Verdade da mentira

É sempre com perplexidade que vejo partilhas de “notícias” do China Daily, Xinhua, Global Times, e outros meios de propaganda do Partido Comunista Chinês, como coisas factuais. Esta profissão é ingrata, complicada, vive num equilíbrio do qual, por vezes, é difícil tirar a perspectiva ética da objectividade.

O jornalismo tem de ser imparcial, mas não pode ser neutro à factualidade, sob pena de se tornar presa fácil de “ângulos”, “posições oficiais” e dogmas. Mas existem mundos de diferença, universos, entre o frágil equilíbrio feito pelos jornais sérios e a propaganda. Não me lixem, isto não tem discussão!

A Reuters não está no mesmo campeonato do China Daily (que noticiou, por exemplo, que a manifestação em Hong Kong em que participaram mais de 2 milhões de pessoas era de apoio a Carrie Lam). No final da semana passada, foi noticiado que os media chineses vão ser alvos de testes de lealdade a Xi Jinping e ao partido. As suas credenciais ficam dependentes dos resultados. Mais uma vez, não me lixem!! Acham que o mesmo acontece na BBC ou na RTP?

Sejamos honestos, se continuam a papaguear propaganda, a última coisa que vos interessa é a verdade. Sou um adepto da fuga à realidade, mas por outros meios e por outras razões. Quando vejo alucinações ideológicas partilhadas como notícias, apetece-me sacar da KCNA, a agência norte-coreana, que, entre mil outras tristes realidades, não recusa a mitologia idiota de que Kim Jong-un nunca defecou na vida… por falar em expelir merda.

23 Set 2019

Jornal chinês associa declínio das receitas com campanha de Pequim

O principal jornal oficial chinês de língua inglesa, o China Daily, publicou ontem um artigo em que volta a associar directamente o declínio das receitas de jogo em Macau à campanha contra a corrupção lançada por Pequim.
“A Las Vegas da Ásia começou a perder algum brilho desde 2014 (…), quando o combate contra a corrupção e extravagância, por parte de Pequim, aliado à economia da China em ‘corda bamba’, assustou os grandes apostadores, afastando-os para outros destinos de jogo regionais”, refere o China Daily, destacando que o Camboja surge como “um rival emergente”.
As receitas do jogo encetaram em Junho de 2014 uma trajectória descendente, com o mês de Agosto a colocar termo a 26 meses consecutivos de quedas anuais homólogas. Essa curva descendente – a mais longa de sempre – tem vindo a ser imputada por analistas a um cocktail de factores em que os efeitos da campanha anti-corrupção lançada por Pequim surgem à cabeça. No entanto, tal associação por parte da imprensa oficial chinesa tem sido muito pontual.
Mesmo com uma forte queda de 34,3% em 2015, as receitas de jogo de Macau ainda são três vezes superiores às de Las Vegas, seis vezes superiores às de Singapura e dez vezes superiores às da Coreia do Sul e às Filipinas, segundo salienta o China Daily, citando o Chefe do Executivo, Chui Sai On.
Na semana passada, a Fitch prognosticou uma diminuição de 5% das receitas dos casinos para o cômputo de 2016.

21 Set 2016