Mimos anónimos

O almoço veio com uma maçã. Um fait-divers para muitos, mas não aqui. Na China come-se fruta, mas não para rematar refeições. Esta maçã teve um gosto especial. O gosto do mimo que vem do invisível. Um tantinho emocionada, passou-me pela cabeça que o primeiro som da palavra maçã em chinês é píng, o mesmo som de Paz. Sorri para mim própria como gostaria de o estar a fazer a quem me colocou aquela maçã em cima da caixa do caldo.

Como de costume o saco do almoço foi deixado ao meio dia. Três batimentos e ouve-se o plástico a ser pousado no chão. Abro a porta. O funcionário já se dirige ao próximo quarto, vestido de verde. Olha para trás. Agradeço.

O saquinho vem identificado com o número do quarto e um alerta simpático: “Veg”. Nem isso falha. Recebi um telefonema no segundo dia de estadia. “Quais são as suas preferências alimentares? Porco, vaca ou galinha?”. “Sou vegetariana” respondi. A refeição que se seguiu já veio em conformidade. Gosto especialmente quando me trazem folha de bambu, cogumelos chineses e Pak Choi, tudo salteado a acompanhar o inevitável arroz. Às vezes vem uma tacinha com pickles. Fazem bem à digestão. Mas também gosto do Chau Min com vegetais. Não o consigo comer ao pequeno almoço, por defeito cultural. Mas mesmo frio, sabe a pitéu ao lanche.

Palavras do Chefe

Esta manhã o Chefe do Executivo falou. Recordo, em relance, o ainda curto período Governativo de Ho Iat Seng. O dia em que assumiu o cargo e as expectativas de mudança que se anteviam, na altura, longe das sombras. Ainda com a cadeira fresca, depara-se com a tempestade. O Corona deflagra na China, e Macau tem que se proteger. Sem histerismo, o novo Chefe soube ser Chefe. Agora, em tempo de regresso de muitos, acolhe-nos. Dei comigo a confiar. Sou uma feliz privilegiada. Se estivesse nas mesmas circunstâncias em qualquer outra parte do mundo, o mais provável era terem-me colocado numa tenda improvisada num parque de estacionamento – com sorte. Não! Estou num hotel, com mais estrelas que o normal, e com todas as condições.

O sol põe-se atrás da montanha. Gosto de o ver. “Estou sempre do outro lado do vidro” dizia-me hoje a Fátima em mensagem. Também a vejo. Quando sair vou agarrar nela, que é pequenina como eu, e dar-lhe uma volta no ar. A voz doce da Dália deu o bom dia do outro lado do mundo. Para a próxima voltamos a ver o mar.

Parece que já só faltam nove.

Até amanhã.

Macau, 24 de Março de 2020

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários