PARTILHAR
(Photo by Lintao Zhang/Getty Images)
Pyongyang deve parar com os mísseis e EUA e Coreia do Sul com os exercícios militares. Para já. Depois logo se vê.

Rússia e China apresentaram nesta terça-feira um plano para tentar diminuir as tensões causadas pelo programa nuclear da Coreia do Norte. A iniciativa propõe que os norte-coreanos declarem uma moratória dos seus testes de mísseis e demais actividades nucleares e que, ao mesmo tempo, Estados Unidos e Coreia do Sul suspendam os exercícios militares conjuntos.

As sugestões foram apresentadas pelos MNE da Rússia e da China depois de conversações entre os presidentes Vladimir Putin e Xi Jinping, motivadas por um novo teste de míssil pela Coreia do Norte. As duas potências rejeitaram o uso da força e defenderam a coexistência pacífica.

Segundo Putin, as duas partes concordaram em levar adiante “uma iniciativa comum, que está baseada no plano russo de resolução do conflito coreano por etapas e a ideia chinesa de congelar paralelamente as actividades nucleares e de mísseis da Coreia do Norte e as manobras militares em larga escala de Estados Unidos e Coreia do Sul”.

Rússia e China manifestaram “profunda preocupação com o anúncio da Coreia do Norte, de 4 de Julho, sobre o lançamento de um míssil balístico”, que consideram um facto inadmissível, já que contradiz resoluções do Conselho de Segurança da ONU. “As partes pedem reiteradamente à Coreia do Norte para que cumpra de maneira estrita as cláusulas incluídas nas citadas resoluções.”

Além disso, os dois países frisaram que a instalação do escudo antimísseis Thaad dos Estados Unidos na Coreia do Sul “representa um grave prejuízo para os interesses de segurança estratégica dos países da região, incluindo Rússia e China”.

“As preocupações da Coreia do Norte devem ser respeitadas”, afirmaram. Os países envolvidos devem realizar esforços para a retomada das negociações e para a criação de “uma atmosfera de paz e de confiança mútua”.

A Coreia do Norte anunciou nesta terça-feira o lançamento do seu primeiro míssil balístico intercontinental, um marco no programa armamentista do regime coreano, embora a Rússia afirme que se trata de um míssil de médio alcance.

 

ONU | EUA pedem reunião do Conselho de segurança

A embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, pediu nesta terça-feira uma reunião urgente do Conselho de Segurança para abordar o lançamento de um míssil balístico intercontinental pela Coreia do Norte. O porta-voz da missão dos EUA na ONU, Jonathan Bachtel, informou sobre o pedido no Twitter. Além disso, Haley pediu ao embaixador da China na ONU, Liu Jieyi, que preside o Conselho de Segurança neste mês, que mantenha a sessão de emergência aberta. Os EUA confirmaram que o projéctil lançado ontem pela Coreia do Norte era um míssil balístico intercontinental, o primeiro com essas características que Pyongyang consegue lançar com sucesso. O míssil voou por mais tempo do que todos os outros testados pelo regime de Kim Jong-un até então, um total de 37 minutos, o que significa que agora a Coreia do Norte é capaz de atacar o Alasca.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here