Turismo | Média diária de visitantes sobre 13% face a Outubro 

Entraram em Macau, entre os dias 31 de Dezembro e 3 de Janeiro, uma média diária de 21 mil pessoas, o que representa um aumento de 13 por cento face a Outubro. Os dados da Direcção dos Serviços de Turismo revelam ainda que houve, neste período, uma ocupação hoteleira superior a 67 por cento

 

São números ainda menores se comparados com o período áureo do turismo em Macau, mas ainda assim revelam ligeiras melhorias. Uma média diária de 21 mil pessoas entrou no território no período posterior às férias de Natal, entre os dias 31 de Dezembro e 3 de Janeiro, o que constitui um aumento de 13 por cento em relação ao mês de Outubro.

É o que revelam os dados ontem divulgados pelos Direcção dos Serviços de Turismo (DST), que alertou, contudo, para a manutenção “da situação epidémica bastante instável tanto no interior da China como em Macau”. O organismo lembra, contudo, que estes números se podem explicar devido “à retoma da emissão de documentos de viagem turísticos a residentes do Interior da China para deslocação a Macau e na divulgação de Macau como destino seguro e acessível”.

Entre os dias 31 de Dezembro e 3 de Janeiro, entraram 19.629 pessoas do Interior da China, 1.368 de Hong Kong, 242 de Taiwan e apenas três pessoas vindas de outros países ou regiões.

Na véspera da passagem de ano, mais de 30 mil pessoas entraram no território, considerado “o maior número de visitantes acolhidos num só dia nos últimos 11 meses”.

Dados provisórios do Corpo de Polícia de Segurança Pública (CPSP) revelam também que o segundo dia com mais visitantes ocorreu a 20 de Novembro, quando tiveram lugar os treinos para o Grande Prémio de Macau. Nessa data entraram em Macau 28.247 visitantes, enquanto o terceiro dia com mais visitantes aconteceu no dia 25 de Dezembro, dia de Natal, com 27.755 visitantes.

Quartos mais cheios

Os últimos dias do ano ficaram também marcados por números mais positivos em termos de ocupação hoteleira, uma vez que a taxa foi de 67,2 por cento entre os dias 31 de Dezembro e 3 de Janeiro. Os hotéis de três a cinco estrelas registaram taxas de ocupação de 73, 69,9 e 67,6 por cento, respectivamente.

Relativamente aos preços praticados, a média de valor cobrado por quarto foi de 1.127,6 patacas, sendo que os hotéis de cinco estrelas marcaram uma média de preços de cerca de 1.447,7 patacas. No caso dos hotéis de quatro estrelas, o valor foi de 701,1 patacas, enquanto que os hotéis de três estrelas cobraram 694,2 patacas por quarto. Já os hotéis de duas estrelas cobraram 250,3 patacas, enquanto que nas pensões cada quarto custou 243,9 patacas.

Face à semana dourada de Outubro, quando se celebrou o aniversário da República Popular da China, o preço médio por quarto de hotel teve um aumento de 7,6 por cento.

A fim de captar mais visitantes para o território, que tem sofrido um enorme impacto com a pandemia da covid-19, a DST reiterou que pretende prosseguir com as actividades de promoção da RAEM como destino turístico.

“Durante o ano passado o Governo tem colaborado com a Tencent, Alibaba, Trip. com, UnionPay International e a Air Macau na divulgação de informações e descontos, para atrair visitantes a Macau, encorajar o dispêndio turístico, prolongar o tempo de estadia na cidade, impulsionado economicamente os diferentes sectores”, lê-se no comunicado.

6 Jan 2021

Tornados & Réveillon

28/12/20

O ano termina. Não predigo nada. Sempre gatinhámos de crise em crise, só a identidade dos desafectos é que muda. A novidade que emergiu em 2020 é que os costumes de sermos servidos pela natureza a nosso bel prazer foram virados do avesso com a lotaria do vírus. Ficámos avisados. Temo que a partir de agora o Pai Natal nos traga o apetite devastador de uma praga virológica. Passámos de caçadores a presas.

Bom, isto é o problema de alguns, não o meu, pois, a partir do próximo ano, segundo o sonho que tive hoje, serei comissário de bordo na companhia aérea de Moçambique. Deve ter sido da ventoinha que me refrigerou a soneca, esta noite. Gostei de me ver todo pintas, de farda azul e botões dourados, a servir uísques embrulhados em guardanapo e no inglês desenvolto do filho de um diplomata do Burundi. Ninguém parecia dar pela minha idade e acordei convencido de que já estava em 2022 e estivera sempre a voar para destinos opostos aos dos surtos epidémicos. Mais: Deus existe e era uma bela hospedeira da Costa do Marfim, com quem partilhava uma suite em hotéis de todo o mundo. Há sonhos que tornam ingrata qualquer aterragem.

30/12/20

Esta semana tive uma conversa engraçada numa esplanada. O jovem empregado de mesa, avançava e recuava, vacilante, antes de se me dirigir:

Profe, posso perguntar-lhe uma coisa? Força. Estou a escrever um livro. Óptimo. Qual é o assunto central do teu livro? A águia. A águia? Bom, como trabalhas todo os dias nesta esplanada não será um livro sobre a observação das aves. É uma ficção? É real. É tudo o que me aconteceu, desde lá até aqui… Uma auto-biografia, por que não? E já terminaste? Estou com dificuldades em relação ao prefácio… Estás a sugerir que eu o possa fazer? Se o professor gostar. Why not? E tens a coisa muito desenvolvida? Tenho quatro páginas. Estás a ver aqui o Savana? Quatro páginas dá um artigo de meia página. É preciso mais para um livro. Quantas? Para um primeiro livro, se chegares às quarenta, não seria mau. Vou caprichar, profe… Não espero outra coisa…

Este diálogo só me faz lembrar um poema do Bertolt Brecht, A LISTA DOS PRECISOS, que diz assim:
«Muitos conheço que andam por aí com uma lista/ Em que está o que precisam./ O que vê a lista diz: É muito./ Mas o que escreveu diz: É o mínimo. // Mas muitos mostram com orgulho a sua lista/ Em que está pouco.»

O diálogo com o jovem aspirante a escritor recorda-me ainda como durante quinze anos redigi começos de narrativas que nunca acabei, enquanto, profissionalmente, escrevia diálogos para filmes, em cima das estruturas que eram construídas colectivamente. Sozinho não me atrevia a acabar qualquer narrativa.

Até que pelos trinta e cinco anos me saiu o primeiro conto, começado, continuado e acabado num jacto. Chamava-se O Milagre de Sevilha e está no meu primeiro livro de contos, Cegueira de Rios.

Era uma variante em torno do mito de Don Juan. Dois motoristas aguardam no parque de estacionamento pelos patrões. E um, intrigado, pergunta ao outro: É verdade que o teu patrão chegou às mil amantes? Confirmo.

Espanta-se o primeiro: Mas como, se o homem é cego? O que a partir daí se desenvolve é bastante delirante e relata o sucesso desse particular Don Juan até que numa visita a Sevilha, onde, coincidentemente, o cego se deslocara em negócios, o Papa faz o primeiro milagre do seu pontíficado e cura-lhe a cegueira. Isso perturbará para sempre o seu dom.

O conto é divertido, embora dê agora conta que ter como personagens dois motoristas empobrece-o. Devia ser assim: dia 24 de Dezembro, o Pai Natal, enfadado pela rotina do seu trabalho, vê o motorista do Don Juan num parque de estacionamento. Resolve “estacionar” por momentos as suas renas e ir interrogá-lo: Mas como, se é cego?

Também a bondade não é cega, pergunta-lhe o outro. O que se seguirá, a partir destas premissas, promete ser bastante delirante e ganhar em pedalada ao diálogo anterior. O tempo corrige sempre o informe.

31/12/2020

Há 22 anos escrevi um livro com a Maria Velho da Costa, Prémio Camões e uma das grandes escritoras portuguesas do século XX. Chama-se o livro O Inferno, eram três guiões cinematográficos sobre o Camilo Castelo Branco, e foi editado, por mim e pela Teresa Noronha, numa pequena editora que tivemos, a Íman. Agora, à Teresa acabou de ser atribuído o Prémio Maria Velho da Costa, patrocinado pela SPA (Sociedade Portuguesa de Autores), por causa do seu romance Tornado (noto agora, à sua maneira, outro Inferno). O círculo completou-se. Alegram-me duas coisas:

a) tenho a certeza de que a MVC gostaria muito deste livro, b) este romance vai trazer boas novidades, formais e de conteúdos, à literatura moçambicana. Há quinze anos que assisto ao parto difícil deste livro, que teve, no mínimo, cinco versões. Mas valeu a pena a persistência. Já comprámos um champanhe de outra qualidade para festejar este auspicioso fim de ano.

Será publicado pela Exclamação, em Fevereiro Março deste ano, o romance, que assim começa:

«Soube anos mais tarde, quando vasculhava nos arquivos do Notícias à procura de alguma maldita crónica ou sinal daquele dia, com os jornais abertos à minha frente, que varri de trás para a frente e de frente para trás, sem encontrar qualquer indício especial e nem mesmo o menor traço necrológico, notícia ou fotografia, como se a tua morte fosse, mais do que anónima, ignorada. Mas soube aí, com surpresa – e talvez esse facto possa desenrolar o primeiro fio deste novelo que se emaranhou depois da tua morte – que o quarto dia do mês de outubro de 1983, em que decidiste pela enésima e derradeira vez deixar o mundo, pertenceu àquele estranho ano em que as acácias se esqueceram de florir.”

31 Dez 2020

Passagem de Ano | Macau e Taipa recebem 2020 com música e fogo de artifício

Fogo de artifício, actividades em família e concertos do grupo de Hong Kong “Mirror”, da cantora Linda Wong e do artista local Siu Fai vão marcar os festejos do ano novo, tanto em Macau como na Taipa. As celebrações serão também transmitidas em ecrãs gigantes instalados no Largo do Senado e no Centro Náutico da Praia Grande. A entrada é livre

 
As últimas horas de 2019 estão à porta e prometem não ser discretas. Para garantir que os festejos de ano novo não passam ao lado de ninguém que por estes dias esteja em Macau, serão realizados no dia 31 de Dezembro, o “Concerto da Passagem de Ano – Macau 2019” e a “Festa da Passagem de Ano – Taipa 2019”, respectivamente na Praça do Lago Sai Van e nas Casas da Taipa. Os dois eventos comemorativos da entrada em 2020 estão a ser organizados pelo Instituto Cultural (IC) e pelos Serviços de Turismo e co-organizados pelo Instituto para os Assuntos Municipais (IAM) e pela Teledifusão de Macau (TDM).
O “Concerto da Passagem de Ano – Macau 2019” terá lugar no dia 31 de Dezembro, a partir das 22 horas, na Praça do Lago Sai Van, e vai contar com as actuações do conhecido grupo de Hong Kong, “Mirror” e do cantor de Macau, Siu Fay. O grupo “Mirror” estreou-se no espectáculo de talentos de Hong Kong “Good Night Show – King Maker”, afirmando-se como um grupo de dança masculina da nova geração. Momentos antes da entrada em 2020, os artistas irão juntar-se ao público para a contagem decrescente e para o espectáculo de fogo de artifício que terá lugar junto à Torre de Macau.
Já a “Festa da Passagem de Ano – Taipa 2019” terá início pelas 20h30, nas Casas da Taipa, procurando proporcionar também algumas actividades destinadas à participação em família. Assim, entre as 20h30 e as 23h30, haverá lugar para a exposição de stands temáticos da Austrália, Coreia do Sul, Filipinas, Índia, Indonésia, Myanmar e Vietnam, onde serão exibidos produtos artísticos de personalidades estrangeiras com residência em Macau e proporcionado o acesso a jogos, petiscos e bebidas típicas.
A festa propriamente dita terá início pelas 21h30 e conta com a presença da cantora de Hong Kong, Linda Wong, que vai interpretar canções clássicas e encerrar o espectáculo já perto da meia-noite. Antes disso, o espectáculo vai incluir ainda actuações de vários artistas de Macau, como Elvin Chio Song Hou, Elise Lei, do grupo Rebel Rabbit, da banda de jazz “The Bridge”, Mágico Van, do gupo de dança indiana “Victor Kumar & Bollywood Dreams Group”, do grupo de palhaços “Tru & Tru”, do grupo de dança da “Associação de Ajuda Mútua dos Chineses Ultramarinos da Birmânia em Macau” e ainda do grupo de dança filipina “Bisdak Association of Macau”.

Ano novo para todos

Com o objectivo de levar os festejos a mais pessoas, serão ainda instalados ecrãs gigantes no Largo do Senado e no Centro Náutico da Praia Grande, que irão transmitir ao vivo os espectáculos da noite de ano novo. Além disso, a TDM irá também transmitir o evento em directo através dos seus vários canais e plataformas.
A entrada para ambos os eventos é livre. Segundo o IC, na noite da passagem de ano, serão implementadas várias medidas adicionais de controlo de trânsito e inspecção de segurança, que serão anunciadas em breve.

30 Dez 2019

Passagem de Ano | Macau e Taipa recebem 2020 com música e fogo de artifício

Fogo de artifício, actividades em família e concertos do grupo de Hong Kong “Mirror”, da cantora Linda Wong e do artista local Siu Fai vão marcar os festejos do ano novo, tanto em Macau como na Taipa. As celebrações serão também transmitidas em ecrãs gigantes instalados no Largo do Senado e no Centro Náutico da Praia Grande. A entrada é livre

 

As últimas horas de 2019 estão à porta e prometem não ser discretas. Para garantir que os festejos de ano novo não passam ao lado de ninguém que por estes dias esteja em Macau, serão realizados no dia 31 de Dezembro, o “Concerto da Passagem de Ano – Macau 2019” e a “Festa da Passagem de Ano – Taipa 2019”, respectivamente na Praça do Lago Sai Van e nas Casas da Taipa. Os dois eventos comemorativos da entrada em 2020 estão a ser organizados pelo Instituto Cultural (IC) e pelos Serviços de Turismo e co-organizados pelo Instituto para os Assuntos Municipais (IAM) e pela Teledifusão de Macau (TDM).

O “Concerto da Passagem de Ano – Macau 2019” terá lugar no dia 31 de Dezembro, a partir das 22 horas, na Praça do Lago Sai Van, e vai contar com as actuações do conhecido grupo de Hong Kong, “Mirror” e do cantor de Macau, Siu Fay. O grupo “Mirror” estreou-se no espectáculo de talentos de Hong Kong “Good Night Show – King Maker”, afirmando-se como um grupo de dança masculina da nova geração. Momentos antes da entrada em 2020, os artistas irão juntar-se ao público para a contagem decrescente e para o espectáculo de fogo de artifício que terá lugar junto à Torre de Macau.

Já a “Festa da Passagem de Ano – Taipa 2019” terá início pelas 20h30, nas Casas da Taipa, procurando proporcionar também algumas actividades destinadas à participação em família. Assim, entre as 20h30 e as 23h30, haverá lugar para a exposição de stands temáticos da Austrália, Coreia do Sul, Filipinas, Índia, Indonésia, Myanmar e Vietnam, onde serão exibidos produtos artísticos de personalidades estrangeiras com residência em Macau e proporcionado o acesso a jogos, petiscos e bebidas típicas.

A festa propriamente dita terá início pelas 21h30 e conta com a presença da cantora de Hong Kong, Linda Wong, que vai interpretar canções clássicas e encerrar o espectáculo já perto da meia-noite. Antes disso, o espectáculo vai incluir ainda actuações de vários artistas de Macau, como Elvin Chio Song Hou, Elise Lei, do grupo Rebel Rabbit, da banda de jazz “The Bridge”, Mágico Van, do gupo de dança indiana “Victor Kumar & Bollywood Dreams Group”, do grupo de palhaços “Tru & Tru”, do grupo de dança da “Associação de Ajuda Mútua dos Chineses Ultramarinos da Birmânia em Macau” e ainda do grupo de dança filipina “Bisdak Association of Macau”.

Ano novo para todos

Com o objectivo de levar os festejos a mais pessoas, serão ainda instalados ecrãs gigantes no Largo do Senado e no Centro Náutico da Praia Grande, que irão transmitir ao vivo os espectáculos da noite de ano novo. Além disso, a TDM irá também transmitir o evento em directo através dos seus vários canais e plataformas.

A entrada para ambos os eventos é livre. Segundo o IC, na noite da passagem de ano, serão implementadas várias medidas adicionais de controlo de trânsito e inspecção de segurança, que serão anunciadas em breve.

30 Dez 2019

Fim de Ano | Concertos e festas vão animar o território

Organizados pelo Instituto Cultural e pelos Serviços de Turismo o “Concerto da Passagem de Ano – Macau 2018” e a “Festa da Passagem de Ano – Taipa 2018” terão lugar na noite de 31 de Dezembro, na Praça do Lago Sai Van e nas Casas da Taipa, respectivamente. Os eventos contam ainda com a tradicional contagem decrescente sendo que à meia noite, na Torre de Macau, o fogo de artifício tem lugar como habitualmente para assinalar a chegada do novo ano.

Este ano, o o concerto de passagem de ano em tem lugar no dia 31 de Dezembro, das 22h horas às 00h10 horas do dia seguinte, na Praça do Lago Sai Van, e conta com a actuação do grupo de Rap de Hong Kong, FAMA, do cantor Phil Lam, do grupo local MFM e dos cantores Filipe António da Silva Baptista Tou, Alex Ao Ieong, Kylamary, Lino e Elise Lei. Para levar o momento a todos os pontos da cidade serão instalados ecrãs gigantes no Largo do Senado e no Centro Náutico da Praia Grande.

Já a festa de passagem de ano da Taipa vai decorrer a partir das 21h30 do último dia de 2018. O evento conta com a presença do cantor de Hong Kong, Christopher Wong. O espectáculo inclui ainda actuações de vários artistas de Macau como Cass Lai, Bill Leong Kin Pong, EXPERIENCE, Mágico Van, Grupo de Dança Indiana Victor Kumar & Bollywood Dreams Group, Palhaços Tru & Tru, Grupo de Dança Indonesia Returned Oversea Chinese Culture and Art Friendship Association of Macao, Macau Cheerleader, Grupo de Dança da Associação dos Conterrâneos do Vietname de Macau e a Banda filipina Dreamcast. A entrada para ambos os eventos é livre.

21 Dez 2018