Pequim | Talibãs reúnem-se com autoridades chinesas

Em vésperas de eleições presidenciais, uma delegação dos talibãs, que condenam e ameaçam o acto eleitoral, encontrou-se com autoridades chinesas em Pequim, numa tentativa de encontrar pontes para acabar com a guerra que dura no país há 18 anos

 
Enviados dos talibãs, que controlam partes do Afeganistão, reuniram-se com as autoridades chinesas em Pequim para discutir os esforços para encerrar uma guerra que dura há 18 anos, anunciou ontem Pequim.
O ministério chinês dos Negócios Estrangeiros revelou que a delegação, liderada por Mullah Abdul Ghani Baradar, co-fundador dos talibãs e chefe do escritório político do grupo islamita no Qatar, esteve na capital chinesa.
O porta-voz da diplomacia chinesa, Geng Shuang, disse que Baradar e funcionários do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros trocaram opiniões sobre o “processo de avanço para a paz no Afeganistão”, sem revelar mais detalhes.
Geng apelou aos Estados Unidos e aos talibãs para que “mantenham o ímpeto” das negociações de paz e considerou que a China está pronta para desempenhar um papel construtivo.
As negociações entre os Estados Unidos e os talibãs sobre um acordo de paz colapsaram recentemente. Pequim apoia as negociações para “alcançar a reconciliação nacional, a paz e a estabilidade em breve”, disse Geng.
“A China continuará a desempenhar um papel construtivo nesse sentido”, apontou.
O Afeganistão realiza no sábado uma eleição presidencial, apesar da oposição veemente dos talibãs.
O grupo insurgente islamita alertou os afegãos para não votarem nas eleições e afirmou que os seus combatentes terão como alvo acções de campanha eleitoral e assembleias de voto.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários