Ainda o discurso do homem que está muito ligado a casa

1.

Por vezes tenho isto nas costas, este incómodo, como se fosse a cauda de um animal.
Um animal doméstico, pois claro, pois a minha cauda é, afinal, um cordão umbilical e essa pele que deveria ter sido destruída logo à nascença e enterrada em solo bem fundo e inacessível, afinal continua aqui nas costas, e vai andando pela cidade e termina na fachada principal da casa.
Estranho, como se fosse um tubo que fizesse parte de uma canalização de água, gás, algo desse tipo.

2.

E, de facto, trata-se de um cano, um cano humano, este cordão umbilical, e é ali que António vai buscar a sua energia; como se fosse um posto de gasolina mais ou menos paternal.
E podemos descrever a paisagem do seguinte modo: o cordão umbilical fortíssimo, espesso, grosso, e bem difícil de mastigar, vindo da cauda de António, entra pela parede da fachada principal para dentro de casa e vai directo ao centro, ao poço que está na sala, e ali vai ele, para baixo, como se fosse uma mera mangueira, um cano bem orientado.
É do fundo desse poço que António retira a sua energia.

3.

E claro que existem amigos e inimigos e por vezes cães ou lobos ou hienas, animais domésticos ou selvagens, que têm em comum estômago e impaciência e subitamente zás, comem uma parte do meu caminho de regresso, comem uma parte de um itinerário, como se cortassem com os dentes um mapa físico, um mapa material. E se estão com fome que comam, ninguém deve exigir mais dos animais. Eles já nos dão tanto!

E foi isso que aconteceu. De repente, a minha cauda estranha, o meu cordão umbilical, foi interrompido algures lá atrás, a meio do caminho e dessa forma a circulação de energia foi também suspensa. Estou fraco porque animais vários arrancaram e mastigaram o meu caminho de volta.
Estou, pois, perdido. Não sei voltar a casa.

4 Set 2020

Homo Speculo

A evolução natural do Narciso a definhar perante a violência da sua beleza reflectida nas águas do Eco, deixando a vida escoar, é um instagrammer. A selfie é a unidade de medida do Homo Speculo. A diferença para o mito narcísico é a incessante necessidade de aprovação da nova espécie. A exposição constante implora likes, seguidores, corações e outras formas de interacção superficial que afaguem o ego, que confiram aquela satisfaçãozinha constitutiva, validação surda-muda.

Nos tempos do Homo Speculo já ninguém visita locais, ninguém vive experiências, ninguém testemunha acontecimentos, ninguém aprende com a história e a natureza. Isso são coisas do passado. Hoje em dia, o instagrammer retrata-se em contextos, a realidade é um enquadramento, o pano de fundo para a estudada pose facial, os locais ou acontecimentos são tags, pequenas notas-de-rodapé. Paisagens idílicas, obras de arte que revolucionaram a alma e a estética, concertos geniais, momentos que marcam mudanças de capítulos históricos, acidentes trágicos, são cenários para o ego que fica em primeiro plano. Nada mais interessa.

De onde surgiu esta geração de auto-idólatras? Nos países que deram um salto económico faz algum sentido o mimo dos filhos que, naturalmente, cresceram com um sentimento de privilégio.

Se inserirmos este factor na nova cultura digital de endeusamento do ego, o resultado são pessoas fechadas para dentro, que vivem no seu umbigo. Mas em países onde, pela primeira vez em séculos, uma geração tem menos oportunidades de ascensão social que a anterior, o mistério do auto-amor torna-se mais denso. Parece que o mundo exterior é de tal forma aterrador, que o Homo Speculo prefere o seu reflexo a olhar para fora das fronteiras do espelho.

Como num eterno labirinto de espelhos, o Narciso digital vive dentro da sua projecção, condicionado por filtros e poses estudadas para corresponder a padrões de beleza definidos por algoritmos. Não é raro avistar filas de seres desta nova espécie à espera do seu momento para tirar o auto-retrato padrão, com a cara virada para o ângulo mais favorável, câmara inclinada para esconder excesso de queixo e filtros para a exfoliação digital. Como quem planta uma flor, um narciso, claro está, uma vez postado o auto-retrato esse post precisa ser regado e nutrido com carinho. Partilhas e comentários não podem ficar sem resposta e gentilezas devem ser retribuídas nesta vida onde o telefone é uma extensão do umbigo.

Ao mesmo tempo que se multiplica pelas redes sociais, o instagrammer enfrenta os perigos da sua presença física no mundo real. Votado a viver com a cabeça dentro do palmo de ecrã e destinado a apanhar o melhor ângulo para a derradeira selfie, por vezes a nova espécie sucumbe a terrenos acidentados. Quedas de locais altos, de buracos ou para a água, atropelamentos por total desconexão com realidades do século passado como o trânsito, marradas contra obstáculos materiais são efeitos das falhas dessa desordenada app que dá pelo nome de vida. Ainda não é possível fazer unfollow às consequências físicas de se viver dentro de si mesmo.

Ironicamente, estes acidentes representam experiências vivas da selecção natural a actuar perante os nossos olhos. De certa forma, a nova espécie é dotada de uma qualidade dramática profundamente humana e trágica. Aquilo que a caracteriza acaba por representar um perigo para a sua sobrevivência, uma incongruência de genes que fogem para o abismo, de selfie stick em riste, a metralhar auto-retratos.

15 Abr 2019

Acidente | Homem caiu de varanda no Legend Palace

Um homem do continente, de 26 anos de idade, caiu da varanda de um quarto do Hotel Legend Palace situado na Avenida da Amizade. A queda foi de um sétimo andar para uma plataforma no terceiro andar, apontou o canal chinês da Rádio Macau. O Corpo de Bombeiros (CB) encontrou a vítima com uma fractura exposta no antebraço direito. O homem foi levado ao hospital para receber tratamento. Segundo fonte ouvida no local, citada pela Rádio Macau, o homem alegou que queria ir do sétimo andar para a plataforma no terceiro andar e acabou por cair.

11 Set 2018

Testículos

Os tomates, bolas, ovos – para fazer uso da gíria global – produzem esperma e testosterona, as substâncias mais masculinas do universo. Eu nunca tive a experiência de ter testículos por razões óbvias. Mas digamos que tive curiosidade em perceber mais e melhor acerca deste par de ‘esferas’ que andam penduradas nas virilhas de metade da população. Claro que este interesse não veio do nada – parece que saiu um estudo que mostra que os testículos têm bactérias (daquelas boas, como a vagina as tem) e que uma grande variedade de bactérias pode estar de alguma forma relacionada com fertilidade e com uma boa contagem de espermatozoides – em contraste com outros testículos com menor variedade de bactérias e que apresentavam uma contagem menor. Apesar da investigação estar ainda numa fase inicial, parece que estão a desenvolver alguma terapêutica medicamentosa de forma a trazer estas ‘saudáveis’ bactérias ao sistema masculino e promover a produção de esperma. Apercebi-me que a partir daí pouco mais sei sobre testículos e os cuidados a ter em relação a eles. Conhecer duas pessoas que sobreviveram a cancro nos testículos também me ajudou a perceber que, como aspirante a terapeuta sexual, o meu conhecimento acerca de testículos é estupidamente limitado,  dos pénis é que ainda se vai sabendo um pouco mais.

O meu primeiro passo foi procurar na Internet o que é que há para saber sobre as gónadas masculinas, e qual foi o meu espanto ao ver que a informação é demasiadamente confusa. Só aparecem aqueles sites com ar duvidoso em que é necessário fechar anúncios atrás de anúncios para ter acesso ao conteúdo que estou a procura. Que depois dão dicas como esticar o escroto e pôr os testículos em água quente – e isso parece-me uma péssima ideia. Todos nós sabemos que os testículos quanto mais fresquinhos, soltos e airosos, melhor.

De bem verdade que as gónadas masculinas precisam de cuidados especiais. Já verificaram os vossos testículos hoje? Estão com boa cor, um bom formato, um bom tamanho? Não quero de todo incentivar a paranóia dos testículos em ninguém, mas digamos que problemas nos testículos são relativamente comuns e não há nada como estarmos atentos e apostarmos na prevenção. Vai de problemas simples a outros mais graves e particularmente dolorosos (como torção testicular que, como o nome indica, é quando os testículos se torcem um no outro). O cancro nos testículos é o pior cenário, mas é mais facilmente resolvido quanto mais cedo for encontrado. Assim sendo, surpreendeu-me que formas de auto-examinação dos testículos não fossem mais vulgarmente disseminadas (tal como acontece com a apalpação mamária) – é que até para encontrar isso na Internet não foi fácil. Talvez seja estigma, preconceito ou vergonha que justifiquem a pouca atenção testicular na contemporaneidade. Ou se calhar é medo,  ninguém quer encarar a possibilidade de poder ficar sem testículos – porque os nossos indicadores anatómicos interessam-nos, e à forma como vivemos a nossa identidade de género. Mas parece que estamos perante um fantasma de contornos preocupantes onde só temos a masculinidade hegemónica a quem culpar. Aquela que diz que um homem tem que ter tomates para encarar a vida, por isso não encara os ditos de todo. Os tomates, bolas ou ovos, esses que são socialmente construídos como sinal de força, de coragem e de virilidade, mas que na verdade são de grande fragilidade e delicadeza. Os ovinhos da fertilidade que pendurados com os seus ambientes bacteriológicos e os seus formatos curiosos – a propósito, é normal o testículo direito ser ligeiramente maior que o esquerdo, e é normal o esquerdo estar mais pendurado que o outro – precisam de uma contínua atenção.

25 Jul 2018

Devaneios fálicos

Despedidas de solteira convidam a um exagero fálico, quer queiramos ou não. Tivemos a sorte de a meio da organização de uma despedida de solteira de referências sci-fi a pedido da noiva, caírem do céu uns bilhetes para um espectáculo musical com homens nus. Muito apropriado. Lá fomos ver e ouvir as danças e canções de um grupo de homens que orgulhosamente exibiam os seus pénis. Provavelmente foi esta a primeira oportunidade de ficar a admirar assim de certa distância pénis na sua pluralidade e diferença. Timidamente (a corar!) ficámos a calcular proporções entre alturas e tamanhos quando estrategicamente alinhados estes homens nus ficavam cantarolando versos contra o preconceito do nu masculino.

Tenho ideia que é generalizado que o pénis é objectivamente feio (note-se: a vulva também). Não erecto então, é ainda mais aborrecido, sem graça e sem jeito definido. Houve quem então se focasse nos rabinhos, outras nas barrigas semi-tonificadas ou tonificadas de todo. Um festival para os olhos, passe a expressão inglesa. E dançavam bastante, abanavam-se bastante. Enfim, foi tema de conversa para este grupo de mulheres todo um fim-de-semana. Devaneios fálicos na sua mais pura forma de partilhas e confissões que não o seriam de outra forma, se não tivessem um contexto tão óbvio. Desde pénis com formas de lápis invertido, virado para a esquerda ou para a direita, em todas as tonalidades de cor-de-rosa. Há de tudo.

[quote_box_right]Entenda-se que há mulheres para toda uma diversidade de critérios, por isso, e por razões óbvias, não há uma fórmula universal para uma masculinidade atraente, e é o que nos salva, porque senão andávamos sempre atrás dos mesmos espécimes[/quote_box_right]

Claro que estas conversas tiveram que passar pelas múltiplas definições de masculinidade e atracção. A conclusão a que chego é que nós (o nosso grupinho de mulheres) não precisamos de provas empíricas de um pénis lustroso e gigantesco para uma masculinidade assumida. O Paul Newman em “Cool Hand Luke”, parece que assume uma masculinidade normalmente entendida e suportada por homens, da qual eu pouco entendo. Quem conhece o filme há-de saber. O que há de heróico em comer muitos ovos de uma só vez? Não sei, digam-me vocês. Pelo Paul Newman derreto-me totalmente, mas pela sensibilidade e o sentido artístico que um actor de tamanhas proporções e tamanha beleza podem esperar. Mas esta sensibilidade artística a roçar o romântica já faz parte das expectativas de muitas mulheres, com mais ou menos legitimidade. Ou seja, se cruzarmos as expectativas de engate entre homens e mulheres muito provavelmente encontramos discrepâncias. Entenda-se que há mulheres para toda uma diversidade de critérios, por isso, e por razões óbvias, não há uma fórmula universal para uma masculinidade atraente, e é o que nos salva, porque senão andávamos sempre atrás dos mesmos espécimes.

Recentemente à conversa com uma conhecida numa festa qualquer, vim a descobrir que ela participava num fórum de ajuda aos homens. Nada de patológico ou especialmente grave, mas é qualquer coisa como uma plataforma onde homens expressam as suas dúvidas e pedem conselhos na busca de coragem – para abordar aquela gaja toda boa, com classe e confiança. Baixos, gordinhos, carecas, o que quer que seja. O objectivo é explicar ao sexo masculino sobre a atracção na mais óbvia das concepções, i.e., segurança e auto-estima. De bem verdade que há concepções masculinas sobre a masculinidade na minha opinião deveras preocupantes, e.g., os homens que se ficam na fundamental estupidez quando pensam que conseguem comprar alguém no séc. XXI no mundo ocidental. Talvez em países de percepção mais tradicional de género como, por exemplo, na China, onde se acredita que os homens mais ricos presenteiam orgasmos muito mais potentes – dizem os estudos “científicos” – nunca confessados na minha estadia na China continental. Uma apropriação evolutiva, quem sabe. E assim vos deixo com o Hallelujah na versão mangalho: Maaan-galho, maaaaan-galho, man-galho, man-galho, man-ga-lho-o!.

16 Jul 2015