Creative Macau | Exposição de Zheng Yu para visitar a partir de quinta-feira

Zheng Yu é um pintor que explora o desejo humano recorrendo à maçã como o seu principal símbolo. Em “The Endless Desire”, exposição que estará patente na Creative Macau a partir desta quinta-feira, o pintor nascido em Hainan e a residir em Macau explora técnicas de pintura ocidentais com caligrafia chinesa. A exposição reúne uma dezena de quadros e uma instalação

 

Desde sempre tido como símbolo de desejo e tentação, a maçã é a protagonista principal da nova exposição patente no espaço Creative Macau. “The Endless Desire” é o nome da mostra de Zheng Yu, artista e arquitecto, que será inaugurada esta quinta-feira. A exposição fica patente até 26 de Junho.

O público poderá ver os seus mais recentes trabalhos, num total de dez pinturas, onde as emoções humanas são o foco. No espaço da exposição estará também uma instalação onde a maçã volta a ser a essência.

“Uso a maçã como símbolo do desejo humano, porque as pessoas gostam de recorrer à maçã como esse símbolo. É algo que surge na bíblia e que revela o desejo humano perante a sociedade”, contou Zheng Yu ao HM.

O artista garante que o público irá sentir-se “feliz” quando vir as suas obras, devido ao uso da cor. “Quero traduzir a cultura e a filosofia chinesas usando técnicas ocidentais. Esse é o meu objectivo principal com a exposição. Recorro à técnica de caligrafia chinesa na minha pintura, mas uso contextos ocidentais para criar toda a imagem”, contou ainda.

Os vários desejos

Lúcia Lemos, directora do espaço Creative Macau, falou do fruto enquanto conceito central do imaginário manifestado pelo artista, a maçã como “um símbolo do desejo, mas também religioso, no sentido cristão”. “Tem esse símbolo da Eva que tem vindo a ser explorado por diversos pintores ao longo de várias épocas, desde o [período] bizantino e também antes e depois do Renascimento”, explicou ao HM.

Para a responsável, o facto de Zheng Yu ser também arquitecto faz com que “esteja muitas vezes nessa situação de confronto ou de escuta dos desejos dos clientes”. “O desejo humano também é isso, não estou a pensar no desejo carnal. Ele tem também um lado humanista, no sentido de ser sensível à natureza e ao mundo animal”, acrescentou.

Nesse sentido, parte do valor angariado com a venda das obras reverte a favor de uma associação de defesa dos direitos dos animais “que está a passar por dificuldades”, disse Lúcia Lemos.

Nascido em Hainan, Zheng Yu é membro da Sociedade de Artistas de Macau e sempre prestou atenção ao desenvolvimento da arte contemporânea e da sua ligação com a sociedade dos dias de hoje. O artista expôs no evento Art Next Expo, em Hong Kong, além de ter participado em outras mostras patentes no território.

25 Mai 2021

Mimos anónimos

O almoço veio com uma maçã. Um fait-divers para muitos, mas não aqui. Na China come-se fruta, mas não para rematar refeições. Esta maçã teve um gosto especial. O gosto do mimo que vem do invisível. Um tantinho emocionada, passou-me pela cabeça que o primeiro som da palavra maçã em chinês é píng, o mesmo som de Paz. Sorri para mim própria como gostaria de o estar a fazer a quem me colocou aquela maçã em cima da caixa do caldo.

Como de costume o saco do almoço foi deixado ao meio dia. Três batimentos e ouve-se o plástico a ser pousado no chão. Abro a porta. O funcionário já se dirige ao próximo quarto, vestido de verde. Olha para trás. Agradeço.

O saquinho vem identificado com o número do quarto e um alerta simpático: “Veg”. Nem isso falha. Recebi um telefonema no segundo dia de estadia. “Quais são as suas preferências alimentares? Porco, vaca ou galinha?”. “Sou vegetariana” respondi. A refeição que se seguiu já veio em conformidade. Gosto especialmente quando me trazem folha de bambu, cogumelos chineses e Pak Choi, tudo salteado a acompanhar o inevitável arroz. Às vezes vem uma tacinha com pickles. Fazem bem à digestão. Mas também gosto do Chau Min com vegetais. Não o consigo comer ao pequeno almoço, por defeito cultural. Mas mesmo frio, sabe a pitéu ao lanche.

Palavras do Chefe

Esta manhã o Chefe do Executivo falou. Recordo, em relance, o ainda curto período Governativo de Ho Iat Seng. O dia em que assumiu o cargo e as expectativas de mudança que se anteviam, na altura, longe das sombras. Ainda com a cadeira fresca, depara-se com a tempestade. O Corona deflagra na China, e Macau tem que se proteger. Sem histerismo, o novo Chefe soube ser Chefe. Agora, em tempo de regresso de muitos, acolhe-nos. Dei comigo a confiar. Sou uma feliz privilegiada. Se estivesse nas mesmas circunstâncias em qualquer outra parte do mundo, o mais provável era terem-me colocado numa tenda improvisada num parque de estacionamento – com sorte. Não! Estou num hotel, com mais estrelas que o normal, e com todas as condições.

O sol põe-se atrás da montanha. Gosto de o ver. “Estou sempre do outro lado do vidro” dizia-me hoje a Fátima em mensagem. Também a vejo. Quando sair vou agarrar nela, que é pequenina como eu, e dar-lhe uma volta no ar. A voz doce da Dália deu o bom dia do outro lado do mundo. Para a próxima voltamos a ver o mar.

Parece que já só faltam nove.

Até amanhã.

Macau, 24 de Março de 2020

25 Mar 2020

Música | MACA assina parceria com Sociedade Portuguesa de Autores

A Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) e a MACA (Macau Association of Composers, Authors and Publishers) vão produzir em conjunto o álbum “MACA Album Volume 7”, que celebra o décimo aniversário da associação local.

De acordo com um comunicado divulgado pela SPA, “a cooperação entre ambas as congéneres estender-se-á à semana cultural da relação dos países da Lusofonia com a China, na qual a SPA foi convidada a participar, facto que muito honra a cooperativa dos autores portugueses”.

As parcerias com a MACA surgem numa altura em que “a SPA tem vindo a reforçar a sua presença internacional e as sinergias em rede, destacando-se actualmente a proposta da Confederação Lusófona de Sociedades de Autores . A parceria visa uma maior solidariedade, à escala global, na prossecução dos únicos e fundamentais objectivos comuns: a cada vez maior proteção dos direitos dos autores e a garantia de uma justa remuneração pela exploração das suas obras”.

5 Mar 2018