PARTILHAR
Apesar de reconhecer que não faz ideia da duração da recuperação do acidente sofrido em competição, André Couto admitiu que gostaria de estar pronto para competir em Março

André Couto espera recuperar a tempo do início da próxima época, mas reconhece que, nesta altura, apenas pode pensar em retomar os movimentos que tem estado impossibilitado de fazer, após o acidente em Zhuhai. As declarações do piloto foram feitas, ontem, durante uma visita à exposição de pintura “Abstraccionismo”, de José Estorninho.

“Se as coisas correrem bem, gostaria de ter tudo pronto para a próxima época [do campeonato GT japonês]. Mas só o médico me poderá dizer quando estou ponto para correr. Nesta altura ainda não sei se estarei bom em Março. Estou a pensar dia-a-dia”, disse André Couto, à margem da visita.

“Agora, mesmo que quisesse correr, não era capaz. Por isso não sei como vou estar no futuro. Espero estar bem e que seja possível correr”, frisou.

André Couto sofreu um acidente a 8 de Julho no Circuito Internacional de Zhuhai, quando competia no Campeonato GT da China. Como consequência do embate partiu a vértebra L1. Após três meses, o piloto vai voltar a Hong Kong, onde foi acompanhado.

“Não sei bem se vou fazer uma ressonância magnética ou um raio-X, mas vai ser um desse exames. Depois de visto o estado da calcificação do osso, vamos traçar novos objectivos para a recuperação”, explicou. “Nesta próxima fase, espero poder começar a fazer movimentos que ainda não posso fazer, como dobrar-me para a frente ou para trás”, admitiu.

Actualmente, a recuperação de André Couto passa por realizar fisioterapia diariamente e estar de pé para acelerar o processo de calcificação da vértebra partida.

Fora do Grande Prémio

O piloto abordou também a ausência do Grande Prémio de Macau, que se realiza no próximo mês, entre 16 e 19 de Novembro: “É uma pena não poder estar presente. Quando vejo as ruas a ficarem prontas, essa sensação torna-se mais forte”, confessou.

Esta é a segunda vez que André Couto falha a prova, depois de em 2003 ter sido forçado a ficar de fora, por ter outra competição no mesmo fim-de-semana. No entanto, revelou que na altura do acidente já estava a fazer contactos exploratórios para participar na prova de GTs.

Na exposição “Abstraccionismo”, organizada pela Associação para a Promoção e Desenvolvimento do Circuito da Guia de Macau, André Couto tem direito a um canto em sua homenagem, com três quadros, pintados pelo artista.

José Estorninho explicou que esta opção pretende apoiar o piloto na recuperação, dado que Couto é uma figura incontornável do Grande Prémio. André Couto foi o único local a ganhar a corrida de Fórmula 3, em 2000.

O artista e também presidente da APDCGM voltou igualmente a assumir o compromisso da associação em tornar o Circuito da Guia em Património Mundial da UNESCO, mas reconheceu que nessa tarefa a ajuda do Executivo é fundamental.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here