Japão pediu adiamento dos Jogos Olímpicos devido à pandemia covid-19

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse esta terça-feira que o Comité Olímpico Internacional (COI) aceitou o seu pedido de adiar por um ano os Jogos Olímpicos Tóquio2020, devido ao surto da Covid-19. Abe tornou público o seu pedido em declarações aos jornalistas, após ter tido uma conversa por videoconferência com o presidente do COI, Thomas Bach, e garantiu que o suíço concordou a “100%” com a sua proposta.

Os Jogos Olímpicos Tóquio2020 deveriam realizar-se de 24 de Julho a 9 de Agosto. Antes, na madrugada de terça-feira, em comunicado, o comité organizador reafirmou estar a “examinar planos detalhados para diferentes cenários, incluindo a abertura dos Jogos em 24 de julho, de acordo com o acordo alcançado com o COI”.

Reiterando que o cancelamento “não está na agenda”, a organização de Tóquio2020 assegurou dar prioridade à “segurança dos atletas, espectadores e todos os outros participantes”.

Tóquio2020 custa milhões

Os Jogos Olímpicos Tóquio2020 estão orçados em 11,5 mil milhões de euros e vão ser disputados por 11.000 atletas, próximo da paridade entre sexos com 48,8 de mulheres.

Os números são os oficiais do comité organizador, que previa começar o evento a 24 de Julho, e até 9 de Agosto, mas foi obrigado protelá-lo para 2021 devido à pandemia da covid-19, pelo que não estão ainda contabilizados os custos inerentes à alteração.

Ao todo, serão mais 500 atletas em relação ao Rio2016, ainda assim aquém de Pequim2008, com 11.990: o COI explica que a paridade não é absoluta simplesmente porque alguns desportos coletivos recebem mais equipas masculinas.

Aos 11.000 desportistas juntam-se outros 6.000 das várias delegações, pelo que o total de 17.000 inclui treinadores, dirigentes e equipas médicas e de fisioterapia, entre outros.

Ainda assim, a aldeia olímpica conta com 26.000 camas, fabricadas a partir de materiais reciclados, segundo os responsáveis nipónicos.

Do total de 7,8 milhões de bilhetes que o COI espera vender, um total de 4,48 milhões já foram adquiridos pelo público, segundo dados atualizados em fevereiro.

O impacto do turismo vai ser significativo, pois são esperados 600.000 visitantes estrangeiros, de acordo com as estimativas do ministério do turismo japonês, assumidas em 2018.

Tóquio2020 vai decorrer em 43 instalações olímpicas, sendo que oito são novas e/ou permanentes e 10 temporárias.

Os que desejam assistir à cerimónia de abertura pagarão 2.300 euros pelo bilhete mais caro, enquanto o mais baixo é 25 vezes mais barato, 91 euros.

Ao todo, eram 56 o número de eventos teste previstos para o Japão até maio de 2020, contudo cerca de 15 tiveram de ser cancelados devido ao novo coronavirus.

A promoção interna dos Jogos Olímpicos conta com 72 lojas oficiais em todo o país, espalhados por vários destinos turísticos e diferentes aeroportos.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários