Homo Speculo

A evolução natural do Narciso a definhar perante a violência da sua beleza reflectida nas águas do Eco, deixando a vida escoar, é um instagrammer. A selfie é a unidade de medida do Homo Speculo. A diferença para o mito narcísico é a incessante necessidade de aprovação da nova espécie. A exposição constante implora likes, seguidores, corações e outras formas de interacção superficial que afaguem o ego, que confiram aquela satisfaçãozinha constitutiva, validação surda-muda.

Nos tempos do Homo Speculo já ninguém visita locais, ninguém vive experiências, ninguém testemunha acontecimentos, ninguém aprende com a história e a natureza. Isso são coisas do passado. Hoje em dia, o instagrammer retrata-se em contextos, a realidade é um enquadramento, o pano de fundo para a estudada pose facial, os locais ou acontecimentos são tags, pequenas notas-de-rodapé. Paisagens idílicas, obras de arte que revolucionaram a alma e a estética, concertos geniais, momentos que marcam mudanças de capítulos históricos, acidentes trágicos, são cenários para o ego que fica em primeiro plano. Nada mais interessa.

De onde surgiu esta geração de auto-idólatras? Nos países que deram um salto económico faz algum sentido o mimo dos filhos que, naturalmente, cresceram com um sentimento de privilégio.

Se inserirmos este factor na nova cultura digital de endeusamento do ego, o resultado são pessoas fechadas para dentro, que vivem no seu umbigo. Mas em países onde, pela primeira vez em séculos, uma geração tem menos oportunidades de ascensão social que a anterior, o mistério do auto-amor torna-se mais denso. Parece que o mundo exterior é de tal forma aterrador, que o Homo Speculo prefere o seu reflexo a olhar para fora das fronteiras do espelho.

Como num eterno labirinto de espelhos, o Narciso digital vive dentro da sua projecção, condicionado por filtros e poses estudadas para corresponder a padrões de beleza definidos por algoritmos. Não é raro avistar filas de seres desta nova espécie à espera do seu momento para tirar o auto-retrato padrão, com a cara virada para o ângulo mais favorável, câmara inclinada para esconder excesso de queixo e filtros para a exfoliação digital. Como quem planta uma flor, um narciso, claro está, uma vez postado o auto-retrato esse post precisa ser regado e nutrido com carinho. Partilhas e comentários não podem ficar sem resposta e gentilezas devem ser retribuídas nesta vida onde o telefone é uma extensão do umbigo.

Ao mesmo tempo que se multiplica pelas redes sociais, o instagrammer enfrenta os perigos da sua presença física no mundo real. Votado a viver com a cabeça dentro do palmo de ecrã e destinado a apanhar o melhor ângulo para a derradeira selfie, por vezes a nova espécie sucumbe a terrenos acidentados. Quedas de locais altos, de buracos ou para a água, atropelamentos por total desconexão com realidades do século passado como o trânsito, marradas contra obstáculos materiais são efeitos das falhas dessa desordenada app que dá pelo nome de vida. Ainda não é possível fazer unfollow às consequências físicas de se viver dentro de si mesmo.

Ironicamente, estes acidentes representam experiências vivas da selecção natural a actuar perante os nossos olhos. De certa forma, a nova espécie é dotada de uma qualidade dramática profundamente humana e trágica. Aquilo que a caracteriza acaba por representar um perigo para a sua sobrevivência, uma incongruência de genes que fogem para o abismo, de selfie stick em riste, a metralhar auto-retratos.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários