A efémera cultura 

É oficial: temos dois casos confirmados de infecção com o Covid-19 em Portugal e, pelas ruas, não se fala de outra coisa. Muito antes de haver infectados já havia uma corrida às máscaras e desinfectantes e é muita a informação errada que corre de boca em boca. Mas esta pequena crónica pretende chamar a atenção não apenas para o Covid-19, mas para o contributo que este deu para a cultura.

Para a cultura? Perguntam vocês. É verdade. Foi graças ao Covid-19 que, provavelmente, muitos ficaram a saber quem é o escritor Luís Sepúlveda, um dos infectados que esteve na cidade de Póvoa do Varzim para participar no festival literário Correntes D’Escritas. O mesmo festival que, incrivelmente, fez abertura de telejornais.

E agora dizem: mas as pessoas estão a ler mais em Portugal? Não. O que há é uma histeria colectiva com o Covid-19 fomentada também pelas redes sociais e pelos próprios media.  Duvido, no entanto, que aqueles que partilharam notícias sobre a infecção de Sepúlveda tenham tido o interesse de ver que livros escreveu. Temo, também, que quem não conhece o festival do norte do país tenha ido pesquisar autores e respectivas obras. É a cultura efémera, um mero título de jornal, uma frase num rodapé de um televisor. É quanto basta.

4 Mar 2020

Covid-19 | Festival Correntes D’Escritas cria grupo de acompanhamento depois de infecção de Sepúlveda

Depois de saber-se que o escritor chileno Luís Sepúlveda, um dos últimos convidados do festival Correntes D’Escritas, está infectado com o Covid-19, as autoridades portuguesas tem feito o acompanhamento da situação. Em comunicado divulgado este domingo, a Direcção-geral de Saúde (DGS) pediu que todos os que estiveram em contacto próximo com o escritor chileno entre em contacto com a linha SNS24.

A DGS refere que a Autoridade de Saúde da Região Norte já iniciou uma “investigação epidemiológica”, ou seja, está a identificar os contactos próximos de Luís Sepúlveda e da sua mulher, que estiveram em Portugal de 18 a 23 de Fevereiro.

O diagnóstico laboratorial do escritor chileno “foi positivo, aguardando confirmação pelo respetivo laboratório nacional de referência” estando também a ser investigada a fonte de infeção, acrescenta a DGS. A mulher do escritor, que também se encontra em isolamento no hospital das Astúrias, “parece também ter sintomatologia compatível, encontrando-se sob investigação”, segundo a DGS.

Entretanto, a organização do festival criou “um grupo de acompanhamento”, depois de confirmar que Luís Sepúlveda está infectado com o novo coronavírus, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a Câmara Municipal da Póvoa de Varzim (distrito do Porto), que organiza o festival, explica que “foi constituído um grupo de acompanhamento” que “seguirá todas as recomendações” da Direção-Geral de Saúde.

O jornal espanhol La Voz de Asturias noticiou no sábado que o escritor, de 70 anos, é o primeiro caso confirmado na região das Astúrias, em Espanha, e está em isolamento no Hospital Universitário Central das Astúrias, em Oviedo.

A 21.ª do festival Correntes d’Escritas decorreu de 19 a 23 de fevereiro com a participação de quase uma centena de autores de expressão ibérica, de 14 nacionalidades, que participaram em várias atividades, como debates e encontros com público.

Segundo a organização do festival, o grupo de acompanhamento está “em contacto directo com as entidades responsáveis de saúde local, regional e nacional”, remetendo “toda a comunicação sobre este assunto” para a Direcção-Geral de Saúde.

2 Mar 2020

Covid-19 | Festival Correntes D'Escritas cria grupo de acompanhamento depois de infecção de Sepúlveda

Depois de saber-se que o escritor chileno Luís Sepúlveda, um dos últimos convidados do festival Correntes D’Escritas, está infectado com o Covid-19, as autoridades portuguesas tem feito o acompanhamento da situação. Em comunicado divulgado este domingo, a Direcção-geral de Saúde (DGS) pediu que todos os que estiveram em contacto próximo com o escritor chileno entre em contacto com a linha SNS24.
A DGS refere que a Autoridade de Saúde da Região Norte já iniciou uma “investigação epidemiológica”, ou seja, está a identificar os contactos próximos de Luís Sepúlveda e da sua mulher, que estiveram em Portugal de 18 a 23 de Fevereiro.
O diagnóstico laboratorial do escritor chileno “foi positivo, aguardando confirmação pelo respetivo laboratório nacional de referência” estando também a ser investigada a fonte de infeção, acrescenta a DGS. A mulher do escritor, que também se encontra em isolamento no hospital das Astúrias, “parece também ter sintomatologia compatível, encontrando-se sob investigação”, segundo a DGS.
Entretanto, a organização do festival criou “um grupo de acompanhamento”, depois de confirmar que Luís Sepúlveda está infectado com o novo coronavírus, foi hoje anunciado.
Em comunicado, a Câmara Municipal da Póvoa de Varzim (distrito do Porto), que organiza o festival, explica que “foi constituído um grupo de acompanhamento” que “seguirá todas as recomendações” da Direção-Geral de Saúde.
O jornal espanhol La Voz de Asturias noticiou no sábado que o escritor, de 70 anos, é o primeiro caso confirmado na região das Astúrias, em Espanha, e está em isolamento no Hospital Universitário Central das Astúrias, em Oviedo.
A 21.ª do festival Correntes d’Escritas decorreu de 19 a 23 de fevereiro com a participação de quase uma centena de autores de expressão ibérica, de 14 nacionalidades, que participaram em várias atividades, como debates e encontros com público.
Segundo a organização do festival, o grupo de acompanhamento está “em contacto directo com as entidades responsáveis de saúde local, regional e nacional”, remetendo “toda a comunicação sobre este assunto” para a Direcção-Geral de Saúde.

2 Mar 2020

Livros | Balanço da participação de Macau no Correntes d’Escritas

Não podia ter corrido melhor a primeira presença de Macau no principal festival literário português. O balanço é feito por Rogério Beltrão Coelho, editor, homem que há muito luta pela visibilidade da literatura do território. Para que se possa ir mais longe, é importante que as instituições percebam a importância de estar lá fora

“Montadas nas línguas, as palavras viajaram. Atravessaram mares, lentamente, uma língua de cada vez; hoje desembarcam instantâneas, todas ao mesmo tempo. (…) A nossa língua, as nossas palavras, são por ali essa espuma. São palavras exiladas que subsistem nas vozes internas, pouco se fazem ouvir; há um ruído contínuo que urge traduzir, compreender.”

As palavras são de Carlos Morais José e foram deixadas no Correntes d’Escritas, o festival literário da Póvoa do Varzim que decorreu no final do mês passado e que teve, pela primeira vez este ano, a participação de um autor de Macau. Morais José levou a Portugal o romance “O Arquivo das Confissões – Bernardo Vasques e a Inveja”, uma obra lançada pela Livros do Oriente, de Rogério Beltrão Coelho e Cecília Jorge.

Para Beltrão Coelho que, nos últimos tempos, tem dinamizado a Associação Amigos do Livro em Macau, a presença do território no festival literário mais relevante de Portugal foi “extremamente importante”, o que, “aliás, foi salientado no discurso de inauguração pelo Presidente da República”. “Deu-se a conhecer aos escritores e ao público que existe uma literatura em Macau, uma literatura pujante e com um representante que, no meio daquela mesa, foi um dos mais aplaudidos e enaltecidos”, relata.

A sequência deste tipo de participações estará sempre dependente de convites de quem organiza os eventos, mas para que, em Portugal, se fale mais dos livros de Macau é preciso investir em iniciativas, e é necessário “o apoio institucional e a compreensão institucional”, algo que, “infelizmente, não se nota”.

“Parece que Macau não tem interesse em que, fora do território, se tenha uma imagem que vá para além do jogo, uma imagem cultural, da existência de uma literatura pujante e que interessa ao espaço de língua portuguesa”, lamenta o representante da associação.

“Macau é muito longe e ali predomina a cultura chinesa. Mas existe, talvez surpreendentemente, uma literatura escrita em português”, contou Carlos Morais José a quem o ouviu na Póvoa do Varzim, lembrando que se escreve do e no território desde os meados do século XVI até aos nossos dias. “Quer se queira quer não, quer se saiba ou não saiba, Macau ocupa um lugar singular na literatura portuguesa”, acrescentou o autor.

7 Mar 2017