PARTILHAR
Foto: D.R.
Depois de publicar declarações onde alegou haver portugueses entre as vítimas mortais do tufão Hato, Vitório Cardoso, vice-presidente do PSD Macau foi bastante criticado. Hoje será discutido o assunto numa reunião entre o cônsul-geral e as associações de matriz portuguesa

Depois de argumentar que o Partido Socialista poderia estar a esconder o número de vítimas portuguesas na sequência do tufão Hato, “tal e qual como em Pedrogão”, Vitório Cardoso, vice-presidente do PSD de Macau, recebeu algumas crítica duras.

Além de ter sugerido que poderia haver mortos de nacionalidade portuguesa, comentário que mereceu um desmentido por parte do Consulado-Geral de Portugal em Macau e Hong Kong, o social-democrata teceu considerações utilizando a calamidade para fazer distinções entre PSD e PS.

“O senhor colocou as coisas de uma maneira que parecia que ele era a única pessoa da comunidade portuguesa empenhada naquilo que se estava a passar em Macau”, comenta Amélia António, presidente da Casa de Portugal.

A dirigente da instituição categoriza os comentários de Vitório Cardoso como “absolutamente execráveis” e que mexem com a sua maneira de estar na vida.

O vice-presidente da secção de Macau do PSD depois de lamentar as mortes, desaparecidos e feridos na sequência do tufão Hato, disse que o partido de que é dirigente limpou o território e irá limpar Portugal.

Miguel Bailote, presidente da secção do PSD em Macau, distanciou-se das declarações do seu camarada de partido, argumentando que “são comentários do Vitório”. O dirigente acrescentou que “é a opinião de um militante, há quem tenha posições mais extremadas, há outros com outras opiniões. Cada militante tem a sua opinião e pode expressá-la”.

Reacções de fora

“Enquanto presidente da secção, as informações que tenho é que não há vítimas portuguesas, apenas alguns feridos ligeiros”, comenta Miguel Bailote acrescentando ainda que a secção partidária a que preside “não limita a liberdade de expressão dos seus membros”.

Amélia António entende que cada pessoa tem o direito de expressar as suas opiniões, porém, repudia as afirmações de Vitório Cardoso. A presidente da Casa de Portugal entende que “não é momento para se andar a fazer folclore e a tirar proveitos políticos”.

As afirmações em questão chegaram a estar no Facebook do PSD de Macau, facto ao qual Miguel Bailote reagiu. “Como presidente da secção, vou retirar os posts da página”, sublinhando que “não deve haver aproveitamento político das catástrofes”. O dirigente social-democrata, no entanto, argumenta que este tipo de aproveitamento é feito em Portugal de parte do PSD, como do PS.

Amélia António não ficou surpreendida com este tipo de actuação de Vitório Cardoso. “Durante muitos anos, li coisas que esse senhor escreveu que só nos colocam mal a nós, portugueses. Depois passou por uma fase de querer limpar a face e apagou essas opiniões”, comenta a advogada que acrescentou ainda que depois de pensar “que a pessoa ganhou um mínimo de equilíbrio, verifico que o desequilíbrio voltou ao de cima”.

Amélia António classifica os comentários de Vitório Cardoso como uma vergonha para a comunidade portuguesa, ainda para mais numa altura em que devia haver união em torno do que é preciso fazer no rescaldo do tufão.

A advogada contou ao HM que se realiza hoje uma reunião das associações de Macau de matriz portuguesa com o cônsul-geral, algo que é feito com regularidade.

Numa altura em que se fará um ponto da situação na sequência dos estragos provocados pelos tufões que assolaram a região, Amélia António entende que o comportamento de Vitório Cardoso “deve ser um assunto que não pode deixar de ser abordado”. A presidente da Casa de Portugal acrescenta ainda que “deve ser tomada uma posição colectiva relativamente a uma pessoa que está a denegrir todas as associações, a comunidade e as pessoas que estão de boa fé em Macau a trabalhar e a dar o seu melhor”.

Até ao fecho da edição, o PSD não fez qualquer comentário à polémica originada pelos comentários do vice-presidente da secção de Macau.

De acordo com o presidente do PSD local, a secção irá a votos em breve.

Voz nacional

A reacção do PSD nacional chegou ao Hoje Macau pela voz de António Valle, assessor de comunicação do líder do partido, Pedro Passos Coelho. “O PSD não faz comentários sobre boatos nem tão pouco alimenta especulações.  O PSD pronuncia-se oficialmente através do nosso deputado eleito pelo circulo da emigração, José Cesário. Aliás, sobre a catástrofe que infelizmente assolou Macau, o deputado tem-se pronunciado, oficial e publicamente, demonstrando a profunda solidariedade com os portugueses que foram afectados pelos dois tufões e garantindo que jamais nos esqueceremos do que Macau e os portugueses que ali residem significam para Portugal.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here