PARTILHAR

A quarta edição da Taça da Corrida Chinesa no Grande Prémio de Macau vai muito provavelmente ter um formato diferente daquele visto nas pretéritas edições em que a competição monomarca visitou o Circuito da Guia.

Criada em 2014 pela Shanghai Lisheng Racing Co. Ltd, a Taça da Corrida Chinesa é uma competição constituída por quatro provas em que todos os participantes conduzem viaturas BAIC Senova D70 (um carro que tem como base o Saab 9-5), com a particularidade de cada associação automóvel da Grande China – China continental, Macau, Hong Kong e Taipé Chinês – ter o direito de inscrever três viaturas para três pilotos nomeados por si. As restantes viaturas participantes nas corridas são alugadas a pilotos privados e não pontuam para o campeonato das associações automóveis.

Contudo, a exemplo da Taça de Carros de Turismo de Macau, esta corrida irá sofrer alterações, juntando duas categorias numa só corrida este ano. Segundo o que apurou o HM, a corrida deste ano em Novembro colocará em pista, para além dos vários BAIC Senova D70, também os carros do recém-criado campeonato TCR China. A organização do campeonato TCR China está também a cargo da empresa Shanghai Lisheng Racing Co. Ltd, que pertence ao empresário Xia Qing, o promotor do influente Campeonato Chinês de Carros de Turismo (CTCC), e no final do ano passado anunciou uma corrida do seu campeonato nas ruas do território.

Quanto ao número de carros por categoria, “ainda não está definido, mas gostávamos de ter entre 16 a 18 concorrentes de TCR e mais 16 a 18 concorrentes na Taça da Corrida Chinesa”, disse fonte da organização chinesa contactada pelo HM. Devido ao interesse na prova da RAEM, a selecção dos participantes deverá ser feita por convites, com a prioridade a recair nos pilotos que participem na temporada completa do TCR China, seguida daqueles que tomarem parte no homólogo campeonato TCR Asia Series, com quem o campeonato chinês terá uma parceria e eventos em comuns nesta época de estreia. Por se tratar de uma competição que apela ao patriotismo chinês, no que respeita à nacionalidade dos pilotos, a mesma fonte esclareceu que “com os TCR não haverá limitações quanto à nacionalidade, mas a Taça da Corrida Chinesa, como nos anos anteriores, só será permitida a participação de pilotos chineses”.

O HM acredita que estas alterações, e possivelmente o nome da corrida no programa do evento, só serão oficializadas mais tarde no ano, depois do aval da Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau.

A pontuar

Os carros da categoria TCR foram vistos nos dois últimos anos no Circuito da Guia, dando forma à Corrida da Guia. Todavia, em 2017, a Corrida da Guia, a mais importante corrida de carros de turismo do continente asiático, voltará a receber um evento pontuável para o Campeonato do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCC), campeonato que também aceitará carros da categoria TCR numa segunda categoria. Ao contrário das corridas do WTCC, cujo número de carros na grelha de partida tem diminuído, a categoria TCR está em pleno crescimento, tendo nos últimos meses atraídos grandes construtores como a Audi, KIA e Hyundai. Os carros do CTCC, que o ano passado se estrearam no Circuito da Guia, não deverão ser aceites na Taça da Corrida Chinesa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here