O homo sapiens, as alterações climáticas e a biodiversidade (continuação)

Noutros países os humanos têm também práticas que implicam o sacrifício de animais, como touradas, tiro-aos-pombos, sacrifícios religiosos, caça furtiva, etc. Em Portugal a proibição da prática desportiva de tiro-aos-pombos apenas foi decretada em 2021. A este respeito, um candidato que transitou do PSD para o Chega, preconizou, em plena campanha eleitoral de 2024 para a Assembleia Legislativa, a anulação desta lei, mencionando «[…] como se não bastasse, também foi proibido o tiro aos pombos […] assunto que temos de reavaliar e trazer para a discussão da luz do dia. Este é um dos assuntos que têm de ser relevados por todos nós» (sic). Claro está que tal dissertação não passou despercebida ao autor do programa televisivo “Isto é gozar com quem trabalha”, que não perdeu a oportunidade para dar razão ao tal candidato, enfatizando que o discurso era coerente com o lema do Chega, “limpar Portugal”, na medida em que «os pombos c*g*m tudo» (sic, exceto os asteriscos).

As Nações Unidas estão bem cientes da interligação entre a crise climática e a perda de biodiversidade. Quanto mais grave for a crise climática, pior será a crise que a biodiversidade atravessa. Perante esta realidade, é natural que se seguisse um caminho semelhante ao trilhado para a criação do IPCC, no que se refere à proteção da biodiversidade à escala global. Foi criada, assim, também sob os auspícios do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (“United Nations Environment Programme” – UNEP) a Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre a Biodiversidade e Serviços dos Ecossistemas (“Intergovernmental Science-Policy Platform on Biodiversity and Ecosystem Services” – IPBES).

Analogamente aos procedimentos do IPCC, a IPBS elabora e publica relatórios de avaliação sobre biodiversidade e serviços de ecossistemas, o primeiro dos quais (Global Assessment Report on Biodiversity and Ecosystem Services), publicado em 2019, inclui um Resumo para os Decisores Políticos. De acordo com este relatório, estima-se que a temperatura média global tenha aumentado aproximadamente 1,0 °C até 2017, desde o início da revolução industrial, ao ritmo de cerca de 0,2 °C por década nos últimos 30 anos. Este aquecimento global teve impactos na biodiversidade, afetando ecossistemas marinhos, terrestres e de água doce. Esta situação é agravada pela agricultura intensiva, exploração exaustiva de recursos, poluição e invasão de espécies exóticas.

É natural que, uma vez alterados os parâmetros climáticos, nem todas as espécies se consigam adaptar às novas circunstâncias. E tal já está a acontecer a um ritmo acelerado, tanto em ecossistemas marinhos como terrestres. Assim, por exemplo, o aquecimento das calotas polares e o consequente degelo tem dificultado as condições de subsistência dos ursos polares, que se veem forçados a deslocarem-se para latitudes mais baixas. O seu principal alimento consiste nas focas-aneladas que caçam quando estas descansam em blocos de gelo. Por outro lado, as focas desta espécie também enfrentam problemas devido à fusão do gelo marinho, na medida em que o seu habitat, o gelo flutuante, também está a desaparecer.

Outro exemplo consiste no facto de, em vastas regiões oceânicas, os corais estarem praticamente a morrer devido ao aumento da temperatura e à acidificação da água. Estes animais desempenham um papel importante na proteção de zonas costeiras contra a erosão causada por tempestades, e também como habitat de muitas espécies de peixes. De acordo com uma síntese de vários estudos, o aquecimento global de 1,5 °C, até ao fim do século, poderá implicar o declínio de 70 a 90% da cobertura de recifes de coral, podendo atingir 99% no caso do aumento da temperatura média atingir 2°C.

A última conferência das Nações Unidas (COP 15), que se realizou em 2022, em Montreal, no Canadá, terminou com um acordo histórico que incluiu medidas específicas para deter e reverter a perda da biodiversidade, incluindo a colocação de 30% da área do planeta e 30% dos ecossistemas degradados sob proteção até 2030.Espera-se que, na COP16, que se realizará de 21 de outubro a 1 de novembro de 2024, na Colômbia, se cimente o compromisso da comunidade internacional em travar e reverter a perda de biodiversidade à escala global.

*Meteorologista

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários