TV da Coreia do Norte passa de satélite chinês para russo

A Coreia do Norte transferiu as emissões da televisão estatal de um satélite chinês para um satélite russo, anunciaram ontem as autoridades sul-coreanas. “A Coreia do Norte deixou de utilizar um satélite chinês e transmite agora através de um satélite russo”, declarou o Ministério da Unificação da Coreia do Sul, em comunicado.

Esta decisão “teve o efeito de limitar a recepção das emissões por satélite em algumas das nossas regiões”, acrescentou o ministério.

Embora o público sul-coreano não tenha legalmente acesso aos meios de comunicação estatais de Pyongyang, as autoridades e os meios de comunicação sul-coreanos têm de seguir as emissões durante as quais o Norte faz anúncios importantes e divulga propaganda.

Moscovo e Pyongyang são aliados desde a criação da Coreia do Norte, depois do fim da Segunda Guerra Mundial e tornaram-se ainda mais próximos desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em 2022.

O Presidente russo, Vladimir Putin, visitou o líder norte-coreano, Kim Jong-un, em Pyongyang no mês passado e os dois líderes assinaram um acordo que inclui assistência militar mútua em caso de agressão.

Washington e os aliados acusaram a Coreia do Norte de fornecer munições e mísseis à Rússia para a guerra na Ucrânia, e a recente cimeira russo-norte-coreana alimentou o receio de novas entregas de armas.

Os líderes também concordaram em “reforçar o intercâmbio e a cooperação nos domínios da agricultura, educação, saúde pública, desporto, cultura e turismo”.

Sem K-pop

A Coreia do Norte colocou em órbita o primeiro satélite espião no final do ano passado, com a ajuda da Rússia, de acordo com Seul.

A utilização de um satélite russo pode ser “um passo para o desenvolvimento de um satélite comercial com a ajuda da tecnologia russa no futuro”, disse à AFP Yang Moo-jin, presidente da Universidade de Estudos Norte-Coreanos em Seul.

Esta alteração permite também ao Norte “bloquear a difusão de conteúdos populares sul-coreanos ligados às frequências do anterior satélite chinês”, acrescentou. A Coreia do Norte, um país recluso, procura impedir que a população tenha acesso à música pop sul-coreana, mais conhecida por K-pop, ou às séries sul-coreanas, ou K-dramas.

Especialistas consideraram também que esta decisão mostra também que Pyongyang dá prioridade aos laços com Moscovo em detrimento das relações com Pequim, até agora o principal aliado do país.

2 Jul 2024

Coreias | Balões do Norte interrompem tráfego aéreo no Sul

Pyongyang continua a provocar Seul com o envio de balões carregados de lixo. O tráfego aéreo no principal aeroporto internacional do país esteve interrompido durante cerca de três horas

 

Uma nova vaga de balões com lixo enviados pela Coreia do Norte para o Sul obrigou ontem à interrupção do tráfego aéreo durante cerca de três horas em Incheon, o principal aeroporto internacional do país. As descolagens e aterragens de voos nacionais e internacionais foram afectadas entre a 01:46 e as 04:44, disse o consórcio que opera o aeroporto.

A decisão foi tomada devido ao receio de que os balões pudessem ser sugados pelos motores dos aviões, disseram responsáveis do aeroporto de Incheon, que serve a capital sul-coreana, Seul.

O aeroporto está agora a funcionar normalmente, uma vez que não foram detectados mais balões nos céus sul-coreanos desde o nascer do sol. A Coreia do Norte enviou mais de 250 balões carregados de lixo para o Sul durante a madrugada, no sexto lançamento no espaço de um mês.

A partir do final de Maio, Pyongyang lançou uma série de balões com estrume, pontas de cigarro, trapos, pilhas gastas e vinil sobre várias zonas da Coreia do Sul. Não foram encontrados materiais altamente perigosos. A Coreia do Norte afirmou que a campanha de balões é uma acção de retaliação contra activistas sul-coreanos que lançaram panfletos políticos críticos da liderança norte-coreana.

Aumento de testes

O novo lançamento de balões surge num contexto de aumento das tensões transfronteiriças. A Coreia do Norte disparou um míssil hipersónico em direcção ao mar, adiantou na terça-feira a agência de notícias pública sul-coreana Yonhap, citando os militares de Seul.

O Estado-Maior Conjunto (JCS) da Coreia do Sul disse ter detectado o lançamento, mas não forneceu detalhes, destacando que está em andamento uma investigação.

De acordo com um responsável do JCS, citado pela agência de notícias France-Presse, Pyongyang parece ter testado um míssil hipersónico, embora o disparo tenha falhado depois de um voo de cerca de 250 quilómetros que terminou com uma explosão.

O Japão também confirmou o lançamento e a guarda costeira nipónica referiu que o míssil acabou por cair no mar do Japão. O último lançamento de mísseis da Coreia do Norte tinha acontecido a 30 de Maio, quando Seul acusou Pyongyang de disparar uma salva de cerca de dez mísseis balísticos de curto alcance.

No dia seguinte, a imprensa estatal norte-coreana divulgou imagens do líder Kim Jong-un a participar nos testes de um sistema de lançamento múltiplo de foguetes.

Analistas sugerem que a Coreia do Norte pode estar a aumentar a produção de mísseis para os fornecer à Rússia como parte da guerra na Ucrânia, de acordo com um relatório divulgado no mês passado pelo Departamento de Defesa dos EUA.

26 Jun 2024

Pyongyang faz disparos de artilharia pelo terceiro dia consecutivo

A Coreia do Norte retomou ontem exercícios de artilharia com munições reais na costa ocidental, perto da fronteira marítima com a Coreia do Sul, informou a agência noticiosa sul-coreana Yonhap. As autoridades das ilhas sul-coreanas isoladas no Mar Amarelo, perto da costa norte-coreana, disseram à agência francesa AFP que tinham enviado mensagens para os telemóveis dos residentes, pedindo-lhes que ficassem em casa.

“Estão a ser ouvidos disparos de canhão norte-coreanos”, alertaram as autoridades nas mensagens. Trata-se do terceiro dia consecutivo de disparos deste tipo por parte da Coreia do Norte. “As tropas norte-coreanas têm estado a disparar a partir da parte norte da ilha de Yeonpyeong desde cerca das 16:00”, disse uma fonte militar à Yonhap.

A mesma fonte afirmou que “nenhum projéctil de artilharia norte-coreano caiu a sul da Linha Limite Norte [NLL, na sigla em inglês] no Mar Ocidental”. Uma zona-tampão marítima nas áreas NLL dos mares Ocidental e Oriental foi criada para evitar conflitos comerciais marítimos, em conformidade com o Acordo Militar Intercoreano de 19 de Setembro, assinado em 2018.

A fonte militar disse ainda à Yonhap que não se registaram quaisquer danos do lado sul-coreano e que não estava prevista “qualquer resposta de fogo” das forças armadas da Coreia do Sul.

Falso alarme?

De acordo com o Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, os militares norte-coreanos dispararam mais de 200 projécteis, principalmente de artilharia costeira, na manhã da passada sexta-feira.

Seul disse que as forças norte-coreanas dispararam no sábado cerca de 60 projécteis, alguns dos quais caíram na zona-tampão marítima a norte do NLL no Mar Ocidental. A irmã do líder norte-coreano, Kim Jong-un, negou ontem que a Coreia do Norte tenha disparado os 60 projécteis, afirmando ter-se tratado de um engodo para testar a reacção do sul.

“O nosso exército não disparou um único projéctil para a água”, disse Kim Yo-jong num comunicado divulgado pela agência noticiosa oficial norte-coreana KCNA. Kim Yo-jong explicou que os soldados norte-coreanos quiseram observar a reacção das forças sul-coreanas, detonando 60 cargas explosivas que simulavam o som de um canhão.

“O resultado foi exactamente o que esperávamos. Confundiram o som dos explosivos com o de um tiro de canhão, presumiram que se tratava de uma provocação de artilharia e inventaram uma mentira sem vergonha”, afirmou. “No futuro, até confundirão o estrondo de um trovão no céu do norte com fogo de artilharia do nosso exército”, acrescentou, citada pela agência francesa AFP.

8 Jan 2024

Irmã de Kim Jong-un critica discurso de ano novo de Presidente sul-coreano

A irmã do líder norte-coreano condenou ontem o discurso de Ano Novo do Presidente sul-coreano, que falou na estratégia de dissuasão de Seul e Washington, justificando-a com o reforço das capacidades nucleares de Pyongyang.

“Agradeço da forma mais cordial o compromisso do Presidente da República da Coreia, Yoon Suk-yeol, de prestar continuamente ‘serviços distintos’ ao rápido desenvolvimento da superioridade militar do nosso Estado também no novo ano”, escreveu Kim Yo-jong, em tom sarcástico, num artigo publicado pela agência de notícias oficial da Coreia do Norte KCNA.

Yoon Suk-yeol sublinhou no discurso de Ano Novo que a Coreia do Sul e os Estados Unidos vão concluir até meados do ano a modernização do mecanismo de dissuasão contra a Coreia do Norte, que inclui agora também a opção de uma resposta nuclear ao persistente aumento do armamento do regime de Pyongyang.

Kim Yo-jong acusou ainda Yoon Suk-yeol de banalizar as preocupações de segurança do Sul e disse que, durante o processo de diálogo que a Coreia do Norte encetou com o anterior Governo sul-coreano, entre 2018 e 2019, fez Pyongyang perder “muito tempo” que poderia ter sido gasto no reforço militar do país.

Nada de mais

A porta-voz adjunta do Ministério da Unificação da Coreia do Sul, Kim In-ae, afirmou que as observações da irmã do líder norte-coreano são “um truque mesquinho” destinado a culpar Seul pelo actual rumo das tensões intercoreanas.

Os comentários de Kim, também vice-chefe da propaganda do regime, surgem depois de o irmão ter encerrado uma importante sessão plenária do partido único na semana passada afirmando que já não há qualquer hipótese de reconciliação ou reunificação entre as duas Coreias.

Kim Jong-un prometeu também que o regime vai lançar mais três satélites espiões este ano e continuar a reforçar o programa nuclear e de mísseis.

Após o fracasso das conversações para a desnuclearização com Washington, em 2019, Pyongyang adoptou um plano de modernização do armamento – com a instalação de satélites militares e inúmeros testes de mísseis -, recusou reatar o diálogo e procurou estreitar os laços com Pequim e Moscovo.

Seul e Washington reforçaram a cooperação militar com Tóquio e fortaleceram o mecanismo de dissuasão, multiplicando as manobras conjuntas e implantando cada vez mais meios estratégicos dos EUA na península.

4 Jan 2024

Pyongyang | Pedida intensificação dos preparativos de guerra

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, afirmou quer reforçar a capacidade nuclear do país e os preparativos de guerra, perante a tensão “sem precedentes” na península, noticiou ontem a imprensa estatal norte-coreana.

Na quarta-feira, segundo dia da grande reunião anual de fim de ano do Partido dos Trabalhadores, o partido único norte-coreano, Kim disse ao exército e aos sectores de munições, armas nucleares e protecção civil para “acelerar ainda mais os preparativos para a guerra”.

O discurso do dirigente abordou a “grave situação política e militar na península coreana, que atingiu um ponto extremo sem precedentes na história devido aos movimentos de confronto dos Estados Unidos e das forças vassalas”, disse a agência de notícias estatal norte-coreana KCNA.

Na terça-feira, Coreia do Sul, Estados Unidos e Japão anunciaram o lançamento de um sistema para partilhar informações em tempo real sobre mísseis norte-coreanos e um plano de exercícios regulares para enfrentar avanços militares de Pyongyang.

De acordo com a KCNA, o dirigente defendeu ainda o direito da Coreia do Norte a “expandir e desenvolver relações de cooperação estratégica com países independentes e anti-imperialistas”, numa aparente referência às críticas à recente aproximação a Moscovo, e a participar na “luta anti-imperialista” à escala internacional.

O Ocidente tem acusado Pyongyang de fornecer armas e munições à Rússia, algo negado pelas autoridades do país asiático. No entanto, em Outubro, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, agradeceu à Coreia do Norte pelo apoio na guerra contra a Ucrânia.

Em destaque

A reunião do partido, cuja duração não é conhecida, vai definir objectivos políticos para 2024, “um ano decisivo” para o cumprimento do actual plano quinquenal do regime, disse Kim, que defendeu o reforço do desenvolvimento de armamento.

O líder norte-coreano salientou a necessidade de consolidar as bases organizacionais e ideológicas do partido, bem como de implementar a estratégia “através de uma luta mais corajosa e determinada, apesar dos crescentes desafios e dificuldades”.

Além da política externa, Kim também destacou perante os membros do partido sobre “questões a que deve ser dada prioridade” para reforçar o sistema político, laboral e económico da Coreia do Norte.

Kim sublinhou a necessidade de reforçar de indústrias como a siderurgia, a química, a geração de electricidade, o carvão e a maquinaria, bem como a aceleração do desenvolvimento rural e a estabilização da produção agrícola, dando prioridade às indústrias regionais e à pesca.

29 Dez 2023

Coreia do Norte | Pyongyang ameaça abater satélites americanos

A Coreia do Norte ameaçou sábado abater satélites espiões norte-americanos em resposta a “qualquer ataque” contra o satélite colocado por Pyongyang em órbita a 21 de Novembro, informou a agência de notícias oficial norte-coreana. Pyongyang afirmou que uma operação do género seria considerada uma “declaração de guerra”, indicou a KCNA.

De acordo com a agência de notícias France-Presse (AFP), a declaração surge depois de um responsável norte-americano ter explicado que Washington dispõe de vários “meios reversíveis e irreversíveis” para “privar um adversário das suas capacidades espaciais e contrariá-las”.

Depois de duas tentativas falhadas, em Maio e Agosto, Pyongyang conseguiu a 21 de Novembro colocar um satélite espião em órbita. A Coreia do Sul confirmou na quinta-feira que o lançamento foi bem-sucedido.

“Se os Estados Unidos tentarem violar o território legítimo de um Estado soberano”, Pyongyang “considerará a possibilidade de adoptar medidas de autodefesa para enfraquecer ou destruir a viabilidade dos satélites espiões americanos”, alertou um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros norte-coreano.

A Coreia do Norte garantiu esta semana que o satélite espião captou imagens da Presidência dos EUA, a Casa Branca, do Pentágono e de outras importantes instalações da defesa norte-americana. De acordo com a Coreia do Sul, a Rússia ajudou a Coreia do Norte a lançar este satélite.

4 Dez 2023

Pyongyang | Criado feriado para assinalar lançamento de míssil

A Coreia do Norte criou um feriado para assinalar o aniversário do lançamento do míssil balístico intercontinental (ICBM) Hwasong-17 no ano passado, anunciou ontem a agência de notícias estatal KCNA.

Pyongyang realizou em 18 de Novembro de 2022 o que se acredita ser o primeiro teste de voo completo do Hwasong-17, denominado de “míssil monstro” por analistas militares. O aniversário foi designado como feriado público numa reunião da Assembleia Popular Suprema (parlamento), informou a KCNA.

“O estabelecimento do Dia da Indústria dos Mísseis marca um evento especial na nossa jornada sagrada de desenvolvimento da defesa nacional”, acrescentou. Com o lançamento, a Coreia do Norte “mostrou ao mundo a excelência de uma potência nuclear de classe mundial e a nação que possui o mais poderoso míssil balístico intercontinental”, ainda segundo a agência.

A Coreia do Norte efectua frequentemente testes de armamento em feriados, e o Serviço Nacional de Informações (NIS) sul-coreano disse, na semana passada, que o país estava prestes a preparar o lançamento de um terceiro satélite de reconhecimento militar. Depois de a segunda tentativa ter falhado em Agosto, Pyongyang afirmou que iria efectuar um terceiro lançamento em Outubro, mas este nunca se concretizou.

6 Nov 2023

Rússia | Putin e Kim Jong-un vão debater “questões sensíveis”

O Presidente da Rússia e o líder da Coreia do Norte vão debater “questões sensíveis” que não serão divulgadas, importantes para “os interesses” dos dois países, informou ontem o Kremlin.

“Como é óbvio, sendo vizinhos, os nossos países também cooperam em áreas sensíveis, que não devem ser objecto de qualquer divulgação ou anúncio público. Mas isto é bastante natural para Estados vizinhos”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, aos meios de comunicação social locais a partir de Vladivostok, no extremo oriente russo.

Peskov indicou que as conversações entre Vladimir Putin e Kim Jong-un vão incluir questões relacionadas com as relações bilaterais e a cooperação, os laços comerciais e económicos e os intercâmbios culturais, bem como os assuntos internacionais e regionais, mas também as “questões sensíveis”.

“Para nós, o importante são os interesses dos nossos dois países e não os avisos de Washington”, afirmou, num comentário aos avisos dos EUA sobre a cooperação técnico-militar entre os dois países, de acordo com a agência de notícias russa Interfax.

Na semana passada, o diário norte-americano The New York Times noticiou que Putin estaria interessado em comprar artilharia e mísseis antitanques norte-coreanos, possivelmente para Moscovo usar na Ucrânia. Em troca, Pyongyang gostaria de receber tecnologia de satélites ou submarinos nucleares, e ajuda alimentar.

Já em Vladivostok, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russos, Andrei Rudenko, afirmou que a questão do fornecimento de ajuda humanitária à Coreia do Norte poderá ser um dos temas a abordar entre Putin e Kim.

Peskov acrescentou que a Rússia também está disposta a prosseguir as conversações sobre as sanções ocidentais a Pyongyang, se “os camaradas” norte-coreanos quiserem abordar esta questão.

Cara a cara

Sem avançar o dia e o local onde decorrerá o encontro, o segundo desde Abril de 2019, o porta-voz do Kremlin acrescentou que haverá negociações entre as duas delegações que acompanham os dois líderes, “uma comunicação” entre Putin e Kim e um jantar oficial em honra do líder norte-coreano. “Não estão previstas conferências de imprensa”, disse.

O comboio de Kim atravessou a fronteira com a Rússia na manhã de terça-feira, de acordo com o Ministério da Defesa Nacional sul-coreano e a televisão estatal russa.

De acordo com fotografias publicadas pelos meios de comunicação norte-coreanos, Kim está acompanhado pelos ministros dos Negócios Estrangeiros, Choe Son-hui, e da Defesa, Kang Sun-nam, e por representantes militares, incluindo o director do Departamento de Munições Industriais, Jo Chun-ryong, e Pak Thae-song, secretário para a Ciência e a Educação do Comité Central do Partido dos Trabalhadores, ligado ao programa espacial norte-coreano.

13 Set 2023

Coreia do Norte | Assumido erro no lançamento de satélite espião

A Coreia do Norte anunciou na quarta-feira, através dos meios de comunicação estatais, que o lançamento de um veículo espacial para tentar colocar em órbita um satélite espião falhou, informou a agência sul-coreana Yonhap.

O lançamento do veículo espacial, identificado pelo Japão como “presumível míssil balístico” e pela Coreia do Sul como um foguetão de longo alcance, falhou devido a um erro na terceira fase, segundo a agência norte-coreana KCNA.

A agência espacial de Pyongyang anunciou ainda uma nova tentativa de colocar o satélite em órbita para o mês de Outubro.

A Coreia do Norte explicou que o seu satélite espião Malligyong-1 foi lançado a bordo de um novo tipo de foguetão espacial, denominado Chollima-1, e que embora a primeira e segunda fases tenham decorrido “normalmente”, na terceira ocorreu um “erro no sistema de propulsão de emergência”.

A Agência Espacial de Desenvolvimento Espacial da Coreia do Norte acrescentou que “a causa do acidente não é um grande problema em termos de fiabilidade do motor” e que irá realizar o novo lançamento “depois de investigar exaustivamente as causas”, segundo informações da KCNA, citadas pela Yonhap.

Na terça-feira, a Coreia do Norte informou o Japão da intenção de lançar um satélite nos próximos dias, após um teste anterior, realizado há três meses, ter fracassado.

A 31 de Maio, um foguetão apresentado por Pyongyang como de lançamento de um satélite de observação militar despenhou-se no mar Amarelo pouco depois da descolagem, com as autoridades norte-coreanas a invocarem um problema técnico.

Pyongyang explicou que pretendia “confrontar as perigosas acções militares dos Estados Unidos e dos seus vassalos”.

25 Ago 2023

Pyongyang | Kim Jong-un oferece “apoio total” a Putin

O líder norte-coreano ofereceu o “apoio total” de Pyongyang a Moscovo numa mensagem dirigida ao Presidente russo, informaram ontem os meios de comunicação social estatais norte-coreanos. Kim Jong-un enviou uma mensagem de felicitações a Vladimir Putin por ocasião dos feriados da Rússia, um dos poucos aliados de Pyongyang.

A declaração, publicada pela agência oficial de notícias norte-coreana KCNA, não menciona especificamente a invasão da Ucrânia ou o envolvimento de Moscovo num conflito armado, mas elogia a “boa decisão e liderança (…) de Putin para impedir as crescentes ameaças de forças hostis”.

O povo norte-coreano oferece “total apoio e solidariedade ao povo russo na luta incansável para defender a causa sagrada da preservação dos direitos soberanos, do desenvolvimento e dos interesses do país contra as práticas arbitrárias e autoritárias dos imperialistas”.

A Coreia do Norte descreveu o conflito como uma “guerra por procuração” dos Estados Unidos para destruir a Rússia e condenou a ajuda militar ocidental a Kiev.

Em Janeiro, Washington acusou a Coreia do Norte de fornecer foguetes e mísseis ao grupo paramilitar russo Wagner, o que Pyongyang negou.

Em Março, Washington afirmou ter provas de que Moscovo procurava obter armas de Pyongyang para a ofensiva na Ucrânia, em troca de ajuda alimentar à Coreia do Norte, cuja economia e agricultura estão em ruínas.

Enquanto membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, a Rússia vetou durante muito tempo a adopção de novas sanções contra a Coreia do Norte, devido ao programa nuclear e aos repetidos lançamentos de mísseis.

13 Jun 2023

Coreia do Norte | Disparados dois mísseis de curto alcance

A Coreia do Norte disparou ontem dois mísseis balísticos de curto alcance, anunciou o exército sul-coreano, menos de 48 horas após os exercícios militares conjuntos entre Washington e Seul.

Inicialmente, os responsáveis militares da Coreia do Sul tinham apenas referido o lançamento de um míssil.
“Os nossos militares detectaram dois mísseis balísticos de curto alcance disparados esta manhã a partir das zonas de Sukchon na província de Pyongan do Sul entre as 07:00 e as 07:01 (hora local)”, declarou o estado-maior sul-coreano.

Em simultâneo, a influente irmã do dirigente norte-coreano Kim Jong Un ameaçou ripostar aos exercícios militares conjuntos entre Seul e Washington.

“A utilização do Pacífico como campo de tiro depende [das acções] das forças americanas”, declarou Kim Yo Jong, em comunicado publicado pela agência oficial KCNA.

Yo Jong também ameaçou Seul e Washington com acções “equivalentes” após as manobras conjuntas que efectuaram no domingo com o envolvimento de bombardeiros estratégicos B-1, uma acção para responder ao lançamento na sexta-feira de um míssil balístico intercontinental de Pyongyang que no sábado se despenhou em águas da Zona Económica Exclusiva (ZEE) japonesa.

“Estamos ao corrente sobre a recente aceleração na península coreana dos movimentos de forças dos Estados Unidos com capacidade de ataques estratégicos”, acrescentou a dirigente norte-coreana.

Pyongyang ameaçou previamente com uma resposta “sem precedentes” às manobras militares anuais de primavera que Seul e Washington estão a preparar para Março, e que o regime qualificou de “preparativos para uma guerra de agressão”.

Na sexta-feira, a Coreia do Norte lançou o seu Hwasong-15 ICBM a partir da costa leste, no primeiro teste do género desde 01 de Janeiro, que caiu no mar do Japão.

21 Fev 2023

Coreia do Norte agenda reunião política urgente para melhorar sector agrícola

A Coreia do Norte agendou uma importante reunião política para discutir a “tarefa urgente” de melhorar o sector agrícola, um sinal de possível agravamento da insegurança alimentar devido ao isolamento económico do país.

A Agência Central de Notícias da Coreia do Norte avançou hoje que membros do Politburo do Partido dos Trabalhadores, no poder, se reuniram no sábado e concordaram em realizar uma reunião plenária maior do Comité Central do partido, no final deste mês, para rever estratégias sobre agricultura e estabelecer novos objectivos.

Embora existam precedentes, é invulgar a Coreia do Norte realizar dois plenários partidários separados num período de dois meses. Também é raro a Coreia do Norte convocar uma reunião plenária sobre um único tópico, neste caso a agricultura, salientou o porta-voz do Ministério da Unificação da Coreia do Sul, Koo Byoungsam, em conferência de imprensa.

“O governo vai acompanhar de perto a situação alimentar e as tendências internas da Coreia do Norte”, disse Koo, acrescentando que a Coreia do Sul estima que a produção alimentar norte-coreana caiu cerca de 4% em 2022, para 4,5 milhões de toneladas.

Após o colapso das negociações nucleares com os Estados Unidos em 2019, o líder da Coreia do Norte afirmou que iria reforçar o programa de armas nucleares e mísseis, numa resposta às sanções e pressões dos Estados Unidos e exortou a nação a manter-se resistente na luta pela autossuficiência económica.

Contudo, a emergência da pandemia da covid-19 desencadeou um novo golpe na já débil economia da Coreia do Norte, forçando a nação a proteger o sistema de saúde com controlos fronteiriços rigorosos que estrangularam o comércio com a China, o principal aliado económico do país. A Coreia do Norte foi também atingida por tufões e inundações devastadoras em 2020, que dizimaram as colheitas.

Num estudo publicado no mês passado no ‘site’ 38 North, focado na Coreia do Norte, o analista Lucas Rengifo-Keller afirmou que a insegurança alimentar no país está provavelmente no pior ponto desde a fome que matou centenas de milhares de pessoas nos anos 90.

É difícil estabelecer uma avaliação precisa das necessidades humanitárias da Coreia do Norte, tendo em conta a natureza fechada do regime e a ausência de estatísticas. Contudo, as estimativas sobre a quantidade de cereais emitidas por agências das Nações Unidas e governos externos, bem como os possíveis aumentos acentuados dos preços do arroz e do milho observados por organizações não-governamentais, indicam que “o abastecimento alimentar do país provavelmente não conseguiu satisfazer as necessidades humanas mínimas”, escreveu Rengifo-Keller.

A guerra da Rússia à Ucrânia provavelmente agravou a situação ao fazer subir os preços globais dos alimentos, energia e fertilizantes, dos quais a produção agrícola da Coreia do Norte está fortemente dependente. “A Coreia do Norte está à beira da fome”, disse Rengifo-Keller.

6 Fev 2023

Covid-19 | Pyongyang acaba com obrigatoriedade do uso da máscara

A Coreia do Norte decretou ontem o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras em quase todos os locais públicos, dias após o líder Kim Jong Un ter declarado vitória na luta contra a covid-19.

“A exigência de uso de máscara foi suspensa em todos os lugares, excepto nas áreas da linha de frente e cidades e condados fronteiriços”, anunciou a agência de notícias oficial norte-coreana KCNA.

As medidas de distanciamento social também foram suspensas em todas as regiões, excepto nos territórios fronteiriços, acrescentou a KCNA.

O regime, no entanto, recomenda o uso de máscara para pessoas com sintomas e pede aos norte-coreanos que “fiquem alerta a qualquer coisa anormal”, uma possível referência aos balões com propaganda enviados por activistas da Coreia do Sul.

Apesar de uma proibição imposta pelas autoridades de Seul em 2021, activistas sul-coreanos continuam a enviar balões contendo panfletos políticos e notas de dólares, provocando protestos de Pyongyang.

A Coreia do Norte acusou Seul de ter introduzido o coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença covid-19, a partir da fronteira entre os dois países.

Durante o pico da vaga de covid-19 na Coreia do Norte em Maio, foram comunicados até 200.000 casos num único dia. Desde o final de Julho, as autoridades norte-coreanas têm anunciado sucessivamente zero casos, o que levou Pyongyang a facilitar as medidas de isolamento.

14 Ago 2022

Coreia do Norte | Aparência de Kim Jong-un notada na televisão estatal

A televisão da Coreia do Norte transmitiu um comentário fora do comum sobre a aparência “emaciada”, ou magreza relacionada com doença, de Kim Jong-un, uma observação surpreendente num país em que é proibida qualquer menção à privacidade e ao estado de saúde do líder.

A vida privada de Kim é tabu para os media norte-coreanos, mas na semana passada a KCTV transmitiu declarações de um habitante da capital afirmando que todo o país fica com “o coração partido” quando vê a sua aparência “emaciada”. “Ver o nosso respeitável secretário-geral emaciado é o que mais magoa o coração do nosso povo”, disse.

Segundo analistas, a observação reflecte a vontade das autoridades de aproveitarem a perda de peso do líder norte-coreano para fortalecer a lealdade ao regime em dificuldades.

Com uma economia sobrecarregada com as múltiplas sanções internacionais contra os seus programas militares, a Coreia do Norte está cada vez mais isolada após o encerramento das fronteiras para impedir a propagação do novo coronavírus.

Em meados de Junho, Kim reconheceu que o país vivia uma crise alimentar, fazendo soar os alarmes num país cujo sector agrícola enfrenta graves dificuldades. O estado de saúde do líder norte-coreano é seguido atentamente a nível internacional. O seu súbito desaparecimento levantaria problemas quanto à sucessão e estabilidade do regime.

Fumador inveterado, Kim sofre há muito de obesidade e o seu peso tem aumentado nos últimos anos. O seu pai e o seu avô, que governaram a Coreia do Norte antes dele, morreram devido a problemas cardíacos. Recentemente, Kim Jong-un apareceu significativamente mais magro em fotografias divulgadas pela agência oficial norte-coreana KCNA ou em imagens da televisão estatal.

29 Jun 2021

Península da Coreia | Pequim diz a Pyongyang que quer trabalhar para a paz

O Presidente chinês, Xi Jinping, comunicou ontem ao líder norte-coreano, Kim Jong-Un, que a China está disposta a trabalhar com a Coreia do Norte e “outras partes implicadas” para resolver o problema da Península da Coreia.

De acordo com a Agência Nova China, Xi Jinping e Kim Jong-Un “trocaram mensagens verbais” na embaixada de Pyongyang em Pequim dois dias depois das conversações no Alasca entre as delegações dos Estados Unidos e da República Popular da China. “A China está disposta a fazer novas contribuições para a paz, estabilidade e desenvolvimento e prosperidade regionais”, disse Xi Jinping. 

Por outro lado, segundo o jornal Global Times, Kim Jung-Un assegurou que deseja fortalecer “os laços entre a China e a Coreia do Norte, numa postura inquebrável do país e do povo”.

Nos contactos diplomáticos que decorreram no Alasca, reunião que começou de forma fria mas que terminou com a criação de um grupo de trabalho sobre alterações climáticas, os assuntos sobre a Coreia do Norte foram abordados pelas duas partes, informou no sábado a televisão chinesa CCTV.

O Presidente da Coreia do Sul, Mon Jae-in, disse em Janeiro que o Governo de Seul continua disposto a reunir-se com representantes norte-coreanos “onde e quando seja” para reactivar os laços e o processo de desarmamento de Pyongyang, num momento em que o diálogo está praticamente congelado. 

O líder norte-coreano não fechou a porta ao restabelecimento do diálogo com Seul, mas instou a Coreia do Sul a abandonar as manobras militares conjuntas com os Estados Unidos como condição para voltar a retomar os contactos. 

Desde o fracasso da Cimeira de Hanói sobre o programa nuclear, em 2019, entre Kim Jong-Un e o ex-presidente norte-americano Donald Trump, Pyongyang endureceu posições face a Seul.

23 Mar 2021

Irmã de Kim Jong-un chama “idiotas” às autoridades sul-coreanas

A influente irmã do líder norte-coreano Kim Jong-un chamou “idiotas” às autoridades sul-coreanas, depois de estas terem dito que observaram sinais de um possível desfile militar em Pyongyang, no fim de semana. A informação foi adiantada terça-feira pela agência noticiosa oficial norte-coreana, KCNA.

“Os sul-coreanos são realmente um grupo estranho e difícil de compreender”, sublinhou Kim Yo Jong, conselheira do irmão, num comunicado transmitido pela KCNA. Segundo Kim Yo Jong, “eles são idiotas e estão no topo da lista de mau comportamento no mundo”.

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, foi eleito “por unanimidade” secretário-geral do Partido dos Trabalhadores, o único no país, num congresso que terminou no domingo, na capital, Pyongyang, onde, de acordo com a Coreia do Sul, poderá ter sido promovido um desfile militar.

O exército sul-coreano disse ter detectado sinais de que tal desfile tinha tido lugar no domingo à noite, embora frise não poder confirmar se era “o evento em si ou um ensaio”. A declaração foi “insensata” e mostrou uma “atitude hostil” por parte do sul, considerou Kim Yo Jong.

“Organizámos apenas um desfile militar na capital, não exercícios militares dirigidos a ninguém ou lançamento de nada”, declarou, confirmando implicitamente a realização do desfile.

No discurso durante o congresso de partido único, o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, prometeu “reforçar” o arsenal nuclear do país, mas também admitiu erros na gestão da economia, transmitiu a KCNA.

A sua irmã, Kim Yo Jong, não está na lista de pessoas nomeadas para o Comité Central, o que poderia levar a crer que a sua influência sobre o chefe do Governo está a diminuir, mas a publicação de um comunicado, em seu nome, veiculado pela KCNA, indica que continua a ser uma figura central na diplomacia norte-coreana.

A Coreia do Norte, duramente atingida pelas sanções internacionais, e mais isolada do que nunca, devido à pandemia provocada pelo novo coronavírus, encontra-se com imensas dificuldades económicas.

14 Jan 2021

Diplomacia | China critica punições unilaterais americanas à Coreia do Norte

A China exigiu ontem que os Estados Unidos cessem imediatamente a “prática errada” de impor sanções a entidades e pessoas chinesas, que são afectadas por medidas unilaterais contra a Coreia do Norte, anunciadas pela Casa Branca

 

[dropcap style≠’circle’]O[/dropcap]s Estados Unidos impuseram na sexta-feira sanções a 27 empresas marítimas registadas ou com sede em países que mantêm relações comerciais com a Coreia do Norte, como a China, para “aumentar a pressão e isolar ainda mais” o regime norte-coreano.

As sanções económicas, divulgadas pelo Departamento do Tesouro norte-americano, também abrangem 28 navios com pavilhão de países como a Coreia do Norte, China, Singapura, Taiwan, Hong Kong, Ilhas Marshall, Panamá, Tanzânia e as Comoros.

“A China opõe-se firmemente aos Estados Unidos da América, que impõem sanções unilaterais, com ‘jurisdição de longo alcance’ sobre entidades ou indivíduos chineses de acordo com suas leis nacionais. Nós criticamos severamente os EUA por essas medidas, pedindo que parem imediatamente tais irregularidades para não prejudicar a cooperação bilateral”, disse o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores chinês, Geng Shuang, em um comunicado.

A China não aceita que algumas entidades chinesas acabem por ser abrangidas pelas sanções dos EUA, frisando que cumpriu plenamente as resoluções do Conselho de Segurança da ONU sobre a Coreia do Norte.

Dois séculos

A Coreia do Norte garantiu não dialogará de forma directa com a administração de Donald Trump “nem em 100 ou 200 anos”, numa reacção às críticas a Pyongyang feitas pelo gabinete do vice-presidente Mike Pence.

As críticas foram feitas depois de a Coreia do Norte ter cancelado “à última hora” uma reunião entre o vice-presidente americano e uma delegação de altos funcionários norte-coreanos, marcada para a Coreia do Sul, à margem dos Jogos Olímpicos de PyeongChang.

A porta-voz do Departamento de Estado americano explicou que durante a visita de Mike Pence a PyeongChang, para a cerimónia de abertura dos Jogos, “surgiu a possibilidade de uma breve reunião com os líderes da delegação norte-coreana”, que viria a não se realizar por decisão do regime de Pyongyang.

Heather Nauert frisou que “o vice-presidente estava pronto para aproveitar a oportunidade para destacar a necessidade de a Coreia do Norte abandonar os programas ilícitos de mísseis balísticos e nucleares “.

“É imperdoável que Pence se atreva a difamar o inviolável governo da República Popular Democrática da Coreia, chamando-o de ‘regime ditatorial'”, afirmou hoje um porta-voz de Pyongyang numa declaração à agência estatal “KCNA”.

O porta-voz denunciou ainda os “absurdos ataques” de Pence contra a missão norte-coreana enviada à abertura dos Jogos e contra a irmã e enviada especial do líder norte-coreano Kim Jong-un, Kim Yo-jong, que teve uma histórica reunião com o presidente sul-coreano, Moon Jae-in.

Pyongyang garante que “em nenhum momento mendigará o diálogo” com o governo Trump, sublinhando que “não quer contacto com quem ataca de forma agressiva a dignidade do governo e a liderança suprema” do país.

“Nunca teremos conversas directas com eles, nem sequer em 100 ou em 200 anos. Isto não é uma ameaça nem uma afirmação vã”, concluiu o porta-voz.

26 Fev 2018

Pyongyang | Enviado chinês na capital norte-coreana

[dropcap style≠’circle’]U[/dropcap]m enviado especial do Governo chinês chegou este fim-de-semana à Coreia do Norte, num período de crescente isolamento do regime de Kim Jong-un, imposto com a aprovação da China, devido ao seu programa nuclear e de mísseis balísticos.

Song Tao, chefe do Departamento de Colaboração Internacional do Partido Comunista Chinês (PCC), é o primeiro funcionário com nível ministerial a visitar a Coreia do Norte, desde Outubro de 2015.

Os meios oficiais chineses informaram que Song reuniu-se com Kim Jong-un para transmitir os resultados do XIX Congresso do PCC, realizado em Outubro passado, mas a visita coincide com um período em que Pyongyang enfrenta as mais duras sanções de sempre, após ter efetuado vários testes nucleares e com mísseis balísticos.

A China, que é o principal aliado diplomático e maior parceiro comercial do regime norte-coreano, votou a favor das sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU, e adoptou ainda sanções unilaterais.

Durante a recente visita do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a Pequim, o Governo chinês disse à administração norte-americana que as sanções estavam a começar a ter efeito e poderão pressionar Pyongyang a retornar ao diálogo.

“É um passo importante. Vamos a ver o que acontece!”, escreveu sexta-feira Trump na rede social Twitter, sobre a visita de Song e a possibilidade de Pyongyang voltar à mesa de negociações.

Nos anos 1950, China e Coreia do Norte lutaram juntos contra os EUA. O PCC e o Partido dos Trabalhadores, formação política única na Coreia do Norte, têm ligações de longa data.

Posição definida

No entanto, desde que, em 2013, ascendeu ao poder, Xi Jinping nunca se encontrou com Kim Jong-un, tendo-se mesmo tornado no primeiro líder chinês a visitar a Coreia do Sul antes de ir à Coreia do Norte.

Em editorial, o principal jornal norte-coreano, o Rodong Sinmun, descartou a hipótese de o país negociar o seu programa nuclear.

O texto assegura que Pyongyang já aprendeu que “não há outra forma de se opor à repressão imperialista dos Estados Unidos, a não ser através da dissuasão nuclear”.

Nos últimos meses, os sucessivos ensaios nucleares de Pyongyang e a retórica beligerante de Trump elevaram a tensão para níveis inéditos desde o fim da Guerra da Coreia (1950-1953).

20 Nov 2017