Jornalista de Hong Kong impedido de entrar em Macau

Um repórter da estação Now TV de Hong Kong foi impedido de entrar em Macau num posto de controlo situado na Ponte HKZM. Por cá, um jornalista local conta que foi abordado por um indivíduo que o terá avisado que seria melhor não visitar a China nos próximos tempos, e que se devia comportar como um “bom menino”

 

Fui abordado por um homem que me avisou que era melhor não ir à China nos próximos dias, que devia trabalhar normalmente, como um bom menino, sem fazer parvoíces”, conta Roy Choi, jornalista de um portal de informação dedicado ao jogo. Apesar de já não ter contacto profissional com política, nem estar interessado, Roy Choi trabalhou até Junho do ano passado no portal Macau Concealers.

Seguindo a toada do comunicado da Associação dos Jornalistas de Macau, que denunciou pressões a profissionais locais, Roy Choi referiu que ontem de manhã um jornalista de um órgão de comunicação social de língua chinesa terá deixado Macau, sob pressão da entidade patronal, e ficará fora do território durante a visita de Xi Jinping.

Também um repórter de Hong Kong, da Now TV, foi ontem impedido de entrar em Macau. Jack Tsang, que vinha ao território cobrir as celebrações do 20º aniversário da RAEM, foi retido durante quase três horas num posto fronteiriço de uma ilha artificial da Ponte HKZM e, segundo o South China Morning Post, terá sido interrogado por oficiais chineses.

Depois de lhe terem dito que estaria impedido de entrar em Macau nos próximos dias, o jornalista diz ter sido fotografado e revistado antes de ser enviado de regresso a Hong Kong.

À margem da tomada de posse de magistrados, entre eles José Maria Dias Azedo como juiz do Tribunal de Última Instância, Neto Valente, presidente da Associação dos Advogados de Macau, endereçou o assunto.

Primeiro, confessou não conhecer a estação televisiva. “Não sei quem passou e quem foi impedido. Não sei o que é a Now TV, não conheço. Presta para alguma coisa? Eu nunca vi. Nem sei o que é. Se fosse a TVB conhecia e outras também, mas a Now TV não”, começou por dizer.

De seguida, o advogado questionou os motivos para a recusa de entrada. “Já ouviram as razões que os impediram de entrar? Não sei se a segurança está a ser exagerada. Eu passo e não tenho tido nenhum problema nem para cá nem para lá. Nos últimos dias não tenho passado. Sei que mandei um carro levar pessoas para lá e para cá e não tenho tido problemas. Entraram e saíram”.

Registo feito

Um fotógrafo da mesma estação que Jack Tsang, e que o acompanhava na viagem a Macau não foi impedido de entrar no território. De acordo com a Now TV, ambos os profissionais haviam feito registo junto das autoridades de Macau para cobrir os eventos. Importa referir que a Now TV faz parte do conglomerado PCCW Media, que tem como director o filho do bilionário Li Ka-shing.

Segundo a estação de Hong Kong, os dois profissionais chegaram às 14h45 de segunda-feira ao posto temporário na ilha artificial, mais próximo do segmento de Hong Kong da Ponte HKZM. Às 17h30, as autoridades chinesas pediram a Jack Tsang para regressar à região vizinha.

A Now TV sublinhou ainda que vai enviar outro repórter para cobrir as celebrações e que não acredita que a recusa de entrada se deve à cobertura que a estação fez dos protestos em Hong Kong.

Segundo a Agence France-Presse, no posto de controlo temporário estão várias dezenas de polícias de intervenção especial, e há registo de revistas a bagagens de passageiros de autocarros, controlo de documentos e rastreio através de um sistema de reconhecimento facial.

Subscrever
Notifique-me de
guest
1 Comentário
Mais Antigo
Mais Recente Mais Votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Jorge
19 Dez 2019 14:54

Neto valente outro grande democrata, ah, ah, ah.
O gajo que denunciou à pide os seus correligionários para fugir ao tarrafal e ir parar a Macau