PARTILHAR
(Photo by Sasha Mordovets/Getty Images)

O Presidente russo, Vladimir Putin, começa hoje uma visita de Estado à China, um mês depois de iniciar um novo mandato, o que ilustra a reaproximação entre Pequim e Moscovo face à crescente pressão dos Estados Unidos.

A Rússia e a China têm reagido à estratégia de segurança nacional norte-americana, que classifica os dois países como os principais rivais dos EUA, com o compromisso de reforçarem a sua cooperação económica, política e militar.

A reaproximação entre Pequim e Moscovo é impulsionada pela forte relação pessoal entre Putin e o Presidente da China, Xi Jinping, considerado o líder chinês mais forte desde Mao Zedong, o fundador da República Popular.

Os dois líderes reuniram já por 25 vezes, cinco das quais no ano passado. Sublinhando a sua relação próxima com Xi, Putin afirmou a uma emissora estatal chinesa que o Presidente chinês é o único líder mundial que ele já convidou para a sua festa de aniversário.

“Bebemos um ‘shot’ de vodka e comemos umas salsichas no final de um dia de trabalho”, afirmou Putin, na entrevista difundida na quarta-feira. O líder russo considerou Xi um “parceiro agradável” e “um amigo de confiança”.

Os dois líderes reforçaram o autoritarismo nos respetivos países para travarem qualquer oposição às suas lideranças.

Xi emendou a constituição para poder permanecer no poder sem limite de mandatos, enquanto Putin, o líder russo há mais tempo no poder desde Josef Stalin, acabou de ser reeleito para o sexto mandato.

Moscovo depende cada vez mais do comércio e investimento chineses, após uma vaga de sanções impostas pelos países ocidentais atingir o seu sector energético e indústrias militares e limitar o acesso do país aos mercados financeiros mundiais.

Unidos contra os estados

“Durante a última década, desenvolvemos as relações para um nível sem paralelo no mundo actual”, afirmou Putin na entrevista. “Estas relações são baseadas na consideração de interesses mútuos”, afirmou.

Entretanto, as fricções entre a China e os EUA agravaram-se, face a uma possível guerra comercial e às críticas de Washington à reclamação por Pequim da soberania do Mar do Sul da China.

“Tudo o que os EUA fazem para tentar sancionar a Rússia e restringir a China levam os dois países a elevar a cooperação a todos os níveis”, afirmou Li Xin, director do Centro de Estudos da Rússia e Ásia Central do Instituto de Estudos Estrangeiros de Xangai, citado pela agência Associated Press.

A Rússia e a China alinharam já posições nas Nações Unidas, ao oporem-se a uma intervenção na Síria e anularem tentativas de criticar as violações dos direitos humanos pelos dois países.

Moscovo apoia a oposição de Pequim à navegação da marinha norte-americana no Mar do Sul da China. Ambos os países realizaram já exercícios militares conjuntos, incluindo no Báltico. A Rússia partilhou também com a China alguma da sua tecnologia militar mais avançada.

No nível económico, no entanto, a cooperação segue aquém da cooperação política e no âmbito da segurança. A China é o principal parceiro comercial da Rússia, enquanto a Rússia surge em décimo lugar entre os parceiros de Pequim.

O comércio bilateral fixou-se, em 2017, em 90 mil milhões de dólares.

Em comparação, as trocas comerciais entre Pequim e Washington ascenderam a 636 mil milhões de dólares, no mesmo período, com os EUA a registaram um deficit de 375,2 mil milhões de dólares.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here