PARTILHAR
O MAM decide embarcar a sério na história universal da pintura e traz-nos uma mostra com o que de melhor existe no seio das da Artes Plásticas: a partir do fim do mês e até ao princípio de Abril vai ser possível admirar ao vivo obras de Klimt, Shiele ou Koshka, entre outros mestres austríacos

OMuseu de Arte de Macau (MAM) inaugura no próximo dia 29 de Janeiro pelas 18h30 a exposição “Um Século de Arte Austríaca 1860-1960”, que engloba obras de grandes mestres austríacos dos séc. XIX e XX, numa perspectiva panorâmica da arte daquele país deste período. A mostra, com entrada livre aos domingos e feriados e com um custo de cinco patacas nos restantes dias, inclui obras de Gustav Klimt, Egon Shiele e Oskar Kokoshka, entre outros, sendo que, ao todo, estarão em exibição 89 pinturas que fazem parte de colecções de 34 privados e entidades públicas.
A evolução da arte austríaca aqui representada destaca-se, sobretudo, pelos trabalhos pós-Secessão de Viena (1827-1920), um movimento artístico nascido no seio da Künstlerhaus, que contestou o género de pintura tradicional da época e manifestou a pretensão de primar o carácter artístico por oposição a meras representações de interesses comerciais. Gustav-Klimt-O-beijoArtePinturasBlog-do-Mesquita-01
A exposição que agora chega a Macau começou a sua itinerância na China, no Museu de Arte do Mundo de Pequim, em Abril do ano passado, seguindo-se o Museu Moderno de Dalian e o Museu Provincial de Hubei. A exibição, patente até 3 de Abril, é organizada conjuntamente pelo MAM, Instituto Cultural, Museu de Arte do Mundo de Pequim e pela Academia de Belas-Artes Sino-Austríaca.

Revolucionando a tela

Da selecção de mestres agora proposta pelo MAM, Gustav Klimt é, provavelmente, aquele mais conhecido da maioria, seja por via do quadro “O Beijo” ou ”O retrato de Adele Bloch-Bauer”, cuja recuperação depois de ter sido alvo de um saque nazi deu origem ao filme “Woman in Gold” protagonizado por Helen Mirren e lançado no ano passado.
Mas Klimt é reconhecido acima de tudo por ser visto, como todos os grandes, como um homem à frente do seu próprio tempo, controverso, seja pelos temas eróticos escolhidos mais para o final da sua careira, seja pelo papel preponderante desempenhado na criação do movimento secessionista. Simbolista no seu âmago, mas nada subtil, pois as suas obras iam muito mais para além do que a imaginação da época sancionava como correcto, Klimt foi mais um a entrar no grande livro dos incompreendidos já que o seu trabalho, como é da praxe, não era muito bem aceite na altura.
Depois de deixar o movimento secessionista em 1905, foi quando o seu trabalho feriu ainda mais susceptibilidades, tanto dos vienenses como dos próprios colegas pintores, devido ao retratar muitos nus femininos, em poses evocativas e eróticas que enfatizavam a sensualidade e o sexo. Imagens controversas que apelavam a uma nova sensibilidade, a uma celebração da sexualidade, a que não serão estranhos os ventos da época como o trabalho de Freud, também ele vienense e que nesse mesmo ano publicou “Três ensaios Sobre a Teoria da Sexualidade, um livro revolucionário que desafiava frontalmente as atitudes conservadoras da época em relação ao sexo.
Após a sua morte em 1918, as vendas dos seus trabalhos aumentaram exponencialmente e são hoje obras de referência consideradas como das peças mais importantes e influentes alguma vez saídas da Áustria.
Um dos seus últimos trabalhos leiloados, um raro retrato de corpo inteiro, foi adquirido no ano passado por um comprador desconhecido pela quantia 39 milhões de dólares.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here