Patriotismo fatal

Na China, existe uma celebração, enraizada no folclore local, designada por “Festival da Comida Fria”. Neste dia, as pessoas devem manter-se afastadas de qualquer tipo de fogo, inclusivamente da chama do fogão. A festa celebra-se no dia anterior ao Dia de Cheng Ming (Dia de Finados). Reza a lenda que a tradição teve origem num incidente histórico trágico. Durante os Anais das Primaveras e dos Outonos (620 AC), o Estado de Jin debatia-se com lutas internas e o filho do duque, herdeiro do trono de Jin, foi forçado a um longo exílio, antes de regressar a casa para reclamar o trono que lhe pertencia por direito próprio. No momento de recompensar os súbditos que o ajudaram durante o exílio, esqueceu-se de um dos que lhe tinham sido mais fiéis.

Este leal e injustiçado servidor abandonou o Estado de Jin e foi viver para as montanhas. Quando o duque se apercebeu do seu erro, foi pessoalmente até às montanhas à sua procura, na esperança de poder reparar o mal que tinha feito. Mas a zona era muito vasta e o vassalo queria manter-se escondido. Após vários dias de buscas, o duque continuava sem o encontrar e foi aí que alguém propôs que se devia pegar fogo à floresta para o obrigar a sair do esconderijo. Mas, no final o que encontraram foi o seu corpo carbonizado, abraçado ao tronco de uma árvore. O duque amava o seu servo, mas usou o método errado para lhe demostrar o seu apreço e tentar recompensá-lo. As boas intenções transformaram-se em actos malignos e acabaram numa tragédia. Devastado pelo remorso, o duque proíbiu o povo de acender o lume no dia em que se assinalava o aniversário do trágico acontecimento, para homenagear o seu leal servidor e para se impedir a si próprio de voltar a cometer actos cruéis de futuro. Mas, ignorando esta lição, há quem ande a incendiar Hong Kong.

A implementação da revisão da “Lei de Extradição” iria impedir que Hong Kong fosse um paraíso para criminosos domésticos e estrangeiros. Mas a forma como Carrie Lam lidou com toda esta situação deixou muito a desejar. Esta forma de actuar, adicionada à influência das ideologias de extrema-esquerda, internas e externas, fez com que o movimento contra a “Lei de Extradição” acabasse por se transformar gradualmente num conflito entre os manifestantes e a polícia, um campo de batalha entre o campo pró-governamental e o campo pró-democrático e uma moeda de troca nas negociações comerciais sino-americanas. Todos estes factores se conjungaram para mergulhar a cidade na agitação e no caos. Após a promulgação da “Lei Anti-Máscaras”, o conflito acalmou, mas criou-se uma enorme insatisfação popular. Como o Governo não quis criar a Comissão de Inquérito Independente para averiguar a actuação da Polícia, não há forma de investigar as supostas atrocidades cometidas durante os motins. Teorias da conspiração e inverdades de ambos os lados continuam a grassar, sem que ninguém as consiga travar. Não se conseguem resolver as tensões criadas entre o Governo e a população e ambos os lados revelam incapacidade de autocrítica. É possível que a situação se venha a resolver com a imposição de medidas drásticas. Se vier a ser o caso, Hong Kong ficará “ferida de morte”. Seria esta acção radical, patritótica e motivada pelo “amor a Hong Kong”?

Durante o século XX, não se cultivou na China uma tradição de políticas negociais nem de reflexão, tendo-se recorrido por sistema à força para resolver os problemas. Deng Xiaoping concebeu a ideia de “um país, dois sistemas”, com a intenção de usar Hong Kong e Macau como modelos para abrir caminho à resolução pacífica do problema de Taiwan. Em Macau, o cenário político ficou definido depois dos acontecimentos do “Motim 1-2-3”, ocorrido em 1966, e o princípio “um país, dois sistemas” foi aplicado com sucesso na cidade. Mas em Hong Kong, após os “motins esquerdistas de 1967”, estabeleceu-se um forte pluralismo político. Por isso, a actual situação de Hong Kong não pode ser resolvida “com pulso de ferro” ou apenas com o uso da força policial. Enquanto as ideologias de extrema-esquerda dominarem a cena polítca de Hong Kong, o modelo “um país, dois sistemas” corre o risco de se vir a tornar no modelo “um país, um sistema” a qualquer momento. A situação política e a preparação para as eleições presidenciais de 2020 em Taiwan também têm sido largamente afectadas, ao longo dos últimos meses pelo movimento contra a “Lei de Extradição” de Hong Kong.

Os instigadores de acções levadas a cabo em nome do patriotismo, mas que prejudicam o país que dizem defender, serão inevitavelmente condenados pela História.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários