Eixo do mal

O início das aulas em Hong Kong foi marcado por mais um protesto em massa, para prosseguir a agenda de Washington. Também pessoal médico de muitos dos hospitais da região vizinha voltou a protestar, juntando-se a outras organizações terroristas como mães, donos de animais, entidades religiosas, associações de deficientes, por aí fora, nessa salganhada de belzebus.

Tendo em conta a manifestação com maior adesão (mais de 2 milhões de pessoas), e duvidando que todos os descontentes com o Governo de Lam tenham saído à rua no mesmo dia, é razão para dizer que as forças estrangeiras têm total domínio sobre, pelo menos, metade da população de Hong Kong. O eixo CIA, Steve Bannon e ISIS está a vencer, avançando a agenda da independência em segredo, numa táctica confusa em que parecem lutar em silêncio por algo que nunca foi dito, excepto na Xinhua (que, se calhar, também está metida nisto).

Apesar deste eixo ser aparentemente antagónico, não é de fiar na perfídia destas forças externas que há décadas andam a mexer cordelinhos para orquestrar a instabilidade na harmonia celestial. Bannon nunca foi de extrema-direita, nem nunca mandou abaixo os serviços de inteligência e o FBI.

Tudo uma jogada de espelhos e fumo, barulho das luzes para ludibriar a opinião pública de Hong Kong. Às tantas o Trump é mesmo um génio disfarçado de idiota, de forma a meter o bedelho na política da China. Completamente maquiavélico. Democracia acaba em CIA. #AgoraPensa

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários