Automobilismo | André Couto regressa ao Super GT em 2020

André Couto prepara-se para a sua 17ª temporada no campeonato japonês Super GT. O piloto português residente em Macau, que é um dos pilotos estrangeiros com maior longevidade na mais forte competição de automobilismo do país do sol nascente, vai correr pelo segundo ano consecutivo pela equipa JLOC e ao volante de um Lamborghini Huracán GT3 Evo.

O vice-campeão do Super GT em 2004 na categoria principal (GT500) e campeão da classe GT300 em 2015 tripulou na temporada passada um dos dois Lamborghini Huracán GT3 Evo inscritos na categoria GT3000 pela equipa JLOC (Japanese Lamborghini Owners Club). Aos comandos do “touro” nº87, Couto conseguiu a proeza de vencer à classe os 1000 km de Fuji, a prova mais importante do calendário.

Para a nova época, o piloto de 43 anos é um dos três pilotos designados para conduzir o Huracán GT3 nº88, o carro principal da equipa fundada em 1994 pelo clube de proprietários de viaturas da marca italiana no Japão. Couto fará equipa com o experiente japonês Takashi Kogure; campeão do Super GT em 2010 e ex-piloto de testes da Honda na Fórmula 1. O também nipónico Yuya Tezuka é o terceiro elemento da equipa que só deverá entrar em cena nas corridas de longa distância.

“Estou muito satisfeito de regressar ao Super GT esta temporada”, disse ao HM o piloto que terminou em oitavo da categoria GT300 na época transacta. “O facto de ir conduzir o carro nº88, que é o principal da equipa, mostra a confiança que a equipa colocou em mim para esta época. Vou dar o meu melhor para retribuir a confiança”.

Durante a pré-temporada, Couto fez as duas primeiras corridas do Asian Le Mans Series pela JLOC, uma em Xangai e outra na Austrália, conseguindo um segundo lugar na categoria GT no circuito chinês. Porém, o Super GT em tudo um desafio diferente.

O peso do pneus

Pela frente esta temporada, Couto terá novamente a oposição dos Honda, Nissan e Lexus apoiados pelos próprios construtores, assim como os Aston Martin, Mercedes-AMG, Audi, BMW e Porsche de equipas privadas. A competição é forte e há um outro factor diferenciador neste campeonato: os pneus.

“Só saberemos quanto competitivo seremos após o primeiro teste colectivo. Vai ser muito importante o trabalho com a Yokohama para encontrar os melhores pneus. Sessenta por cento da competitividade neste campeonato depende do comportamento dos pneus”, explicou o piloto da RAEM que tem uma enorme experiência nesta matéria e que contará com gomas especiais do construtores de pneus japonês.

Por outro lado, a JLOC está a sair da sombra de uma pequena estrutura com poucos meios. Nas últimas temporada os seus Lamborghini mostraram-se capaz de ombrear com os melhores carros do campeonato, muito também pelo investimento que está a ser feito. “A equipa está a crescer e é a equipa oficial da Lamborghini no Japão. Contámos com algum apoio de fábrica, o que é uma preciosa ajuda”, afirma Couto.

Ameaça do Covid-19

Para evitar a propagação do COVID-19, as autoridades japonesas também têm posto travão a vários eventos desportivos, entre os quais, várias provas de automobilismo. O primeiro evento do campeonato de monologares Super Formula, que incluía no seu programa a prova de abertura do Campeonato Japonês de Superbikes, marcado para o mês de Abril, foi cancelado. A prova do Super Taikyu teve o mesmo destino.

Ambas as provas iriam ser realizada no circuito de Suzuka, a poucos quilómetros de uma unidade fabril importante da Honda.

À data de publicação deste artigo, a organização do Super GT ainda não tinha cancelado qualquer evento. Contudo, os dias oficiais de testes – 14 e 15 de Março – serão realizados à “porta-fechada” em Okayama. O campeonato começa a 11 e 12 de Abril, também no circuito da prefeitura de Chugoku, mas há dúvidas se evento se irá desenrolar na data prevista, dado que as provas do Super GT costumam atrair mais de vinte mil espectadores.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários