PARTILHAR
Uma unidade psiquiátrica comunitária e apoios mais específicos é o que pedem Mak Soi Kun e Ella Lei, que consideram que Macau ainda não consegue atender às necessidades dos que precisam mais de ajuda

Os deputados Ella Lei e Mak Soi Kun querem mais apoios aos deficientes mentais e consideram que o Governo não está a oferecer apoio psicológico suficiente à comunidade. Numa interpelação escrita, os dois deputados queixam-se ainda da falta de uma entidade específica para acompanhar os casos.
Foi o recente caso de maus tratos de uma filha à mãe idosa na zona norte que deu o mote para a interpelação. Apesar de o Instituto de Acção Social (IAS) já ter dito que presta todos os cuidados necessários, Ella Lei e Mak Soi Kun consideram que os residentes que têm a seus cuidados familiares com doenças mentais – como é o caso da mulher, que terá a seu cuidado um irmão com este problema, além dos dois pais idosos – precisam de apoio mais específico.
Ella Lei aponta mesmo que o problema da saúde mental e a pressão dos residentes de Macau é preocupante e, mesmo que os Serviços de Saúde (SS) tenham aumentado o poder de prevenção e tratamento das doenças mentais, a deputada lamenta que Macau ainda não tenha criado uma unidade psiquiátrica comunitária.
“A criação de uma unidade psiquiátrica comunitária é o meio de ajuda mais imediato para quem necessitar, já que oferece tratamento o mais rápido possível. A seguir, oferecendo apoios a pacientes e os seus familiares, ajudando ou ensinando como comunicar, por exemplo, e como conviver e cuidar dos doentes, diminui-se a taxa de hospitalização e a pressão”, escreve.
Ella Lei acrescentou que a entidade deve acompanhar activamente todos os casos psicológicos, não recorrendo apenas aos serviços do IAS.

Falta de atenção

Noutra interpelação também escrita, o deputado Mak Soi Kun considera que há falta de preocupação, de cuidado e de apoio às famílias problemáticas e aos grupos vulneráveis por trás de toda “a sociedade rica de Macau”. O deputado quer saber quantos casos desses foram já agarrados pelo Governo e se este já fez ou vai fazer uma avaliação do apoio actualmente dado a estes grupos, e como é feito o acompanhamento a longo prazo. Mak Soi Kun questionou ainda se existem recursos humanos suficientes que ofereçam apoios físicos e mentais a todos os casos. “Caso [o Executivo] não possa resolver com prioridade estes problemas, terá outras medidas para ajudar as famílias vulneráveis e os idosos com dificuldade?”, rematou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here