Estudo | Concentração de partículas PM2,5 está em queda

Apesar da queda registada, e de Macau ser um exemplo na Grande Baía, os níveis de concentração de partículas finas, nos melhores meses, ultrapassam em mais de três vezes os valores considerados saudáveis pela Organização Mundial de Saúde

 

Entre 2015 e 2019 os níveis de concentração de partículas PM2,5 em Macau registaram uma redução “notável”. A conclusão faz parte de um estudo publicado na revista científica Scientific Reports, com o título “Alterações nos Níveis de Concentração das Partículas PM2,5 e O3 e o Seu Impacto na Saúde Humana na Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau”.

Elaborado pelos académicos Zhao Hui, da Universidade de Tecnologia de Jiangsu, Chen Zeyuan, da Universidade de Fudan, e Li Chen, da Universidade de Wuxi, o estudo conclui que na Zona da Grande Baía há uma redução dos níveis de partículas PM2,5. No entanto, no pólo mais alarmante, a concentração de ozono ao nível do solo está a aumentar.

As partículas PM2,5, também conhecidas como partículas finas, são altamente perigosas, porque podem entrar no sistema respiratório e alojar-se nos alvéolos dos pulmões, contribuindo para o desenvolvimento de várias doenças, inclusive algumas doenças mortais.

Por sua vez, o ozono, representado pelo símbolo químico O3, é benéfico quando situado na atmosfera superior, onde funciona como um filtro para a radiação ultravioleta. Todavia, quando detectado ao nível do solo é responsável por algumas doenças crónicas do sistema respiratório, como bronquite, asma e redução da função respiratória dos pulmões.

Em relação a Macau, o estudo indica que a concentração de PM2,5 foi “relativamente baixa”, a variar mensalmente entre 17,4 e 29,3 microgramas por metro cúbico. Sobre Macau, ao longo dos cinco anos, o estudo indica que houve uma redução média anual de 2,8 micrograma por metro cúbico.

No entanto, apesar da diminuição dos valores, as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que os níveis saudáveis de PM2,5 não devem ficar acima de uma média de 5 micrograma por metro cúbico ao longo de todo o ano. Além disso, indica a OMS, a exposição diária não deve ultrapassar durante mais de quatro dias o valor de 15 micrograma por metro cúbico.

Como consequência destas alterações, os autores indicam que entre 2015 e 2019 a mortalidade relacionada com estas partículas em Macau teve uma redução de 60,9 por cento, o melhor valor registado na Grande Baía. Hong Kong teve a segunda maior redução a nível de mortes, na ordem dos 46,6 por cento.

Cada vez mais ozono

No pólo oposto, os autores reconhecem que os dados indicam existir uma maior concentração de ozono ao nível do solo. No que diz respeito à Grande Baía, os académicos indicam que desde 2013 o ozono substituiu as partículas finas como o principal poluente no ar da região.

Em relação à concentração de ozono, entre 2015 e 2019 a média de Macau ficou entre os 90 e 100 micrograma por metro cúbico, um aumento anual entre 3 e 5 micrograma por metro cúbico. O estudo indica que devido à maior concentração de ozono na Grande Baía a mortalidade associada ao poluente registou um aumento. No entanto, em relação a Macau indicam que o crescimento da mortalidade foi de 1 por cento, semelhante a Zhuhai que foi de 3,1 por cento.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários