PARTILHAR
Por João Carreira, enviado da agência Lusa

No ‘acampamento’ onde os voluntários deram alimento às equipas de socorro em troca de esperança no sucesso da missão a noite terminou 18 dias depois num ambiente festivo e com muita gente feliz, sem lágrimas.

“Este era o dia que todos esperávamos e para o qual trabalhámos muito”, sublinhou uma das voluntárias, com a mesma tranquilidade e convicção com que garantira à Lusa, no dia anterior, que “tudo ia correr bem”, entre preces e orações que lhe deram forças para aguentar as cerca de 12 horas de esforço diário desde que as operações de resgate tiveram início.

À passagem de um helicóptero, de uma ambulância, de um jornalista que empunhasse uma câmara fotográfica ou de televisão, multiplicaram-se os acenos, os sorrisos e os ‘vivas’, sem qualquer embargo na voz e sempre com uma serenidade singular.

A notícia de que todos estavam bem e a salvo, no exterior da gruta, pairou durante a tarde em Mae Sai, cidade da província de Chiang Rai, e foi recebida inicialmente sem particular ou visível excitação.

Ao cair da noite, e com a chegada prevista do líder da célula de crise, Narongsak Osatanakorn, as manifestações de contentamento abriram caminho para uma conferência de imprensa na qual o responsável se permitiu expressar de forma mais expansiva, chamar o seu ‘staff’ para uma fotografia de grupo com uma dedicatória especial a toda a equipa de resgate, à monarquia tailandesa, aos voluntários e à mais de uma centena de jornalistas de todo o mundo.

“Fizemos uma coisa que ninguém pensava ser possível”, atirou Narongsak Osatanakorn antes de abandonar o ‘acampamento’ improvisado pelas autoridades, com um ar de felicidade estampado no rosto, perseguido pelos ‘media’ até à carrinha que o levaria ainda, e de novo, para o teatro das operações.

Antes, a página da marinha tailandesa expressava alguma da espiritualidade que pareceu acompanhar as pessoas que no centro logístico tiveram alguma interação com os jornalistas: “Não sabemos se foi um milagre, se foi a ciência, ou seja o que for. O importante é que os 13 javalis selvagens estão a salvo”, escreveram, numa alusão ao nome da equipa de futebol resgatada, os ‘Javalis Selvagens’.

De resto, o resgate das 12 crianças e do seu treinador de futebol, que estiveram presos numa gruta na Tailândia mais de duas semanas, suscitou hoje uma reação de júbilo à escala mundial, com vários líderes internacionais a celebrarem o feito.

Recorde-se que o grupo ficou preso numa gruta durante 18 dias, metade dos quais sem acesso a água potável e a comida.

Os 12 rapazes, entre os 11 e os 16 anos, e o seu treinador, de 25, foram explorar a gruta depois de um jogo de futebol no dia 23 de junho.

Na altura, as inundações resultantes das monções bloquearam-lhes a saída e impediram que as equipas de resgate os encontrassem durante nove dias, uma vez que o acesso ao local só era possível via mergulho através de túneis escuros e estreitos, cheios de água turva e correntes fortes.

Nas operações de socorro participaram 90 mergulhadores, 40 tailandeses e 50 estrangeiros.

O local onde os jovens ficaram presos estava localizado a cerca de quatro quilómetros da entrada da gruta, num complexo de túneis com zonas muito estreitas e alagadas pelas chuvas da monção que afetaram a zona, o que obrigou a que parte do percurso tivesse que ser feito debaixo de água e sem visibilidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here