Automobilismo | Ávila conquista primeiro pódio no Campeonato TCR China

Num fim-de-semana de contrariedades, marcado por problemas técnicos durante a qualificação e um violento acidente na corrida de sábado, o piloto português de Macau, Rodolfo Ávila, conquistou no domingo a quinta posição, o que lhe valeu o primeiro pódio no Campeonato TCR China. 

Sobre a corrida de sábado, onde o seu MG 6 XPower TCR registou inúmeros problemas técnicos e embateu contra o seu companheiro de equipa Cao Hongwei, Ávila sublinhou que o mais importante foi não ter havido feridos.

“Já estava no quinto lugar quando entrou o Safety-Car à terceira volta [devido a outro acidente]. No reinício, o meu companheiro de equipa ia tentar passar um dos Lynk & Co pela esquerda e de repente virou para a direita, sem olhar para os espelhos primeiro, e o meu carro estava lá. Ainda tentei controlar o carro, mas não havia nada a fazer. Felizmente ninguém se magoou, o que é o mais importante”, explicou o piloto, segundo um comunicado oficial.

Sobre o segundo confronto do fim de semana que lhe valeu o pódio após terminar na quinta posição, Ávila vincou ter sido “uma corrida muito difícil”, mas mantém a esperança para o resto da temporada.

“A equipa fez um excelente trabalho para conseguir recuperar carro, mas, como não tivemos a oportunidade de o testar antes da corrida, este estava com muita subviragem e bloqueava nas travagens. O quinto lugar foi mesmo o lugar possível. Apesar deste início de época difícil, tenho a certeza que a equipa irá recompor-se e que a partir da próxima corrida os resultados vão ser outros”, apontou.

De referir que Rodolfo Ávila terminou na terceira posição da segunda corrida apesar de ter alcançado o quinto lugar, pois os Lynk & Co não marcam pontos para o Campeonato TCR China, mas sim para a Taça TCR Ásia Norte.

Depois das duas primeiras corridas das dez que compõem o calendário da temporada de 2021, Ávila entra em pista a 12 e 13 de Junho no Circuito Internacional de Zhuzhou.

10 Mai 2021

TCR China | Rodolfo Ávila regressa ao Circuito da Guia após cinco anos de ausência

Na luta pelo campeonato do TCR China, Ávila vai medir forças com Ma Qing Hua, piloto que também conhece muito bem o traçado da Guia. No domingo, só um leva a taça a casa para casa, mas o piloto de Macau acredita num “bom resultado”

 

É com olhos no título do campeonato TCR China que Rodolfo Ávila vai regressar a Macau, desta feita para participar na Corrida da Guia. Após cinco anos de ausência, Ávila (MG6 XPower TCR) tem de recuperar oito pontos ao piloto Ma Qing Hua para poder sagrar-se campeão.

Apesar deste cenário, o piloto de Macau prefere focar na expectativa de regressar ao Circuito da Guia: “Aguardo com expectativa o meu regresso àquela que é a minha ‘corrida caseira’ após cinco anos de ausência. Acho que temos uma boa hipótese de obter um bom resultado com o MG6 XPower TCR este ano”, afirmou Ávila, em comunicado.

No entanto, o piloto refreia as eventuais expectativas em relação a uma corrida muito empolgante, devido às provas que foram escolhidas para o programa, mas também pelas especificidades da Guia, circuito muito dado a acidentes e à entrada do Safety Car, devido à ausência de escapatórias para remover veículos acidentados.

“Provavelmente este não será o mais empolgante dos Grandes Prémios, em termos competitivos e da oferta de corridas, mas estou entusiasmado por ter a oportunidade de voltar a conduzir naquela loucura que é o traçado do Circuito da Guia”, acrescentou.

Em desvantagem

Por outro lado, Ávila aponta como desvantagem o facto do MG6 da XPower TCR fazer a estreia na Guia e num circuito citadino: “O MG6 XPower TCR tem estado bastante competitivo no campeonato TCR China, mas não podemos esquecer que esta é uma pista nova para o nosso carro e a primeira corrida que fará num circuito citadino”, indicou.

A estreia do carro em Macau é mesmo um aspecto que poderá colocar a equipa em desvantagem face à concorrência. “Ao contrário dos nossos adversários, teremos que conhecer pista e investir tempo a trabalhar nas afinações. Esta é uma pista muito especial e o trabalho de equipa será essencial para conseguirmos obter um bom resultado este fim-de-semana”, atirou Rodolfo Ávila.

A corrida está agendada para as 11h40 de domingo com um total de 12 voltas. No sábado, às 15h15, decorre a corrida de qualificação, que decide a grelha de partida para o dia seguinte.

À entrada da última ronda, Ma Qing Hua (Lynk & Co 03) lidera o campeonato com 139 pontos, segue-se Rodolfo Ávila (MG6 XPower TCR), com 131 pontos, e Rainey He (MG6 XPower TCR), com 89, este último é colega de equipa do piloto local.

16 Nov 2020

Automobilismo | Vitória em Macau abre portas a Souza na China

Filipe Souza foi um dos dois pilotos da RAEM que subiu ao degrau mais alto do pódio na 66ª edição do Grande Prémio de Macau. Depois de ter conseguido cumprir o seu objectivo para esta temporada, o experiente piloto de carros de Turismo está a ponderar as diferentes possibilidades para continuar em bom plano em 2020 e não fecha a porta a um regresso às competições locais.

O piloto macaense abdicou de repetir a participação na Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR) no Grande Prémio de Macau este ano, para regressar à Taça de Carros de Turismo de Macau, alcançando o seu objectivo número um: vencer a categoria para viaturas com motorizações de 1950cc ou Superior.

Apesar deste sucesso não ter passado despercebido no automobilismo local, Souza ainda não sabe aonde irá correr na próxima temporada e se voltará a competir no Campeonato de Carros de Turismo de Macau (MTCS, na sigla inglesa). “Neste momento, não tenho a certeza, mas normalmente tenho que fazer MTCS, porque serve a qualificação para o Grande Prémio de Macau. Caso contrário, só posso fazer a prova do WTCR em Macau”, explicou o experiente piloto do território ao HM.

Regressar esporadicamente ao WTCR, como num passado não muito longínquo, parece estar fora de questão, devido aos “elevados custos e escassas possibilidades de obter um bom resultado para um piloto privado”. Porém, a exemplo de outros pilotos, a nova Taça GT – Corrida da Grande Baía despertou o interesse de Souza, essencialmente por esta reunir carros da categoria GT4, capazes de performances bastante interessantes a um custo razoável.

“É algo que estou a pensar, porque é um campeonato novo para nós e também acredito que é mais competitivo”, realça Souza que em 2017 testou um BMW M4 GT4 no Japão.

Piscar de olho chinês

Para além do triunfo no Circuito da Guia, o piloto do Audi RS3 LMS TCR também se sagrou este ano campeão da categoria TCR dos Pan Delta Super Racing Festival do Circuito Internacional de Zhuhai. Estes resultados de vulto colocaram o nome de Souza no radar das equipas do campeonato TCR China Series para a próxima época.

“O TCR China também é uma hipótese”, revelou Souza. “Este ano fiz duas provas deste campeonato, uma em Zhuhai e outra em Xangai. Tenho equipas que estão a discutir comigo para que corra com eles no próximo ano.” O TCR China Series será composto por seis provas, mais uma que este ano, todas elas na China Interior.

18 Dez 2019

Automobilismo | Vitória em Macau abre portas a Souza na China

Filipe Souza foi um dos dois pilotos da RAEM que subiu ao degrau mais alto do pódio na 66ª edição do Grande Prémio de Macau. Depois de ter conseguido cumprir o seu objectivo para esta temporada, o experiente piloto de carros de Turismo está a ponderar as diferentes possibilidades para continuar em bom plano em 2020 e não fecha a porta a um regresso às competições locais.
O piloto macaense abdicou de repetir a participação na Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR) no Grande Prémio de Macau este ano, para regressar à Taça de Carros de Turismo de Macau, alcançando o seu objectivo número um: vencer a categoria para viaturas com motorizações de 1950cc ou Superior.
Apesar deste sucesso não ter passado despercebido no automobilismo local, Souza ainda não sabe aonde irá correr na próxima temporada e se voltará a competir no Campeonato de Carros de Turismo de Macau (MTCS, na sigla inglesa). “Neste momento, não tenho a certeza, mas normalmente tenho que fazer MTCS, porque serve a qualificação para o Grande Prémio de Macau. Caso contrário, só posso fazer a prova do WTCR em Macau”, explicou o experiente piloto do território ao HM.
Regressar esporadicamente ao WTCR, como num passado não muito longínquo, parece estar fora de questão, devido aos “elevados custos e escassas possibilidades de obter um bom resultado para um piloto privado”. Porém, a exemplo de outros pilotos, a nova Taça GT – Corrida da Grande Baía despertou o interesse de Souza, essencialmente por esta reunir carros da categoria GT4, capazes de performances bastante interessantes a um custo razoável.
“É algo que estou a pensar, porque é um campeonato novo para nós e também acredito que é mais competitivo”, realça Souza que em 2017 testou um BMW M4 GT4 no Japão.

Piscar de olho chinês

Para além do triunfo no Circuito da Guia, o piloto do Audi RS3 LMS TCR também se sagrou este ano campeão da categoria TCR dos Pan Delta Super Racing Festival do Circuito Internacional de Zhuhai. Estes resultados de vulto colocaram o nome de Souza no radar das equipas do campeonato TCR China Series para a próxima época.
“O TCR China também é uma hipótese”, revelou Souza. “Este ano fiz duas provas deste campeonato, uma em Zhuhai e outra em Xangai. Tenho equipas que estão a discutir comigo para que corra com eles no próximo ano.” O TCR China Series será composto por seis provas, mais uma que este ano, todas elas na China Interior.

18 Dez 2019

TCR China  | Filipe Souza compete em duas provas

Em contagem decrescente para a 65ª edição do Grande Prémio de Macau, Filipe Clemente Souza vai participar nas duas próximas jornadas do campeonato de carros de turismo TCR China para melhor preparar o seu regresso à Corrida Guia.

O piloto macaense confirmou ao HM que vai estar à partida das provas pontuáveis para o campeonato chinês em Ningbo, no próximo fim-de-semana, e em Xangai, no fim-de-semana seguinte, uma prova que será realizada em concomitância com o TCR Ásia.

“Vou correr nestas duas corridas para preparar Macau”, explicou Souza ao HM. “Vou usar um Audi RS 3 LMS da Champ Motorsport que usei em Zhuhai para vencer na prova do campeonato de carros de turismo organizado pelo circuito.”

Acreditando que poderá lutar pelos lugares do pódio, o traçado de Ningbo não é estranho ao piloto da RAEM, pois “o ano passado conduzi o Lada na prova do WTCC. É uma pista muito técnica, mas não é muito difícil. Tem estratégica lá.”

Contudo, Souza reconhece que o desafio poderá ser maior caso as condições meteorológicas não lhe sejam favoráveis, “porque nunca andei com seco nesta pista. Se chover, como aconteceu no ano passado, acho que vou ter vantagem sobre os meus adversários.”

Audi na calha

A um mês e meio do evento automobilístico mais importante do ano para qualquer piloto do território, Souza diz que ainda não decidiu qual o carro que utilizará na prova pontuável para a Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR). Todavia, o ex-campeão de carros de Turismo de Macau está fortemente inclinado a escolher o Audi para a grande corrida do mês de Novembro.

“Os membros da Audi Sport na Ásia estão contentes comigo. Apoiam-me e gostariam que eu participasse em Macau com um Audi. Já guiei outros carros da categoria TCR e gosto muito do Audi. Na minha opinião é um carro que é muito competitivo e que me dá condições para obter bons resultados”, esclarece o experiente piloto.

Souza será um dos dois pilotos da casa que receberá um “wildcard” para participar na Corrida da Guia. O interesse dos pilotos locais por esta prova é grande, tendo o HM conhecimento de pelo menos mais seis pilotos interessado em acompanhar Souza na mais prestigiada corrida de carros de turismo do sudeste asiático.

27 Set 2018

TCR China | André Couto dominou fim-de-semana em Ningbo

 

Duas vitórias e um terceiro lugar numa corrida que acabou interrompida devido à chuva valeram a André Couto um fim-de-semana quase perfeito, na segunda ronda do Campeonato TCR China

André Couto dominou a segunda ronda do Campeonato TCR China com duas vitórias em três corridas no Circuito de Ningbo, na província de Zhejiang. Ao volante do Honda Civic Type-R da equipa Macau MacPro Racing, o piloto local foi ainda o primeiro classificado em todas as sessões de treinos livres e de qualificação.

“Foi um fim-de-semana muito positivo em que até à última corrida era impossível fazer melhor. Estive sempre no topo da tabela e senti que o meu andamento e o do carro eram superiores ao da concorrência”, disse André Couto, ao HM.

“Foi um feito importante porque estou a representar uma equipa de Macau, que está a fazer os esforços possíveis para ter uma estrutura muito profissionalizada e que procura ter uma dimensão superior ao que normalmente acontece com as equipas do território. São resultados importantes”, sublinhou.

Na primeira prova, André Couto arrancou do primeiro lugar da grelha de partida e depois foi aumentado a distância para os adversários volta após volta. No final, somou uma vantagem de 16,9 segundos para o segundo piloto, Zhu Zhen Yu, em Volkswagen. Já o terceiro classificado foi Li Lin, também em Volkswagen, a uma distância de 25,6 segundos de André Couto.

“Na primeira corrida nunca levantei o pé. Apesar de sentir que estava com um andamento superior, foquei-me em adaptar-me ao carro e aprender mais. Felizmente, consegui e fiz a corrida sozinho e sem qualquer problema”, relatou.

Na segunda prova de sábado, a tarefa de André Couto foi ainda mais fácil. O piloto convidado pela Macau MacPro Racing terminou com uma vantagem de 31,1 segundos para Zhou Bi Huang (Volkswagen) e de 42 segundos para Kang Jian Zhong, também da MacPro Racing.

“Na segunda corrida trocámos as afinações, principalmente na frente do carro e notei que o andamento melhorou bastante. Aproveitámos ainda para testar mais o carro, o que foi positivo”, frisou.

Corrida interrompida

Já na corrida de ontem, a última do fim-de-semana, devido à inversão da grelha, André Couto arrancou de terceiro e precisou de apenas uma volta para saltar para a liderança. Contudo, a chuva, que embaciou o vidro frontal do Honda, fez com que perdesse a posição na sexta volta, quando entrou nas boxes para trocar de pneus.

“Quando começou a chover, o carro ficou embaciado e tive de guiar através da janela lateral. Tinha a linha branca como referência e o conhecimento do circuito. Depois, quando entrei nas boxes para mudar de pneus e tentar resolver o problema, a corrida foi interrompida”, relatou. “Foi a decisão correcta. Estava a chover demasiado e era impossível continuar”, acrescentou.

André Couto ficou assim a atrás de Sunny Wong (Volkswagen) e de Tang You Xi (Honda). Apesar deste desfecho, André Couto não se mostrou desiludido por ter falhado o fim-de-semana perfeito: “As corridas são assim, são situações que acontecem. O mais importante foi o andamento mostrado e os pontos somados para a equipa, que é de Macau”, frisou.

3 Set 2018

Álvaro Mourato prossegue carreira no exterior

Álvaro Mourato tem sido na última década e meia um dos principais intervenientes das corridas de carros de Turismo de Macau. No entanto, o piloto macaense abandonou o ano passado o campeonato local – MTCS – e não tem planos em regressar este ano.

A actual regulamentação técnica do MTCS afastou Mourato, como afastou outros pilotos locais. O piloto da RAEM vai continuar a apostar em corridas de carros de Turismo soltas e fora de portas, mantendo a forma, para, quiçá, regressar um dia à competição bandeira da Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC).

“Para este ano tenho um plano com uma equipa japonesa para correr nas 10 Horas de Buriram, na Tailândia”, explicou o piloto ao HM, recordando que “ano passado fiz a corrida de resistência no circuito citadino de Bangsaen da Toyota Vios Cup e terminei no quinto lugar.”

Mourato não perdeu a vontade de competir entre nós, mas reconhece que a subida em flecha dos custos de participação não ajudam a um eventual regresso ao campeonato que em 2018 terá novamente duas jornadas duplas no Circuito Internacional de Zhuhai.

“É difícil de continuar no MTCS, o custo está cada vez mais elevado. Fica caro tanto competir no MTCS, como no Grande Prémio de Macau. Seja na Taça CTM, como na Taça da Corrida Chinesa”, deixa claro o vencedor da corrida Troféu Hotel Fortuna/Interport Hong Kong-Macau da edição de 2010 do Grande Prémio de Macau.

 

Custos que assustam

A opinião não é única, nem sequer é novidade para quem segue de perto o desporto automóvel local. O actual regulamento das provas de apuramento dos pilotos de carros de Turismo do território para o Grande Prémio de Macau, único no mundo, é demasiado pesado para as carteiras da maioria dos participantes, até porque os patrocinadores não abundam nesta cidade.

Apesar de nenhum piloto gostar de falar abertamente dos custos envolvidos nas provas locais, até porque estes variam muito de piloto para piloto, a verdade é que um carro competitivo na classe 1600cc Turbo pode ser superior a um milhão de Patacas e há quem diga que na classe acima de 1950cc há viaturas a custar o dobro.

“Não vale a pena a AAMC andar a inventar regulamentos, como este que estamos a usar – 1600cc Turbo e Superior 1950cc – pois não existem em mais lado nenhum do mundo e são muito perigosos para os pilotos e sócios, no sentido que acabam por ficar pendurados”, salienta, referindo que “sem existir um controlo das ECU dos carros, ou uma única marca de ECU, e não houver controlo do limite das RPM, muitos mecânicos de Macau, mas também de Hong Kong, vão puxar os carros até ao limite, ou para lá dos limites. No fim, é uma corrida para queimar dinheiro.”

Como solução para este problema, Mourato sugere que “a AAMC deveria contratar alguém para trabalhar nesta área. Eu próprio não me importaria de pagar um pouco mais de inscrição para que existisse um engenheiro ou um técnico capaz de controlar esta área”.

 

Futuro deveria ser TCR

Em 2020 a AAMC prepara-se para introduzir um novo regulamento técnico nas corridas locais, o que quer dizer que teremos um parque automóvel totalmente novo dentro de dois anos. Isto também significa que os pilotos vão ter novamente que abrir os cordões à bolsa.

Para Mourato, o mais importante é que a “AAMC tem que encontrar uma solução para que não fiquemos outra vez pendurados”, aconselhando que o futuro do MTCS, a exemplo de vários outros campeonatos nacionais de carros de Turismo, incluindo o português, adopte os regulamentos da categoria TCR.

“Na minha opinião deveríamos optar pelos carros TCR, mas tudo dependerá dos preços”, salientando que a melhor solução poderá passar “por antigos carros de TCR, pois em 2020 esses já serão baratos. É como agora, se quiseres comprar um carro do WTCC de 2010, vais conseguir preços bons. Optando por carros TCR das primeiras gerações, podemos vir a ter um campeonato de alto nível e custo baixo”, conclui o piloto da terra.

Para além de ser um conceito com provas dadas por todo o mundo e cortar pela raiz os custos derivados do desenvolvimento local dos carros, a categoria TCR tem a vantagem abrir aos pilotos locais e investidores a um vasto mercado em segunda mão e à possibilidade de usar as viaturas noutras competições.

Quer isto dizer que, o investimento feito num carro não ficará apenas confinado a três provas por ano, podendo este ser usado em diversos outros campeonatos e corridas do sudeste asiático. Ao mesmo tempo, esta opção permitirá aos pilotos que queiram ou necessitem de vender as suas viaturas para recuperar parte do investimento inicial entrarem num mercado verdadeiramente global.

25 Jan 2018