Presidente da Associação Médicos de Língua Portuguesa: “É altura de Portugal pedir ajuda à China”

O presidente da Associação de Médicos de Língua Portuguesa de Macau (AMLPM) defendeu à Lusa que esta é a altura de Portugal pedir ajuda à China para combater o surto de Covid-19.

“A Itália já pediu ajuda à China. Espanha já pediu ajuda à China. Portanto, eu penso que se calhar o Governo português, antes que seja tarde, vai precisar de equipamentos, que são insuficientes. Será uma altura apropriada também de pedir ajuda às autoridades chinesas”, defendeu José Manuel Esteves.

“Porque a China está a ultrapassar este grande embate, que foi a epidemia no seu território. As fábricas estão a arrancar, estão a produzir os ventiladores, estão a produzir as máscaras, estão a produzir equipamentos de proteção aos milhões, mas a procura a nível mundial é muita e está na altura de Portugal se pôr na fila e tentar também ter acesso ao que é produzido” e que “vai fazer falta em Portugal dentro de uma semana ou dentro de duas semanas”, salientou o cirurgião.

Uma das hipóteses poderá passar por utilizar o papel de Macau enquanto plataforma de cooperação sino-lusófona, mas a abordagem directa a Pequim poderá ser privilegiada.

“Se calhar utilizando a plataforma que é Macau ou se calhar abordando diretamente o Governo central da China. Obviamente penso que em Macau há uma predisposição da própria sociedade (…). Mas simultaneamente, parece que seria apropriado o próprio Governo de Portugal fazer um pedido de ajuda formal através dos canais diplomáticos à China para uma outra dimensão”, explicou.

Afinal, frisou, o líder da AMLPM, Portugal pode vir a necessitar, mas, como disse, a concorrência para [garantir] essa ajuda vai ser enorme”.

Falta de meios e treino preocupa em Portugal

José Manuel Esteves disse também à Lusa que a falta de meios e treino em Portugal contrasta com a “enorme tranquilidade” sentida no território no combate ao coronavírus. “Sinto uma enorme tranquilidade a trabalhar aqui”, até porque “toda a sociedade e não apenas os serviços de saúde têm demonstrado um grau de organização e articulação entre as diferentes estruturas”, defendeu José Manuel Esteves.

“Há, no âmbito da saúde pública em Macau, uma experiência e traquejo muito grande, que permitiu que esta primeira onda de casos fosse controlada e Macau tivesse estado 40 dias sem novos casos”, assinalou o cirurgião.

Uma situação que contrasta com o que se vive em Portugal, sustentou: “Tenho andado em contactos permanentes com muitos dos meus colegas em Portugal e verifica-se uma preocupação extraordinária com a falta de meios, da falta de máscaras, de equipamentos de proteção, (…) e a falta de treino”.

O líder da AMLPM frisou que o uso generalizado de máscaras, a adoção de medidas que permitissem lavar e desinfectar espaços públicos, bem como o controlo nas fronteiras têm provado serem eficazes, sustentou.

“O caso que nós tivemos hoje, do mundo do homem de negócios espanhol que chegou ao aeroporto e foi identificado como tendo febre (…), nas condições praticadas em Portugal não teria sido possível porque foi sempre divulgado que o controlo não era eficaz. Mas o controlo de fronteiras em Macau provou que pode ser uma medida eficaz”, salientou.

Por outro lado, frisou, os casos de médico infectados, e outros em quarentena, não se verificaram em Macau, devido à metodologia adoptada atempadamente pelas autoridades, com a devida separação e proteção das equipas dos profissionais de saúde.

“Tudo isto foi devidamente pensado em tempo útil e é isso que os hospitais em Portugal também deveriam ter preparado atempadamente. (…) Houve mais do que tempo para que (…) tivesse havido uma preparação efetiva para aquilo que poderia vir a acontecer”, criticou.

“Com grande tristeza minha eu assisti à senhora diretora-geral da Saúde em Portugal a dizer que talvez nunca chegasse a Portugal. E, portanto, com informações destas, que parecem pouco sensatas, é que se perde a credibilidade e se perde a capacidade de mobilizar as pessoas”, lamentou.

José Manuel Esteves disse que não se deve “menorizar a inteligência das pessoas”, que “é preciso transmitir mensagens que as pessoas entendam”. Isto para que “quando se lhes pedem que façam uma coisa, como foi feito aqui em Macau, para que fiquem todos em casa, as pessoas ficaram”, afirmou, fazendo a comparação com o que sucedeu em Portugal: “Não é para andar em festas, almoços, jantares, ou ir para a praia”.

As epidemias do dengue, da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), a Influenza Aviária A (H5N1) e a gripe suína permitiram “desenvolver toda uma série de mecanismos, e a própria população criou esses mecanismos para se defender destas epidemias”, afirmou o líder da AMLPM.

Afinal, “muitas delas tiveram início na Ásia e, portanto, as pessoas aqui têm outra preparação e outra mentalidade em relação a estas epidemias”, acrescentou.

Subscrever
Notifique-me de
guest
1 Comentário
Mais Antigo
Mais Recente Mais Votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Avatar
19 Mar 2020 14:47

Mas quem é este palhaço para falar em nome de Portugal e do governo português?