PARTILHAR

A aldeia onde Xi Jinping passou a adolescência tornou-se num local de peregrinação para funcionários públicos e membros do partido. Liangjiahe, no noroeste da China, entrou no mapa como um sítio de devoção e enaltecimento das capacidades do mais poderoso líder político chinês das últimas décadas.
À entrada da aldeia Liangjiahe, no árido noroeste chinês, três dezenas de polícias fardados ouvem uma guia contar as façanhas do Presidente Xi Jinping durante um dos períodos mais brutais na história recente da China Os polícias seguem depois um trajecto de centenas de metros, onde examinam um poço e um sistema que converte estrume em gás metano, construídos por Xi durante os sete anos que o forjaram no líder chinês mais forte das últimas décadas. “Viemos estudar o pensamento de Xi Jinping na Nova Era”, explica um funcionário público de um condado da província de Shandong, a quase mil quilómetros dali.
Um segundo grupo, composto por 40 funcionários do município de Pequim, viajou 11 horas de comboio. Outros viajaram oito horas de camioneta, desde Hubei, centro do país.
Desde que ascendeu ao poder, em 2013, Xi Jinping tornou-se o núcleo da política chinesa, desmantelando o sistema de “liderança colectiva” cimentado pelos líderes chineses desde finais dos anos 1970.
Sob a sua liderança, que após uma emenda constitucional recente passou a ser vitalícia, as autoridades têm reforçado o controlo ideológico sobre a sociedade, ensino ou religião.
Situado a 80 quilómetros da cidade de Yan’an, o bastião do Partido Comunista (PCC) durante a guerra civil chinesa, Liangjiahe tornou-se um destino obrigatório para funcionários públicos chineses e os quase 90 milhões de membros do PCC.
Nas paredes da gruta onde Xi passou a sua adolescência estão afixadas fotografias suas e edições dos anos 1960 do jornal oficial do partido. Garrafas térmicas, lâmpadas de querosene e uma cama espartana dão ao local um ar autêntico.

O leitor
Entre quase 30 livros que Xi terá deixado na aldeia, além de obras sobre Marxismo e a revolução soviética, constam os romances “Velho e o Mar”, de Ernest Hemingway, ou “Noventa e três”, de Victor Hugo. “Os camponeses lembram Xi como um leitor voraz, que gostava de lhes contar sobre as histórias que lia”, conta uma local.
Xi chegou a Liangjiahe em 1969, seguindo um fluxo de jovens urbanos para as aldeias do interior, para “aprenderem com os camponeses”, parte de uma radical campanha de massas lançada pelo fundador da República Popular, Mao Zedong. Tinha 15 anos.
A China estava então mergulhada no caos e violência, com dezenas de milhões de pessoas a serem perseguidas, presas e torturadas sob a acusação de serem reaccionárias ou “inimigos de classe”. Mais de um milhão morreu.
Filho de um general, Xi estudava até então num liceu de Pequim, que passou a ser considerado um “berço para mimar os filhos dos altos quadros do partido e gerador de uma classe sucessora da burguesia”. O seu pai, classificado de “revisionista infiltrado”, foi enviado para trabalhar numa fábrica de tractores, antes de ser preso. A sua irmã mais velha, Xi Heping, suicidou-se.
Nas ruas da capital chinesa, Xi passou a ser vítima dos abusos dos guardas vermelhos, os jovens radicais que constituíam “a vanguarda da Revolução Cultural”, antes de ser enviado para Liangjiahe.
“Toda a gente no comboio estava a chorar, mas eu sorria”, recordou o líder chinês numa entrevista, em 2004, sobre a sua partida. “Se eu não deixasse Pequim, não sei se sobreviveria”.
Ao longo da sua vida, Xi continuou a visitar a aldeia, ilustrando a importância do local na sua formação.
“Como se costuma dizer: a faca afia-se contra a pedra; as pessoas fortalecem-se nas adversidades”, comentou, anos mais tarde. “Aquele período na aldeia deu-me forças para reagir perante os obstáculos”.
Todos os funcionários que diariamente acorrem a Liangjiahe – no ano passado a aldeia recebeu mais de um milhão de visitantes – envergam um crachá com a inscrição “em formação”. Mas Zhan, um taxista local de 27 anos, desmistifica: “Na verdade, eles só vêm para aqui divertir-se”.
Às 11 da noite, o mercado noturno de Yan’an enche-se de jovens membros do PCC, oriundos de vários pontos da China. Nas mesas das esplanadas, que acomodam baldes de cinco litros de cerveja e espetadas de carne, eles brindam e festejam.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here