Novo filme de Orson Welles disponível no Netflix

Quase meio século depois de ser rodado, “The Other Side of the Wind” estreia em simultâneo nas salas de cinema e nas salas de quem tem Netflix. A derradeira película de Orson Welles é uma deslumbrante dissertação experimental que resgata a verdadeira essência do cinema

 

“Tal como eu e Deus… quem será capaz de nos distinguir?”, atira John Huston para a câmara, enquanto interpreta o papel de Jake Hannaford no filme “The Other Side of the Wind”. Uma citação grandiosa ao estilo de Orson Welles, o realizador que 33 anos depois de ter morrido estreia a sua derradeira obra nas salas de cinema e numa plataforma inimaginável na altura da rodagem: o Netflix.

Corria o ano de 1970, quando o actor e realizador Peter Bogdanovich atendeu o telefone para ouvir uma voz rouca perguntar-lhe que planos tinha para quinta-feira. Do outro lado da linha estava o autor de Citizen Kane com uma proposta irrecusável: Passar pelo estúdio, na tal quinta-feira, onde Orson Welles começava o seu derradeiro filme, uma produção que estimava apenas demorar algumas semanas a filmar.

Cerca de 48 anos depois, “The Other Side of the Wind” foi exibido pela primeira vez no Telluride Film Festival, juntamente com dois documentários que retratam a tarefa hercúlea que foi acabar o obra de uma das maiores figuras da sétima arte. “É triste porque o Orson não está aqui para vê-lo, ou talvez esteja”, disse Bogdanovich aquando da estreia do filme.

Caracterizado como uma das películas mais famosas que jamais seria exibida, a produção do filme esbarrou em inúmeros obstáculos. Em primeiro lugar a morte de Welles, seguido de inúmeras batalhas de direitos de autor e dificuldades para financiar o resto da produção.

Entretanto, no meio de um mar de dificuldades, o influente produtor Frank Marshall decidiu pegar no projecto que se resumia a mais de 100 horas de material filmado. Durante décadas, as bobines esquecidas num armazém em Paris alimentaram lendas cinematográficas que apenas gigantes vultos, como Orson Welles, conseguem criar.

Mosaico experimental

Os brutos deixados por Welles são filmagens feitas em diversos formatos. Cores, preto e branco, 35 milímetros, 16 milímetros e Super 8, são os vários moldes que resultariam na heterogénea experiência visual que é “The Other Side of the Wind”.

O filme recorda a faceta polarizadora de Orson Welles, que tradicionalmente teve o dom de dividir crítica e público quanto à apreciação das suas obras. John Hudson é o protagonista da obra, representando um realizador excêntrico que morre após a sua festa de aniversário. O personagem encerra as dicotomias do próprio Welles, oscilando entre a destruição e a criação como um pêndulo de engenho fílmico fora dos parâmetros da normalidade. O resultado é um filme com duas horas.

O papel desempenhado por Hudson vive também dividido entre a egomania e a autocomiseração, atraindo a atenção de todos os que orbitam em seu redor com um carisma digno de Ernest Hemingway (aliás, o personagem intitula-se o Hemingway da cinema). “The Other Side of the Wind” é uma colagem das supostas filmagens de convidados da festa, presságio da cultura da câmara omnipresente dos dias de hoje, que segue o ritmo alucinado entre o bebop e o swing. O filme é uma corrida frenética, um sonho febril repleto de freaks e figuras que não pertencem ao mundo politicamente correcto que vivemos.

O derradeiro filme de Orson Welles é uma obra para absorver, para experimentar, para ser vivida com todos os excessos que merece. Não é para ser compreendida ou explicada. A tempos demasiado caótica e sinuosa, a última obra de Welles é uma aventura experimental e um testemunho de uma época que passou. “The Other Side of the Wind” marca o fim da carreira de um dos maiores cineastas de sempre. Se o desfecho é agradável ou não, depende da percepção de cada um. Nas palavras do próprio Welles, “se queres um final feliz, isso depende onde paras a história”.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários