História | Centenário da presença militar portuguesa em Macau em debate

Ricardo Borges, investigador da Universidade de São José, dá hoje uma palestra intitulada “100 anos de presença militar portuguesa em Macau (1875-1975)”. Ao HM, o académico denuncia alguns “erros” e “mitos” que foi encontrando em artigos sobre a história militar portuguesa do século XX e alerta para um afastamento progressivo da génese das fortificações militares actualmente destinadas ao turismo

 

Foi em 1975 que se deu a saída da Guarnição Militar Portuguesa de Macau, mas antes disso há uma imensa história com 100 anos de existência para contar. Ricardo Borges, investigador da Universidade de São José (USJ), aborda hoje essa história no Grand Lapa, a partir das 19h, numa palestra promovida pela Câmara de Comércio França-Macau.

Ao olhar para o centenário da presença militar portuguesa em Macau, o investigador percebeu “a falta de estudos sistematizados”, uma vez que “todas as publicações que existem acabam por parar no final do século XIX e não há uma continuação para o século XX”, disse ao HM.

No início do século XX, sobretudo até ao final da I Guerra Mundial, em 1918, houve “um investimento na Guarnição com o Governador Correia da Silva, que de facto trouxe a Guarnição para o século XX em termos tecnológicos e estruturais, já com cerca de 20 anos de atraso”.

Em 1933 dá-se início ao Estado Novo em Portugal, com a implementação de uma nova Constituição, que acaba por influenciar o posicionamento e o investimento do Governo de Salazar na Guarnição Militar Portuguesa em Macau e em todo o Ultramar.

Ricardo Borges denota que existe “uma marcada diferença de abordar a Guarnição até 1933”, uma vez que, com a nova Constituição, “existem ordens de Lisboa para se cortar nas despesas de todas as colónias e as despesas militares são as primeiras a levarem um corte”.

Posteriormente desenvolve-se “um período de grande instabilidade na Ásia”, onde, além dos tumultos políticos na China, com a queda do Império e a Guerra Civil entre nacionalistas e comunistas, acontecem “as ambições imperiais japonesas que se fazem sentir mais cedo do que a II Guerra Mundial”.

“Em 1937 já se sentiam essas fricções no sul da China e vou falar um pouco sobre algumas das coisas que ainda não foram abordadas sobre Macau no período da II Guerra Mundial”. Nesse sentido, Ricardo Borges vai “aprofundar aquilo que a Administração portuguesa aqui em Macau acabou por vender aos japoneses. E também vou falar da documentação que foi destruída, era uma situação muito complicada”.

A “grande guarnição”

A implementação da República Popular da China, em 1949, faz Salazar reforçar o número de homens na Guarnição Militar Portuguesa em Macau. Esta passa a constituir “um projecto político muito importante para a imagem internacional do Estado Novo e para a própria imagem interna de sustentação do regime”.

Dessa forma, “em 1949 e até ao final da década estavam em Macau todos os anos mais de 3 mil soldados, uma grande guarnição num território pequeno e com uma população diminuta”. Tal acabou por ter um efeito social, uma vez que muitos soldados portugueses acabaram por constituir família em Macau e ficar pelo território. “É um período com muita influência na comunidade portuguesa.”

Até 1975 mantém-se “intocável o status quo entre Portugal, a Administração portuguesa e o regime comunista na China”. Ricardo Borges diz ter recolhido depoimentos de antigos soldados e oficiais que “revelam que a postura era muito diferente na forma de encarar os militares em Macau”.

Militares e turismo

Olhando para as fortificações e infra-estruturas militares que permanecem no território, Ricardo Borges lamenta que não haja uma maior associação entre a sua génese e significado original e o turismo. “Tudo começou com a Fortaleza da Barra, que foi transformada em pousada em 1981, mas também quando o Governador Rocha Vieira transformou a Fortaleza do Monte no Museu de Macau. O património está materialmente bem preservado e há cuidados, mas todas as novas sinergias que estão a ser associadas a estes locais afastam sempre o visitante da sua origem militar.”

Ricardo Borges dá o exemplo da Fortaleza da Barra, “onde existe uma grande transformação do espaço e que dissocia muito daquilo que era a sua função original”. Quanto à Fortaleza do Monte está-se perante “um caso paradigmático”, uma vez que “se o visitante entrar na Fortaleza pelo Museu, quando chega lá acima não tem nenhuma noção de que está numa fortificação”.

O investigador alerta para o facto de existir “cada vez mais uma postura pós-colonialista, com uma clara dissociação daquilo que é a antiga função [das estruturas militares] e da forma como são hoje apresentadas a visitantes ou residentes”.

Em termos académicos, Ricardo Borges também lamenta que, na feitura da história militar na viragem do século XIX para o século XX, existem “inúmeros erros”. “É o que chamo de mitos gravados na pedra, mas que não têm qualquer sustentação. Muita da investigação que tenho feito contradiz muitos destes mitos que se calcificaram ao longo do século XX. É necessário muito cuidado quando se trata da história militar em Macau durante o século XX. Esse é um trabalho que ainda está por fazer”, conclui.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários