inimigo der sinais de fraqueza. Somos a favor da paz mas não tememos a guerra, conquista-se a paz através da guerra.
Na retaguarda é necessário coordenar a luta, as fábricas também são campos de batalha, as máquinas equivalem a fuzis e canhões.” (continua)

25 Jul 2016

China | Alcançados importantes êxitos na área da saúde, diz OMS e BM

AChina alcançou importantes êxitos na área da saúde, nas últimas décadas, mas deve continuar a reformar o sector, segundo um estudo conjunto da Organização Mundial de Saúde (OMS), Banco Mundial (BM) e o Governo chinês.
Jim Yong Kim, presidente do BM, destacou as alterações no sistema de incentivos financeiros ou a liberalização da indústria dos medicamentos, como medidas que “provaram ser eficazes”.
O estudo, realizado nos últimos dois anos, dá nota positiva ao programa que a China lançou em 2009 e que visa construir um sistema que dependa mais dos cuidados básicos de saúde e menos dos hospitais. saude medicamentos médico
No documento aponta-se ainda que, apesar dos êxitos da China, que conseguiu tirar mais de 600 milhões de pessoas da pobreza e cobrir a quase totalidade da sua população com seguros de saúde, o país depara-se com novos desafios.
O envelhecimento da população e o aumento das doenças não contagiosas, como o cancro, os diabetes ou as doenças do coração, supõem “a maior ameaça para a saúde da população chinesa”.
Estas doenças são exacerbadas por comportamentos de elevado risco, entre os quais fumar, uma estilo de vida sedentário, consumo de álcool ou a degradação do meio ambiente, assinala o estudo.
O responsável do BM enalteceu os esforços da China para combater a poluição e considerou que o compromisso do país asiático para reduzir as emissões de dióxido de carbono é o “mais ambicioso do mundo”.
“Observo uma alteração nas prioridades na China, desde 2013”, acrescentou Jim Yong Kim, numa referência aos níveis de poluição recordes que então se registaram em Pequim, e assegurou que a “China está agora a avançar muito rápido”.
O estudo recomenda ainda o país asiático a reformar os hospitais públicos e a continuar com o sistema de incentivos, premiando os centros que alcancem melhores resultados, e que permita ao sector privado competir em condições iguais ao sector público.
 

25 Jul 2016

Union Pay | Transacções ilegais somam mais de dois mil milhões

Continuam e estão a subir as transacções ilegais com recurso ao pagamento através da Union Pay chinesa, com residentes envolvidos no crime

As transacções ilegais com recurso a terminais portáteis da Union Pay International em Macau ascenderam a 2,1 mil milhões de patacas no primeiro semestre, segundo dados da Polícia Judiciária (PJ) facultados à agência Lusa. A verba diz respeito a 12 inquéritos abertos pela PJ relativos ao levantamento ilegal de dinheiro com cartões Union Pay, todos encaminhados para o Ministério Público (MP).
O volume das transacções ilegais com recurso a terminais portáteis da Union Pay International em Macau entre Janeiro e Junho supera por larga margem o apurado em todo o ano de 2015 (1224 milhões de patacas).
As operações em causa são ilegais porque efectuadas em Macau através das máquinas POS da Union Pay China ou outras fornecidas por terceiros, o que faz com que a Union Pay International não receba a percentagem a que tem direito por a transacção ter sido realizada, de facto, fora da China.

Detidos de todos os lados

Segundo os dados facultados pela PJ, no âmbito dos 12 casos sinalizados no primeiro semestre do ano, foram detidas 31 pessoas (oito de Macau, 22 da China e uma de Hong Kong), a quem foi aplicada a medida de termo de identidade e residência, e 22 máquinas POS foram apreendidas.
As transacções ilegais detectadas entre Janeiro e Junho traduziram-se em prejuízos para a Union Pay International na ordem de 5,58 milhões de patacas, contra 2,29 milhões de patacas relativos a todo o ano de 2015.
A maioria dos casos tem ocorrido no interior dos casinos, nas ruas adjacentes ou nos quartos de hotéis com salas de jogo.
“Nos últimos anos, tem-se verificado que alguns criminosos agem de forma movimentada e mais escondida, bem como recrutando intermediários (os chamados ‘barqueiros’)”, explica a PJ numa resposta escrita enviada à Lusa.
Esses intermediários, segundo a PJ, “vão falar com os jogadores nos casinos e oferecem-lhes a prestação do serviço de levantamento de dinheiro com menos emolumentos. Uma vez acertado o serviço para levantar o dinheiro, os jogadores são levados para dentro de uma viatura estacionada fora do casino ou junto de uma casa de penhores ou uma joalharia onde será instalada a máquina POS”, explica a Judiciária.
A PJ indica que, “para controlar a situação”, tem efectuado patrulhamentos não periódicos (nomeadamente nos dias feriados) nos casinos ou nos locais adjacentes e mantido contacto com a Union Pay International e os bancos de Macau.
A par disso, recorda que existe uma ligação com os departamentos de segurança dos casinos, bem como “boa cooperação” com a polícia de Zhuhai.

25 Jul 2016

Receitas públicas caem quase 14%

As receitas públicas caíram 13,5% no primeiro semestre do ano, mas a região continuava com um superavit superior a 17,2 mil milhões de patacas no final de Junho. Os dados oficiais provisórios divulgados na passada semana indicam que a queda das receitas da Administração está em linha com a quebra no sector do Jogo.
Os impostos directos sobre o jogo – 35% sobre as receitas brutas dos casinos – caíram 13,4%, comparativamente com o mesmo período de 2015 (variação homóloga), alcançando os 39,612 mil milhões de patacas. Do lado da despesa, os gastos públicos totais aumentaram 2,3% no primeiro semestre do ano em termos homólogos.
O superavit da região no final de Junho, equivalente a quase dois mil milhões de euros, era em 32,1% inferior ao que Macau registava um ano antes. As receitas dos casinos caíram 11,4% no primeiro semestre do ano, em comparação com o mesmo período de 2015. Junho foi o 25.º mês consecutivo de quedas homólogas.
Para o conjunto de 2016, o Governo prevê nova queda das receitas públicas e do jogo, mas continua a esperar fechar o ano com um superavit de 18,213 mil milhões de patacas, segundo a previsão do Orçamento da região. A confirmar-se essa estimativa, os impostos directos sobre o jogo cairão 16,6% em 2016.

25 Jul 2016

Pequim apela à UE para acabar com “antiquada” investigação ‘antidumping’

OMinistério do Comércio da China apelou hoje à União Europeia (UE) para que deixe de utilizar o seu “antiquado” método de investigação ‘antidumping’, já que considera que este contraria o protocolo da Organização Mundial do Comércio (OMC).
Num comunicado difundido através da agência oficial Xinhua, o ministério apela a que no final deste ano a UE abandone o actual método, utilizado para investigar a possível concorrência desleal de produtos chineses que chegam à Europa.
A posição do ministério surge pouco após a Comissão Europeia (CE) ter anunciado que não concederá o estatuto de “economia de mercado” à China, mas que irá propor alterações na legislação, para cumprir com as suas obrigações perante a OMC. comércio electrónico compras vendas alibaba
A comissária europeia para o Comércio, Cecilia Malmström, afirmou que a CE vai propor “uma nova metodologia ‘antidumping’ que capte as distorções no mercado relacionadas com a intervenção estatal em países terceiros”.
Pequim considera que o método actual usa os custos de produção de “países terceiros”, para calcular o valor dos produtos em países que não são considerados “economias de mercado”, (entre os quais a China), o que permite à UE cobrar altos impostos.
+O ministério recordou também que todos os membros da OMC devem guiar-se pelas normas, “sem ter em conta os padrões locais e outros factores, como o excesso de capacidade industrial”.
A China quer que a OMC reconheça o estatuto do país como “economia de mercado”, apesar da oposição da UE e das indústrias europeias, que acusam Pequim de praticar “dumping” (vender os seus produtos abaixo do custo de fabrico).
O reconhecimento pleno da “economia de mercado” da China retira poderes aos outros países ao nível das acusações de “dumping” e abarcaria alterações nos procedimentos impostos às exportações chinesas para a UE.
As interpretações sobre as normas da OMC para a China são também alvo de diferendo.
Pequim considera que cumpridos os quinze anos desde o seu ingresso na OMC, o país deve ser considerado como uma “economia de mercado”, enquanto a UE considera que a China não cumpre com os parâmetros daquele estatuto.

25 Jul 2016

Maior hidroavião do mundo construído em Zhuhai

AChina completou a construção do maior hidroavião do mundo, noticiam os meios de comunicação social estatais chineses.
Segundo a agência Xinhua, a estatal Aviation Industry Corporation of China (AVIC) apresentou no sábado o primeiro destes novos aviões (batizados AG600) na cidade de Zhuhai, no sul do país.
O novo avião foi desenhado para combater incêndios florestais e ser usado em resgates no mar, escreve a Xinhua.
O hidroavião chinês destina-se ao mercado interno e “será muito útil para desenvolver e explorar os recursos marítimos”, podendo servir para “monitorização ambiental, detecção de recursos e transporte”, acrescenta a agência.
A AVIC recebeu até agora 17 encomendas de aviões deste tipo.
Com um tamanho semelhante ao do Boeing 737, é de longe maior do que qualquer outro avião construído para descolar e pousar na água, disse o vice-diretor da AVIC, Geng Ruguang, citado pela Xinhua. A agência de notícias francesa AFP ressalva que, no entanto, o tamanho das asas do hidroavião chinês é consideravelmente mais pequeno do que o das asas do H-4 Hercules, concebido nos Estados Unidos nos anos de 1940 para transportar tropas aliadas na Segunda Guerra Mundial. Este aparelho é considerado como o maior jamais construído, mas fez apenas um voo, já depois do fim do conflito, em 1947.
 

25 Jul 2016

Menos 211 milhões de trabalhadores em 2050

A China vai ter menos 211 milhões de trabalhadores em 2050, o que representa uma queda de 23% em relação à actual população activa, segundo estimativas do Ministério dos Recursos Humanos e Segurança Social do país.
Actualmente, a força laboral chinesa, cidadãos com idades entre os 16 e 59 anos, está fixada em 911 milhões de pessoas e estima-se que esse número diminua para 700 milhões de pessoas até ao ano de 2050, segundo Li Zhong, porta-voz daquele ministério durante uma conferência de imprensa citada sábado pelo jornal publicado em Hong Kong South China Morning Post.
As estimativas das autoridades chinesas superam as de instituições financeiras como o Banco Mundial, que indicou num relatório anterior que a China poderia ver a sua população activa reduzida em cerca de 10% até 2040, o que corresponderia à perda de 90 milhões de trabalhadores.
O envelhecimento da população e a queda da população activa representa uma grande pressão para a China actualmente em desaceleração económica, e o Governo tenta atacar a situação com medidas como a abolição da política de filho único, implementada este ano, e o aumento da idade de reforma.
 

25 Jul 2016

Mulher morta por um tigre num zoológico

Uma mulher foi morta e outra ferida por tigres num zoológico de Pequim depois de saírem do automóvel em que estavam no parque, que permite passeios em viaturas entre os animais em liberdade, informou ontem a imprensa chinesa.
O incidente aconteceu no sábado, no Beijing Badaling Wildlife, de acordo com o site electrónico Chinanews.com.
Durante uma discussão, uma das mulheres saiu do carro. Um tigre do zoológico atacou-a imediatamente e a outra mulher tentou intervir, sendo esta última também atacada por outro tigre, que a matou antes de levar o seu corpo.
As duas mulheres estavam acompanhadas de um homem – que assistiu à cena e tentou ajudá-las – e uma criança. Os dois últimos não ficaram feridos, explicou a Chinanews, acrescentando que o parque está fechado para reforçar as medidas de segurança.
O zoológico permite aos visitantes que circulem pelo parque em automóvel, mas adverte que não é permitido sair das viaturas.
A mulher ferida está hospitalizada, indicou o portal de informação Sohu, informando ainda que em 2014 um guarda do parque foi morto por um tigre.

25 Jul 2016

Sugerido parque arqueológico para achados

Lam Fat Iam, do Conselho do Património Cultural e presidente da Associação de História Educação de Macau, considera que o Governo deve ter em conta a possibilidade de construção de um parque histórico em Coloane. As declarações foram feitas ao jornal Ou Mun e sucedem-se às descobertas arqueológicas que remetem para a existência de vida humana em Macau há quatro mil anos. O conselheiro acha que a intenção do Governo – em manter o espaço fechado – é insuficiente, na medida em que “só mencionou a manutenção do local e o arquivo das descobertas das escavações em locais apropriados”.
Para o também dirigente associativo deveria ser criado um parque arqueológico em Coloane, para ligar os arredores do velho bairro a um conjunto em que seriam integradas as colinas, as áreas verdes, a zona litoral, as casas, templos e igrejas. Para o efeito, Lam Fat Iam sugere a realização de um plano de florestação em grande escala que funcionaria ainda enquanto espaço cultural, histórico e ecológico completamente novo.

História é identidade

Lam Fat Iam considera as recentes descobertas como fonte de enriquecimento histórico da RAEM capazes de afirmar o senntido de identidade e consciência local dos residentes. Os achados vêm ainda reconhecer a importância de áreas de estudo como a arqueologia e a história do território, dando relevo às sugestões de docentes para aprofundamento de formações nestas áreas, frisa.
Neste sentido, a Associação já está em negociações com universidades de relevo da China continental para a abertura de um mestrado nestas disciplinas, de modo a satisfazer as necessidades que cada vez mais se levantam.

*por Angela Ka 

22 Jul 2016

Falta autenticação de produtos “verdes”

Mak Soi Kun, deputado e director da Associação para a Protecção Ambiental Industrial, sugere a instauração de um sistema de autenticação dos produtos ditos amigos do ambiente.
O deputado pronunciou-se num seminário em que participou e que tinha como finalidade a promoção da compra de produtos ecológicos, bem como o incentivo às políticas e práticas de reciclagem.
Citado pelo Jornal Ou Mun, Mak Soi Kun afirma que o departamento de compras do Governo já está seguir uma política que leva em conta a protecção ambiental, mas “ainda está em falha a existência de um sistema para verificação dos produtos verdes”. A título de exemplo, o deputado refere os materiais de construção. “Como se define um tijolo amigo do ambiente se a sua produção é causa de poluição secundária?”, interroga, ao mesmo tempo que admite a dificuldade em confirmar a fiscalização dos processo de manufactura.
Mak Soi Kun espera que o Governo possa ter em conta as experiências das regiões vizinhas e realizar esforços no sentido de um desenvolvimento ecológico mais sustentável. O deputado diz que é necessária a implementação de uma norma de verificação da origem dos produtos amigos do ambiente, ao mesmo tempo que alerta para a necessidade de aumentar a competitividade e sustentabilidade das empresas no que concerne à protecção do ambiente, conferindo-se às empresas verdes mais prestígio.

22 Jul 2016

Aberto concurso para reconstrução do Sin Fong. Pronto em três anos

OConselho Administrativo do edifício Sin Fong Garden publicou ontem um anúncio para um concurso para a reconstrução do prédio, evacuado em 2012 por estar em risco de ruína. O comunicado, que listava os critérios para as empresas interessadas, foi publicado no jornal Ou Mun e prevê a duração dos trabalhos até três anos.
As obras vão incluir “a demolição do prédio original de 30 pisos, com uma área de construção” de mais de 13 mil metros quadrados, a “construção do edifício com função residencial e industrial e estacionamento”. Só se admitem as “entidades inscritas na Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT) e com tempo de serviço não inferior a dez anos”.
Segundo o canal chinês da Rádio Macau, António Ferreira Hu, vice-presidente da Associação de Beneficência Tung Sin Tong, que adiantou as despesas para a reconstrução do Sin Fong Garden, “já entregou o projecto de demolição e reconstrução à DSSOPT e, por enquanto, está-se à espera da abertura do concurso para a empreitada do projecto, estando previsto que a reconstrução vá demorar três anos”.
O responsável acrescenta que os 50 milhões de patacas a título de adiantamento atribuídos pela Associação em Abril de 2014 podem ser utilizados em qualquer altura. “Sei que os proprietários devem estar já muito ansiosos por causa da reconstrução. Entretanto, dado que a altura do prédio é de 30 pisos, o trabalho de demolição será difícil e prevê-se que vá demorar cerca de um ano e meio”, frisou, revelando também que os proprietários prometeram que iriam reembolsar o dinheiro, o que vai ser discutido no futuro.
Em 2012, veio à luz do dia que o edifício Sin Fong Garden estava em risco de ruína e 200 famílias foram obrigadas a sair das suas casas. A atribuição do subsídios aos moradores do Sin Fong Garden vai terminar a partir de Agosto, mas o Governo garante que vai continuar a ajudar os lesados com alojamentos temporários até a reconstrução do edifício terminar.

* POR Angela Ka

22 Jul 2016

Pequim apela a Republicanos dos EUA para parar com acusações

AChina apelou ontem ao Partido Republicano dos EUA para que “deixe de fazer acusações infundadas” contra o país, depois de conhecido o programa adoptado durante a convenção que nomeou Donald Trump candidato às presidenciais norte-americanas.
“Esperamos que as partes implicadas deixem de fazer acusações infundadas contra a China e de interferir nos nossos assuntos domésticos”, sublinhou em comunicado Lu Kang, porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros.
Trump reiterou a sua opção em “impor os interesses norte-americanos nas relações comerciais com a China e rasgar em pedaços o Acordo Trans-Pacífico de Cooperação Económica (TPP)”, negociado durante o Governo de Barack Obama. donald trump
“Todas as facções políticas dos EUA deviam ver o desenvolvimento da China de forma objectiva e racional e entender correctamente os assuntos que emergem nas relações bilaterais”, afirmou Lu.
O porta-voz criticou igualmente o Partido Republicano por ter acusado a China em assuntos relacionados com Taiwan, o Tibete e o Mar do Sul da China. E apelou à promoção de um “crescimento estável nas relações entre a China e os Estados Unidos da América, para que sirvam os interesses dos dois países e a paz e o desenvolvimento da região Ásia-Pacífico e do mundo”.
“Ambas as partes deveriam seguir a direcção certa”, disse.
 

22 Jul 2016

Democratas interpõem recurso para debate sobre Coloane

A[/dropap]u Kam San e Ng Kuok Cheong interpuseram um recurso ao plenário depois da Mesa da Assembleia Legislativa ter rejeitado uma proposta de audição sobre um projecto de construção no pulmão da cidade. Esse raro recurso para o plenário da Assembleia Legislativa (AL), apresentado a 4 de Julho, ainda não tem data para ser apreciado.
A iniciativa surge depois da proposta de audição que submeteram a 8 de Abril ter sido “liminarmente rejeitada” pelo presidente do hemiciclo, dias depois do plenário ter chumbado uma proposta para a realização de um debate relativo à proposta de audição sobre o projecto de construção de edifícios com cem metros de altura em Coloane.
A 31 de Maio, os deputados apresentaram um recurso dessa decisão à Mesa, que, a 15 de Junho, o rejeitou. Os democratas decidiram então avançar com a apresentação de um recurso ao plenário, que esperam que seja “tratado com justiça”.
“É de facto incrível que o poder de audição da Assembleia Legislativa nunca tenha sido exercido, desde o estabelecimento da RAEM”, refere o recurso.
Para os deputados, “a composição da própria AL e a existência de demasiadas restrições e limitações inadequadas é que impedem” o hemiciclo de “cumprir este poder de grande importância”. “O objecto da audição que propomos tem também a ver com um problema de grande relevância, ao qual a sociedade está altamente atenta e até mesmo com a preservação da zona verde de Coloane”, salientam, recordando que, por via da audição, podem ser convocados membros do Governo e pessoas relacionadas a testemunhar e apresentar provas.
Para os dois deputados, o facto de “lamentavelmente” os seus pares terem chumbado a proposta de debate sobre o assunto, resultado de “falta de informações e de uma votação apressada”, “torna ainda mais importante o mecanismo de audição”.
O presidente da AL, Ho Iat Seng, rejeitou a proposta sob o fundamento de que “o poder de desencadear um processo de audição só pode ser exercido no âmbito das competências da AL” previstas na Lei Básica.

22 Jul 2016

Petição por não conseguir habitação económica

Um cidadão entregou ontem uma petição na Sede do Governo por não ter conseguido candidatar-se a uma habitação económica. O homem, de apelido Ng, é de Macau, bem como a sua família, de mais quatro pessoas. Ng assegura trabalhar não só durante o dia a tempo inteiro, como de noite num horário parcial. O rendimento da família atinge um total de 14 mil patacas, mas o limite mínimo para que um agregado se possa candidatar é de 16 mil patacas, o que não permitiu a Ng e à sua família habilitar-se à fracção. O homem pediu ao Chefe do Executivo que diga ao Instituto de Habitação para voltar a apreciar a sua candidatura.

22 Jul 2016

Acção anti-prostituição detém 18 pessoas

A PSP realizou uma operação de combate à prostituição no Bairro do Iao Hon, onde deteve 17 mulheres e um homem. Segundo o canal chinês da rádio Macau, a PSP continuou a operação após as detenções, com acções de intercepção de pessoas suspeitas nas ruas de acesso à zona.

22 Jul 2016